SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue5Isokinetic evaluation of knee muscles in soccer players: discriminant analysisEffect of acute caffeine supplementation in biochemical response during endurance exercise in rats author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692On-line version ISSN 1806-9940

Rev Bras Med Esporte vol.21 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2015

https://doi.org/10.1590/1517-869220152105112756 

ARTIGO ORIGINAL

Mobilidade funcional em função da força muscular em mulheres idosas fisicamente ativas

Functional mobility related to muscle strength in elderly women physically active

Movilidad funcional por la fuerza muscular en las mujeres mayores fisicamente activas

João Puerro Neto1 

Carlos Alexandre Felício Brito1 

1Universidade de Santo Amaro, São Paulo, SP, Brasil.


RESUMO

Introdução:

São muitas as alterações que influenciam a mobilidade funcional em idosos, como alterações pos-turais, diminuição da força muscular e amplitude de movimento.

Objetivo:

Determinar o parâmetro mais adequado para a estimativa da mobilidade funcional, assim como o efeito da força muscular sobre a mobilidade funcional de pessoas idosas.

Métodos:

A amostra foi constituída por 41 mulheres saudáveis na faixa etária de 60 a 78 anos de idade, que foram submetidas ao teste Time up and go (TUG), que testa as habilidades de mobilidade básicas das pessoas idosas frágeis (tempo para levantar e se mover), escala de equilíbrio de Berg (EEB), teste de alcance funcional (FRT) e teste de uma repetição máxima (1RM).

Resultados:

A análise de componente principal (PCA) revelou que somente a escala de Berg apresentou eigenvalue (autovalor) maior que um, explicando 59% da variância. Por outro lado, a força muscular foi preditora de mobilidade funcional somente quando o TUG foi analisado, sugerindo que 20% da mobilidade funcional pode ser explicada pela força muscular (R=-0,42[R2=0,20, β=-0,29 ± 0,12, p=0,023]).

Conclusão:

Conclui-se que a EEB pareceu representar o procedimento mais adequado para a estimativa da mobilidade funcional. A força muscular foi preditora de mobilidade funcional somente quando o TUG foi analisado.

Palavras-chave: envelhecimento; equilíbrio postural; contração muscular

ABSTRACT

Introduction:

The changes that influence functional mobility in the elderly are many, such as posture alterations, diminution of muscular force and amplitude of movement.

Objective:

To determine the most appropriate parameter for functional mobility estimation, as well as the effect of muscular strength on functional mobility of elderly people.

Methods:

The sample was constituted by 41 healthy female individuals from 60 to 78 years old who were submitted to the Time up and go (TUG) test that assess the abilities of basic mobility in fragile elderly people (time to get up and move), Berg's balance scale (BBS), functional reach test (FRT) and one maximum repetition test (1MR).

Results:

The principal component analysis (PCA) revealed that only Berg's scale presented eigenvalue (self-value) higher than 1, explaining 59% of the variance. On the other hand, the muscular strength was predictor of functional mobility only when the TUG has been analyzed, suggesting that 20% of functional mobility can be explained by muscular strength (R=-0.42 [R2=0.20, β=-0.29± 0.12, P=0.023]).

Conclusion:

The BBS seemed to represent the most appropriate procedure for func-tional mobility estimation. Muscular strength was predictor of functional mobility only when TUG has been analyzed.

Keywords: aging; postural balance; muscle contraction

RESUMEN

Introducción:

Son muchos los cambios que influyen en la movilidad funcional de las personas mayores, como cambios posturales, disminución de la fuerza muscular y amplitud del movimiento.

Objetivo:

Determinar el parámetro que se adecua más a la estimación de la movilidad funcional, así como el efecto de la fuerza muscular en la movilidad funcional de personas mayores.

Métodos:

La muestra estuvo constituida por 41 mujeres sanas, edad entre 60 a 78 años que se sometieron a la prueba Time up and go (TUG), que prueba las habilidades de movilidad básica de las personas mayores frágiles (tempo para levantarse y moverse), escala de equilibrio de Berg (EEB), prueba de alcance funcional (FRT) y prueba de una repetición máxima (1RM).

