SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 issue5Uroleucon bereticum (E.E. Blanchard) (Hemiptera: Aphididae) and its new endemic parasitoid species (Hymenoptera: Braconidae, Aphidiinae) in ArgentinaTen new species of Alepia Enderlein (Diptera: Psychodidae) from Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566XOn-line version ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. vol.33 no.5 Londrina Sept./Oct. 2004

https://doi.org/10.1590/S1519-566X2004000500007 

SISTEMÁTICA, MORFOLOGIA E PISCOLOGIA

 

Análise morfométrica em espécies de Trichogramma (Hymenoptera: Trichogrammatidae)

 

Morphometric analysis in Trichogramma (Hymenoptera: Trichogrammatidae) species

 

 

Ranyse B. QuerinoI; Roberto A. ZucchiII

IUnimontes, Departamento de Ciências Agrárias, Campus Janaúba, C. postal 91, Rua Reinaldo Viana, 2630 39440-000, Janaúba, MG, e-mail: ranyse.querino@unimontes.br
IIDepto. Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), Av. Pádua Dias 11, 13418-900, Piracicaba, SP, e-mail: razucchi@esalq.usp.br

 

 


ABSTRACT

This work deals with the intra- and interespecific variations in Trichogramma species, using the Principal Components Analysis (PCA) to evaluate the ordination standard among some species. Six Trichogramma species (143 specimens) namely T. acacioi Brun, Moraes & Soares, T. atopovirilia Oatman & Platner, T. demoraesi Nagaraja, T. distinctum Zucchi, T. galloi Zucchi and T. bruni Nagaraja were examined. Based on the shape three species groups were obtained: (1) T. acacoi and T. atopovirilia, (2) T. bruni, T. distinctum and T. galloi and (3) only specimens of T. demoraesi. The variables that more contributed for the species separation were mostly characters of the genital capsule and setae of mesoescuto and mesoescutelo. Based on PCA it was possible to show subtle differences among species as well as to evidence the intra-specific morphological variations, which are of great deal of importance to the taxonomic studies with Trichogramma.

Key words: Principal components analysis, morphology, egg parasitoid


RESUMO

Foram estudadas as variações morfológicas intra e interespecíficas em espécies de Trichogramma, utilizando-se a Análise de Componentes Principais (ACP) para avaliar o padrão de ordenação entre as espécies estudadas. Foram examinados 143 indivíduos representando seis espécies de Trichogramma: T. acacioi Brun, Moraes & Soares, T. atopovirilia Oatman & Platner, T. demoraesi Nagaraja, T. distinctum Zucchi, T. galloi Zucchi e T. bruni Nagaraja. A ACP demonstrou a existência de três grupos diferenciados: (1) T. acacoi e T. atopovirilia, (2) T. bruni, T. distinctum e T. galloi e (3) com apenas T. demoraesi. As variáveis que mais contribuíram para a diferenciação das espécies foram principalmente os caracteres da cápsula genital e as cerdas do mesoescuto e mesoescutelo. Por meio da ACP foi possível verificar diferenças entre as espécies e variações morfológicas intra-específicas, que são de fundamental importância nos estudos sistemáticos de Trichogramma.

Palavras-chave: Análise de componentes principais, morfologia, parasitóide de ovos


 

 

A identificação das espécies de Trichogramma, baseia-se, principalmente, em caracteres morfológicos da genitália do macho. Todavia, variações intra-específicas têm sido observadas em várias espécies de Trichogramma. Pinto et al. (1989) encontraram significativa plasticidade para alguns caracteres, mas observaram que a genitália do macho parece ser particularmente resistente à variação ecofenotípica. A morfologia desse parasitóide pode ser influenciada por fatores relacionados às variações ambientais e do hospedeiro (Marston & Ertle 1973, Kazmer & Luck 1991, Grenier et al. 2001). Desta forma, é preciso considerar esses aspectos nos estudos morfológicos de Trichogramma.

Os métodos morfométricos podem ser usados para detectar diferenças sutis entre populações (Reyment et al. 1981). A morfometria multivariada é útil na detecção de diferenças e no estudo das variações de caracteres quantitativos (Cavalcanti & Lopes 1993). A Análise de Componentes Principais (ACP) utilizada na ordenação dos dados morfométricos permite que parâmetros biológicos possam ser mais facilmente detectados e interpretados (Blackith & Reyment 1971, Reis 1988).

