SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue2The informational impact of management presentations at public meetings: an event study on the Apimec meetingsProductive performance as a moderator of strategy and capability author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


RAM. Revista de Administração Mackenzie

On-line version ISSN 1678-6971

RAM, Rev. Adm. Mackenzie vol.14 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2013

https://doi.org/10.1590/S1678-69712013000200007 

RECURSOS E DESENVOLVIMENTO EMPRESERIAL

 

A practice turn e o movimento social da estratégia como prática: está completa essa virada?

 

The practice turn and the social movement of strategy as practice: is it completed this turn?

 

El practice turn y el movimiento social de la estrategia como práctica: ¿está completo ese giro?

 

 

Cristiano de Oliveira MacielI; Paulo Otávio Mussi AugustoII

IDoutor em Administração pela Escola de Negócios da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Professor do Departamento de Administração da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Rua Imaculada Conceição, 1.155, Bloco Acadêmico, sala 103B, Prado Velho, Curitiba – PR – Brasil – CEP 80215-901 E-mail: cristiano.maciel@pucpr.br
IIDoutor em Administração pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (Eaesp-FGV). Professor do Departamento de Administração da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Rua Imaculada Conceição, 1.155, Bloco Acadêmico, sala 103B, Prado Velho, Curitiba – PR – Brasil – CEP 80215-901 E-mail: paulo.augusto@pucpr.br

 

 


RESUMO

Em 2006, Richard Whittington, o principal autor da corrente de pesquisa denominada estratégia como prática (strategy as practice), publicou o artigo "Completing the practice turn in strategy research". Nesse trabalho foi apresentada uma estrutura de análise que, pretensamente, completaria a virada da prática nessa área de pesquisa ao considerar diferentes níveis da prática (micro e macro). Entretanto, críticas foram e continuam sendo dirigidas aos estudos realizados sob essa perspectiva, o que evidencia a necessidade de avaliar como está se dando a practice turn nos estudos sobre estratégia. Assim, o objetivo no presente artigo foi analisar a virada da prática nos estudos sobre estratégia, tanto no que concerne às principais características quanto à finalização desse ciclo, ao tomar essa abordagem como um movimento social. Na escolha do método, optou-se pela pesquisa não reativa de documentos existentes (dados secundários) (NEUMAN, 1997). A partir desse método, foram selecionados os principais periódicos da área de administração e estratégia de acordo com o Journal Citation Reports, observando aqueles com maior fator de impacto. Com a amostra de 59 artigos, o movimento social da strategy as practice foi analisado à luz dos três momentos sugeridos por Hambrick e Chen (2008): diferenciação, mobilização e construção de legitimidade. Os resultados permitem concluir: 1. a virada da prática no campo da estratégia consiste em relacionar a corporeidade dos atores sociais, seus objetos e formas de uso, seus conhecimentos, habilidades, estados de emoção e motivações centralmente à prática; 2. essa virada está concentrada, em termos relacionais, nos pesquisadores R. Whittington e P. Jarzabkowski, com trabalhos predominantemente orientados e presos ao velho vocabulário da sociologia da regulação; 3. no que concerne à consecução ou finalização da virada da prática, como foi pretensamente estabelecido por Whittington (2006), conclui-se que a virada da prática nos estudos sobre estratégia não está completa, na medida em que examina as práticas relativamente num vácuo organizacional. Logo, é preciso recuperar a organização no estudo da prática, redefinindo o próprio termo "organização" nesse movimento social.

Palavras-chave: Estratégia como prática; Movimento social; Virada da prática; Teorias sociais contemporâneas; Link institucional.


