SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 issue4Initial experience with hand replantation after traumatic amputation in a nonspecialized centerImpact of the laboratory screening on thrombophilia for the secondary prevention and management of patients with venous thromboembolism author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Vascular Brasileiro

Print version ISSN 1677-5449On-line version ISSN 1677-7301

J. vasc. bras. vol.5 no.4 Porto Alegre Dec. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492006000400015 

RELATO DE CASO

 

Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal em paciente com insuficiência renal crônica

 

Endovascular treatment of abdominal aortic aneurysm in a patient with chronic renal failure

 

 

Cleoni PedronI; Ana Carla M. PalisII; Arno von RistowIII; Alberto VescoviIV; Bernardo MassièreIV; José Mussa Cury FilhoI; Marcus GressIV; Antonio Luiz de MedinaV

ICirurgião vascular. Médico associado, Centervasc-Rio, Rio de Janeiro, RJ. Professor instrutor, Curso de Pós-Graduação em Cirurgia Vascular, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ.
IIEcografista. Chefe, Serviço de Ecografia, Hospital Quinta D'Or, São Cristóvão, RJ.
IIICirurgião vascular. Diretor, Centervasc-Rio, Rio de Janeiro, RJ. Professor associado, Curso de Pós-Graduação em Cirurgia Vascular, PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ.
IVCirurgião vascular. Médico associado, Centervasc-Rio, Rio de Janeiro, RJ.
VCirurgião vascular. Professor titular, Curso de Pós-Graduação em Cirurgia Vascular, PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ.

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A insuficiência renal crônica não-dialítica é uma contra-indicação relativa ao tratamento endovascular dos aneurismas da aorta abdominal. O uso de contrastes alternativos, como o gadolínio, além de fornecer imagens de baixa qualidade, está relacionado à nefrotoxicidade. Relatamos um caso de tratamento endovascular de aneurisma da aorta abdominal guiado por eco-Doppler colorido. Um paciente masculino de 82 anos, com aneurisma da aorta abdominal de 55 mm de diâmetro e clearance de creatinina de 17 ml/min, recebeu implante de endoprótese aórtica modular bifurcada, utilizando este método de imagem associado à radioscopia. Não foi empregado contraste iodado. O resultado imediato e os controles de 1 e 6 meses revelam completa exclusão do aneurisma. A função renal permanece inalterada. Concluímos que o implante de endoprótese guiado por eco-Doppler colorido em pacientes com insuficiência renal crônica não terminal e com anatomia favorável é um método factível e seguro.

Palavras-chave: Tratamento endovascular, aneurisma aórtico abdominal, insuficiência renal, eco-Doppler colorido, duplex scan.


ABSTRACT

Non-dialytic chronic renal failure is a contraindication related to the endovascular treatment of abdominal aortic aneurysms. The use of alternative contrast agents, such as gadolinium, provides good-quality images and is associated with nephrotoxicity. We report a case of endovascular treatment of an abdominal aortic aneurysm guided by color-flow Doppler ultrasonography. An 82-year-old male patient, with abdominal aortic aneurysm (55 mm in diameter) and creatinine clearance of 17 ml/min, underwent implantation of modular bifurcated aortic stent-graft, using that imaging method associated with radioscopy. Iodinated contrast was not used. The immediate result and 1- and 6-month controls showed complete aneurysm exclusion. Renal function is still unaltered. We conclude that the stent-graft implantation guided by color-flow Doppler ultrasonography in patients with nonterminal chronic renal failure and with favorable anatomy is a feasible and safe method.

Key words: Endovascular treatment, abdominal aortic aneurysm, renal failure, color-flow Doppler ultrasonography, duplex scan.


 

 

Introdução

A associação de aneurismas da aorta abdominal (AAA) com lesões estenóticas de várias artérias é comum. As artérias coronarianas, carótidas, renais e dos membros inferiores são as artérias mais freqüentemente afetadas1. Vários portadores de AAA apresentam insuficiência renal crônica, em decorrência da aterotrombose das artérias renais, bem como de outras patologias2. A presença de várias patologias associadas nos pacientes com AAA eleva o risco operatório. Com o objetivo de diminuir a mortalidade deste subgrupo de pacientes, foi desenvolvido o tratamento endovascular do AAA3. A presença de insuficiência renal crônica não-dialítica constitui uma contra-indicação relativa ao tratamento endovascular do AAA, devido à necessidade do uso de contraste iodado, que é nefrotóxico. Nesses casos, tem sido indicado o tratamento cirúrgico direto, mas esta opção muitas vezes é imprudente, pelo elevado risco cirúrgico desses procedimentos4. Com o objetivo de solucionar este problema, meios de contrastes alternativos, como o gadolínio, têm sido empregados5. Esses meios de contraste, além de terem pouca opacidade, também estão associados à nefrotoxicidade6. Visando suplantar essa limitação, desenvolvemos uma técnica e relatamos um caso de tratamento endovascular de AAA, guiado por eco-Doppler colorido.

