SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue4Development of Melittobia australica Girault and M. digitata Dahms (Parker) (Hymenoptera: Eulophidae) parasitizing Neobellieria bullata (Parker) (Diptera: Sarcophagidae) pupariaEffect of sodium silicate application on the resistance of wheat plants to the green-aphids Schizaphis graminum (Rond.) (Hemiptera: Aphididae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566XOn-line version ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. vol.32 no.4 Londrina Oct./Dec. 2003

https://doi.org/10.1590/S1519-566X2003000400016 

BIOLOGICAL CONTROL

 

Suscetibilidade de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) aos fungos Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. e Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok

 

Susceptibility of Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) to the fungi Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. and Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok

 

 

Valda C.A. Silva; Reginaldo Barros; Edmilson J. Marques; Jorge B. Torres

Depto. Agronomia, Fitossanidade, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Av. Dom Manoel de Medeiros S/N, Dois Irmãos, 52171-900, Recife, PE

 

 


RESUMO

Inicialmente realizou-se a seleção dos isolados ESALQ 447, ESALQ 760, ESALQ 900, ESALQ 634, IPA-205 e ESALQ 760 de B. bassiana e de ESALQ E9, IPA-207, ESALQ 860, IPA-204 e UFPE 3027 de M. anisopliae na concentração de 108 conídios/ml para lagartas do segundo estádio de Plutella xylostella (L.). Todos os isolados testados causaram mortalidade de lagartas variando de 70% a 96%, exceto para o isolado UFPE 3027 de M. anisopliae, cuja mortalidade foi apenas de 26%. Baseado nesta seleção, os isolados de B. bassiana ESALQ 634 e ESALQ 447 e de M. anisopliae IPA-207 e ESALQ E9 foram escolhidos e avaliados nas concentrações de 105, 106, 107 e 108 conídios/ml sobre lagartas do segundo estádio de P. xylostella. Estes isolados nas concentrações superiores a 106 ocasionaram mortalidade de lagartas variando de 58% a 96%. O tempo letal (TL50) para larvas do segundo ínstar da traça-das-crucíferas foi de 1,1 a 4,3 dias e de 0,7 a 5,8 dias para os isolados ESALQ 634 e ESALQ 447 de B. bassiana e IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae, respectivamente. Os valores da concentração letal (CL50) evidenciam que os isolados IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae foram cerca de sete vezes mais virulentos para a traça-das-crucíferas que os isolados ESALQ 634 e ESALQ 447 de B. bassiana. Estes resultados indicam que lagartas de P. xylostella foram mais suscetíveis ao fungo M. anisopliae que B. bassiana, evidenciando que os isolados IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae têm potencial para serem utilizados no manejo integrado da traça-das-crucíferas.

Palavras-chave: Controle biológico, repolho, Brassica oleracea, traça-das-crucíferas, fungo entomopatogênico


ABSTRACT

An initial screening was undertaken using the isolates ESALQ 447, ESALQ 760, ESALQ 900, ESALQ 634, IPA-205 and ESALQ 760 of B. bassiana, and ESALQ E9, IPA-207, ESALQ 860, IPA-204 and UFPE 3027 of M. anisopliae at the concentration of 108 conidia/ml for the diamondback moth (DBM) second instar. All isolates tested caused DBM larval mortality ranging from 70% to 96%, except the M. anisopliae isolate UFPE 3027, which resulted in a mortality of 26%. Based on this survey the isolates ESALQ 634 and ESALQ 447 of B. bassiana and IPA-207 and ESALQ E9 of M. anisopliae were chosen and assessed at the concentrations 105, 106, 107 and 108 conidia/ml for DBM second instar. These selected isolates at concentrations higher than 106 conidia/ml caused DBM larval mortality ranging from 58% to 96%. The mean lethal time (LT50) for DBM second instar were 1.1 and 4.3 days, and 0.7 and 5.8 days for B. bassiana isolates ESALQ 634 and ESALQ 447 and M. anisopliae isolates IPA-207 and ESALQ E9, respectively. Based on the lethal concentrations (LC50) the isolates IPA-207 and ESALQ E9 were seven times more virulent to DBM second instar than B. bassiana isolates ESALQ 634 and ESALQ 447. These results showed that DBM larvae were more susceptible to M. anisopliae than to B. bassiana and that M. anisopliae isolates IPA-207 and ESALQ E9 may be a valuable component for the integrated management of DBM larvae.