Resultados:

El análisis de los componentes principales (PCA) revelo que sólo la escala de Berg presentó eigenvalue (valor propio) de más de 1, explicando 59% de la varianza. Por otro lado, la fuerza muscular fue predictiva de la movilidad funcional sólo cuando el TUG fue analizado, sugiriendo que se puede explicar 20% de la movilidad funcional por la fuerza muscular (R=-0,42 [R2=0,20, β= -0 29 ± 0,12, p=0,023]).

Conclusión:

Se concluye que lo que parece es que la EEB se presenta como el procedimiento más adecuado para la estimación de la movilidad funcional. La fuerza muscular fue predictiva de la movilidad funcional sólo cuando se analizó el TUG.

Palabras clave: envejecimiento; equilibrio postural; contracción muscular

INTRODUÇÃO

Entre os fatores que mais se alteram durante o processo de en-velhecimento podemos citar as alterações do equilíbrio, amplamente estudadas por autores¹'2.

Para o idoso manter o equilíbrio, há a necessidade da atenção, memória, audição, propriocepção, visão e controle postural3. Entretanto, estas habilidades tendem a se reduzir com o envelhecimento. Portanto, realizar atividades diárias como sentar-se, levantar-se e caminhar em pisos irregulares, tornam-se situações arriscadas4.

O equilíbrio é um processo complexo, dependente da combinação da sensação vestibular e periférica da visão, dos comandos centrais e das respostas neuromusculares e, especificamente, da força muscular e proprioceptores que mandam a informação ao encéfalo localizando as diferentes partes do corpo em relação ao meio ambiente5 6.

Um déficit de equilíbrio em sujeitos idosos ocorre provavelmente em função da perda de força dos membros inferiores e de uma redução do processo sensório motor7 8.

Este trabalho teve como objetivos verificar a influência da força máxima no equilíbrio de mulheres idosas de acordo com sua mobi-lidade funcional, observar o nível de força máxima dos idosos e sua influência no equilíbrio corporal, verificar se os testes propostos mos-tram alterações da mobilidade funcional e se correlacionam com a força muscular e determinar o parâmetro mais adequado para a estimativa da mobilidade funcional

MÉTODOS

Foram selecionadas mulheres com idade entre 60 a 90 anos. Assim, foram excluídos desta amostragem os voluntários que: a) se recusaram a participar do estudo; b) apresentaram algum problema físico que pudesse impedir, temporária ou definitivamente, o seu envolvimento na realização dos procedimentos avaliativos. Participaram das avalia-ções 41 indivíduos, sendo cinco suprimidos por critérios de exclusão, restando, portanto para amostra final 36 indivíduos.

No Timed Up and Go (TUG) que testa as habilidades de mobilidade básicas das pessoas idosas frágeis (tempo para levantar e se mover), os voluntários foram solicitados a levantar-se de uma cadeira, deambular uma distância de 3 m, virar, retornar e sentar na cadeira novamente, sendo o seu desempenho analisado através da contagem do tem-po necessário para realizá-las. Os materiais necessários foram cadeira (sem marca), fita adesiva (branca, marca 3M) e cronômetro (marca Western, modelo CR53 digital, China).

A escala de equilíbrio de Berg (EEB) avalia o equilíbrio dos indi-víduos em 14 situações envolvendo várias atividades. A pontuação máxima da EEB é de 56 pontos e cada tarefa possui uma escala de cinco alternativas variando de zero a 4 pontos, de acordo com o grau de dificuldade. Os materiais necessários foram ficha de avaliação, pran-cheta (sem marca), uma cadeira com apoio de braços (sem marca) e um bloco de EVA de 23cm x 12 cm x 8 cm (sem marca).

No teste do alcance funcional (FRT) e solicitada a posição próxima a uma parede, onde é colocada uma régua ou fita métrica. Em pé com o ombro direito em flexão anterior de 90° e dedos da mão estendidos, deve-se alcançar algum objeto à frente, sem dar passos ou efetuar qualquer estrategia compensatória. O resultado e representado pela diferença entre a medida na posição inicial e a final registrada na ré-gua. Deslocamentos menores que 15 cm indicam risco de quedas. Os materiais utilizados foram uma fita métrica (Coats Corrente - BA 1010, Brasil) e uma prancheta (sem marca).

