SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue3Cephalotes clypeatus Fabricius (Hymenoptera: Formicidae): nesting habits and occurrence in animal carcassFirst record of Eulaema helvola Moure (Hymenoptera: Apidae: Euglossina) for the State of Minas Gerais: biogeographic and taxonomic implications author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566XOn-line version ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. vol.35 no.3 Londrina May/June 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2006000300020 

SCIENTIFIC NOTE

 

Redescoberta de Melipona subnitida Ducke (Hymenoptera: Apidae) nas Restingas do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, Barreirinhas, MA

 

Rediscovery of Melipona subnitida Ducke (Hymenoptera: Apidae) in the "Restinga" in the Nacional Park Lençóis Maranhenses, Barreirinhas, MA, Brazil

 

 

Márcia Rêgo; Patrícia Albuquerque

LEA – Lab. Estudos sobre Abelhas, Dep. Biologia, Univ. Federal do Maranhão. Av. dos Portugueses, SN. Campus do Bacanga, 65040-080, São Luis, MA

 

 


RESUMO

Decorridos aproximadamente 95 anos da descrição original, um ninho de Melipona subnitida Ducke foi redescoberto no Maranhão, em um ecossistema de restinga de Barreirinhas. Os insetos-testemunha foram depositados no Laboratório de Estudos sobre Abelhas (LEA) do Departamento de Biologia UFMA.

Palavras-chave: Abelha sem ferrão, ninho, Apinae, Meliponina


ABSTRACT

Approximately 95 years after the original description, a nest of Melipona subnitida Ducke was rediscovered in the state of Maranhão, in a restinga ecosystem of the Barreirinhas municipality, Northeastern Brazil. The voucher specimens are deposited in the collection of the "Laboratório de Estudos sobre Abelhas" of the "Departamento de Biologia UFMA".

Key words: Stingless bee, nest, Apinae, Meliponina


 

 

Melipona Illiger reúne o maior número de espécies de Meliponina, restritas à região Neotropical. A Amazônia abriga grande diversidade de espécies de Melipona com ampla variedade de ninhos, com dúzias de colônias por hectare (Roubik 1989, p.194). A maioria das espécies nidifica em ocos de árvores vivas (Roubik 1989).

O mel de Melipona subnitida Ducke (no Ceará), M. crinita Moure & Kerr, M. seminigra Friese (na Amazônia), M. fasciculata Smith (no Maranhão), M. scutellaris Latreille (no nordeste até o sul da Bahia) e M. quadrifasciata Lepeletier (Minas Gerais, São Paulo e Paraná) é explorado comercialmente. Outras espécies estão sendo criadas para a polinização de cultivares de importância econômica, como M. quadrifasciata na polinização do tomate (Del Sarto et al. 2005) e M. subnitida, do pimentão (Cruz et al. 2004).

M. subnitida foi registrada pela primeira vez no Maranhão, no município de Alcântara (Ducke 1910a), na ocasião, sua distribuição considerada na "parte norte do nordeste seco do Brasil". Ocorre também no Ceará (Fortaleza, Maranguape, Baturité, Serra do Baturité e Miguel Calmon) (Ducke 1910b, Schwarz 1932). É considerada espécie rara no Maranhão apesar de vários levantamentos realizados, em diferentes ecossistemas do estado (Gonçalves et al. 1996; Rebelo et al. 2003). M. subnitida é endêmica da caatinga (Martins 2002). Era encontrada em toda a região Nordeste, mas atualmente é menos freqüente e com populações desequilibradas. Entre os meliponíneos nativos do Nordeste brasileiro, M. subnitida (jandaíra) é uma das espécies mais indicadas para a criação racional com fins lucrativos, mas o extrativismo predatório e o desmatamento são as principais causas do declínio do número de colônias silvestres dessa espécie (Cruz et al. 2004).

A área de restinga amostrada localiza-se no limite do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, em Barreirinhas, MA (2° 44' S; 42° 50' W). A região é considerada prioritária, de alta importância biológica, para a conservação da biodiversidade (Silva et al. 2004). O ninho de M. subnitida, com entrada para a passagem de uma única abelha foi encontrado no oco existente em um mourão de cerca, ocupando aproximadamente 80 cm do mesmo (Fig. 1).

 

 

Os espécimes foram capturados em março/2005 (período chuvoso) e estão depositados no Laboratório de Estudos sobre Abelhas (LEA) do Departamento de Biologia UFMA.

 

Agradecimentos

Ao Professor J.M.F. Camargo da FFCLRP-USP pela confirmação da identificação da espécie. Ao senhor Manoel Nascimento por ter cedido sua propriedade para os estudos e ao senhor Manoel Lima Rocha pela ajuda de campo. Ao PROBIO - Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira pelo apoio financeiro concedido.

 

Referências

Cruz, D. de O., B.M. Freitas, L.A. da Silva, E.M.S. da Silva & I.G.A. Bomfim. 2004. Adaptação e comportamento de pastejo da abelha jandaíra (Melipona subnitida Ducke) em ambiente protegido. Acta Sci. 26: 293-298.        [ Links ]

Del Sarto, M.C.L., R.C. Peruquetti & L.A.O. Campos. 2005. Evaluation of the Neotropical stingless bee Melipona quadrifasciata (Hymenoptera: Apidae) as pollinator of greenhouse tomatoes. J. Econ. Entomol. 98: 260-266.        [ Links ]

Ducke, A. 1910a. Explorações botânicas e entomológicas no estado do Ceará. Rev. Trimens. Inst. Ceará 24: 3-61.        [ Links ]

Ducke, A. 1910b. Contribution a la connaissance de la faune hyménopterologique du Nord-Est de Brésil. Rev. D´Entomol. 28: 78-122.        [ Links ]

Gonçalves, S.J.M., M.M.C. Rêgo & A. Araújo. 1996. Abelhas sociais (Hymenoptera: Apidae) e seus recursos florais em uma região de mata secundária, Alcântara, MA, Brasil. Acta Amazon. 26: 55-68.        [ Links ]

Martins, C.F. 2002. Diversity of the bee fauna of the Brazilian caatinga, p.131-134. In P.G. Kevan & V.L. Imperatriz-Fonseca (eds.), Pollinating bees – the conservation link between agriculture and nature. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 313p.        [ Links ]

Rebelo, J.M.M., M.M.C. Rêgo & P.M.C. Albuquerque. 2003. Abelhas (Hymenoptera, Apoidea) da Região Setentrional do estado do Maranhão, Brasil, p.265-278. In G.A.R. Melo & I. Alves-dos-Santos (eds.), Apoidea Neotropica: Homenagem aos 90 anos de Jesus Santiago Moure. Criciúma, UNESC, 320p.        [ Links ]

Roubik, D.W. 1989. Ecology and natural history of tropical bees. New York, Cambridge Univ. Press, 514p.        [ Links ]

Schwarz, H.F. 1932. The genus Melipona: the type genus of the Meliponinae or stingless bees. Bull. Am. Mus. Nat. Hist. 63: 231- 460+pls. 1-10.        [ Links ]

Silva, J. M.C, M. Tabarelli & M.T. Fonseca. 2004. Áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade na caatinga, p.349-374. In J.M.C. Silva, M. Tabarelli, M.T.Fonseca & L.V. Lins (eds), Biodiversidade da caatinga: Áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 382p.        [ Links ]

 

 

Received 26/IV/05. Accepted 25/VII/05.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License