SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número1Consumo e utilização de alimento por Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Pyralidae), Heliothis virescens (Fabr.) e Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae) em duas temperaturasAspectos biológicos das cigarrinhas Acrogonia gracilis (Osborn), Dilobopterus costalimai Young e Oncometopia facialis (Signoret) (Hemiptera: Cicadellidae) em Citrus sinensis L. Osbeck índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Neotropical Entomology

versão impressa ISSN 1519-566X

Neotrop. Entomol. v.30 n.1 Londrina mar. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2001000100004 

ECOLOGIA, COMPORTAMENTO E BIONOMIA

 

Artrópodes associados a massas fecais bovinas no Sul do Estado de Goiás

 

Arthropods associated with bovine dung pats in Southern Goiás State, Brazil

 

 

Carlos H. MarchioriI; Ândersen T. de OliveiraI; Arício X. LinharesII

IDepartamento de Biologia, Caixa postal 23-T, ULBRA, 75503-100, Itumbiara, GO
IIDepartamento de Parasitologia, Caixa postal 6109, UNICAMP, 13081-970, Campinas, SP

 

 


RESUMO

Realizou-se um estudo sobre a fauna de artrópodes associada às fezes bovinas em Goiás, de janeiro a dezembro de 1998. O objetivo foi verificar a freqüência dos Coleoptera, Diptera, Hymenoptera e Macrochelidae (Acarina) considerados importantes no processo de degradação das fezes bovinas nas pastagens e no controle de Diptera. Vinte placas fecais bovinas foram coletadas aleatoriamente, a cada mês, com oito dias de idade, colocadas em recipientes plásticos e levadas ao laboratório. Os artrópodes foram obtidos pelo método de flutuação em água. Foram coletados 52 espécies de artrópodes em 10 famílias, incluindo, 24 Coleoptera (três famílias), 12 Diptera (três famílias), 10 Hymenoptera (três famílias) e seis Macrochelidae (Acarina).

Palavras chave: Macrocheliae, Coleoptera, Diptera, Hymenoptera, fezes bovinas.


ABSTRACT

A study of the arthropod fauna from bovine dung pats in the State of Goiás, Brazil, was carried out from January to December, 1998. Twenty samples of bovine dung were taken at random, each month, from eight day old pats, placed in plastic containers and taken to the laboratory. The arthropods were extracted by flotation in water in order to determine the frequency of Coleoptera, Diptera, Hymenoptera and Macrochelidae (Acarina) considered important in the degradation of cattle dung, and in the control of dung flies. Fifty two arthropod species belonging to 10 families were collected: 20 of Coleoptera (three families), 12 of Diptera (three families), 10 of Hymenoptera (three families) and six of Macrochelidae (Acarina).

Key words: Macrochelidae, Coleoptera, Diptera, Hymenoptera.


 

 

No regime de confinamento e semiconfinamento de animais, o esterco acumulado constitui excelente meio para a criação e desenvolvimento de várias espécies de moscas nos ambientes rurais (Armitage 1985).

Apesar de os excrementos serem retirados periodicamente dos criadouros, sua permanência em esterqueiras favorece o desenvolvimento de uma entomofauna bastante diversificada. As principais espécies de pragas nesses ambientes criados pelo homem são: Musca domestica (L.), Stomoxys calcitrans L. e Haematobia irritans L., presentes em fezes de gado em pastos. Além desses dípteros, também podemos encontrar outros grupos de artrópodes, como parasitóides, predadores e espécies coprófagas associadas ao esterco bovino (Merrit & Anderson 1977).

Entre os meios de controle das moscas, os mais utilizados são os inseticidas químicos que podem perder sua eficiência à medida que as populações tornam-se resistentes aos mesmos (Silveira et al. 1989). Além disso, o tratamento com essas substâncias tem ocasionado impacto sobre os inimigos naturais desses insetos (Cook & Gerhardt 1977), uma vez que os larvicidas não atingem somente a fauna-alvo, mas também acabam prejudicando a fauna de parasitóides e predadores de moscas, que são responsáveis pela redução natural das populações de insetos nocivos. O aparecimento de resistência aos inseticidas justifica a necessidade crescente de implantação de programas alternativos de controle, objetivando o controle de moscas.