O teste de uma repetição máxima (1-RM) inicia-se com a colocação gradativa da sobrecarga ate os voluntários conseguirem realizar uma repetição com o máximo peso possível. Este teste foi aplicado no legpress a 45° que se trata de um aparelho para força muscular dos mem-bros inferiores. Os materiais foram um leg press a 45° (marca Profitness, Brasil) e anilhas de pesos variados (marca Polimet, Brasil).

A amostra foi divida em dois grupos aleatórios e encaminhados ao ginásio de ginástica, aonde estava montado o circuito de avaliações na seguinte ordem: Teste de Alcance Funcional (FRT), Timed Up and Go (TUG), escala de equilíbrio de Berg (EEB) e por último, com o objetivo de dimi-nuir a chance de desgaste físico, o teste de uma repetição máxima (1-RM).

A análise de componente principal foi calculada incluindo a escala de equilíbrio de Berg (EEB), teste de alcance funcional (FRT) e o Timed Up and Go (TUG). O coeficiente de correlação linear de Pearson foi em-pregado para se analisar as associações univariadas da força muscular com os distintos testes de mobilidade funcional (i.e., EEB, FRT e TUG). O software Predictive Analytics Software (PASW [versão 17.0], EUA) foi empregado para os cálculos.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade de Santo Amaro, São Paulo, Brasil (protocolo número 148/2011).

RESULTADOS

Tanto os resultados referentes aos parâmetros de composição cor-poral e mobilidade funcional como os de força muscular apresentaram resultados de acordo com os parâmetros de normalidade para esses voluntários (tabela 1).

Tabela 1 Características gerais da amostra. 

O teste de alcance funcional a escala de equilíbrio de Berg e o Timed Up and Go foram submetidos à̀ análise de componente principal (PCA). O valor de Kaiser-Meyer-Olkin foi 0,64 com o teste de esfericidade de Bartlett, alcançando significância estatística (P=0,001).

O PCA revelou que somente a EEB apresentou eigenvalue (autovalor)maior que um, explicando 59,3% da variância. Portanto, pode-se observar que, de forma linear, a EEB foi a que melhor teve resultados em relação à̀ amostra estudada (tabela 2).

Tabela 2 Análise de componente principal da mobilidade funcional. 

EEB = Escala de Equilíbrio de Berg; FRT = teste do alcance funcional; TUG = Timed Up and Go.

Por outro lado, a força muscular foi preditora de mobilidade funcional somente quando o TUG foi analisado, sugerindo que 20% da mobilidade funcional pode ser explicada pela força muscular (R=-0,42[R2=0,20, β=-0,29 ± 0,12, P=0,023]) independente da idade (β=0,13 ± 0,76, P=0,865]) e do peso corporal (β=0,36 ± 0,31, P=0,253]).

A força tanto absoluta, como relativa, foi preditora da mobilidade funcional somente quando o TUG foi analisado. Ambas foram capazes de, isoladamente, explicar aproximadamente de 14% (força relativa) a 17% (força absoluta) da mobilidade funcional, independente da idade (tabela 3 e figura 1).

Tabela 3 Nível de associação entre força muscular e mobilidade funcional. 

FRT = teste do alcance funcional; EEB = Escala de Equilíbrio de Berg; TUG = Timed Up and Go.

Figura 1 Diagrama de dispersão da mobilidade funcional em função da força mus-cular absoluta (A) e relativa (B). 

DISCUSSÃO

Todos os quatro instrumentos possuem confiabilidade interexa-minador adequada9 11. A EEB12 e o TUG13 também têm demonstrado confiabilidade intraexaminador apropriada.

