SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 suppl.1Checklist of oil bees from São Paulo State, BrazilChironomidae (Insecta, Diptera, Nematocera) from São Paulo State, Southeast of Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Biota Neotropica

Print version ISSN 1806-129XOn-line version ISSN 1676-0611

Biota Neotrop. vol.11  supl.1 Campinas Jan./Dec. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032011000500031 

INVENTÁRIOS

 

Checklist de Simuliidae (Insecta, Diptera) do Estado de São Paulo, Brasil

 

Checklist of Simuliidae (Insecta, Diptera) from São Paulo State, Brazil

 

 

Mateus Pepinelli*

Laboratório de Entomologia Aquática, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - FFCLRP, Universidade de São Paulo - USP, Av. Bandeirantes, 3900, CEP 14040-901,
Monte Alegre, Ribeirão Preto, SP, Brasil

 

 


RESUMO

Nesse artigo é fornecida uma lista de espécies de Simuliidae do Estado de São Paulo. Até o momento 52 espécies estão registradas para o estado, o que representa mais de 50% de todas as espécies de borrachudos conhecidas para o Brasil. São discutidos aspectos da riqueza de espécies no Estado de São Paulo e em diferentes regiões brasileiras.

Número de espécies: No mundo: 2.114 (sendo 12 fósseis), no Brasil: 92, estimadas no estado de São Paulo: 52.

Palavras-chave: Simuliidae, biota paulista, Programa BIOTA/FAPESP.


ABSTRACT

In this paper it is provided a checklist of Simuliidae species in the State of São Paulo, Brazil. There are 52 species recorded for the state, which represents more than 50% of all black fly known species in Brazil. It is also presented data about the Simuliidae species richness in the State of São Paulo as well as in different regions of Brazil.

Number of species: In the world: 2,114 (12 being fossils), in Brazil: 92, estimated in São Paulo State: 52.

Keywords: Simuliidae, biodiversity of the State of São Paulo, BIOTA/FAPESP Program.


 

 

Introdução

Pertencentes à família Simuliidae, os borrachudos ocupam a trigésima posição em número de espécies dentre as 130 famílias de Diptera (Adler et al. 2004). De acordo com a última contagem, 2114 espécies válidas (incluindo 12 fósseis) estão descritas para todo o planeta (Adler & Crosskey 2010), o que representa aproximadamente 2% do total de espécies de Diptera descritas. Os borrachudos estão presentes em ambientes lóticos do mundo todo, exceto na Antártica. Sua abundância, ampla distribuição geográfica, importância médica e econômica e, principalmente, devido ao fato de algumas espécies picarem os humanos, conferem a esse grupo de insetos um privilegiado reconhecimento perante o público (Adler et al. 2004).

Nas regiões Norte e Nordeste do Brasil esses insetos são conhecidos como pium. No resto do país são chamados de borrachudos. No meio acadêmico e técnico muitas vezes é utilizado o jargão "simulídeo". Esse grupo de insetos vive em dois ambientes completamente distintos: o meio aquático e o terrestre. No ambiente aquático são organismos extremamente importantes e benéficos, pois fazem parte da base da cadeia alimentar. Suas larvas vivem aderidas a um substrato (folhas, galhos, pedras) e são filtradoras alimentando-se de partículas orgânicas finas (FPOM) dissolvidas e em suspensão na água, como algas e detritos finos. No ambiente terrestre são reconhecidos como insetos pestes e incômodos. Os adultos são diurnos, ambos os sexos alimentam-se de néctar de plantas e flores e somente as fêmeas de algumas espécies são antropofílicas, isto é, alimentam-se de sangue de humanos (Coscarón & Coscarón-Arias 2007). As fêmeas (geralmente após o repasto sangüíneo) depositam os ovos em vários tipos de substratos submersos ou sobre a água.

Os borrachudos geralmente estão presentes em elevadas densidades em córregos, rios, saídas de represas, de lagos e de reservatórios, pois é onde as formas imaturas se criam. Em condições favoráveis as larvas podem ocorrer em grandes quantidades, com densidades populacionais acima de 1 milhão de indivíduos/m2 (Currie & Adler 2008). Sob tais circunstâncias são importantes fontes de alimento para outros invertebrados (ex: plecópteros) e vertebrados (ex: peixes). Além disso, as larvas de Simuliidae têm um papel fundamental no processamento de matéria orgânica de córregos e rios, pois durante o processo de alimentação (filtração) as larvas de borrachudos transformam as partículas finas (FPOM) dissolvidas e suspensas na água em pelotas fecais maiores. Tais pelotas afundam rapidamente servindo de comida para organismos coletadores-juntadores. A importância e a magnitude desse processo foram comprovadas por Malmqvist et al. (2001), cuja estimativa de transporte de pelotas fecais eliminadas por larvas de Simuliidae atingiu o valor máximo de 429 t (peso seco) em apenas 1 dia, durante a vazão máxima de um trecho do rio Vindel, na Suécia. Essa matéria orgânica reciclada fornece alimentos para invertebrados e microorganismos e, potencialmente, pode fertilizar vales de rios (Malmqvist et al. 2004).

