SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue4Occurrence of Cephalonomia stephanoderis Betrem (Hymenoptera: Bethylidae) in coffee plantations of the Brazilian Amazonia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566X

Neotrop. Entomol. vol.35 no.4 Londrina July/Aug. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2006000400023 

SCIENTIFIC NOTE

 

Ocorrência do ácaro Pyemotes sp. (Acari: Pyemotidae) em criações de insetos em laboratório

 

Occurrence of the mite Pyemotes sp. (Acari: Pyemotidae) in insect rearing in laboratory

 

 

Uemerson S. da CunhaI; Edmilson S. SilvaII; Gilberto J. de MoraesII; José D. VendramimII

IDepto. Fitossanidade, Fac. Agronomia "Eliseu Maciel", FAEM-UFPel. C. postal 354, 96001-970, Pelotas, RS uscunha@yahoo.com.br
IIDepto. Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, ESALQ/USP, Av. Pádua Dias, 11, C. postal 9, 13418-900 Piracicaba, SP

 

 


RESUMO

Ácaros Pyemotidae são relatados como ectoparasitos de grande número de artrópodes, principalmente de insetos. Estes ácaros são freqüentemente encontrados atacando insetos em diferentes habitats, inclusive em criações de laboratório. Relata-se neste trabalho a ocorrência de Pyemotes sp., grupo ventricosus, em criações da traça-do-tomateiro, Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae), da traça-das-farinhas, Anagasta kuehniella (Zeller) (Lepidoptera: Pyralidae), e do gorgulho-do-milho, Sitophilus zeamais Motschulsky (Coleoptera: Curculionidae), no laboratório de criação de insetos da ESALQ-USP, em Piracicaba, SP, inclusive causando dermatites nas pessoas envolvidas com as criações. Este é o primeiro registro do parasitismo de Pyemotes sp. em lagartas de T. absoluta e larvas de S. zeamais. Pelo fato de estes ácaros causarem dermatites em seres humanos, demonstrada por outros autores, o uso direto da espécie de Pyemotes encontrada neste trabalho para o controle dos insetos citados possa não ser promissor.

Palavras-chave: Ácaro-da-poeira, parasitismo, dermatite, toxina, controle biológico


ABSTRACT

Pyemotidae mites have been reported as ectoparasites of a large number of arthropods, especially of insects. These mites are frequently found attacking insects in different habitats, including insect rearing. This paper reports the occurrence of Pyemotes sp., ventricosus group, in colonies of Tuta absoluta (Meyerick) (Lepidoptera: Gelechiidae), Anagasta kuehniella (Zeller) (Lepidoptera: Pyralidae) and Sitophilus zeamais Motschulsky (Coleoptera: Curculionidae), in the insect rearing laboratory of ESALQ-USP, in Piracicaba, State of São Paulo, provoking dematitis in those involved with the rearing. This is the first report of a Pyemotes species parasitizing T. absoluta and S. zeamais. Considering the capacity of Pyemotes to cause dermatitis in human beings, demonstrated by other authors, the direct use of the Pyemotes species found in this work for the control of the reported insect species may not be promising.

Key words: Dust mite, parasitism, dermatitis, toxin, biological control


 

 

Ácaros Pyemotidae são relatados como ectoparasitos de um grande número de artrópodes, principalmente aqueles da classe Insecta (Cross et al. 1975). Durante a fase adulta, fêmeas desses ácaros prendem-se ao hospedeiro para se nutrir, ocorrendo fisogastria que se caracteriza pela expansão da porção posterior de seu corpo (opistossoma), onde ocorre a retenção e o desenvolvimento da prole (Gerson et al. 2003). Ao nascer, os indivíduos são capazes de iniciar imediatamente a alimentação bem como de se reproduzir, pois já estão na fase adulta (Bruce & LeCato 1978). Tais características, associadas à capacidade desses ácaros de se alimentarem de várias espécies de insetos em diversos estágios de desenvolvimento, permitem a rápida multiplicação dos ácaros em condições favoráveis (Cross et al. 1975, Flechtmann 1990).