O controle cultural é mais uma questão de conscientização procurando-se mostrar aos produtores a necessidade de retiradas periódicas das fezes acumuladas em esterqueiras (Axtell & Arends 1990). Estudos indicam que os mais importantes controladores nos criadouros bovinos são os predadores, competidores e parasitóides (Geden et al. 1988, Smith & Rutz 1991). A viabilidade do uso de controladores e as vantagens de seu emprego na agricultura e criação de animais são indiscutíveis, em razão de seu baixo custo, facilidade de manuseio, seletividade e a não contaminação ambiental (Silveira et al. 1989). Realizou-se o presente estudo para determinar as principais espécies de insetos que se desenvolvem em fezes bovinas em Goiás.

 

Material e Métodos

Local de Coleta. O experimento foi realizado na Fazenda da Faculdade de Agronomia, às margens do rio Paranaíba, a 5 km de Itumbiara, GO. A fazenda possui uma área aproximada de 12 alqueires, com um plantel de 45 cabeças de gado bovino leiteiro. As fezes coletadas pertenciam a bovinos resultantes do cruzamento de gado holandês com nelore. As fezes foram expostas em pastagens constituídas de Brachiaria brizantha (Hochst ex. A. Rich).

Determinação da Artropodofauna Associada às Fezes Bovinas. Fezes frescas foram marcadas imediatamente após sua emissão nas pastagens com auxílio de estacas de madeira branca (30 cm de altura e 5 cm de espessura), para a determinação precisa de suas idades, e permaneceram no campo por oito dias. Posteriormente, foram coletadas e levadas para o laboratório do Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara, GO, para a extração das pupas pelo método da flutuação. Juntamente com as fezes, eram retirados 5 cm do substrato abaixo e imediatamente a elas adjacentes. As pupas foram retiradas com o auxílio de uma peneira, contadas e individualizadas em cápsulas de gelatina (número 00) até a emergência das moscas e/ou dos parasitóides. Os parasitóides e as moscas emergidos foram identificados com auxílio de um microscópio esteroscópio e, posteriormente, conservados em álcool 70%. Foram analisadas 240 placas de fezes para a obtenção de larva e pupas.

Para a obtenção de coleópteros e acáros, cinco depósitos de fezes de oito dias foram coletados nas pastagens, levados ao laboratório e, depois, colocados em funil de Berlese, contendo frascos com álcool 70%, por aproximadamente cinco dias. Os adultos obtidos por esse processo foram contados e identificados. Foi levado um total de 60 placas fecais ao funil de Berlese. Esses experimentos realizaram-se quinzenalmente, de janeiro a dezembro de 1998.

Para controle de ectoparasitas foram utilizados também piretróides (pulverização) (TriatoxR- princípio ativo: amitraz - emulsificantes - surfactantes - Coopers ) de 30 em 30 dias e para helmintos, Ivermectina de seis em seis meses.

Identificação e Análise Estatística. Os Sarcophagidae, Sepsidae, Muscidae (Diptera) e Staphylinidae (Coleoptera) foram identificados por Dr. Júlio Mendes, da Universidade Federal de Uberlândia. Os Sarcophagidae também foram determinados por Dra. Rita Tibana, do Museu Nacional do Rio de Janeiro. Os Pteromalidae (Hymenoptera) por Dra. Angélica Maria Penteado-Dias, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade Federal de São Carlos-SP e os Eucoilidae (Hymenoptera) por Dra. Norma Beatriz Díaz, do Museo de La Plata-Republica Argentina. Os Scarabaeidae foram identificados por Fernando Z. Vaz-de-Melo, da Universidade Federal de Viçosa, MG. Os Histeridae foram identificados por Sérgio L. Gianizela, da Universidade Estadual de Campinas, SP. Os Staphylinidae por Dr. Júlio Mendes, da Universidade Federal de Uberlândia. Os ácaros foram identificados por Marcelo Rocha Mattos, da Universidade Estadual de Campinas, SP.

O cálculo da porcentagem de parasitismo se fez pela fórmula:

P=(número de parasitóides emergidos/número de pupários coletados) x100.

Possíveis associações entre os parasitóides e os hospedeiros foram testadas por meio do c2. O material testemunho coletado nos dois locais foi depositado no Museu de História Natural da Universidade Estadual de Campinas (ZUEC).