 

Metodologia

Na elaboração dessa lista de espécies de Simuliidae do Estado de São Paulo, foram consultadas várias fontes, com destaque para: Adler & Crosskey (2010), Coscarón & Coscarón-Arias (2007) e Pepinelli(2008). Anteriormente ao Programa BIOTA/FAPESP, havia o registro de 40 espécies de Simuliidae para o Estado de São Paulo. Todas as novas informações publicadas acerca de novas espécies ou de novos registros de Simuliidae para o estado de São Paulo desde que o Programa BIOTA/FAPESP foi lançado em 1999 foram oriundas de dois projetos de pesquisa, uma dissertação de mestrado e uma tese de doutorado, ambas dentro de projetos temáticos financiados pelo Programa BIOTA/FAPESP.

Durante tais projetos, várias localidades de coleta foram visitadas (mais de 150 rios e córregos) abrangendo todas as 22 unidades de gerenciamento de recursos hídricos do Estado de São Paulo (UGRH), tanto em áreas florestadas quanto em áreas de agricultura, pastagens, entre outras.

Em todas as localidades (córregos, rios, nascentes) visitadas foram encontradas larvas de borrachudos, o que demonstra a ampla distribuição geográfica do grupo e a participação dos imaturos como membros regulares das comunidades de insetos aquáticos de sistemas lóticos. No total, foram coletadas 43 espécies de Simuliidae nos 151 córregos e rios amostrados durante este estudo. As demais nove espécies da lista (totalizando 52 (Tabela 1)) não foram recoletadas e algumas são conhecidas apenas de suas coletas originais.

A riqueza de espécies foi maior em córregos localizados na região da Mata Atlântica, onde foram coletadas e identificadas 38 espécies em 48 córregos florestados situados em Parques Estaduais e remanescentes de Florestas do Estado de São Paulo. Já nos córregos localizados fora das áreas florestadas (103 localidades) a riqueza de espécies diminui para 23. Destes 103 córregos, 43 não possuíam mata ripária e apresentavam problemas de assoreamento. Nesses 43 córregos a riqueza foi de apenas 16 espécies, ou seja, menos da metade das espécies coletadas em ambientes preservados.

O número de espécies em um único córrego variou de 1 a 9 (média = 2,7). Considerando apenas córregos localizados em áreas florestadas, a riqueza média é um pouco mais elevada (3,2), enquanto o número médio nos demais córregos foi de 2,2. Entre os 43 córregos mais impactados o número médio foi de 1,7. Estudos similares realizados na Amazônia Central resultaram na coleta de 11 espécies nos 58 córregos estudados, com o número máximo de 4 espécies em um único córrego e média de 2,3 espécies por córrego (Hamada et al. 2002). Strieder (2002) coletou e identificou 14 espécies de Simuliidae em oito cursos d'água na Bacia do rio Maquiné, no Estado do Rio Grande do Sul. Na mesma região, Strieder et al. (2002) identificaram um número maior de espécies (24) em 48 localidades ao longo da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos.

O grande número de espécies de borrachudos registrados para o Estado de São Paulo em comparação com outras regiões do Brasil, em parte é resultado de um maior esforço amostral e da participação de vários especialistas de Simuliidae que trabalharam em instituições de São Paulo ao longo das últimas décadas, principalmente estudando a diversidade desse grupo em córregos de Mata Atlântica. Além disso, a abrangência das coletas realizadas durante os últimos anos, com um elevado número de localidades visitadas em diferentes regiões e, sobretudo pela grande variedade de ambientes visitados, incluindo rios e córregos de diferentes ordens, nascentes localizadas em elevadas altitudes, etc, refletem os resultados obtidos até o momento.

Em relação aos demais estados do Brasil, a riqueza de espécies de Simuliidae é mais alta no Estado de São Paulo, seguido pelo Estado do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul (Figura 1). Já o Nordeste é a região mais desprovida de informações sobre Simuliidae, com detaque para o Estado da Bahia com o maior número de registro de espécies (20). Tais dados relevam a necessidade de maiores estudos para atualizar o estado do conhecimento da biodiversidade do nosso país, principalmente na região Nordeste.

1. Principais avanços relacionados ao Programa BIOTA/FAPESP

Durante o Programa BIOTA/FAPESP, houve a descoberta e descrição de 2 novas espécies de Simuliidae, uma coletada no Pico dos Marins (Simulium marins Pepinelli, Hamada & Currie, 2009) e outra coletada em Joanópolis (Simulium duodenicornium Pepinelli, Hamada & Trivinho-Strixino, 2005). Outras 10 espécies foram coletadas pela primeira vez, aumentando em 30% o número de espécies de borrachudos registradas no estado de São Paulo.

