SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue2Banana tree pests attacking Heliconia latispatha Benth. (Heliconiaceae)Argyrotaenia sphaleropa (Meyrick) (Lepidoptera: Tortricidae) in citrus in the State of Paraná, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566XOn-line version ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. vol.36 no.2 Londrina Mar./Apr. 2007

https://doi.org/10.1590/S1519-566X2007000200022 

SCIENTIFIC NOTE

 

Descrição de Apiomerus costai sp. nov. do Mato Grosso, com notas taxonômicas sobre Apiomerus Hahn (Hemiptera, Heteroptera: Reduviidae, Harpactorinae, Apiomerini)

 

Description of Apiomerus costai sp. nov. from Mato Grosso State, Brazil, with taxonomical notes on Apiomerus Hahn (Hemiptera, Heteroptera: Reduviidae, Harpactorinae, Apiomerini)

 

 

Hélcio R. Gil-SantanaI; Patrícia MilanoII

ILab. Diptera, Depto. Entomologia, Instituto Oswaldo Cruz. Av. Brasil 4365, Manguinhos, 21045-900 Rio de Janeiro, RJ, helciogil@uol.com.br
IIDepto. Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, ESALQ/USP, Piracicaba, SP, patmilano@gmail.com

 

 


RESUMO

Apiomerus costai sp. nov. (Hemiptera: Reduviidae) é descrita. Notas taxonômicas sobre Apiomerus Hahn são apresentadas.

Palavras-chave: Insecta, nova espécie, Neotropical


ABSTRACT

Apiomerus costai sp. nov. (Hemiptera: Reduviidae) is described and taxonomical notes about Apiomerus Hahn are presented.

key words: Insecta, new species, Neotropical


 

 

A tribo Apiomerini, atualmente composta por 12 gêneros (Gil-Santana et al. 2002, Bérenger 2006) é exclusiva do Novo Mundo, representada na região Neártica somente por espécies de Apiomerus Hahn (Froeschner 1988, Maldonado Capriles 1990). Uma síntese dos conhecimentos atuais sobre os Apiomerini, incluindo chave e diagnose dos gêneros que integram a tribo foi fornecida por Gil-Santana et al. (2003) e complementada por Bérenger (2006).

No estudo das espécies de Apiomerus, Champion (1899) destacou-se de seus predecessores ao fornecer figuras coloridas das espécies da América Central, além de ter firmado a importância do aspecto do pigóforo nos machos e do sétimo tergito nas fêmeas para a taxonomia do grupo.

A extensa revisão de Costa Lima et al. (1951) foi sucedida por seus aditamentos (Costa Lima et al.1952, Costa Lima & Mendes 1952) e pelas contribuições de Prosen & Martínez (1955), Buckup (1957), Prosen et al. (1959, 1962), Carcavallo et al. (1964) e Dispons (1971), sintetizadas no catálogo de Maldonado Capriles (1990).

Embora Maldonado Capriles (1990) tenha relacionado 110 espécies válidas de Apiomerus, observa-se que, pelo fato de o autor não ter tomado conhecimento do trabalho de Martínez et al. (1981), deixou de relacionar Apiomerus narcisoi Martínez, Carpintero & Carcavallo (Hemiptera: Reduviidae) e de dar a conhecer que esses autores consideraram A. rutilans Dispons (Hemiptera: Reduviidae) como sinônimo júnior de A. beckeri Costa Lima, Seabra & Hathaway (Hemiptera: Reduviidae) e A. velazcoi Prosen, Carcavallo & Martínez (Hemiptera: Reduviidae) como sinônimo júnior de A. sanguineomaculatus Blanchard (Hemiptera: Reduviidae). Assim, atualmente estão incluídas 109 espécies em Apiomerus, o gênero com o maior número de espécies e o mais conhecido dentre os Apiomerini (Schuh & Slater 1995).

Neste trabalho apresentamos uma nova espécie de Apiomerus coletada no Mato Grosso, cujo material-tipo encontra-se depositado no Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (MNRJ).

 