 

Relato de caso

Paciente do sexo masculino, 82 anos, com AAA infra-renal, vinha sendo avaliado periodicamente em nosso Programa de Acompanhamento de Aneurismas de Aorta Pequenos (PAAAP) há 4 anos. O diâmetro inicial de 32 mm elevou-se para 55 mm, configurando indicação de tratamento. O AAA era assintomático, mas o paciente apresentava várias comorbidades: hipertensão arterial sistêmica (HAS), hipotireoidismo, dislipidemia, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), trombocitemia (57.000 mil/µl - valores de referência: 150.000 a 450.000 mil/µl) e insuficiência renal crônica, com um clearance de creatinina corrigido de 17,1 ml/min/1,73 m2 (valores de referência: 60-160 ml/min/1,73 m2). A avaliação do aneurisma foi realizada no pré-operatório através de eco-Doppler colorido. Para o planejamento terapêutico e cálculo da endoprótese, a morfologia do aneurisma foi avaliada através de tomografia computadorizada (TC), sem a utilização de contraste, com cortes axiais de 3 mm de intervalo, desde a porção média da aorta torácica até as artérias femorais comuns. Para melhor avaliação da anatomia, as imagens axiais da aorta e das artérias ilíacas foram reconstruídas (Figura 1).

 

 

Na avaliação do AAA, a TC e o eco-Doppler colorido demonstraram um AAA em posição infra-renal, com diâmetro máximo de 55 mm. A morfologia da aorta foi avaliada pela TC. O diâmetro e o comprimento do colo proximal foram de 21 e 14 mm, respectivamente. O colo distal apresentava diâmetro de 22 mm e comprimento de 12 mm. As artérias ilíacas comuns e externas não eram tortuosas ou aneurismáticas, com diâmetros de 12 mm.

O risco clínico cardiológico pela classificação da Associação Americana de Anestesiologia, que avalia as várias patologias presentes no paciente, foi elevado (grau III). Devido ao risco elevado, o paciente foi encaminhado para avaliação da possibilidade de tratamento endovascular do AAA, sendo planejado tratamento a ser realizado com auxílio de eco-Doppler colorido.

O procedimento cirúrgico foi realizado no dia 29/09/2005. Utilizou-se anestesia geral. O aparelho de radioscopia empregado foi um arco em C, BV Pulsera® (Philips), e o aparelho de eco-Doppler colorido utilizado foi um Vivid 3® (GE Medical Systems), com um transdutor convexo de 3,5-5 MHz.

Após a monitorização invasiva e não-invasiva, o paciente recebeu anestesia endovenosa total, com a utilização de remifentanil, propofol e rocurônio.

O paciente foi posicionado em mesa cirúrgica radiotransparente, com sondagem vesical de demora, degermação e antissepsia, realizadas com Povidine®, seguidas da colocação de campos com exposição desde o apêndice xifóide até os pés.

Através de dois acessos oblíquos nas regiões inguinais, foram expostas as artérias femorais comuns e superficiais. Em ambas as artérias femorais comuns, foram introduzidos introdutores valvulados 7 F, 11 cm, seguido de heparinização sistêmica com 7.500 UI de Liquemine®. Pelo lado esquerdo, foi progredido um cateter cobra C1 e cateterizada a artéria renal direita - artéria renal mais distal - guiado por fluoroscopia e confirmado com o eco-Doppler colorido (Figura 2). Pelo lado direito, foi introduzido fio guia Lunderquist 35 x 260 cm e posicionada sua extremidade proximal na aorta ascendente, manobra essa realizada com auxílio de cateter diagnóstico JB1. O introdutor foi retirado após clampeamento da artéria. Foi realizada arteriotomia transversa e introduzido o sistema liberador da endoprótese Apolo (Nano Endoluminal, Florianópolis, Brasil), com progressão guiada por radioscopia até a posição de liberação. O eco-Doppler colorido confirmou o posicionamento do início da endoprótese imediatamente distal à origem das artérias renais. A radioscopia corroborou o posicionamento do cateter introduzido na artéria renal e o posicionamento justa-renal da endoprótese.