 

Resultados e Discussão

Para Sanders & Dobson (1966) e Giller & Doube (1994), as fezes bovinas suportam grande população de insetos, que inclui muitos Diptera e Coleoptera, alguns Hymenoptera e muitos outros artrópodes de menor importância. No sítio de estudo, extraiu-se o total de 17.919 insetos, de 240 placas fecais, posteriormente identificados. Foram coletadas 24 espécies em três famílias de Coleoptera, 12 espécies em três famílias de Diptera, e nove espécies em três famílias de Hymenoptera, com um total de 17.434 espécimes distribuídos em 53 espécies, nove famílias e três ordens (Tabela 1). Na ordem Acarina foram coletados 485 indivíduos representados em seis espécies e uma família (Tabela 1).

Observou-se, neste estudo, menor diversidade de famílias e espécies de insetos do que nos estudos de Valiela (1969), Macqueen & Beirne (1974) e Cervenka e Moon (1991). Provavelmente, isso se deve à amostragem mais extensiva realizada por esses autores.

Entre os Diptera, Muscidae foi a família mais abundante, constituindo 61,4% dos insetos amostrados, com maior freqüência de Cyrtoneurina pararescita Couri, 66,8%. Esse resultado foi diferente do obtido por Marchiori & Linhares (1994), que observaram que os Sepsidae foram os mais abundantes em fezes de sete dias de idade. Flechtmann et al. (1995a) coletou espécies de Oxysarcodexia thornax Walker, Sarcophagula occidua Fabricius, Brontaea debilis Williston, Cyrtoneurina sp. e Palaeosepsis pusio Schiner, em seu trabalho de levantamento de insetos fimícolas em Mato Grosso do Sul. Ferrar (1987) supõe que as larvas de Brontaea são predadoras de outras larvas que se desenvolvem em fezes bovinas. Sarcophagula occidua Fabricius foi o Sarcophagidae mais freqüente, com 99,6% dos espécimes dessa família.

Chama atenção a baixa freqüência de Ravinia belforti Prado e Fonseca. Isso pode ser decorrente do fato de esta mosca preferir fezes mais velhas. Na região Neártica, as espécies do gênero Ravinia são as que apresentam maior diversidade e freqüência em fezes bovinas (Cervenka & Moon 1991). Palaeosepsis insulares Williston foi o sepsídeo mais freqüente, constituindo 62,0% do total. Marchiori & Linhares (1998) verificaram que, essa espécie foi a mais freqüente em fezes expostas por sete dias nas pastagens, com 40,0% e 49,0% em Uberlândia-MG e Itumbiara-GO, respectivamente.

Espécies como B. debilis, Musca domestica L., Oxysarcodexia diana (Lopes), O. thornax, R. belforti e S. occidua foram encontradas por outros autores em vários tipos de iscas como fígado de bovino, vísceras de galinha, peixes e outras, mostrando que essas espécies são generalistas (Mendes & Linhares 1993, D'Almeida & Mello 1996).

Os Coleoptera foram os insetos mais abundantes coletados nas fezes bovinas, constituindo 63,0% dos espécimes coletados (Tabela 1), a família Scarabaeidae foi a que apresentou maior variedade de espécies. Os Scarabaeidae são muitos abundantes no continente africano e considerados importantes para o controle biológico das moscas que se reproduzem no esterco bovino (Martins & Contel 1997). Ataenius aequalis foi a espécie mais freqüente, com 81,9%. Acredita-se que essa espécie seja a mais bem adaptada em áreas de pastagens com bovinos em Itumbiara. Digithonthophagus gazella Fabricius foi a espécie mais abundante em fezes frescas, apesar de nenhum experimento específico ter sido realizado para avaliar esse fato. Besouros coprófagos de maior biomassa possuem maior potencial visando sua utilização no controle biológico da mosca-dos-chifres (Flechtmann et al. 1995b).

A maioria dos Staphylinidae coletados pertencem ao gênero coprófago Oxytelus com 78,0% dos espécimes dessa família (Tabela 1). As espécies Heterothops spp. e Philonthus spp. são consideradas predadoras de ovos e larvas. Fay et al. (1990) têm demonstrado que algumas espécies de Philonthus são capazes de predar ovos e larvas de Haematobia em fezes bovinas na África.