A. costai sp. nov.

Fêmea. Dimensões (em mm) - Corpo: comprimento até o ápice dos hemiélitros: 12,5; até o ápice do abdome: 12,0. Cabeça: comprimento 2,6; largura total (incluindo os olhos) 1,6; largura entre os olhos 0,8; porção anteocular 1,0; porção pós-ocular: 0,8; antena segmento I: 1,1; segmento II: 1,1; segmento III: 2,0; segmento IV: 1,9.; Rostro: segmento I: 0,8; segmento II: 2,1; segmento III: 0,3. Tórax: lobo anterior do pronoto: comprimento: 1,1; largura: 2,4; lobo posterior do pronoto: comprimento: 1,8; largura: 4,1; comprimento do hemiélitro: 8,0; pernas anteriores fêmur: 3,5; tíbia: 4,4; tarso: 0,7; pernas médias: fêmur: 2,7; tíbia: 3,6; tarso: 0,8; pernas posteriores: fêmur: 3,7; tíbia: 4,5; tarso: 1,0. Abdome: comprimento 5,6; largura 5,0. Coloração geral negra (Fig. 1), com marcações amareladas: nas bordas laterais e posterior do pronoto, até a coxa anterior; fina faixa lateral no terço proximal externo do cório, adjacente à nervura Costal que se continua ao longo da Sc até alcançar a junção entre as nervuras do cório e da membrana, na qual se observa uma mancha amarelada. Esta última tem formato de "U" com base larga, estendendo-se entre os ápices de Sc, R e M+Cu. Conexivo amarelo e tergitos enegrecidos; na junção dos mesmos, como a coloração amarela prolonga-se mais internamente na parte superior, formam-se manchas enegrecidas subtriangulares de base posterior, evidentes nos segmentos I a V. Membrana enfuscada, ultrapassando pouco (0,5 cm) o ápice do abdome. Presença de manchas amareladas subcirculares nas pleuras junto à base das coxas. Manchas amareladas na parte inferior das coxas médias, posteriores e em todos os trocanteres. Na face anterior e inferior dos fêmures anteriores e médios, respectivamente, existem faixas amarelas estreitas e curtas. Esternitos negros com todas as bordas externas amarelas, coloração que se prolonga em faixas de base larga e ápice agudo quase alcançando a linha média do 2° esternito chegando ao terço interno dos 3°, 4° e 5° esternitos e limitada à mancha triangular de ápice rombo no 6° esternito. Corpo recoberto por pilosidade dourada mais abundante e alongada na face inferior da cabeça, tergitos e esternitos. Essa pilosidade é curta e esparsa no cório e ausente na membrana. Pronoto com sulcos laterais distintos além da depressão central. Pernas. Fêmures anteriores e médios algo engrossados. Tíbias anteriores e médias com terço distal dilatado, estas mais do que aquelas, além de encurvadas a partir do ponto médio. Margem posterior do sétimo tergito com os ângulos apicais externos pouco salientes (Fig. 2). Segmentos genitais enegrecidos (Fig. 3).

 



 

Macho. Dimensões (em mm) - Corpo: comprimento até o ápice dos hemiélitros: 11,0; até o ápice do abdome: 10,7. Cabeça: comprimento 2,2; largura total (incluindo os olhos) 1,5; largura entre os olhos 0,8; porção anteocular 0,8; porção pós-ocular: 0,9; antena segmento I: 1,1; segmento II: 1,1; segmento III: 2,0; segmento IV: 1,8.; Rostro: segmento I: 0,8; segmento II: 2,0; segmento III: 0,3. Tórax: lobo anterior do pronoto: comprimento: 1,0; largura: 2,1; lobo posterior do pronoto: comprimento: 1,4; largura: 3,5; comprimento do hemiélitro: 7,0; pernas anteriores fêmur: 3,3; tíbia: 4,0; tarso: 0,6; pernas médias: fêmur: 2,4; tíbia: 3,4; tarso: 0,7; pernas posteriores: fêmur: 3,3; tíbia: 4,1; tarso: 0,9. Abdome: comprimento 5,2; largura 3,4. Coloração geral (Fig. 4) negra a marrom. Tórax com bordas laterais e posteriores amarelo-alaranjado em maior extensão relativamente à da fêmea. Presença de duas manchas semicirculares amareladas na meso e metapleura, na base de cada coxa respectiva. Coxa anterior com base escurecida, o restante da mesma assim como as coxas médias e posteriores marrom-amareladas. Trocanteres amarelo-escurecidos. Pernas marrom-avermelhadas, com estreita faixa amarelada na face ínfero-basal dos fêmures anteriores e médios. Ápices das tíbias e tarsos enegrecidos. Córios pretos, com marcação amarelo-suja nas mesmas regiões descritas para a fêmea. Conexivo amarelado. Esternitos I a V marrom-avermelhados, VI e segmentos genitais amarelados. A pilosidade do macho é mais embranquecida e mais densa nas regiões laterais e inferiores do tórax. Pronoto com sulcos laterais distintos além da depressão central. Pigóforo (Fig. 5) com processo mediano ponteagudo simples.

Material examinado. Holótipo: fêmea, Brasil, Mato Grosso, município de Diamantino, Reserva Vale da Solidão (14° 22’ S - 56° 07’ W – 450 m), 10.v.2005, E. Furtado leg. Parátipo: macho, Alto Rio Arinos (14° 25’ S - 56° 29’ W), 31.iii.2003, E. Furtado leg. O material-tipo encontra-se depositado na Coleção Entomológica do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (MNRJ).

Etimologia. O nome da espécie foi dado em homenagem ao entomologista Luiz Antônio Alves Costa (MNRJ), pela sua contribuição ao estudo de Heteroptera.

 

Discussão

Entre as espécies de Apiomerus que apresentam o pronoto com sulcos laterais, machos com processo do pigóforo simples, sem bifurcação e as fêmeas com ângulos apicais externos do sétimo tergito pouco salientes, A. costai sp. nov. distingue-se facilmente pela coloração e as marcações claras descritas.