 

 

O tamanho do corpo principal foi de 31 x 14 x 150 mm. A endoprótese foi liberada sem intercorrências, e o sistema introdutor foi retirado, assim como o cateter cobra C1, sendo posicionado na artéria renal direita. O eco-Doppler colorido confirmou a perviedade das artérias renais e o adequado posicionamento da endoprótese, assim como a perviedade da artéria hipogástrica direita. Foi realizada expansão da endoprótese com balão de látex de 33 mm. A seguir, com a utilização da radioscopia e cateter JB1, foi cateterizado o ramo curto da endoprótese e realizada manobra de rotação de pig-tail no interior da endoprótese. Foi trocado o cateter pig-tail por fio guia rígido Amplatz de 35 x 260 cm. Após a arteriotomia transversa na femoral esquerda, foi introduzido e implantado o ramo contralateral, tamanho 14 x 14 x 90 mm. O eco-Doppler colorido confirmou o posicionamento da endoprótese bifurcada, com perviedade das artérias renais e hipogástricas, não sendo detectados endoleaks (Figura 3). A seguir, foi realizada expansão da endoprótese com o mesmo balão de látex (Figura 4). As arteriotomias foram suturadas, e o fluxo sangüíneo liberado seletivamente. A heparina foi revertida, a hemostasia foi revisada, as incisões foram fechadas e a presença dos pulsos distais foi avaliada. O paciente foi encaminhado para a unidade intensiva pós-operatória extubado, apresentando evolução pós-operatória adequada e obtendo alta hospitalar 48 h após o procedimento.

 

 

 

 

Nos controles ambulatoriais, manteve o mesmo nível de função renal. Os controles pós-operatórios de exclusão do aneurisma foram realizados através de eco-Doppler colorido e TC sem contraste no 30º dia pós-operatório e 6 meses após, confirmando exclusão e trombose do aneurisma, sem presença de endoleak. A velocidade sistólica na endoprótese era de 112 cm/s. O saco do aneurisma trombosado foi mensurado, apresentando diâmetro de 54 x 52 mm. Ambos os ramos estão ancorados nas artérias ilíacas comuns, também com velocidades sistólicas de 112 cm/s, com perviedade das artérias ilíacas externas e hipogástricas (Figura 5). Ambas as artérias renais estão pérvias, com fluxo bifásico e velocidades normais.

 

 

Discussão

Pacientes com AAA, na sua grande maioria, apresentam idade avançada e doença aterotrombótica importante. Nestes pacientes, é freqüente a coexistência de doença coronariana, doença obstrutiva arterial periférica, insuficiência vascular cerebral por estenose carótidea, HAS, nefropatia e diabetes7-10. Com este perfil, há um aumento significativo do risco cirúrgico, elevando a taxa de morbimortalidade no período pós-operatório11. Com o objetivo de melhorar o manejo desse subgrupo de pacientes de alto risco para a cirurgia convencional, foi desenvolvida a terapia endovascular para o tratamento dos AAA, em publicação de Parodi et al. em 19911. Descortinou-se, a partir de então, um novo horizonte para os pacientes de alto risco, que anteriormente eram relegados à história natural do AAA em razão da inoperabilidade, sobretudo pelo elevado risco clínico-cardiológico. Todavia, ainda existem contra-indicações à utilização do método endovascular no tratamento dos AAA, como a presença de anatomia desfavorável, ausência de colo proximal, presença de trombos no colo proximal e nefropatia não-dialítica, entre outras12. Com o desenvolvimento do método endovascular, foram sendo encontradas soluções para várias contra-indicações, como o desenvolvimento de endopróteses fenestradas para aneurismas sem colo proximal13,14, cerclagem das artérias ilíacas comuns15 ou revascularização (transposição ou ponte) das artérias hipogástricas em pacientes com ausência de colo distal16.

O mesmo fato ocorreu com os pacientes portadores de insuficiência renal crônica não-dialítica. É sabido que o aumento da creatinina pré-operatória está relacionado com prolongamento do período de internação hospitalar e elevação da mortalidade3. Estudos relatam uma incidência de até 10% de nefropatia induzida por contraste em pacientes com função renal normal, e de até 35% naqueles com função renal comprometida4,17,18. Meios alternativos de contraste, como o gadolínio, têm sido utilizados para realização desses procedimentos em pacientes com insuficiência renal crônica não-diálitica19. Porém, mesmo o uso de contrastes não iodados, como o gadolínio, não é isento de risco, sendo descrita nefropatia induzida pelo contraste, principalmente quando é necessária a utilização de grande volume, como ocorre na terapia endovascular do AAA5,11,17,20.