Key words: Biological control, cabbage, Brassica oleracea, diamondback moth, entomopathogenic fungus


 

 

A traça-das-crucíferas, Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae), é uma praga cosmopolita, comumente referida como causadora de elevados prejuízos em brássicas, e de modo particular em repolho, tanto no Brasil (Castelo Branco et al. 1996, França & Medeiros 1998) quanto em outros países produtores (Talekar & Shelton 1993, godin & Boivin 1998). As lagartas, a partir do segundo estádio, perfuram as folhas das cabeças de repolho, diminuindo o valor comercial do produto. Segundo Barros et al. (1993), existe uma relação direta entre o desenvolvimento fenológico da cultura e o aumento dos danos ocasionados pela praga, os quais por serem irreversíveis, impõem que as medidas de controle, se necessárias, devem ser adotadas ainda no início da formação das cabeças.

O uso intensivo de inseticidas químicos constitui a principal forma de controle da traça-das-crucíferas (Chen et al. 1996, Tabashnik et al. 1997, França & Medeiros 1998). O emprego de fungos entomopatogênicos como Beauveria bassiana (Bals.) Vuill., Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. e Zoophthora radicans (Brefeld), por serem reconhecidos importantes agentes biocontroladores de diversas pragas das plantas cultivadas (Inglis et al. 1997, Alves 1998), também podem ser utilizados no manejo integrado da traça-das-crucíferas. O uso desses organismos no controle de P. xylostella ainda é pouco freqüente pelo potencial que representam. Ibrahim & Low (1993) verificaram que três aplicações da suspensão de conídios de B. bassiana e Paecilomyces fumosoroseus (Wise) Brown & Smith na cultura do repolho na concentração de 1x108 conídios/ml, equivalente a 3,75 x 1013 conídios/ha, foram suficientes para reduzir a população de P. xylostella obtendo-se 80% das cabeças colhidas comercialmente aceitáveis. Já Furlong et al. (1995) mencionaram que adultos de P. xylostella, quando atraídos por armadilhas de feromônio sexual contendo conídios de Z. radicans, podem disseminar conídios na cultura do repolho.

Vandenberg et al. (1998a) constataram que aplicações de B. bassiana, em concentrações variando de 2,5 a 5,0 x 1013 conídios/ha em folhas de brócolis, em casa-de-vegetação e campo, reduziram em até 70% a população de lagartas de P. xylostella. A capacidade de sobrevivência desse entomopatógeno é ressaltada por Vandenberg et al. (1998b), ao mencionarem que a virulência de isolados B. bassiana não foi afetada negativamente por temperaturas entre 20ºC e 30ºC, com a mortalidade de lagartas de P. xylostella variando de 72% a 100%. Assim, por não se dispor de informações sobre a utilização de fungos entomopatogênicos no controle da traça-das-crucíferas no Brasil o objetivo desse trabalho foi avaliar a suscetibilidade de lagartas de P. xylostella a isolados de B. bassiana e M. anisopliae.

 

Material e Métodos

A pesquisa foi desenvolvida nos Laboratórios de Patologia de Insetos e biologia de Insetos da Área de Fitossanidade do Departamento de Agronomia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e constou das seguintes etapas:

Criação da Traça-das-Crucíferas. Os insetos usados nos ensaios foram provenientes da criação estoque do laboratório de Biologia de Insetos da Área de Fitossanidade da UFRPE, de acordo com os procedimentos recomendados por Barros (1998).

Obtenção dos Isolados. Os isolados de B. bassiana e M. anisopliae, usados nos experimentos, foram provenientes da coleção do Laboratório de Patologia de Insetos da Área de Fitossanidade da UFPE, onde são mantidos à temperatura de 7°C, em tubos de vidro contendo meio de cultura Batata - Dextrose - Ágar acrescido do antibiótico quemicetina (BDA+A) e óleo Nujol (Tabela 1).