Poucos trabalhos utilizaram essa análise no estudo de espécies de Trichogramma. No Brasil, estudos com Trichogramma utilizando análises multivariadas foram realizados por Querino & Zucchi (2002). Esses autores observaram variação intra-específica na cápsula genital de T. bruni, influenciada, principalmente, pelo hospedeiro e pelo hábitat. Na Venezuela, Velásquez de Rios & Colmenares (1999) utilizaram a ACP para a separação de T. pretiosum e T. atopovirilia (espécies bem distintas entre si), e concluíram que as variáveis relacionadas com a genitália do macho também foram as que mais contribuíram para separar as duas espécies. Em Cuba, Galán & Rodríguez (1993) caracterizaram morfometricamente cinco espécies cubanas de Trichogramma utilizando a análise discriminante fatorial, identificando as estruturas e as razões responsáveis pela separação das espécies. Na França, Pintureau (1993) utilizou análises multivariadas no estudo de dez espécies européias de Trichogramma, verificou divergências interespecíficas e, com exceção de T. brassicae e T. voegelei, foi possível separar as espécies.

O presente trabalho teve como objetivo examinar variações morfométricas inter e intra-específica em Trichogramma, para avaliar o padrão de ordenação entre seis espécies.

 

Material e Métodos

Material Estudado. Os espécimes utilizados pertencem à coleção de Trichogramma da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - ESALQ (Tabela 1). Foram examinados 143 espécimes de seis espécies de Trichogramma: T. acacioi Brun, Moraes & Soares, T. atopovirilia Oatman & Platner, T. demoraesi Nagaraja, T. distinctum Zucchi, T. galloi Zucchi e T. bruni Nagaraja.

Caracteres Morfométricos. A terminologia empregada foi baseada em Pinto (1999). Para cada exemplar macho, foram medidos 21 caracteres com auxílio de uma ocular micrométrica acoplada a um microscópio estereoscópico: comprimento do flagelo antenal (CF); maior largura do flagelo antenal (LF); comprimento da maior cerda do flagelo (CSF); comprimento da maior cerda da franja da asa anterior (CSFAA); comprimento das cerdas anteriores do mesoescuto (CSAM); comprimento das cerdas posteriores do mesoescuto (CSPM); comprimento das cerdas anteriores do escutelo (CSAE); comprimento das cerdas posteriores do escutelo (CSPE); comprimento do edeago (CE); comprimento dos apódemas na cápsula genital (CA); comprimento da cápsula genital (CCG); largura da cápsula genital (LCG); distância basal da cápsula genital (DB); distância apical da cápsula genital (DA); largura apical da cápsula genital (LA); comprimento da abertura dorsal da cápsula genital (CAD); largura da lâmina dorsal da cápsula genital (LLD); comprimento da lâmina dorsal da cápsula genital (CLD); comprimento da extensão posterior da lâmina dorsal da cápsula genital (CEPLD); distância dos processos ventrais na cápsula genital (DPV); comprimento da tíbia posterior (CTP); comprimento do escapo da antena (CEA).

Análise Multivariada. A Análise de Componentes Principais (ACP) foi empregada para examinar as variações nos caracteres morfométricos e avaliar os padrões de ordenação de T. acacioi, T. demoraesi e T. galloi provenientes do mesmo hospedeiro e de diferentes locais. Além disso foi útil para verificar o padrão de ordenação e as variáveis que mais contribuíram na separação das espécies T. atopovirilia, T. bruni e T. distinctum. A ACP foi realizada usando-se o programa SAS (1990). Os dados foram transformados em logaritmo decimal para homogeneizar as variâncias.

 

Resultados e Discussão

De acordo com os resultados da ACP para as seis espécies combinadas, os três primeiros eixos explicaram 78,2% da variação total entre os caracteres. O primeiro componente explicou 36,1% da variação total, o segundo 29,2% e o terceiro 12,9% (Tabela 2). Os três primeiros autovetores apresentaram coeficientes positivos e negativos.

 

 

O gráfico da projeção dos indivíduos no espaço dos dois primeiros componentes apresenta a existência de três grupos: um formado por espécimes de T. acacoi e T. atopovirilia, outro por T. bruni, T. distinctum e T. galloi e um terceiro por T. demoraesi (Fig. 1). A distribuição dos escores individuais, incluindo o terceiro componente principal, mostra uma ordenação semelhante ao gráfico anterior, observando-se maior sobreposição entre os espécimes de T. galloi e T. distinctum e uma separação destas com T. bruni (Fig. 2). T. acacioi e T. atopovirilia formam um grupo mais coeso e separado de T. demoraesi.

 

 

 

 

As variáveis que mais contribuíram para a diferenciação das espécies (Tabela 2) no primeiro componente foram o comprimento da extensão posterior da lâmina dorsal (CEPLD) e o comprimento da lâmina dorsal (CLD). O segundo pela variável largura apical da cápsula genital (LA), largura da lâmina dorsal da cápsula genital (LLD), largura da cápsula genital (LCG) e comprimento da extensão posterior da lâmina dorsal da cápsula genital (CEPLD). No terceiro componente, foram os comprimentos das cerdas posteriores do mesoescuto (CSPM), das cerdas flageliformes (CSF), das cerdas anteriores do escutelo (CSAE) e das cerdas posteriores do escutelo (CSPE).