Costa Lima (1917) foi o primeiro autor que relatou a presença de ácaros dessa família no Brasil, referindo-se à ocorrência de Pyemotes ventricosus (Newport) parasitando a lagarta-rosada do algodoeiro, Pectinophora gossypiella (Saunders) (Lepidoptera: Gelechiidae). Oliveira et al. (1999) e Binotti et al. (2001), avaliando a fauna acarina da poeira em residências da cidade de Campinas, SP, constataram a presença de uma espécie de Pyemotes. Sousa et al. (2005) relatam Acarophenax tribolii Newstead e Pyemotes sp. incidindo em produtos comercializados em supermercados e feiras livres na cidade do Recife, PE.

O objetivo deste trabalho foi relatar a ocorrência de Pyemotes sp. em criações de duas espécies de Lepidoptera e uma de Coleoptera em um laboratório de criação de insetos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da Universidade de São Paulo, em Piracicaba, SP, causando inclusive dermatite nas pessoas envolvidas com a criação.

A traça-do-tomateiro, Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae), estava sendo criada naquele laboratório por, pelo menos, oito anos. No final de 2002, ocorreu mortalidade integral das lagartas da criação, sem que a causa fosse detectada. Nova criação foi iniciada em 2003, mas voltou a ocorrer elevada mortalidade de lagartas. Uma observação mais criteriosa permitiu constatar o parasitismo de um número de lagartas por ácaros (Fig. 1A), visíveis a olho nu. Os ácaros apresentavam o formato de pequenas esferas esbranquiçadas, correspondendo às fêmeas fisogástricas. Espécimes dos ácaros foram montados em lâminas para microscopia e determinados como sendo Pyemotes sp. grupo ventricosus, com base nos trabalhos de Cross et al. (1981) e Moser et al. (1987). Nesse grupo existem pelo menos dez espécies conhecidas, algumas das quais produzem toxinas e são capazes de parasitar grande diversidade de hospedeiros (Cross et al. 1975). Esta é a primeira constatação do parasitismo de Pyemotes sp. em lagartas de T. absoluta.

 


 

As lagartas atacadas pelos ácaros tornavam-se rapidamente imóveis, provavelmente devido à injeção de alguma toxina (Tomalski et al. 1989), e adquiriam coloração cinza-pálida. O mesmo sintoma de alteração de cor foi observado por Abdel-Rahman et al. (1999) em lagartas de P. gossypiella parasitadas por Pyemotes herfsi (Oudemans).

O ataque de apenas uma fêmea de Pyemotes sp. foi suficiente para paralisar uma lagarta de T. absoluta no quarto instar, em poucos minutos. Vaivanijkul & Haramoto (1969), estudando a biologia de Pyemotes boylei Krzal, constataram que uma fêmea do ácaro foi suficiente para paralisar uma ninfa de Cryptotermes brevis (Walker) (Isoptera: Kalotermitidae). Durante as observações não foram constatadas pupas de T. absoluta atacadas pelos ácaros.

Cross et al. (1975) citam 138 espécies de artrópodes hospedeiros de Pyemotidae, incluindo 25 espécies de lepidópteros. Apenas cinco desses hospedeiros pertencem à família Gelechiidae e nenhum deles é T. absoluta. Assim, esse é o primeiro registro do ataque de Pyemotidae a T. absoluta.

A traça-das-farinhas, Anagasta kuehniella (Zeller) (Lepidoptera: Pyralidae), é criada em trigo no mesmo laboratório da ESALQ e também foi parasitada por Pyemotes sp., embora os danos do ataque do ácaro não tenham sido tão expressivos. As pessoas encarregadas da manutenção da criação de A. kuehniella apresentaram sintomas de alergia na pele, com a ocorrência de pontuações avermelhadas (Fig. 1B), em alguns casos distribuídas por todo o corpo. As regiões afetadas apresentavam um prurido intenso e mostravam-se inchadas. Segundo Flechtmann (1990), febre, distúrbios intestinais, cefaléias e asma são outras manifestações que podem ocorrer devido à ação de alguns Pyemotidae. Além da ocorrência em humanos citada anteriormente, Yeruham et al. (1997) constataram dermatites causadas por Pyemotes tritici (LaGréze-Fosset & Montané) em eqüinos.