2. Os principais grupos de pesquisa de Simuliidae no Brasil são:

• Grupo de pesquisa da Dra. Neusa Hamada do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA);

• Grupo de pesquisa da Dra. Marilza Maia-Herzog da FIOCRUZ do Rio de Janeiro;

• Grupo de pesquisa do Dr. Mateus Pepinelli, pós-doutorando do Laboratório de Entomologia Aquática da USP Ribeirão Preto;

• Grupo de pesquida do Dr. Victor Py-Daniel do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

3. As principais coleções de Simuliidae do Brasil são:

• Coleção do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA);

• Coleção do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP);

• Coleção da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP / USP);

• Coleção de Simulídeos do Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brazil (CSIOC antiga CLSO/IOC);

• Coleção do Museu de História Natural de Londres (Department of Entomology, Natural History Museum, London, United Kingdom - BMNH).

4. Principais lacunas do conhecimento

As principais lacunas do conhecimento estão relacionadas à biologia, comportamento, alimentação, capacidade vetorial de doenças em animais, potencial biotecnológico, biomonitoramento e os mecanismos de especiação que formam os complexos de espécies de Simuliidae.

5. Perspectivas de pesquisa para os próximos 10 anos

Integração de estudos moleculares e citotaxonômicos para desvendar e compreender os complexos de espécies. Construção da biblioteca de DNA Barcodes para as espécies de Simuliidae da região Neotropical e, consequentemente, do Estado de São Paulo e Brasil. Esse projeto já está em andamento e está sendo fomentado pela Fapesp no âmbito do projeto BIOTA. Com o auxílio de DNA barcoding, foi descrita recentemente uma nova espécie de Simuliidae para o Estado de Goiás (Hamada et al. 2010).

 

Referências Bibliográficas

ADLER A.H., CURRIE, D.C. & WOOD, D.M. 2004. The Black Flies (Simuliidae) of North America. Connel University Press, Ithaca, New York, 941p.         [ Links ]

ADLER, P. & CROSSKEY, R.W. 2010. World Black Flies (Diptera: Simuliidae): a comprehensive revision of the taxonomic and geographical inventory. http://entweb.clemson.edu/biomia/pdfs/blackflyinventory.pdf (último acesso em 10/10/2010). 112p.         [ Links ]

COSCARÓN, S. & COSCARÓN-ARIAS, C.L. 2007. Neotropical Simuliidae (Diptera: Simuliidae). In Aquatic Biodiversity in Latin America (ABLA) (J. Adis, J.R. Arias, G. Rueda-Delgado & K.M. Wantzen (Eds.). Pensoft, Sofia-Moscow, v.3, 685p.         [ Links ]

CURRIE, D.C. & ADLER, P.H. 2008. Global diversity of back flies (Diptera: Simulidiae) in freshwater. Hydrobiologia 595:469-475. http://dx.doi.org/10.1007/s10750-007-9114-1        [ Links ]

HAMADA, N., McCREADIE, J.W. & ADLER, P.H. 2002. Species richness and spatial distribution of blackflies (Diptera: Simuliidae) in streams of Central Amazonia, Brazil. Fresh Biol 47:31-40. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2427.2002.00778.x        [ Links ]

HAMADA, N., PEPINELLI, M., MATTOS, A.M. & LUZ, S.L.B. 2010. A new black fly species from Brazil, closely related to Simulium guianense Wise (Diptera, Simuliidae), revealed by morphology and DNA barcoding. Zootaxa 2428:22-36.         [ Links ]

MALMQVIST, B., WOTTON, R.S. & ZHANG, Y. 2001. Suspension feeders transform massive amounts of seston in large northern rivers. Oikos 92:35-43. http://dx.doi.org/10.1034/j.1600-0706.2001.920105.x        [ Links ]

MALMQVIST, B., ADLER, P.H., KUUSELA, K., MERRITT, R.W. & WOOTON, R.S. 2004. Black flies in the boreal biome, key organisms in both terrestrial and aquatic environments: a review. Écoscience 11:187-200.         [ Links ]

STRIEDER, M.N. 2002. Diversidade e distribuição de Simuliidae (Diptera, Nematocera) no gradiente longitudinal da bacia do rio Maquiné, RS, Brasil. Biociências 10:127-137.         [ Links ]

STRIEDER, M.N., SANTOS, J.E. & PES, A.M.O. 2002. Diversidade e distribuição de Simuliidae (Diptera, Nematocera) no gradiente longitudinal da bacia do rio dos Sinos, no Rio Grande do Sul, Brasil. Entomol. Vectores 9:527-540.         [ Links ]

 

 

Recebido em 30/06/2010
Versão Reformulada recebida em 10/10/2010
Publicado em 15/12/2010

 

 

*Autor para correspondência: Mateus Pepinelli, e-mail: mateuspepi@yahoo.com.br

 

Clique para ampliar

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License