Outros territórios, como os membros inferiores e a carótida, foram os locais inicialmente escolhidos para o emprego de eco-Doppler colorido nos procedimentos endovasculares21,22. O acesso a esses locais é facilitado pela superficialidade dos vasos, com boa visualização dos mesmos, dos sistemas de trabalho, fios guia, cateteres-balões e stents, sendo todos adequadamente visualizados pelo eco-Doppler colorido. As vantagens deste método são inúmeras, como, por exemplo, a visualização da expansão completa do stent, ausência ou diminuição da quantidade de radiação para o paciente e para a equipe médica. As principais vantagens são a prevenção de insuficiência renal induzida pelo contraste e a manutenção da estabilidade da função renal em pacientes com insuficiência renal que necessitem de um procedimento endovascular.

Os estudos de eco-Doppler colorido no controle de AAA tratados por via endovascular apresentam boa sensibilidade e especificidade para a detecção do crescimento do aneurisma e de vazamentos internos23, podendo ser empregados para o planejamento do procedimento, o que fornece segurança para confirmar os achados intra-operatórios.

A publicação desses trabalhos nos encorajou a realizar inicialmente procedimentos nas artérias carótidas, nos membros inferiores e na veia cava inferior. Desenvolvemos um protocolo para a realização de tratamento endovascular de AAA guiado por eco-Doppler colorido, baseados na experiência acumulada com mais de 300 pacientes tratados pelo método, com uma taxa de sucesso técnico de 98,4%.

Além da experiência em terapia endovascular e procedimentos guiados por eco-Doppler colorido, é necessário que existam condições anatômicas favoráveis ao implante da endoprótese. Entre elas, destacamos a presença de colo proximal longo (maior que 15 mm), artérias ilíacas sem tortuosidades e/ou aneurismas. Nosso protocolo de estudo pré-procedimento consta de angiotomografia da aorta e ilíacas com cortes de 3 mm e reconstruções tridimensionais sem contraste, além do estudo da anatomia pelo eco-Doppler colorido com o médico ecografista que participará do procedimento. Isso é condição indispensável para o planejamento e sucesso do procedimento.

Em nossa opinião, esse método poderá ser utilizado com qualquer tipo de endoprótese existente no mercado.

 

Conclusão

O tratamento endovascular dos AAA, guiado por eco-Doppler colorido, é uma técnica aplicável a casos selecionados, com anatomia adequada a esse método terapêutico. Está indicado em pacientes de alto risco, com insuficiência renal crônica não-dialítica. O tratamento endovascular dos AAA, guiado por eco-Doppler colorido e sem uso de contraste iodado, é factível e deve ser considerado no tratamento desse subgrupo de pacientes.

 

Referências

1. Parodi JC, Palmaz JC, Barone HD. Transfemoral intraluminal graft implantation for abdominal aortic aneurysms. Ann Vasc Surg. 1991;5:491-9.        [ Links ]

2. Morcos SK. Contrast media-induced nephrotoxicity-questions and answers. Br J Radiol. 1998;71:357-65.        [ Links ]

3. McCullough PA, Wolyn R, Rocher LL, Levin RN, O'Neill WW. Acute renal failure after coronary intervention: incidence, risk factors and relationship to mortality. Am J Med. 1997;103:368-75.        [ Links ]

4. Moore RD, Steinberg EP, Powe NR, et al. Nephrotoxicity of high osmolality versus low osmolality contrast media: randomized clinical trial. Radiology. 1992;182:649-55.        [ Links ]

5. Spinosa DJ, Matsumoto AH, Angle JF, Hagspiel KD, McGraw JK, Ayers C. Renal insufficiency: usefulness of gadodiamide-enhanced renal angiography to supplement CO2-enhanced renal angiography for diagnosis and percutaneous treatment. Radiology. 1999;210:663-72.        [ Links ]

6. Prince MR, Arnoldus C, Frisoli JK. Nephrotoxicity of high-dose gadolinium compared with iodinated contrast. J Magn Reson Imaging. 1996;6:162-6.        [ Links ]

7. Silva NB, Becker AB, Silva OB. Avaliação do risco operatório em cirurgia de aorta. In: Bonamigo TP, von Ristow A. Aneurismas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Di Livros; 2000. p. 67-78.        [ Links ]