Segundo nos parece, a EEB fica melhor indicada a idosos com al-guma patologia, principalmente aquelas relacionadas ao equilíbrio. Isto já nos parecia pertinente ao analisarmos nossos resultados prelimina-res14. Corroborando com os achados, o estudo de Figueiredo15 ressalta a vantagem da escala de Berg com relação à̀s demais, visto que ela avalia muitos aspectos diferentes do equilíbrio e necessita de pouco equipamento para ser administrada. Quanto maior a idade, menor a pontuação na escala, mostrando como as alterações nos sistemas musculoesquelético e neurológico interferem na mobilidade funcional, e quanto mais doenças este indivíduo apresenta, menor será o seu equilíbrio funcional, consequentemente menor seu valor na EEB16. A média obtida na EEB foi de 51,3 pontos. Este valor corrobora com outro estudo17 que avaliou 27 pessoas do sexo feminino, com idade entre 60 e 84 anos (média de 65 anos) e encontraram uma média de 52 pontos.

O valor médio encontrado em nossos voluntários, no que diz res-peito ao TUG, foi de 10 segundos, representando um bom valor quando usado como preditivo de quedas. Idosos que realizaram os testes em menor tempo foram aqueles que no histórico não tinham sofrido nunca uma queda18. Pinho19 também encontrou esta relação, só que inversa: aqueles com histórico de quedas levaram mais tempo no TUG.

Por outro lado, ao analisar o TUG, a força muscular explica apenas 20% da mobilidade funcional.

A perda de massa e força muscular são características do enve-lhecimento, que podem levar o indivíduo à̀ dependência funcional20. Um estudo também com mulheres idosas apontou que o equilíbrio se mostrou significantemente maior após um programa de treinamento de força muscular e flexibilidade articular21.

Portanto, quando há diminuição da força muscular, fica mais fre-quente as chances de queda desta população, como confirma um estudo recente22 que encontrou pior equilíbrio em idosas com histórico de quedas nos últimos 12 meses.

Muito se especula sobre esta relação, força e equilíbrio, mas não existe grande preocupação dos pesquisadores em verificar os outros 80% para se obter novas respostas.

CONCLUSÃO

A escala de equilíbrio de Berg (EEB) aparentemente representa o procedimento mais adequado para a estimativa da mobilidade funcio-nal. No entanto, a força muscular foi preditora de mobilidade funcional somente quando o TUG foi analisado. Os dados deste estudo permitem sugerir que a força muscular parece representar um importante preditor da mobilidade funcional, mas existe importante dicotomia com relação ao método mais adequado para a estimativa da mobilidade funcional e o respectivo efeito da força muscular.

REFERÊNCIAS

1. Guimarães AV, Antes DL, Costa MR. Ocorrência de quedas em idosos com doença de Parkinson. Braz J Motor Behavior. 2010;5(Suppl):58. [ Links ]

2. Oliveira AR, Gallagher JD, Oyen AS, Arruda GA, Greguol M. A influencia da atenção seletiva no desenvolvi-mento do controle do equilíbrio: uma analise por acelerometria. Braz J Motor Behavior. 2010;5(Suppl):60. [ Links ]

3. Carríere B. Bola Suíça, Teoria, Exercícios Básicos e Aplicação Clínica. São Paulo: Manole, 1999. [ Links ]

4. Whippie MA. Exame e treinamento do equilíbrio. In: Kauffman, TL. Manual de reabilitação geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Cap. 63, 2001;29-36. [ Links ]

5. Silverthorn AC. Fisiologia Humana. 2ª ed. São Paulo: Manole, 2003. [ Links ]

6. Maciel A. Avaliação multidisciplinar do paciente geriátrico. Rio de Janeiro: Revinter. 2002. [ Links ]

7. Aveiro MC, Navega MT, Granito RN Rennó, ACM; Oishi, J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Rev Bras de Ciência e Movimento. 2004;12(3):33-8. [ Links ]

8. Faria JC, Machala CC. Importancia do treinamento de forca na reabilitac¸o da func¸o muscular, equilibrio e mobilidade de idosos. Acta Fisiatrica. 2003;10(3):133-7. [ Links ]