Aleochara notula Erichson na fase larval comporta-se como ectoparasitóide solitário de pupas de Diptera Cyclorrapha e, na fase adulta, como predador de ovos e larvas (Wright & Müller 1989). Neste estudo coletaram-se três espécimes de A. notula (0,2% de parasitismo) em pupas de S. occidua (Tabela 1). Segundo Fay et al. 1990, Philonthus e Aleochara apresentam preferência por fezes bovinas mais velhas. Este fato pode explicar a baixa freqüência dos dois gêneros neste trabalho.

Staphylinidae são considerados os mais importantes predadores em fezes bovinas devido à diversidade de espécies e ao alto nível populacional. Eles são considerados os mais eficientes predadores da H. irritans (Hu & Frank 1995). Guimarães e Mendes (1998) acreditam que os Staphylinidae são os mais importantes controladores naturais de Diptera, que se desenvolvem em fezes bovinas no Brasil. Em trabalho realizado em Uberlândia-MG, sobre sucessão e abundância de Staphylinidae em fezes bovinas, os gêneros/espécies mais abundantes foram: Oxytelus spp. (60,0%), Philonthus flavolimbatus Erich (22,2%), Heterothops sp. (16,6%), Aleochara sp. (7,6%) e Cryptobium sp. (4,4%) (Guimarães & Mendes 1998).

Espécies do gênero Hister e Phelister são citadas como predadoras de ovos e larvas de dípteros, inclusive de Haematobia, em fezes bovinas na Austrália e América do Norte (Summerlin et al.1984, Summerlin et al. 1991). Entretanto, nesse trabalho os Histeridae representaram apenas 12,7% dos coleópteros coletados e só foi encontrada uma espécie, Hister dubius Mars, com freqüência de 0,5% (Tabela 1).

Glyptholaspis confusa Foa foi o macroquelídeo mais importante nas fezes bovinas em Itumbiara (Tabela 2). Sua freqüência foi de 66%. Essa espécie é encontrada no Novo Mundo em fezes, resíduos de trigo e associada a moscas sinantrópicas (Hyatt & Emberson 1988). Essa espécie deve ser incluída entre as que poderiam ser utilizadas no possível controle de espécies-praga em fezes bovinas. Macrocheles muscaedomesticae (Scopoli) foi a terceira espécie em importância. É o Macrochelidae mais importante das fezes de aves poedeiras (Hyatt & Emberson 1988). Macrocheles glaber (Müller) encontra-se frequentemente associada a besouros coprófagos e a uma variedade de fezes animais.

 

 

Foram coletados 104 indivíduos (Tabela 1) de Eucoilidae. A prevalência de parasitismo constatada em Itumbiara foi de 1,8%. As espécies de parasitóides mais abundantes foram: Triplasta sp. (Figitidae) com 68,6% e Paraganaspis egeria (Dìaz & Gallardo) (Figitidae) com 30,40%. Triplasta sp. apresentou preferência por pupas de Palaeosespsis sp. e P. egeria por pupas de S. occidua (c2= 5,49: GL=1: P<0,0001), ao nível de 5% de probabilidade.

Spalangia foi o gênero de Pteromalidae que apresentou maior variedade de espécies no esterco bovino. As espécies de Spalangia estão predominantemente associadas a fezes bovinas e comportam-se como parasitóides de pupas de moscas (Rueda & Axtell 1985).

Spalangia drosophilae Ashmead foi o parasitóide mais abundante nesse levantamento e apresentou a maior prevalência de parasitoidismo (44,6%) em pupas de Palaeosepsis spp. (Tabelas 1 e 2). S. drosophilae é citada na literatura como parasitóide de pupas de dípteros (Boucek 1963). Spalangia nigra Curtis foi o parasitóide menos abundante neste estudo e encontrado em pupas de S. occidua. Spalangia cameroni Perkins, Spalangia endius Walker, Spalangia nigroaenea Curtis e Spalangia sp. foram mais abundantes em pupas de B. quadristigma (Tabela 2). As espécies que parasitaram maior diversidade de hospedeiros foram S. cameroni, S. nigroaenea e Spalangia sp. com cinco hospedeiros (Tabelas 1 e 2). Com relação à preferência dos parasitóides pelos seus hospedeiros, verificamos que: S. cameroni apresentou preferência por pupas de B. quadristigma e S. occidua; S. drosophilae por pupas de Palaeosepsis spp.: S. endius por pupas de B. quadristigma, C. pararescita e S. occidua; S. nigroaenea por pupas de B. quadristigma, C. pararescita e S. occidua (c2= 61,9; GL=16; P<0,0001). Trichopria sp. ocorreu principalmente como parasitóide em pupas de Palaeosepsis spp. com prevalência de parasitismo de 8,8% (Tabela 2). Trichopria sp. apresentou preferência por pupas de S. occidua e Sphaeroceridae sp. (c2= 61,9; GL=16; P<0,0001). As espécies do gênero Trichopria são usualmente parasitóides de estágios imaturos de Diptera (Clausen 1940).

