SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue3The process of submission, evaluation and publication of manuscripts in the Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

Print version ISSN 1676-2444

J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.48 no.3 Rio de Janeiro June 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442012000300001 

NOSSA CAPA OUR JOURNAL COVER

 

 

Hector Perez Garcia nasceu no dia 17 de janeiro de 1914, na cidade de Llera, no México. Em 1917, devido à Revolução Mexicana, fugiu com sua família para o Texas.

Em 1929, alistou-se no Exército dos Estados Unidos e foi condecorado com a patente de segundo-tenente. Graduou-se em Zoologia na Universidade do Texas e, em 1940, doutorou-se em Medicina.

Com o fim da Guerra em 1945, retornou para o Texas, onde começou a praticar a medicina com um dos seus irmãos. Seu intuito era assistir os pacientes, mesmo que estes não tivessem condições de arcar com o tratamento. Acometido por nefrite, necessitou de hospitalização. Vendo sua saúde tão fragilizada, prometeu que se fosse curado dedicaria sua vida à luta pelo povo. Batalhava pela igualdade e pelos direitos humanos.

Com um instinto altruísta, instigou-se pelas condições de trabalho dos imigrantes mexicanos nos Estados Unidos. Deparou-se com uma situação assustadora: os trabalhadores atuavam em um ambiente precário, totalmente insalubre. Preocupado com essa realidade, reuniu-se com algumas pessoas buscando encontrar soluções para aquela situação. Desse encontro, nasceu o American GI Fórum, uma organização que pretendia acabar com a discriminação contra os imigrantes do México, cujo objetivo era melhorar a formação educacional e profissional, a habitação e o atendimento médico que os mexicanos recebiam.

Disposto a lutar pelos direitos de seu povo, que trabalhava em prol do crescimento econômico da América, compareceu perante o Comitê Consultivo Nacional sobre o Trabalho, alegando que a situação dos imigrantes era um caso de emergência nacional. Após esse relato, conseguiu chamar a atenção do governo e de alguns meios de comunicação, como o New York Times e a revista Look, os quais publicaram matérias abordando as questões defendidas por Garcia.

Alcançou seus objetivos e se destacou nos Estados Unidos ganhando prêmios e medalhas de honra, como a medalha Presidencial da Liberdade pelo Presidente Ronald Reagan, a mais alta honra que um civil pode receber nos Estados Unidos, o prêmio MAPA pela Associação dos médicos mexicano-americanos devido ao excelente serviço prestado aos hispânicos em todo estado americano, entre outros.

Faleceu em 26 de julho de 1996, deixando para trás uma ilustre carreira, que nos dias de hoje ainda serve de inspiração para a nova geração de americanos.