ABSTRACT

In 2006, Richard Whittington, the main author of the research stream named strategy as practice, published the paper "Completing the practice turn in strategy research". In that work it was introduced an analysis framework that, purposely, would complete the turn of the practice in this research area considering different practice levels (micro and macro). However, critics were done and are still been done to the studies realized about this perspective, what shows the need to evaluate how it is going the practice turn in the strategy studies. Thus, the purpose of this paper was to analyze the practice turn in strategy studies, as about the main characteristics as about the finalization of this cycle considering that approach such as a social movement. Regarding the method, it was chosen the not reactive research of existent documents (secondary data) (NEUMAN, 1997). From such method it were selected the main journals of the Administration and Strategy area according the Journal Citation Reports, looking for those with the most impact factor. Whit a sample containing 59 papers, the social movement of the strategy as practice was analyzed according the three moments suggested by Hambrick and Chen (2009): differentiation, mobilization and legitimacy construction. The results allow concluding: 1. the practice turn in strategy field consists to relate the corporeity of the social actors, their goals and ways to use it, their knowledge, skills, emotion states and motivations related to practice; 2. this turn is concentrated, in relational terms, in the researchers R. Whittington and P. Jarzabkowski, with works, predominantly, oriented and arrested to the old vocabulary of the regulation sociology; 3. regarding the achievement or completing of the turn practice, as it was allegedly placed by Whittington (2006), it is possible to conclude that the practice turn in strategy studies are not completed, in that it examines the practices relatively in an organizational vacuum. Soon, it is necessary to recuperate the organization in the practice study, redefining the term "organization" itself in this social movement.

Keywords: Strategy as practice; Social movement; Practice turn; Contemporary social theories; Institutional link.


RESUMEN

En el 2006, Richard Whittington, el principal autor de la corriente de investigación denominada estrategia como práctica (strategy as practice), publicó el artículo "Completing the practice turn in strategy research". En ese trabajo se presentó una estructura de análisis que supuestamente completaría el giro estratégico en ese ámbito de pesquisa al considerar distintos niveles (micro y macro). Sin embargo, críticas fueron y aún son dirigidas a los estudios realizados bajo esa perspectiva, lo que evidencia la necesidad en valuar como se da la practice turn en los estudios sobre estrategia. Por lo tanto, el objetivo en el presente artículo fue analizar el giro estratégico en los estudios sobre estrategia, tanto por las principales características y aún por la finalización de ese ciclo al entender esa discusión como un problema social. Se eligió un método de pesquisa no reactiva de documentos existentes (datos secundarios) (NEUMAN, 1997). A partir de ese método fueron seleccionados las principales revistas del área de administración y estrategia de acuerdo con el Journal Citation Reports, observándose aquellos con el mayor factor de impacto. Con una muestra de 59 artículos, el movimiento social de la strategy as practice fue analizada a la luz de los tres momentos sugeridos por Hambrick y Chen (2008): diferenciación, movilización y construcción de legitimidad. Los resultados permiten concluir: 1. el giro estratégico en el área de la estrategia consiste en relacionar la materialización de los actores sociales, sus objetos y formas de uso, sus conocimientos, habilidades, estados de emoción y motivaciones centralmente a la práctica; 2. ese giro está concentrado, en términos relacionales, en los investigadores R. Whittington e P. Jarzabkowski, con trabajos predominantemente orientados y presos al viejo vocabulario de la sociología de regulación; 3. en lo que interesa a la consecución o finalización de el giro estratégico, como fue supuestamente colocado por Whittington (2006), se concluye que ello no está completado, en la medida en que se examinan las prácticas relativamente en un vacuo organizacional. Luego, es necesario recuperar la organización en el estudio de la práctica, redefiniendo el propio término "organización" como un movimiento social.

Palabras clave: Estrategia como práctica; Movimiento social; Giro estratégico; Teorías sociales contemporáneas; Link institucional.


 

 

1 INTRODUÇÃO

A European Institute for Advanced Studies in Management (EIASM) promoveu um encontro entre pesquisadores da área de estratégia em fevereiro de 2001 para discutir, entre outros temas, o que foi chamado, na época, de "microprocessos" da estratégia organizacional. O local do encontro, Bruxelas, na Bélgica, centro administrativo da União Europeia, marcaria um dos traços distintivos do nascimento da abordagem analítica que seria denominada strategy as practice, nome, aliás, já sugerido por Whittington (1996) cinco anos antes desse encontro. A origem europeia dessa perspectiva foi destacada como uma característica que resumiria a abordagem como uma alternativa ao pensamento estratégico norte-americano predominante nessa área de investigação. Em seu cerne, constava a promessa da virada ou eclosão da prática (practice turn) nos estudos sobre estratégia. A incorporação da practice turn na área de estratégia buscou enfatizar aquilo que os estrategistas fazem em vez de assumir a estratégia como mais um atributo das organizações.