As porcentagens totais de parasitismo apresentadas pelos parasitóides Trichopria sp. (Diapriidae) Paraganaspis egeria Diaz & Gallardo, Triplasta sp. (Figitidae), Muscidifurax sp., S. cameroni, S. drosophilae, S. endius, S. nigra, S. nigroaenea e Spalangia sp. (Pteromalidae) foram, respectivamente, de: 0,80%, 0,55%, 1,25%, 0,03%, 0,59%, 2,6%, 0,30%, 0,02%, 0,80%, 0,40%. Portanto, S. drosophilae foi o parasitóide que apresentou maior porcentagem de parasitismo em pupas de Diptera.

Existe uma rica comunidade de artrópodes associados a fezes bovinas em Itumbiara-GO, relacionada com o predatismo, competição e parasitismo. Não existe até o momento nenhuma espécie de inseto que possa ser considerada de importância econômico-sanitária.

 

Literatura Citada

Armitage, D.M. 1986. Population changes of four species of insects (Coleoptera: Diptera) in three deep pultry houses. Entomol. Mont. Mag. 122: 75-77.        [ Links ]

Axtell, R.C. & J.J. Arends. 1990. Ecology and management of artropod pests of poultry. Annu. Rev. Entomol. 35: 101-126.        [ Links ]

Boucek, Z. 1963. A taxonomic study in Spalangia Latr. (Hymenoptera: Chalcidoidea). Acta. Entomol. Mus. Nat. Pragae 35: 429-512.        [ Links ]

Cervenka, V.J. & R.D. Moon. 1991. Arthropods associated with fresh cattle dung pats in Minnesota. J. Kans. Entomol. Soc. 64: 131-145.        [ Links ]

Clausen, C.P. 1940. Entomophagous insects. New York, Mcgraw-Hill Companhy, 638p.        [ Links ]

Cook, C.W. & R.R. Gerhardt. 1977. Selective mortality of insects in manure from cattle fed rabon and dimilin. Environ. Entomol. 6: 46-48.        [ Links ]

D'Almeida, J.M. & R.P. Mello. 1996. Comportamento de dípteros muscóides frente substrato de oviposição, em laboratório, no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 91: 131-136.        [ Links ]

Fay, H.A.C., A. Macqueen & B.M. Doube. 1990. Impact of fauna on mortality and size of Haematobia spp. (Diptera: Muscidae) in natural dung pads in Australia and South Africa. Bull. Entomol. Res. 80: 385-392.        [ Links ]

Ferrar, P. 1987. A guide to the brieding habits and imature stages of Diptera Cyclorrhapha. 4 rd ed., Scandinavian Science Press, Leiden, 478p.        [ Links ]

Flechtmann, C.A.H, S.R. Rodrigues & H.T.Z. Couto. 1995a. Controle biológico da mosca-dos-chifres (Haematobia irritans irritans) em Selvíria, Mato Grosso do Sul. 3. Levantamento de espécies fimícolas associadas à mosca. Rev. Bras. Entomol. 39: 249-258.        [ Links ]

Flechtmann, C.A.H., S.R. Rodrigues & H.T.Z Couto. 1995b. Controle biológico da mosca-dos-chifres (Haematobia irritans irritans) em Selvíria, Mato Grosso do Sul. 4. Comparação entre métodos de coleta de besouros coprófagos (Scarabaeidae). Rev. Bras. Entomol. 39: 259-276.        [ Links ]

Geden, C.J., R.E. Stinner & R.C. Axtell. 1988. Predation by predators of the house fly in poultry manure: effects of predator density, feeding history, interspecific interference, and field conditions. Environ. Entomol. 17: 320-329.        [ Links ]

Giller, P.S. & B.M. Doube. 1994. Spatial and temporal co-occurrence of competitors in Southern African dung beetle communities. J. An. Ecol. 63: 629-643.        [ Links ]