Os padrões de ordenação entre as espécies de Trichogramma sugerem que a diferenciação dos três grupos está primariamente relacionada aos caracteres da cápsula genital e, especificamente, da lâmina dorsal e, em menor grau, aos caracteres das antenas (comprimento das cerdas flageliformes) e do mesoescuto e mesoescutelo (comprimento das cerdas anteriores e posteriores).

T. acacioi e T. atopovirilia formaram um grupo destacado das demais espécies. Essas espécies possuem uma cápsula genital ampla (larga e comprida) e uma lâmina dorsal larga e curta, compreendendo quase toda a largura da cápsula genital.

Em T. acacioi foi observada dispersão entre os indivíduos sugerindo uma variação intra-específica. Com relação a T. acacioi (Figs. 3 e 4), os três primeiros componentes explicaram 72%, o primeiro componente com 37%, o segundo 24% e o terceiro 11%. No primeiro componente, o comprimento das cerdas anteriores do escutelo (CSAE) apresentou o maior coeficiente absoluto (0,761) sendo a variável de maior contribuição. No segundo componente, a largura do flagelo (LF) foi a variável que apresentou maior valor absoluto 0,576. No terceiro componente, os comprimentos das cerdas anteriores do escutelo (CSAE) e das cerdas posteriores do mesoescuto (CSPM) apresentaram os maiores coeficientes absolutos, 0,523 e 0,500, respectivamente.

 

 

 

 

O comprimento das cerdas anteriores do escutelo foi a variável que melhor contribuiu com as variações e ordenações em T. acacioi.

T. demoraesi foi morfologicamente distinto das demais espécies estudadas, principalmente de T. acacioi e T. atopovirilia (Figs. 1 e 2). Os resultados obtidos na ACP de T. demoraesi, mostraram que os três primeiros componentes explicaram 83% da variação total. O primeiro componente explicou 43,9%, o segundo componente 21,8% e o terceiro 17,3%. Os três componentes apresentaram coeficientes positivos e negativos. A projeção dos indivíduos no espaço dos três primeiros componentes não mostrou a presença de grupos diferenciados (Figs. 5 e 6). A distância dos processos ventrais (DPV) foi a variável de maior contribuição no primeiro componente com o valor de 0,853. No segundo e terceiro componentes, o comprimento das setas anteriores do escutelo (CSAE) foi a variável com o maior valor absoluto, 0,741 e 0,456, respectivamente.

 

 

 

 

A análise dos componentes principais de T. galloi mostrou uma sobreposição entre T. galloi do Brasil e do Uruguai e reduzidas diferenças com os espécimes da Bolívia (Figs. 7 e 8). Os três primeiros componentes explicaram 72,1% da variação total. O primeiro componente explicou 28,7% da variação total, o segundo 24,8% e o terceiro 18,6%. Os três primeiros autovetores apresentaram valores positivos e negativos. O gráfico da projeção dos indivíduos no espaço dos dois primeiros componentes demonstrou mínima variação entre os espécimes do Uruguai e Brasil. As variáveis distância dos processos ventrais (DVP) e comprimento das setas anteriores do escutelo (CSAE) foram as de maior contribuição nesses componentes, no primeiro, 0,450 e 0,387, no segundo, 0,717 e 0,764, respectivamente. Considerando-se o espaço dos três primeiros componentes (Fig. 8), verificou-se uma sobreposição entre os espécimes e uma menor dispersão dos indivíduos, indicando pequena variação intra-específica.

 

 

 

 

T. galloi e T. distinctum são espécies muito semelhantes. Os três primeiros eixos explicaram cerca de 72% da variação total. O primeiro componente explicou cerca de 37,1% da variação total, o segundo 22,2% e o terceiro 12,7%. Os três autovetores apresentaram coeficientes positivos e negativos.

O gráfico da projeção dos indivíduos no espaço dos dois primeiros componentes principais (Fig. 9) demonstra a existência de pequena diferenciação morfológica entre estas duas espécies, sobreposição entre espécimes de T. galloi e T. distinctum (Fig. 10) e variação intra-específica entre os indivíduos de T. galloi. No primeiro componente, as variáveis distância dos processos ventrais à base do processo intervolselar (DVP) e o comprimento das cerdas anteriores do escutelo (CSAE), foram as que apresentaram coeficientes com os maiores valores absolutos, 0,624 e 0,553, respectivamente. O segundo componente foi mais influenciado pela distância dos processos ventrais à base do processo intervolselar (DVP), comprimento das cerdas posteriores do mesoescuto (CSPM) e comprimento das cerdas da franja da asa anterior (CSFAA), com os valores absolutos 0,506, 0,391 e 0,345, respectivamente. O terceiro componente foi influenciado pelo comprimento das cerdas anteriores do escutelo (CSAE), pela distância dos processos ventrais à base do processo intervolselar (DVP) e pelo comprimento das cerdas posteriores do mesoescuto (CSPM), com 0,702, 0,463 e 0,448, respectivamente.