8. Shusterman N. Surgery in the patient with chronic renal failure. In: Goldman DR, Brown FH, Guarnieri DM. Perioperative medicine: the medical care of the surgical patient. 2nd ed. New York: McGrawHill; 1994. p. 309-17.        [ Links ]

9. Silva NB, Bonamigo TP, Silva JH. Avaliação do risco cirúrgico de pacientes com aneurisma da aorta abdominal. Rev AMRIGS Porto Alegre. 1989;33:305-10.        [ Links ]

10. Lucas ML, Bonamigo TP, Weber EL, Lucchese FA. Combined carotid endarterectomy and coronary artery bypass grafting. Analysis of the results. Arq Bras Cardiol. 2005;85:412-20.        [ Links ]

11. Schenker MP, Solomon JA, Roberts DA. Gadolinium arteriography complicated by acute pancreatitis and acute renal failure. J Vasc Interv Radiol. 2001;12:393.        [ Links ]

12. Iezzi R, Cotroneo AR. Endovascular repair of abdominal aortic aneurysms: CTA evaluation of contraindications. Abdom Imaging. 2006; Epub ahead of print.        [ Links ]

13. Browne TF, Hartley D, Purchas S, Rosenberg M, Van Schie G, Lawrence-Brown M. A fenestrated covered suprarenal aortic stent. Eur J Vasc Endovasc Surg. 1999;18:445-9.        [ Links ]

14. von Ristow A, Vescovi A, Pedron C, et al. O tratamento de aneurisma da aorta abdominal justa-renal com endoprótese fenestrada reposicionável. Rev Angiol Cir Vasc. 2005;1:78-80.        [ Links ]

15. Puech-Leão P. Banding of the common iliac artery: an expedient in endoluminal correction of aortoiliac aneurysms. J Vasc Surg. 2000;32:1232-4.        [ Links ]

16. Lee WA, Berceli SA, Huber TS, Ozaki CK, Flynn TC, Seeger JM. Morbidity with retroperitoneal procedures during endovascular abdominal aortic aneurysm repair. J Vasc Surg. 2003;38:459-63.        [ Links ]

17. Morcos SK. Prevention of contrast media-induced nephrotoxicity after angiographic procedures. J Vasc Interv Radiol. 2005;16:13-23.        [ Links ]

18. Bown MJ, Norwood MG, Sayers RD. The management of abdominal aortic aneurysms in patients with concurrent renal impairment. Eur J Vasc Endovasc Surg. 2005;30:1-11.        [ Links ]

19. Amar AP, Larsen DW, Teitelbaum GP. Percutaneous carotid angioplasty and stenting with the use of gadolinium in lieu of iodinated contrast medium: technical case report and review of the literature. Neurosurgery. 2001;49:1262-5.        [ Links ]

20. Prince MR, Arnoldus C, Frisoli JK. Nephrotoxicity of high-dose gadolinium compared with iodinated contrast. J Magn Reson Imaging. 1996;6:162-6.        [ Links ]

21. Ascher E, Marks NA, Schutzer RW, Hingorani AP. Duplex-assisted internal carotid artery balloon angioplasty and stent placement: a novel approach to minimize or eliminate the use of contrast material. J Vasc Surg. 2005;41:409-15.        [ Links ]

22. Ahmadi R, Ugurluoglu A, Schillinger M, Katzenschlager R, Sabeti S, Minar E. Duplex ultrasound-guided femoropopliteal angioplasty; initial and 12-month results from a case controlled study. J Endovasc Ther. 2002;9:873-81.        [ Links ]

23. Wolf YG, Johnson BL, Hill BB, Rubin GD, Fogarty TJ, Zarins CK. Duplex ultrasound scanning versus computed tomographic angiography for postoperative evaluation of endovascular abdominal aortic aneurysm repair. J Vasc Surg. 2000;32:1142-8.        [ Links ]

 

 

Correspondência:
Cleoni Pedron
Departamento de Cirurgia Vascular e Endovascular - Centervasc-Rio
Rua Sorocaba 464, 1º andar
CEP 22271-110 - Rio de Janeiro, RJ
E-mail: cpedron@uol.com.br

Artigo recebido em 07/08/06, aceito em 16/10/06.

 

 

Trabalho realizado no Centervasc-Rio - Centro de Pesquisa, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Vascular, Rio de Janeiro, RJ. Apresentado à SBACV - Regional RJ na 464ª Reunião Científica, em 24/11/05.

Conflitos de interesse: Cleoni Pedron, Arno von Ristow e Marcus Gress são consultores clínicos da Nano Endoluminal S/A.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License