Naquela data, 2001, Gerry Johnson, Leif Melin e Richard Whittington (2003), organizadores do workshop sobre microprocessos da estratégia, deram início às discussões que resultariam numa edição especial do Journal of Management Studies. A edição desse periódico apresentou a ênfase nos microprocessos da estratégia, destacando as contribuições de uma visão baseada em atividades, claramente fazendo referência à visão baseada em recursos, perspectiva bem estabelecida no campo dos estudos sobre estratégia (CARTER; CLEGG; KORNBERGER, 2008).

Mais de uma década após o encontro em Bruxelas, é preciso reconhecer que é inegável o avanço da strategy as practice, sobretudo a julgar pelo número de livros e artigos dedicados ao fenômeno da estratégia como prática social. As edições especiais do Journal of Management Studies e da Human Relations exemplificam o espaço que tem sido ocupado pela abordagem. O número de publicações mais ou menos regulares sobre a prática da estratégia em periódicos como Organization Studies e Strategic Organization também atesta essa conclusão.

Entretanto, apesar do crescimento do número das publicações que se enquadram na abordagem da strategy as practice, é preciso ressaltar que a institucionalização da practice turn nos estudos sobre estratégia não se tem dado livre de explícitas contestações, de fato como seria adequado esperar de qualquer novo movimento teórico. Exemplos bastante claros desse exercício de escrutínio são encontrados em Chia e Holt (2009), Carter, Clegg e Kornberger (2008) e Hodgkinson e Wright (2006).

Entre os embates teóricos mais marcantes, estão as publicações de Whittington (2006) e Hodgkinson e Wright (2006). Em 2006, Richard Whittington, o principal proponente da corrente de pesquisa denominada estratégia como prática (strategy as practice), publicou o artigo "Completing the practice turn in strategy research". Nesse trabalho, o autor sugeriu uma estrutura de análise que, pretensamente, completaria a virada da prática nessa área de pesquisa ao considerar diferentes níveis da atividade social. Entretanto, em algumas edições posteriores, no mesmo ano, Hodgkinson e Wright (2006) publicaram um texto intitulado "Neither completing the practice turn, nor enriching the process tradition", no qual avaliavam o trabalho de Whittington (2006). Esse segundo texto colocava em debate o valor não só das contribuições de Whittington (2006), mas também, de modo geral, de toda a literatura direcionada ao exame da estratégia como uma prática social que havia sido publicada até então.

Para além de seus críticos, a dificuldade em desenvolver contribuições a partir da estratégia como prática é ressaltada até mesmo por alguns pesquisadores que aderem a essa abordagem. Langley (2010), por exemplo, questiona a validade do conhecimento acumulado até agora por essa perspectiva e afirma que ela não tem conduzido a um desenvolvimento teórico que de fato melhore a prática dos estrategistas e de outros atores envolvidos na estratégia das organizações.

Assim, ao considerar as críticas tanto de autores externos quanto dos próprios autores dentro desse programa de pesquisa, a busca pela incorporação da prática nos estudos sobre estratégia coloca em questão o modo como está se dando o emprego da practice turn, que ocorreu na teoria social contemporânea, nesse campo de estudos. Se, assim como Langley (2010), outros pesquisadores como Chia e Holt (2009), Carter, Clegg e Kornberger (2008) e Hodgkinson e Wright (2006) põem em debate as contribuições dessa nova perspectiva, é importante examinar de que forma tem ocorrido essa virada da prática nos últimos dez anos, desde o primeiro encontro dedicado ao tema, em 2001, na Bélgica.

Em razão dessas reflexões, são colocadas as seguintes questões:

• No que consiste a virada da prática no campo da estratégia?

• Como se tem dado e quais são as características dessa virada da prática nesse campo de estudos?

• Está de fato completa essa virada?