 

 

O material fúngico foi inicialmente repicado para placa de Petri contendo BDA+A e, após sete dias, foi novamente repicado para outras placas com meio de cultura, permanecendo nesta condição durante 12 dias. Em todas as etapas da pesquisa a viabilidade dos conídios foi aferida pelo método de germinação, inoculando-se uma suspensão de cada isolado em três placas de Petri contendo meio de cultura BDA+A, sendo as placas mantidas por 24h em estufa incubadora B.O.D. a 26±1ºC e fotofase de 12h.

Seleção dos Isolados mais Virulentos. Os isolados ESALQ 634, ESALQ 447, IPA-205, ESALQ 900 e ESALQ 760 de B. bassiana e UFRPE 3027, IPA-207, IPA-204, ESALQ E9, ESALQ 860 de M. anisopliae, foram repicados para placas de Petri contendo meio de cultura BDA+A. As suspensões fúngicas foram obtidas mediante a adição de 10 ml de água destilada esterilizada + espalhante adesivo Tween 80, em placas contendo meio de cultura e o fungo e, após ligeira agitação manual, foram filtradas em gaze esterilizada ajustando-se a concentração da suspensão para 108 conídios/ml.

A inoculação dos fungos foi efetuada com auxílio de um mini-pulverizador manual Plano 011. 8567499â, aplicando-se 2 ml da suspensão de cada isolado, de maneira uniforme e simultânea, em 50 lagartas do segundo estádio de P. xylostella agrupadas em uma placa de Petri (15 x 2,0 cm). Na testemunha, os insetos foram pulverizados com água destilada esterilizada + Tween 80. Após a aplicação as lagartas foram transferidas para placas de Petri, contendo discos de folhas de couve 'Portuguesa' (8,0 cm de diâmetro), sobrepostos a discos de papel filtro de igual tamanho, levemente umedecidos com água esterilizada. Os insetos foram mantidos em estufa B.O.D. reguladas para 26 ± 1ºC e fotofase de 12h.

A patogenicidade dos isolados dos fungos foi aferida pela observação diária da mortalidade de lagartas, ocasião em que era efetuada a troca das folhas de couve e a remoção das lagartas mortas. Essas lagartas foram transferidas para câmaras úmidas, visando à observação do desenvolvimento da infecção, ao mesmo tempo em que se realizava a confirmação do agente causal.

Avaliação da Virulência dos Isolados Selecionados. Os isolados selecionados ESALQ 634 e ESALQ 447 de B. bassiana e IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae foram inoculados em lagartas do segundo estádio de P. xylostella e, após a conidiogênese, foram reisolados em placas de Petri, contendo meio de cultura BDA+A. Decorridos sete dias foram novamente repicados e incubados em B.O.D. a 26 ± 1ºC e fotofase de 12h, durante 12 dias. A partir desse material fúngico, obtiveram-se as suspensões com concentrações de 105, 106, 107 e 108 conídios/ml para cada isolado. A preparação das suspensões e as aplicações dos isolados nas lagartas foram realizadas adotando-se os procedimentos descritos na etapa destinada à seleção dos isolados mais virulentos.

A virulência dos isolados foi diariamente observada avaliando-se a mortalidade das lagartas, caracterizada pela total imobilidade das mesmas, quando eram efetuadas as trocas das folhas de couve e a remoção dos insetos mortos, os quais eram transferidos para câmaras úmidas, visando a confirmação do agente causal da mortalidade. Além da mortalidade determinaram-se os tempos letais (TL50) e as concentrações letais (CL50) para cada isolado.

Em todos os ensaios, empregou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado com cinco repetições, com 10 lagartas cada. Os dados de mortalidade de lagartas foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey ao nível de 5% probabilidade, utilizando-se o programa SANEST 3.0, enquanto os cálculos da TL50 e da CL50 foram obtidos pela análise de Probit com o auxílio do programa computacional MOBAE (Haddad et al. 1995).