O parasitismo de ácaros Pyemotidae em Pyralidae, família à qual pertence A. kueniella, não é incomum, havendo uma série de registros envolvendo insetos dessa família, incluindo A. kueniella, e diversas espécies de Pyemotes (Vaivanijkul & Haramoto 1969, Cross et al. 1975, Bruce & LeCato 1978).

Pyemotes sp. também foi observada, no mesmo laboratório atacando larvas e pupas de Sitophilus zeamais Motschulsky (Coleoptera: Curculionidae) no interior de grãos de trigo.

Existem citações do parasitismo de Pyemotidae em Coleoptera, inclusive atacando espécies de Sitophilus (Vaivanijkul & Haramoto 1969, Cross et al. 1975, Moser et al. 1978, Moser et al. 2005), embora este seja o primeiro registro do parasitismo em S. zeamais. Existem relatos de Pyemotes sp. parasitando coleópteros das famílias Anobiidae (Bruce & LeCato 1978), Anthribidae e Bruchidae (Vaivanijkul & Haramoto 1969), Chrysomelidae (Drummond & Casagrande 1989), Cucujidae e Tenebrionidae (Bruce & LeCato 1978).

Apesar da ação de Pyemotes sp. em populações de T. absoluta, A. kuehniella e S. zeamais, o uso direto de ácaros desse grupo como agentes de controle biológico, envolvendo sua liberação no ambiente, não é recomendado devido aos efeitos indesejáveis que causa ao ser humano (Oliveira et al. 1999, Binotti et al. 2001, Rosen et al. 2002). Estudos têm sido conduzidos para avaliar o potencial de uso da toxina produzida por algumas espécies de ácaros desse gênero. A toxina TxP1, que é produzida por P. tritici foi utilizada na modificação genética de alguns vírus, tornando-os mais eficazes no controle de insetos. Esses trabalhos foram conduzidos com o vírus da poliedrose nuclear que apresenta ação para Helicoverpa zea (Boddie) (Lepidoptera: Noctuidae) (Popham et al. 1997) e espécies de Baculovirus, empregados no controle de Trichoplusia ni (Hübner) (Lepidoptera: Noctuidae) (Burden et al. 2000) e Anticarsia gemmatalis Hübner (Lepidoptera: Noctuidae) (Moscardi 1999).

 

Agradecimentos

Ao Dr. Dori E. Nava e à Dra. Rita de C. R. Gonçalves-Gervásio pela grande colaboração na detecção do ácaro atacando as traças.

 

Referências

Abdel-Rahman, S.I., S.M. Naguib, A.A. Ibrahim & M.A.M. El-Enany. 1999. Laboratory studies on the effect of the ectoparasitic mite Pyemotes herfsi (Oudemans) on the cotton bollworm Pectinophora gossypiella (Saunders). Egypt. J. Agric. Res. 77: 1217-1224.        [ Links ]

Binotti, R.S., J.R.O. Muniz, I.A. Paschoal, A.P. Prado & C.H. Oliveira. 2001. House dust mites in Brazil – An annotated bibliography. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 96: 1177-1184.        [ Links ]

Bruce, W.A. & G.L. LeCato. 1978. Pyemotes tritici: Potencial biological control agent of stored-product insects. Recent Adv. Acarol. 1: 213-220.        [ Links ]

Burden, J.P., R.S. Hails, J.D. Windass, M.M. Suner & J.S. Cory. 2000. Infectivity, speed of kill & productivity of a baculovirus expressing the itch mite toxin txp-1 in second and fourth instar larvae of Trichoplusia ni. J. Invert. Path. 75: 226-236.        [ Links ]