Em função desses questionamentos, tem-se como objetivo no presente artigo: analisar a virada da prática nos estudos sobre estratégia em relação às suas características e quanto à consecução desse ciclo. Logo, a principal contribuição do artigo é destacar se é possível apresentar a virada da prática como um ciclo acabado nos estudos sobre estratégia e, sobretudo, esclarecer as características que marcam essa possível virada nos moldes de um movimento social.

Para tanto, no quadro teórico de referência, apresentam-se a descrição da practice turn na teoria social contemporânea e um resumo da abordagem da estratégia como prática (strategy as practice), perspectiva aqui considerada como a mais representativa dos esforços de incorporação da virada da prática nos estudos sobre estratégia. Após a exposição do quadro teórico de referência, são descritos os procedimentos metodológicos empregados para análise da estratégia como prática como um movimento social, de acordo com o modelo de Hambrick e Chen (2008). A seção seguinte é dedicada à análise dos dados coletados a partir do total de 59 artigos classificados na abordagem da estratégia como prática, que foram selecionados entre os 40 principais periódicos de administração e estratégia. A análise dos dados coletados sobre as publicações da strategy as practice ocorreu à luz dos três momentos dos movimentos sociais teóricos destacados por Hambrick e Chen (2008): diferenciação, mobilização e construção de legitimidade no movimento social teórico. O artigo encerra-se apontando as principais conclusões do trabalho.

 

2 QUADRO TEÓRICO DE REFERÊNCIA

O quadro teórico de referência exposto a seguir foi desenvolvido considerando a virada da prática (practice turn) na teoria social contemporânea e os esforços de transposição de seus principais objetivos e conceitos para o campo da estratégia a partir da abordagem da estratégia como prática (strategy as practice).

2.1 A PRACTICE TURN E A ESTRATÉGIA COMO PRÁTICA

As motivações dos pesquisadores que se destinam à investigação da ação social nas organizações foram renovadas por aquilo que se convencionou rotular como a "virada da prática" (practice turn) na teoria social contemporânea (SCHATZKI, 2001, 2005; RECKWITZ, 2002). A noção de prática passou a compartilhar do mesmo status dos conceitos mais caros à sociologia, tais como: estruturas, sistemas, instituições, significados e ação. Como uma promessa de superação das dicotomias e da relação rígida e linear entre ação e estrutura, essas teorias (GIDDENS, 1989; BOURDIEU, 1990) prometem dar destaque ao que os atores sociais fazem na situação localizada e como essas atividades se relacionam às instituições ou estruturas e aos agentes (SCHATZKI, 2001).

Apesar da aparente novidade associada ao rótulo practice turn (SCHATZKI, 2001), a atenção à prática não veio a ser dispensada apenas na teoria social contemporânea. As primeiras reflexões acerca das atividades dos indivíduos na sociedade são encontradas na filosofia, a partir da noção de práxis, termo especificamente atribuído a Aristóteles (BESNIER, 1996). A visão aristotélica de práxis foi direcionada à diferenciação de ações intransitivas e transitivas. Ações transitivas (práxis) são ações com um fim em si mesmas, como a própria reflexão sobre algo, enquanto ações intransitivas (poiêsis) são atividades "instrumentais", ou seja, sem um fim em si mesmas, mas um meio para algo ulterior à ação. Nessa concepção, a práxis (ação transitiva) é tanto ação ideal como ação material.

Ainda na filosofia, Hegel (2002) é o expoente de uma mudança profunda no tratamento da noção de práxis, em que o autor reduz a atividade material a uma atividade do espírito. Nesse sentido, é possível afirmar que o idealismo alemão é uma filosofia da atividade da consciência. Trata, assim, da consciência não como uma das dimensões da práxis, mas como a própria e única forma de práxis real e humana. A lógica idealista foi confrontada mais substancialmente pelo marxismo, mas voltaria a mostrar vigor em sua influência epistemológica na virada interpretativa das ciências sociais (RECKWITZ, 2002).