 

 

 

 

T. demoraesi (cápsula genital estreita) apresentou-se distinta das demais espécies, que se comportaram de forma agregada, nos casos de T. bruni, T. galloi e T. distinctum (cápsula genital estreita) e T. acacioi e T. atopovirilia (cápsula genital ampla). As análises demonstraram que T. acacioi e T. atopovirilia, espécies morfologicamente muito semelhantes, ficaram agrupadas e muito próximas. Enquanto T. galloi e T. distinctum, espécies morfologicamente muito semelhantes, comportaram-se como distantes.

As cerdas do escutelo, principalmente o par anterior, é um caráter que deve ser utilizado com cuidado pois apresenta bastante variabilidade intra-específica.

As variações morfológicas intra-específicas e a existência de diferenças sutis entre as espécies analisadas são evidenciadas pela Análise de Componentes Principais. Portanto, essa análise é de muita utilidade nos estudos taxonômicos com Trichogramma baseados em caracteres morfológicos.

 

Agradecimentos

Ao Prof. Sinval Silveira Neto (ESALQ) e à Profª Marinéia L. Haddad (ESALQ) pelo apoio na realização deste trabalho. Aos revisores deste artigo pelas sugestões.

 

Literatura Citada

Blackith, R.E. & R.A. Reyment. 1971. Multivariate morphometrics. London, Academic Press, 412p.        [ Links ]

Cavalcanti, M.J. & P.R.D. Lopes. 1993. Análise morfométrica multivariada de cinco espécies de Serranidae (Teleostei, Perciformes). Acta Biol. Leopold. 15: 53-64.        [ Links ]

Galán, M. & J. Rodríguez. 1993. Caracterizacion morfometrica de Trichogramma Westwood (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Rev. Protec. Veget. 8: 157-165.        [ Links ]

Grenier, S., G. Grille, C. Basso & B. Pintureau. 2001. Effects of the host species and the number of parasitoids per host on the size of some Trichogramma species (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Biocontrol Sci. Tech. 11: 21-26.        [ Links ]

Kazmer, D.J. & R.F. Luck. 1991. Female body size, fitness and biological control quality: Field experiments with Trichogramma pretiosum. Les Colloques de I'INRA 56: 37-40.        [ Links ]

Marston, N. & L.R. Ertle. 1973. Host influence on the bionomics of Trichogramma minutum. Ann. Entomol. Soc. Am. 66: 1155-1162.        [ Links ]

Pinto, J.D. 1999. Systematics of the north american species of Trichogramma Westwood (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Washington, Entomological Society of Washington, 287p. (Memoirs, 22).        [ Links ]

Pinto, J.D., R.K. Velten, G.R. Platner & E.R. Oatman. 1989. Phenotypic plasticity and taxonomic character in Trichogramma (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Ann. Entomol. Soc. Am. 82: 414-425.        [ Links ]

Pintureau, B. 1993. Morphometric analysis of the genus Trichogramma Westwood (Hymenoptera: Trichogrammatidae) in Europe. Can. Entomol. 125: 367-378.        [ Links ]

Querino, R.B. & R.A. Zucchi. 2002. Intraspecific variation in Trichogramma bruni Nagaraja, 1983 (Hymenoptera: Trichogrammatidae) associated with different hosts. J. Braz. Biol. (suplemento:1-15).        [ Links ]

Reis, S.F. dos. 1988. Morfometria e estatística multivariada em biologia evolutiva. Revta. Bras. Zool. 5: 571-580.        [ Links ]

Reyment, R.A., R.E. Blackith & N.A. Campbell. 1981. Multivariate morphometrics. New York, Academic Press, 233 p.        [ Links ]

SAS Institute. 1990. SAS/STAT user's guide, version 6. 4 ed. Cary.        [ Links ]

Velasquez de Rios, M. & O. Colmenares. 1999. Análisis morfométrico de dos espécies de Trichogramma (Hymenoptera: Trichogrammatidae) utilizando la metodología de componentes principales. Bol. Entomol. Venez.14: 191-200.        [ Links ]

 

 

Received 29/09/03. Accepted 10/06/04

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License