SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número2Message of the president of the brazilian league of epilepsy índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology

versão impressa ISSN 1676-2649

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.17 no.2 Porto Alegre  2011

http://dx.doi.org/10.1590/S1676-26492011000200001 

EDITORIAL

 

 

Epilepsia é uma condição neurológica associada a crises epilépticas recorrentes, diferentes níveis de envolvimento cognitivo e alterações comportamentais. Mais do que nunca: crises, cognição e comportamento. E não necessariamente nesta ordem. Um crescente número de publicações tem ora sugerido, ora enfaticamente apontado um contínuo, onde déficits cognitivos sutis ou evidentes e alterações do humor podem preceder em vários anos a ocorrência de crises, para depois imiscuir-se às mesmas, produzindo então os contornos mais notórios à epilepsia.

É também mais clara a percepção destes conceitos além dos laboratórios, passando a ocupar a rotina dos atendimentos a estes pacientes. Quando não convincentes em um primeiro momento, uma busca ativa, uma anamnese dirigida, permite ao clínico reconhecer e mais adequadamente abordar as comorbidades cognitivas e psiquiátricas associadas às crises.

Ainda existe um longo caminho a percorrer neste particular. Talvez uma das mais pungentes questões impostas, de forma quase natural, refere-se a própria apresentação destas comorbidades. Seria, por exemplo, a comorbidade psiquiátrica em pessoas com epilepsia semelhante aquela observada em outras condições não neurológica ou mesmo em pessoas com alterações comportamentais mais puras ou isoladas? Há óbvias implicações diagnósticas e terapêuticas.

Não supreendentemente, Guilherme de Nogueira Mendes de Oliveira e Gerardo Maria de Araújo Filho, psiquiatras, emprestam suas contribuições a este número do JECN, discutindo respectivamente a instrumentalização dos diagnósticos e os ajustes terapêuticos associados às comorbidades psiquiátricas em epilepsia. Nossa expectativa é de que esta revivida e bem vinda associação entre neurologistas e psiquiatras possa ser perpetuada em nosso e outros periódicos e efetivamente divulgada entre os interessados, no melhor benefício aos nossos pacientes.

Boa leitura!

 

Luciano De Paola
Editor, JECN