No materialismo histórico o termo "práxis" foi maciçamente debatido. O princípio diferenciado e mais restrito dessa vertente das ciências sociais vê a práxis sempre como material, sobretudo a ação humana produtiva ou transformadora, negando assim toda concepção idealista ou espiritual que fora encontrada em Hegel (2002). Ainda que a ação material seja também percebida (isto é, consciente), é a atividade concreta que figura como princípio da práxis de acordo com o marxismo. Essa tensão entre material (práxis) e teoria (consciência) é bem explicada por Vázquez (2007, p. 109): "A relação entre teoria e práxis é para Marx teórica e prática; prática, na medida em que a teoria, como guia da ação, molda a atividade do homem, particularmente a atividade revolucionária; teórica, na medida em que esta relação é consciente".

Na virada interpretativa (interpretative turn), que ocorreu a partir dos anos 1970, a teoria social sedimentou uma forma alternativa de compreensão da ação, sobretudo ao recorrer ao conceito de estruturas simbólicas de significado. Vários autores das teorias sociais são expoentes dessa virada: Bourdieu, Giddens, Latour, Habermas, Garfinkel, Foucault, Taylor, Schatzki. Faz-se necessário entender aqui que, segundo Reckwitz (2002), toda teoria da prática é uma teoria cultural. O tratamento dispensado à prática por esses teóricos sociais é classificado por Reckwitz (2002) em quatro versões "culturalistas", sendo a última apresentada como superior na explicação das práticas sociais: mentalismo, textualismo, intersubjetivismo e teoria da prática (practice theory).

O mentalismo tem como lócus do "social" (coletividade) a mente dos indivíduos. Ali são depositadas as estruturas cognitivas. Assim, o social está na cabeça dos atores em primeiro lugar, e, portanto, a unidade de análise social são as próprias estruturas cognitivas. Logo, estruturas cognitivas ou frames de referência são causas ou condições do comportamento (BERGER; LUCKMANN, 1998; SCHUTZ, 1967). O textualismo sustenta como lócus do "social" as comunicações. Entenda-se por comunicações os sinais, símbolos, discursos e textos que estruturam o mundo social. Portanto, o social não reside no nível psicológico como no mentalismo, mas sim num nível extrassubjetivo, material (FOUCAULT, 1977; LUHMANN, 1996). O intersubjetivismo vê como lócus do "social" as interações, mais especificamente a linguagem (HABERMAS, 1984).

A teoria da prática, por sua vez, é considerada uma explicação desdobrada da virada interpretativa (interpretative turn) e que ainda está em seus estágios iniciais de construção e toma corpo em meio ao que se convencionou denominar virada da prática (practice turn). Essa teoria não toma conteúdos mentais, discursos ou interações como ponto de partida da explicação da prática, mas sim as próprias práticas (isto é, lócus do social) como pequenas unidades da análise social. Nesse sentido, a investigação social dada sob a orientação dessa teoria é traçada a partir de

[...] comportamentos rotinizados que consistem em vários elementos interconectados uns com os outros: formas de atividades corporais, "objetos" e suas aplicações, um conhecimento construído na forma de compreensão, know-how, estados de emoção e conhecimento motivacional (RECKWITZ, 2002, p. 249).

Logo, o autor ressalta que a prática sempre é uma espécie de caixa cuja constituição depende de quais elementos estão operando em seu interior e de que maneira.

Convergindo com a orientação supracitada, Schatzki (2001, p. 2) vê a virada da prática (practice turn) como um movimento das teorias sociais que reconhece "conhecimento, significado, atividade humana, ciência, poder, linguagem, instituições e transformações históricas" como elementos do campo das práticas (field of practices) que se somam a componentes pós-humanos como artefatos e objetos não humanos. Nesse sentido, esse movimento privilegia uma ontologia social distinta que engloba a corporeidade, a materialidade e suas interseções com as práticas organizadas em torno de conhecimentos compartilhados (SCHATZKI, 2001).

Para o campo de estudos da estratégia organizacional, a virada da prática na teoria social contemporânea representa o "modo de entender a emergência e evolução das práticas sociais, incluindo, em particular, a prática de strategizing" (CHIA; HOLT, 2009, p. 129). Ao assimilar as ideias da practice turn da teoria social contemporânea, a abordagem da estratégia como prática promete concentrar-se no nível micro da ação localizada dos praticantes da estratégia e vê nessas atividades o potencial para criação de valor nas organizações atuais (JOHNSON; MELIN; WHITTINGTON, 2003).

