SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue3Performance of Thyrinteina arnobia Stoll (Lepidoptera: Geometridae) on eucalyptus and on guava: isn't the native host a good host?South American Haplothrips Species (Thysanoptera: Phlaeothripidae), with a new species of biological control interest to Australia against weedy Heliotropium amplexicaule (Boraginaceae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566XOn-line version ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. vol.32 no.3 Londrina July/Sept. 2003

https://doi.org/10.1590/S1519-566X2003000300008 

SYSTEMATICS, MORPHOLOGY AND PHYSIOLOGY

 

Gênero e espécie nova de Neocoelidiinae (Hemiptera: Auchenorrhyncha, Cicadellidae)1

 

New genus and species of Neocoelidiinae (Hemiptera: Auchenorrhyncha, Cicadellidae)

 

 

Larissa de B. ChiamoleraI; Rodney R. CavichioliII; Patricia N. AnderleIII

IBolsista mestrado CNPq/UFPR; larissachiamolera@bol.com.br
IIBolsista CNPq 301527/85-7; Depto. Zoologia, Universidade Federal do Paraná, C. postal 19020, 81531-980 Curitiba, PR, e-mail: cavich@bio.ufpr.br
IIIBolsista PIBIC/CNPq/UFPR, e-mail: pa_anderle@hotmail.com

 

 


RESUMO

Paraphysiana diminuta gen. nov., sp. nov. é descrita de Santa Izabel do Rio Negro, Estado do Amazonas. O novo gênero é próximo de Chinchinota, Deltocoelidia, Chinaia e Xenocoelidia, mas pode ser distinguido pelo aspecto da genitália do macho, principalmente pela presença de paráfise.

Palavras-chave: Descrição, novo taxon, Amazonas, taxonomia


ABSTRACT

A new genus of Neocoelidiinae Paraphysiana diminuta gen. nov., sp. nov. is described from Santa Izabel do Rio Negro, Amazonas State, Brazil. The new genus is closely related to Chinchinota, Deltocoelidia, Chinaia, and Xenocoelidia but it can be distinguished by the aspect of the male genitalia, mainly by the presence of paraphyses.

Key words: Description, new taxa, Amazon, taxonomy


 

 

A subfamília Neocoelidiinae é um grupo relativamente pequeno, com somente uma tribo reconhecida (Oman 1949). Kramer (1964) revisou os Neocoelidiinae, listando 16 gêneros restritos ao Novo Mundo. Kramer (1967) descreveu mais dois gêneros (Chinchinota e Coelindroma) e Cavichioli (1999) transferiu Aglaenita Spinola, 1850, anteriormente na subfamília Idiocerinae, totalizando 19 gêneros. Nielson & Knight (2000) sugeriram que os Neocoelidiinae tiveram sua origem na região Neotropical após a separação dos continentes africano e sul-americano, possivelmente durante o início do Cretáceo e, com base no trabalho de Kramer (1964), afirmaram que 12 gêneros são endêmicos da região Neotropical, um da região Neártica e os outros três com distribuição tanto na região Neotropical como na Neártica.

Kramer (1964) caracterizou os Neocoelidiinae como cigarrinhas com antenas longas a muito longas, freqüentemente excedendo toda a extensão do corpo, com uma distinta saliência sobre cada uma das antenas (lóbulos supra-antenais) e com a venação das asas anteriores altamente obscura, exceto apicalmente.

Com base no estudo dos Neocoelidiinae do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e da literatura, são aqui propostos um novo gênero e uma nova espécie. Para o estudo da genitália, seguiu-se a técnica de Oman (1949) com pequenas alterações e a terminologia de Hamilton (1981) e Mejadalani (1998) para os escleritos faciais e as de Oman (1949) e Young (1968), para demais regiões do corpo.

Paraphysiana gen. nov.

(Fig. 1, A-F)

Espécie-tipo: Paraphysiana diminuta sp. nov.

Diagnose. Sem carena entre a face e a coroa; paráfise longa; pigóforo com processo ventral interno; placas subgenitais inteiramente fundidas; edeago subcilíndrico.

Cabeça, em vista dorsal, com margem anterior levemente triangular, com comprimento mediano da coroa 1/3 da largura transocular e 2/3 da interocular; com uma leve concavidade na área central entre os olhos, sem carena na transição entre a coroa e a face; ocelos pequenos, situados entre a coroa e a face, mais próximos dos olhos do que entre si; lóbulos supra-antenais, em vista lateral, transversos e levemente oblíquos, não protuberantes; fronte levemente intumescida, de perfil, não arqueada; sutura epistomal completa; clípeo retangular, de perfil contínuo ao da fronte, porém com uma angulação na região mediana. Pronoto mais largo do que a cabeça, comprimento mediano 1/4 a 3/8 da largura entre os úmeros, margem posterior arqueada; carena dorsopleural completa; escutelo com comprimento mediano um pouco mais do que 4/5 da largura basal. Asas anteriores levemente mais do que 4,5 vezes sua maior largura, arredondadas apicalmente, venação obscura basalmente, com três células anteapicais, a externa fechada e quatro células apicais, base da quarta tão proximal quanto da segunda e a terceira mais proximal do que as demais. Pernas posteriores com fórmula femoral setal 2.2.1, tarsômero basal com duas fileiras de cerdas curtas e de comprimento quase duas vezes a soma dos dois mais distais.

