SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número11FotocópiasLotes vagos: ação coletiva de ocupação urbana experimental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


ARS (São Paulo)

versão impressa ISSN 1678-5320

ARS (São Paulo) vol.6 no.11 São Paulo  2008

http://dx.doi.org/10.1590/S1678-53202008000100012 

Sala de estar

 

 

Tatiana Ferraz; Louise Ganz

 

 

O projeto "Sala de estar" busca gerar uma situação doméstica em espaços abertos da cidade, ativando relações entre pessoas e lugares genéricos. São duas as etapas de realização do trabalho: a primeira, produzir uma operação de expansão do ambiente doméstico para um espaço público - neste caso, o lugar escolhido para a ação são as margens de um córrego urbano; a segunda, documentá-la e transpô-la ao espaço expositivo, de forma a mostrar não apenas sua documentação em áudio e fotografia, mas também recriar esse espaço com um novo arranjo a partir do mobiliário desenvolvido para a ação.

Historicamente, o rio vem sendo negado pela cidade e seus diversos projetos de planificação urbana, e tornou-se um espaço residual conformador da infra-estrutura viária de São Paulo. Chamam-nos a atenção os dois rios estruturais, Tietê e Pinheiros, por serem dos poucos leitos que permanecem abertos na região metropolitana. Por mais que possua uma condição de percurso navegável ao longo de praticamente todo o perímetro da cidade, o chamado "entre-rios" é hoje parte do sistema de canalização de esgoto, a céu aberto.

Ao escolher as margens do rio como lugar a ser instalado o mobiliário e a ação, o trabalho busca provocar uma atitude de incorporação e apropriação do rio na vida cotidiana da cidade, tanto como paisagem quanto como território.

Para a ocupação, foi desenvolvida uma série de módulos que chamamos de "objeto-dispositivo", que tem por característica ser nômade (transportável), extensível e configurar um ambiente de estar (o que implica atividades de comer, ler, repousar, conversar, entre outras). Conforme o local onde se instala, o dispositivo adquire determinada configuração espacial. Sua condição é a de ocupar uma posição momentânea - posto "estar" sempre de passagem - e ao mesmo tempo possibilitar relações de permanência.

 

 

 

 

 

 

ÁREA DA OCUPAÇÃO
Córrego da av. Politécnica, afluente do Rio Pinheiros.

INTERFACE DE EXPOSIÇÃO
Transposição da ação no espaço expositivo
Imagem da ação (registro fotográfico)
Arranjo com módulos, carpete vermelho e almofadas diversas
Áudio da ação

LINKS RELACIONADOS
www.mitih.com.br/img/videos/sala/sala_02.html
www.tferraz.wordpress.com/arte/sala-de-estar-2008/
http://lotevago.blogspot.com/

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons