SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue1Message of the president of the Brazilian league of epilepsy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology

Print version ISSN 1676-2649

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.15 no.1 Porto Alegre Mar. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S1676-26492009000100001 

EDITORIAL

 

 

Quase simultaneamente ao preparo deste breve Editorial foi disponibilizado em "acesso livre" o interessante artigo de Kore Liow, publicado em 17 de março, no BMC Neurology 2009;9:11. Uma revisão pragmática sobre as "perspectivas de pacientes no uso de medicamentos genéricos e sugestões aos médicos para aprimoramento da comunicação médico-paciente", como define o título. O texto discorre livremente sobre "bioequivalência e equivalência terapêutica" e enfatiza a relativa carência de suporte baseado em evidências disponível na literatura vigente. A certa altura cita a "Carta de Direitos dos Pacientes", afirmando que os mesmos "têm direito de receber a medicação que esperam receber; se não for este o caso e houver desconforto em receber a medicação, é direito dos pacientes comprar exatamente a medicação que costumam utilizar; podem até comprar um comprimido apenas para compor a próxima dose e então consultar o médico atendente para instruções – sobre substituição".

Este dilema, atualmente global, é endereçado de forma mais pontual no estudo de Guilhoto e colaboradores, via observação de informações oriundas de pessoas com epilepsia em seis hospitais públicos brasileiros. O baixo grau de conhecimento desta população sobre as diferentes formulações e os números relacionados a recorrência de crises e efeitos adversos chamam atenção e demandam cuidados especiais por parte dos prescritores. Longe de ser perfeitamente estabelecido, é necessário um conjunto prático de normativas para direcionar a utilização destes medicamentos (genéricos) ou evidências claras que permitem exercer (e justificar se for o caso) resistência à óbvia pressão econômica que demanda seu uso. Desta forma é bem-vinda a iniciativa dos autores do artigo citado, acrescentando alguma experiência local a este relevante tema.

Boa leitura!

 

Luciano De Paola
Editor