Costa Lima, A.M.. 1917. Relatório sobre a lagarta rósea do capulho nos algodoeiros do Nordeste. Escola Nacional de Agronomia, Rio de Janeiro – RJ, 50p.        [ Links ]

Cross, E.A., J.C. Moser & G. Rack. 1981. Some new forms of Pyemotes (Acarina: Pyemotidae) from forest insects, with remarks on polymorphism. Int. J. Acarol. 7: 179-196.        [ Links ]

Cross, W.H., W.L. McGovern & E.A. Cross. 1975. Insect hosts of the parasitic mites called Pyemotes ventricosus (Newport). J. Georgia Entomol. Soc. 10: 1-8.        [ Links ]

Drummond, F.A. & R.A. Casagrande. 1989. Effect of the straw itch mite on larvae and adults of the colorado potato beetle. Am. Potato J. 66: 161-163.        [ Links ]

Flechtmann, C.H.W. 1990. (ed.) Ácaros de importância médico-veterinária. São Paulo, Nobel, 192p.        [ Links ]

Gerson, U., R.L. Smiley & R. Ochoa. 2003. (eds.) Mites (Acari) for pest control. Oxford, Blakwell Science, 539p.        [ Links ]

Moscardi, F. 1999. Assessment of the application of baculoviruses for control of Lepidoptera. Ann. Rev. Entomol. 44: 257-289.        [ Links ]

Moser, J.C., B. Kietczewski, J. Wisniewski & S. Batazy. 1978. Evaluating Pyemotes dryas (Vitzthum 1923) (Acari: Pyemotidae) as a parasite of the southern pine beetle. Int. J. Acarol. 4: 67-70.        [ Links ]

Moser, J.C., H. Konrad, T. Kirisits & L.K. Carta. 2005. Phoretic mites and nematode associates of Scolytus multistriatus and Scolytus pygmaeus (Coleoptera: Scolytidae) in Austria. Agric. For. Entomol. 7:169-177.        [ Links ]

Moser, J.C., R.L. Smiley & S. Otvos. 1987. A new Pyemotes (Acari: Pyemotidae) reared from the douglas-fir cone moth. Int. J. Acarol. 13: 141-147.        [ Links ]

Oliveira, C.H., R.S. Binotti, J.R.O. Muniz, A.J. Pinho Jr., A.P. Prado & S. Lazzarini. 1999. Fauna acarina da poeira de colchões na cidade de Campinas - SP. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol. 22: 188-197.        [ Links ]

Popham, H.J.R., L.I. YongHong, L.K. Miller & Y.H. Li. 1997. Genetic improvement of Helicoverpa zea nuclear polyedrosis virus as a biopesticide. Biol. Control 10: 83-91.        [ Links ]

Rosen, S., I. Yeruham & Y. Braverman. 2002. Dermatitis in humans associated with the mites Pyemotes tritici, Dermanyssus gallinae, Ornithonyssus bacoti and Androlaelaps casalis in Israel. Med. Vet. Entomol. 16: 442-444.        [ Links ]

Souza, J.M. de, M.G.C. Gondim Jr., R. Barros & J.V. de Oliveira. 2005. Ácaros em produtos armazenados comercializados em supermercados e feiras livres da cidade do Recife. Neotrop. Entomol. 34: 303-309.        [ Links ]

Tomalski, M.D., R. Kutney, W.A. Bruce, M.R. Brown, M.S. Blum & J. Travis. 1989. Purification and characterization of insect toxins derived from the mite Pyemotes tritici. Toxicon 27: 1151-1167.        [ Links ]

Vaivanijkul, P. & F.H. Haramoto. 1969. The biology of Pyemotes boylei Hrczal (Acarina: Pyemotidae). Proc. Hawaiian Entomol. Soc. 20: 443-454.        [ Links ]

Yeruham, I., S. Rosen & Y. Braverman. 1997. Dermatitis in horses and humans associated with straw itch mites (Pyemotes tritici) (Acarina: Pyemotidae). Acarologia 38: 161-164.        [ Links ]

 

 

Received 01/XI/05.
Accepted 15/III/06.