 

Resultados e Discussão

Seleção dos Isolados mais Virulentos. A virulência dos isolados de B. bassiana sobre lagartas da traça-das-crucíferas, aferida pela porcentagem de mortalidade da fase larval, teve pouca amplitude, variando de 78% a 90% decorridos oito dias da inoculação. Não foram observadas diferenças significativas entre os isolados ESALQ 447, ESALQ 760, ESALQ 900, ESALQ 634 e IPA-205 na concentração de 108 conídios/ml (Fig. 1). Com relação ao fungo M. anisopliae apenas o isolado UFPE 3027 não diferiu da testemunha, indicando que este isolado não tem potencial para ser utilizado no controle da traça-das-crucíferas. A porcentagem de mortalidade da fase larval verificada para os demais isolados variou de 70% a 96%. Por se tratar de entomopatógenos, esses valores podem ser considerados elevados e consequentemente muito promissores, como mencionado por Alves et al. (1985), Faria et al. (1991), Lecuona et al. (1996), Silva & Veiga (1998). Esses autores consideram que os entomopatógenos são eficazes quando apresentam valores de mortalidade acima de 40% para as pragas estudadas, exceto para os insetos transmissores de fitomoléstias.

 

 

Desse modo, com exceção do isolado UFPE 3027 de M. anisopliae, os demais isolados de ambos os fungos apresentaram potencial para o controle da praga e, portanto, poderiam ser selecionados para as etapas desenvolvidas posteriormente nessa pesquisa. Sendo assim, optou-se por selecionar os isolados ESALQ 447 e ESALQ 634 de B. bassiana e os isolados IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae, por já terem sido testados no controle de importantes pragas agrícolas (Fernandes & Alves 1992, Stimac et al. 1993, Marques et al. 2000).

Avaliação da Virulência dos Isolados Selecionados. A porcentagem de mortalidade de lagartas de P. xylostella ocasionada pelos isolados ESALQ 634 e ESALQ 447 de B. bassiana evidencia que apenas a concentração de 105 conídios/ml não diferiu da testemunha (Tabela 2), indicando que a utilização dos referidos isolados na concentração mais elevada de 108 poderia não ser economicamente a mais indicada.

 

 

Em relação a M. anisopliae observa-se que o isolado IPA-207, em todas as concentrações, ocasionou porcentagem de mortalidade de lagartas superiores à da testemunha, porém, à menor concentração proporcionou apenas 38% de mortalidade de lagartas e com isso diferiu das demais. Já o isolado ESALQ E9 teve comportamento análogo ao anterior, com todas as concentrações causando mortalidade superior à testemunha. Ressalta-se que mesmo na concentração mais baixa, obteve-se 54% de mortalidade de lagartas, demonstrando elevada virulência à praga. De modo geral, para todos os isolados houve acréscimo na porcentagem de mortalidade de lagartas com o aumento da concentração, fato esse observado por Alves et al. (1985) com B. bassiana sobre Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Crambidae) e por Vilas Bôas & Alves (1988) com B. bassiana sobre Castnia licus (Drury) (Lepidoptera: Castniidae).

Os valores do tempo letal (TL50) determinados para lagartas da traça-das-crucíferas inoculadas com o isolado ESALQ 634 de B. bassiana não foram proporcionais às concentrações do fungo, pois 107 conídios/ml ocasionou TL50 de 3,5 dias, superior aos 1,8 dias obtido para a concentração de 106 conídios/ml, podendo isso, em princípio, ser considerado como um fato atípico. Já para o isolado ESALQ 447 de B. bassiana, apesar do valor do TL50 variar de 1,2 a 4,3 dias, houve relação inversa entre o tempo de sobrevivência das lagartas e as concentrações do fungo (Tabela 2). Tais resultados, segundo Vandenberg et al. (1998b), podem ocorrer; esses autores também constataram não haver proporcionalidade entre o tempo de sobrevivência de lagartas de P. xylostella e a concentração de alguns isolados de B. bassiana, sendo isso atribuído a grande variabilidade intraespecífica do fungo.

Para o isolado IPA-207 de M. anisopliae na concentração de 108 conídios/ml obtiveram-se valores do TL50 de 1,4 dias a 3,8 dias, dependendo da concentração. O isolado ESALQ E9 apresentou-se mais virulento para a praga na concentração de 108 conídios/ml com TL50 igual a 0,7 dia, decrescendo nas demais concentrações, evidenciando que para esse caso os valores de TL50 foram menores quando as concentrações foram mais elevadas (Tabela 2).