Genitália masculina. Pigóforo mais ou menos retangular, com margem posterior levemente emarginada, com um par de processos afilados e pontiagudos, originando-se basiventralmente e estendendo-se posteriormente até a margem apical; placas subgenitais triangulares, fundidas, com pequenas cerdas no ápice e ventralmente com base transversa esclerotinizada servindo de suporte para os estilos; conetivo em forma de "T" invertido, com forte carena no ramo mediano e ventralmente com base triangular; estilos mais longos que o conetivo, delgados, com ápices alargados, bífidos, com ramos pontiagudos, os externos curvados para cima e os internos voltados para baixo, em forma de quela; paráfise com dois ramos, o basal curto e articulado com o conetivo e o apical longo e articulado com o edeago; edeago longo, subcilíndrico, curvo, voltado para cima e com ápice bífido pontiagudo.

Comentários. O gênero novo é próximo dos gêneros que não apresentam carena entre a coroa e a face: Chinchinota Kramer, 1967, Deltocoelidia Kramer, 1961, Chinaia Bruner & Metcalf, 1934 e Xenocoelidia Kramer, 1959, porém é facilmente distinguido desses por apresentar paráfise.

Paraphysiana diminuta sp. nov.

(Fig. 1, A-F)

Holótipo macho: BRASIL, Amazonas: S[anta] Izabel [do] Rio Negro, Pico da Neblina, 8-18/X/1990. (INPA).

Holótipo macho. Medidas (em mm): comprimento total: 5,88; comprimento mediano da cabeça: 0,40; distância transocular: 1,20; distância interocular: 0,60; comprimento mediano do pronoto: 0,48; distância entre os úmeros: 1,40; largura máxima do escutelo: 1,08; comprimento mediano do escutelo: 0,88; comprimento das asas anteriores: 4,88; largura máxima das asas anteriores: 1,04.

Características morfológicas como na descrição do gênero.

Coloração geral amarela, com marcas laranjas na cabeça, pronoto e escutelo. Asas anteriores amarelas, hialinas, com quatro manchas marrons, três junto à margem anal (base, mioio e ápice) e quarta na margem costal, oposta à mancha basal da margem anal. Abdome ventralmente verde.

Comentários. Paraphysiana diminuta sp. nov. é conhecida apenas pelo holótipo macho.

 

Literatura Citada

Cavichioli, R.R. 1999. Aglaenita Spinola and A. bipunctata Spinola (Hemiptera, Auchenorrhyncha, Cicadellidae): redescription of both taxa and taxonomic notes. Revta. Bras. Zool. 16: 189-192.        [ Links ]

Hamilton, K.G.A. 1981. Morphology and evolution of the rhynchotan head (Insecta: Hemiptera, Homoptera). Can. Entomol. 113: 953-974.        [ Links ]

Kramer, J.P. 1964. A generic revision of the leafhopper subfamily Neocoelidiinae (Homoptera: -Cicadellidae). Proc. U.S. Nat. Museum Wash. 115: 259-287.        [ Links ]

Kramer, J.P. 1967. New Neotropical Neocoelidiinae with keys to the species of Coelidiana, Xenocoelidia and Nelidina (Homoptera: Cicadellidae). Proc. Entomol. Soc. Wash. 69: 31-46.        [ Links ]

Mejdalani, G.L.F. 1998. Morfologia externa dos Cicadellinae (Homoptera: Cicadellidae): Comparação entre Versigonalia ruficauda (Walker) (Cicadellini) e Tretogonia cribrata (Melichar) (Proconiini), com notas sobre outras espécies e análise da terminologia. Revta. Bras. Zool. 15: 451-544.        [ Links ]

Nielson, M.W. & W.J. Knight. 2000. Distributional patterns and possible origin of leafhoppers (Homoptera, Cicadellidae). Revta. Bras. Zool. 17: 81-156.        [ Links ]

Oman, P.W. 1949. The Nearctic leafhoppers (Homoptera: Cicadellidae): A generic classification and check list. Mem. Entomol. Soc. Wash. 3: 1-253.        [ Links ]

Young, D.A. 1968. Taxonomic study of the Cicadellinae (Homoptera: Cicadellidae). Part 1. Proconiini. Bull. U. S. Nat. Mus. 261: 1-287.        [ Links ]

 

 

Received 30/09/02. Accepted 15/07/03.

 

 

1 Contribuição nº 1306 do Departamento de Zoologia, UFPR

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License