9. Duncan PW, Weiner DK, Chandler J, Studenski S. Functional reach: a new clinical measure of balance. J Gerontol, 1990;45:M192-7. [ Links ]

10. Miyamoto ST, Lombardi JI, Berg KO. Natour J, Ramos LR. Brazilian Version of Berg Balance scale. Braz J Med Biol Res. 2004;37:1411-21. [ Links ]

11. Pereira MIR, Gomes PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima. Revisão e novas evidências. Rev Bras Med Esporte. 2003;9(5):325-35. [ Links ]

12. Berg KO, Wood-Dauphinee SL, Williams JI, Gayton, D. Measuring balance in the elderly: preliminary development of an instrument. Physiotherapy. 1989;41:304-11. [ Links ]

13. Podsiadlo DE, Richardson S. The timed "Up & Go": a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am Geriatrics Soc. 1991;39:142-8. [ Links ]

14. Puerro Neto J, Brito CAF, Raso V. Mobilidade funcional e força muscular em mulheres idosas praticantes de atividades físicas. XI Congresso Sudamericano de Medicina del Deporte, Porto Alegre, 2012;38. [ Links ]

15. Figueiredo K, Lima K, Guerra R. Instrumentos de Avaliação do Equilíbrio. Rev Bras Cineantropometria Desempenho Hum. 2007;9(4):408-13. [ Links ]

16. Gazzola JM, Perracini MR, Ganança MM, Ganança FF. Functional balance associated factors in the elderly with chronic vestibular disorder. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006;72:683-90. [ Links ]

17. Bonfim AFF, Botelho há, Menezes RL, Lemos TV. Estudo comparativo de instrumentos de avaliação do equilíbrio corporal de idosos. Revista Digital - Buenos Aires. Año 13:125. Dsiponivel em http://www. efdeportes.com/efd125/instrumentos-de-avaliacao-do-equilibrio-corporal-de-idosos.htmLinks ]

18. Gonçalves DFF, Ricci, NA, Coimbra, AMV. Equilíbrio funcional de idosos da comunidade: comparação em relação ao histórico de quedas. Rev Bras Fisioter. 2009;13(4):316-23. [ Links ]

19. Pinho L. Impacto das medidas da função muscular dos membros inferiores, equilíbrio, medo de cair e mobilidade sobre o desempenho de idosos com história de quedas. Belo Horizonte: Dissertação Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Programa de Pós Graduação em Ciências da Reabilitação da Universidade Federal de Minas Gerais; 2004. [ Links ]

20. Pedro EM, Bernardes-Amorim D. Analise comparativa da massa e força muscular e do equilíbrio entre indivíduos idosos praticantes e não praticantes de musculação. Conexões. 2008;6:174-83. [ Links ]

21. Albino ILR, Freitas CLR, Teixeira AR, Santos Vieira AMP, Bós AJG. Influência do treinamento de força muscular e de flexibilidade articular sobre o equilíbrio corporal em idosas. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(1):17-25. [ Links ]

22. Meneses SRF, Burke TN, Marques AP. Equilíbrio, controle postural e força muscular em idosas osteo-poróticas com e sem quedas. Fisioter Pesqui. 2012;19(1):26-31. [ Links ]

Erratum

In the article entitled “Functional mobility related to muscle strength in elderly women physically active” authored by João Puerro Neto, Carlos Alexandre Felício Brito, published in Revista Brasileira de Medicina do Esporte (RBME) vol.21 nº 5, 2015, page 369, DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220152105112756, by request of the authors.

Where it reads: João Puerro Neto (Fisioterapeuta), Wagner Raso (Educador Físico), Carlos Alexandre Felício Brito (Educador Físico).

Read: João Puerro Neto (Fisioterapeuta), Carlos Alexandre Felício Brito (Educador Físico).

Recebido: 04 de Março de 2014; Aceito: 23 de Julho de 2015

Correspondência: Rua Inhambu 1208, ap. 31, 04520-014 Moema, São Paulo, SP, Brasil. joaopuerro@me.com

Todos os autores declararam não haver qualquer potencial conflito de interesses referente a este artigo.

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License