Os valores da concentração letal (CL50) evidenciaram maior toxicidadede M. anisopliae a P. xylostella. Isso pode ser constatado ao se observar que os isolados IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae foram cerca de sete vezes mais patogênicos para as lagartas da traça-das-crucíferas que os isolados ESALQ 634 e ESALQ 447 de B. bassiana. Entretanto, isolados de mesma espécie apresentaram toxicidade semelhante.

Desse modo, pode-se mencionar que a mortalidade da fase larval é o parâmetro mais adequado para aferir a patogenicidade de B. bassiana e de M. anisopliae sobre lagartas de P. xylostella. O TL também poderá ser utilizado, quando biologicamente coerente, como parâmetro complementar, pois é mais importante a efetiva redução populacional da praga do que a rapidez com isso se processa. Os agentes microbianos, por serem mais lentos ao causarem a infecção e a colonização do hospedeiro, não têm, necessariamente, que possuir ação letal rápida sobre os insetos não transmissores de doenças.

Os resultados obtidos nessa pesquisa evidenciam que os isolados ESALQ 634, ESALQ 447 de B. bassiana e IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae têm potencial para serem testados em campo no controle de P. xylostella, ressaltando-se que os isolados IPA-207 e ESALQ E9 de M. anisopliae apresentaram virulência mais elevada para a praga que aqueles de B. bassiana. Apesar de esses resultados terem sido obtidos em laboratório, onde as condições são plenamente favoráveis ao desenvolvimento dos fungos, os mesmos são muito importantes, pois fornecem informações necessárias para a seleção adequada desses microorganismos para as pesquisas de campo. Por outro lado, é oportuno mencionar que a mortalidade da fase larval da traça-das-crucíferas, quando no campo, pode se manter elevada, pois esses entomopatógenos poderiam interagir com outros agentes de controle biológico e com isso tornar o controle de P. xylostella ainda mais efetivo.

 

Agradecimentos

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (cnpq), pela concessão da bolsa de mestrado ao primeiro autor.

 

Literatura Citada

Alves, S.B. 1998. Fungos entomopatogênicos, p. 289381. In S.B. Alves (ed.), Controle microbiano de insetos. Piracicaba, Fealq, 1163p.         [ Links ]

Alves, S.B., L.E.M. Pádua, E.M.V.M. Azevedo & L.C. Almeida. 1985. Controle da broca da cana-de-açúcar pelo uso de Beauveria bassiana. Pesq. Agropec. Bras. 20: 403-406.         [ Links ]

Barros, R. 1998. Efeito de cultivares de repolho Brassica oleracea var. capitata (L.) na biologia da traça-das-crucíferas, Plutella xylostella (L., 1758) e do parasitóide Trichogramma pretiosum Riley, 1879. Tese de doutorado, ESALQ/USP, Piracicaba, 99p.         [ Links ]

Barros, R., I.B. Albert Júnior, A.J. Oliveira, A.C.F. Souza & V. Loges. 1993. Controle químico da traça-das-crucíferas, Plutella xylostella L. (Lepidoptera: Plutellidae) em repolho. An. Soc. Entomol. Brasil 22: 463-469.         [ Links ]

Castelo Branco, M., G.L. Villas Bôas & F.H. França. 1996. Nível de dano de traça-das-crucíferas em repolho. Hort. Bras. 14: 154-157.         [ Links ]

Chen, C., S. Chang, L. Cheng & R.F. Hou. 1996. Deterrent effect of the chinaberry extract on oviposition of the diamondback moth, Plutella xylostella (L.) (Lep., Yponomeutidae) J. Appl. Entomol. 120: 165-169.         [ Links ]

Faria, L.L.F., J.V. Oliveira & R. Barros. 1991. Patogenicidade do fungo Beauveria bassiana (Bals.) Vuill., em lagartas de Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera, Noctuidae) sob condições de Laboratório. Cad. Ômega 4: 207-217.         [ Links ]

Fernandes, P.M. & S.B. Alves. 1992. Seleção de isolados de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. e Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. para controle de Cornitermes cumulans (Kollar, 1832) (Isoptera: Termitidae). An. Soc. Entomol. Brasil 21: 320-328.         [ Links ]