 

Agradecimentos

Aos entomologistas Eurides Furtado pela coleta e cessão do holótipo de Apiomerus costai sp. nov., Jean-Michel Bérenger (França) e Dimitri Forero (Cornell, EUA) pela cessão de material bibliográfico imprescindível ao presente trabalho.

 

Referências

Bérenger, J.-M. 2006. Un nouveau genre d'Apiomerini du Brésil (Heteroptera, Reduviidae, Harpactorinae). Nouv. Revue Ent. N. S. 22: 369-375.        [ Links ]

Buckup, L. 1957. Contribuição ao conhecimento do gênero Apiomerus no Brasil Meridional (Hemiptera, Reduviidae, Apiomerinae). Rev. Brasil. Biol.17: 51-57.        [ Links ]

Carcavallo, R.U., A. Martínez & AF. Prosen. 1964. Notas sobre el genero Apiomerus Hahn (II) (Hemiptera - Reduviidae - Apiomerinae). Anal. Inst. Med. Reg. Tucumán, 6: 125-137.        [ Links ]

Champion, G.C. 1899. Insecta Rhynchota. Hemiptera-Heteroptera, v. II, p.229-243. In F.D. Godman & O. Salvin (eds.), Biologia Centrali Americana. Rhynchota, London, 416p.        [ Links ]

Costa Lima, A.M., C.A.C. Seabra & CR. Hathaway. 1951. Estudo dos apiômeros (Hemiptera: Reduviidae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz 49: 273-442.        [ Links ]

Costa Lima, A.M., C.A.C. Seabra & CR. Hathaway. 1952. Aditamento o trabalho sobre o gênero Apiomerus (Hemiptera: Reduviidae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz 50: 265-269.        [ Links ]

Costa Lima, A.M. & D. Mendes. 1952. Sôbre uma coleção de apiomeros do Museu Argentino de Ciencias Naturales "Bernadino Rivadavia" (Hem. Reduviidae) Rev. Soc. Entomol. Arg. 15: 207-210.        [ Links ]

Dispons, P. 1971. Notes sur quelques Apiomerus Hahn de l’Institut Royal des Sciences Naturelles de Belgique (Hemiptera-Heteroptera; Reduviidae, Apiomerinae). Bull. Inst. R. Sci. Nat. Belg. 47: 1-12.        [ Links ]

Froeschner, R.C. 1988. Family Reduviidae Latreille, 1807 - The assassin bugs. p.616-651. In T J. Henry & R.C. Froeschner (eds.), Catalog of the Heteroptera, or true bugs, of Canada and the continental United States. Leiden, Edit. E.J. Brill, 958p.        [ Links ]

Gil-Santana, H.R., L.A.A. Costa & S.O. Zeraik. 2002. Sinonimização de Paramanicocoris Lima, Hathaway & Seabra, 1948 e Manicocoris Stål, 1866, com redescrição de M. rubroniger (Lima, Hathaway & Seabra, 1948), comb. nov. (Hemiptera, Reduviidae, Harpactorinae, Apiomerini). Bol. Mus. Nac., N. S., Zool. 490: 1-7.        [ Links ]

Gil-Santana, H.R., L.A.A. Costa, D. Forero & S.O. Zeraik. 2003. Sinopse dos Apiomerini, com chave ilustrada para os gêneros (Hemiptera-Heteroptera, Reduviidae, Harpactorinae). Publ. Avul. Mus. Nac. 97: 1-24.        [ Links ]

Maldonado Capriles, J. 1990. Systematic catalogue of the Reduviidae of the world (Insecta: Heteroptera). Carib. J. Sci., special edition, 694p.        [ Links ]

Martínez, A., D.J. Carpintero & R.U. Carcavallo. 1981. Notas sobre el genero Apiomerus Hahn, 1831 (Hemiptera, Reduviidae, Apiomerinae). Inf. Cient. Un. Nac. Asunc. 3: 6-17.        [ Links ]

Prosen, A.F. & A. Martínez. 1955. Una nueva especie de Apiomerus (Hemiptera). Mis. Est. Pat. Reg. Arg. 26: 43-46.        [ Links ]

Prosen, A.F., A. Martínez & R.U. Carcavallo. 1962. Notas sobre el género Apiomerus Hahn (Hemiptera, Reduviidae, Apiomerinae). Anal. Inst. Med. Reg. Tucumán 5: 103-115         [ Links ]Schuh, R.T. & J.A. Slater. 1995. True bugs of the world (Hemiptera: Heteroptera): Classification and natural history. New York, Cornell University, 336p.        [ Links ]

Prosen, A.F., R.U. Carcavallo & A. Martínez. 1959. Dos nuevos Apiomerus bolivianos. An. Inst. Med. Reg. Tucumán 5: 101-107.        [ Links ]

 

 

Received 20/I/06. Accepted 3/V/06.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License