Guimarães, J.A. & J. Mendes. 1998. Succession and abundance of Staphylinidae in cattle dung in Uberlândia, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 93: 127-131.        [ Links ]

Hoebeke, E.R. & K. Beucke. 1997. Aventive Onthophagus (Coleoptera: Scarabaeidae) in North America: geographic ranges, diagnoses, and new distributional records. Entomol. News 108: 345-355.        [ Links ]

Hu, G.Y. & J.H Frank. 1995. Structural comparison of the chorion surface of five Philonthus species (Coleoptera: Staphylinidae). Proc. Entomol. Soc. Wash. 97: 582-589.        [ Links ]

Hyatt, K.H. & R.M. Emberson. 1988. A review of the Macrochelidae (Acari: Mesostigmata) of the British Isles. Bull. Br. Nat. Hist. Zool. 54: 63-125.        [ Links ]

Macqueen, A. & B.P. Beirne. 1974. Insects and mites associated with fresh cattle dung in the Southern interior of British Columbia. J. Entomol. Soc. Brit. Columbia 7: 5-9.        [ Links ]

Marchiori, C.H. & A.X. Linhares, 1994. Dípteros simbovinos no município de Uberlândia – Minas Gerais. Rev. Patol. Trop. 23: 304.        [ Links ]

Marchiori, C.H. & A.X. Linhares. 1998. Dípteros muscóideos associados a fezes frescas de gado bovino e seus parasitóides. Arq. Inst. Biol. 65: 79.        [ Links ]

Martins, E. & E.P.B. Contel. 1997. Dados biológicos da criação do besouro africano Onthophagus gazella Fabricius (Scarabaeidae) em terrários na fazenda Experimental Getúlio Vargas de Uberaba (MG). Rev. Bras. Biol. 57: 403-409.        [ Links ]

Mendes, J. & A.X. Linhares. 1993. Atratividade por iscas, sazonalidade e desenvolvimento ovariano em várias espécies de Muscidae (Diptera). Rev. Bras. Entomol. 37: 289-297.        [ Links ]

Merrit, R.W & J.R. Anderson. 1997. The effects of different pasture and rangeland ecosystems on the annual dynamics of insects in cattle droppins. Hilgardia 45: 31-71.        [ Links ]

Rueda, L.M. & R.C. Axtell. 1985. Guide to common species of pupal parasites (Hymenoptera: Pteromalidae) of the house fly and other muscoid flies associated with poultry and livestock manure. Technical Bulletin. North Carolina Agricultural Research Service, 88p.        [ Links ]

Sanders, D.P. & R.C. Dobson. 1966. The insect complex associated with bovine manure in Indiana. Ann. Entomol. Soc. Amer. 59: 955-959.        [ Links ]

Silveira, G.A.R., N.G. Madeira, E. Azeredo & C. Pavan. 1989. Levantamento de microhimenópteros parasitóides de dípteros de importância médico-veterinária no Brasil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 84: 505-510.        [ Links ]

Smith, L. & D.A. Rutz. 1991. Seasonal and relative abundance of hymenopterous parasitoids attacking house fly pupae at dairy farms in Central New York. Environ. Entomol. 20: 661-668.        [ Links ]

Summerlin, J.W., G.T. Fincher, J.P. Roth & S.K. Meola. 1984. Laboratory observations on the life cycle and habits of Hister abbreviatus (Coleoptera: Histeridae). Ann. Entomol. Soc. Amer. 75: 543-547.        [ Links ]

Summerlin, J.W., G.T. Fincher, J.P. Roth & S.K. Meola. 1991. Laboratory observations on the life history and habits of Phelister haemorrhous. South. Entomol. 16: 311-315.        [ Links ]

Valiela, I. 1969. The arthropod fauna of bovine in Central New York and sources on its natural history. J. N. Y. Entomol. Soc. 77: 209-220.        [ Links ]

Wrigth, E.J. & P. Muller. 1989. Laboratory studies of ost finding acceptance and suitability of the dung-breeding fly, Haematobia thirouxi potans (Diptera: Muscidae), by Aleochara sp (Col.: Staphylinidae). Entomophaga. 34: 61-71.        [ Links ]

 

 

Recebido em 01/10/99
Aceito em 05/01/2001