França, F.H. & M.A Medeiros. 1998. Impacto da combinação de inseticidas sobre a produção de repolho e parasitóides associados com a traça-das-crucíferas. Hort. Bras.16: 132-135.         [ Links ]

Furlong, M.J., J.K. Pell, O.P. Choo & S.A. Rahma. 1995. Field and laboratory evaluation of a sex pheromone trap for the autodissemination of the fungal entomopathogen Zoophthora radicans (Entomophthorales) by the diamondback moth, Plutella xylostella (Lepidoptera: Yponomeutidae). Bull. Entomol. Res. 85: 331-337.         [ Links ]

Godin, C.& G. Boivin. 1998. Seasonal occurence of lepidopterous pests of cruciferous crops in Southwestern Quebec in relation to degree-day accumulations. Can. Entomol. 130: 173-185.         [ Links ]

Haddad, M.L., R.C.B. Moraes & J.R.P. Parra. 1995. MOBAE, Modelos bioestatísticos aplicados à entomologia. Manual, Piracicaba, ESALQ/USP, 44p.         [ Links ]

Ibrahim, Y.B. & W. Low. 1993. Potential of mass-production and field efficacy of isolates of the entomopathogenic fungi Beauveria bassiana and Paecilomyces fumosoroseus against Plutella xylostella. Int. J. Pest. Manag. 39: 288-292.        [ Links ]

Inglis, G.D., D.L. Johnson & M.S Goettel. 1997. Field and laboratory evaluation of two conidial batches of Beauveria bassiana (Balsamo) Vuillemin against grasshoppers. Can. Entomol. 129: 171-186.         [ Links ]

Lecuona, R.E., M.S. Tigano & B.M. Diaz. 1996. Characterization and pathogenicity of Beauveria bassiana against Diatraea saccharalis (F.) (Lepidoptera; Pyralidae) in Argentina. An. soc. Entomol. Brasil 25: 299-307.        [ Links ]

Marques, E.J., S.B. Alves & I.M.R. Marques. 2000. Virulência de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. a Diatraea saccharalis (F.) (Lepidoptera: Crambidae) após armazenamento de conídios em baixa temperatura. An. Soc. Entomol. Brasil 29: 303-307.         [ Links ]

Silva, R.B.Q. & A.F.S.L. Veiga. 1998. Patogenicidade de Beauveria bassiana (Bals.) e Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. sobre Castnia icarus (Cramer, 1775). Rev. Agric. 73: 119-127.         [ Links ]

Stimac, L.J.L., R.M. Pereira, S.B. Alves & L.A. Wood. 1993. Beauveria bassiana (Balsamo) Vuillemin (Deuteromycetes) applied to laboratory colonies of Solenopsis invicta Buren (Hymenoptera: Formicidae) in soil. J. Econ. Entomol. 80: 348-352.         [ Links ]

Tabashnik, B.E., N.L. Cushing & M.W. Johnson. 1997. Diamondback moth (Lepidoptera: Plutellidae) resistance to insecticides in Hawaii: inter-island variation and resistance. J. Econ. Entomol. 80: 1091-1099.         [ Links ]

Talekar, N.S. & A.M. Shelton. 1993. Biology, ecology and management of the diamondback moth. Annu. Rev. Entomol. 38: 273-301.         [ Links ]

Vandenberg, J.D., A.M. Shelton, W.T. Wilsey & M. Ramos. 1998a. Assessment of Beauveria bassiana sprays for control of diamondback moth (Lepidoptera: Plutellidae) on crucifers. J. Econ. Entomol. 91: 624-630.        [ Links ]

Vandenberg, J.D., M. Ramos & J.A. Altre. 1998b. Dose-response and age and temperature related susceptibility of the diamondback moth (Lepidoptera: Plutellidae) to two isolates of Beauveria bassiana (Hyphomycetes: Moniliacea). Environ. Entomol. 27: 1017-1021.         [ Links ]

Vilas Bôas, A.M. & S.B. Alves. 1988. Patogenicidade de Beauveria bassiana spp. e seu efeito associado ao inseticida monocrotofós sobre Castnia licus (Drury, 1770) (Lepidoptera: Castniidae). An. soc. Entomol. Brasil 17: 305-332.         [ Links ]

 

 

Received 05/02/03
Accepted 19/07/03

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License