Em adição, a influência da virada da prática na teoria social sobre a strategy as practice pode ser percebida mais claramente em Jarzabkowski (2004). A autora destaca a prática estratégica como socialmente construída, algo que efetivamente as pessoas fazem, e ressalta que as várias abordagens que se debruçam sobre a dimensão prática da ação são similares em sua ênfase sobre as formas como os atores interagem com as características físicas e sociais do contexto em que se desenrolam as atividades cotidianas dos praticantes da estratégia (JARZABKOWSKI, 2004).

Na mesma linha de raciocínio, complementa Whittington (2006), o estudo da prática dos estrategistas se concentrou frequentemente nas atividades e nos papéis gerenciais, desconsiderando as forças institucionais do seu contexto. Assim, o autor defende o reconhecimento da necessidade de investigações acerca das instituições da estratégia, mais especificamente sobre a relação entre a conduta dos atores sociais no nível micro e as instituições no nível macro, mostrando-se fiel principalmente à proposta de Giddens (1989). Em linhas gerais, essa foi a razão para a elaboração do framework que promove a articulação entre práxis, práticas e praticantes (WHITTINGTON, 2006).

Nesse sentido, Whittington (2006) esclarece que a estratégia está imersa em um campo organizacional que se assemelha a um setor em que consultores, executivos, gurus, estudantes e outros atores sociais produzem práticas que moldam aquilo que os praticantes da estratégia fazem em sua ação localizada quando se apoiam em padrões institucionalizados como mecanismo de legitimação de suas atividades. Com o objetivo de tornar mais claro esse movimento recursivo, o autor apresenta as práticas da estratégia como rotinas comportamentais que incluem tradições e normas que figuram como guias para emprego de objetos e ação. A práxis, por sua vez, é particular no momento e no espaço, específica a cada contexto, e o praticante é o responsável pela compreensão das regras institucionalizadas (práticas), e, a partir daí, ocorre a consecução de suas atividades específicas (práxis) (WHITTINGTON, 2006).

 

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Nesta seção, descreve-se o delineamento (plano geral) do estudo. Mais especificamente, são apresentados os procedimentos empregados para coleta e análise dos dados necessários à consecução do objetivo de pesquisa do presente trabalho. Na escolha do método, optou-se pela pesquisa não reativa de documentos existentes (utilização de dados secundários) (NEUMAN, 1997). Essa forma de coleta de dados foi utilizada também por Rossoni e Guarido Filho (2007, 2009) para análise de campos científicos com ênfase em publicações. A partir desse método, foram selecionados os principais periódicos da área de administração e estratégia de acordo com o Journal Citation Reports (FOSS, 2011), observando-se aqueles que tiveram maior fator de impacto em 2009 (último registro disponível).

Após uma primeira busca pelos artigos que se enquadravam na abordagem da strategy as practice, optou-se por limitar a pesquisa aos 40 primeiros journals da área de administração e estratégia, visto que a maior parte dos artigos dessa abordagem foi publicada em alguns desses periódicos. Adotou-se, portanto a amostragem intencional (NEUMAN, 1997). A pesquisa dos artigos ocorreu em cada um dos journals via portal de periódicos da Capes com as seguintes palavras-chave: strategy as practice, strategizing e strategy practices. O critério de seleção dos trabalhos foi o seu enquadramento no programa de pesquisa da strategy as practice. Esse critério foi observado a partir dos argumentos dos próprios autores de cada artigo analisado. Assim, foram selecionados apenas aqueles estudos que buscavam oferecer uma contribuição para essa abordagem.

É interessante destacar que o número de artigos nos 40 principais journals sobre práticas organizacionais somou mais de 3.400 trabalhos. Entretanto, como a ênfase do presente estudo está centrada no movimento social da strategy as practice, vários outros trabalhos que tiveram por objeto de análise a prática da estratégia, mas não nessa perspectiva, foram descartados. Ao final da pesquisa, foi considerado o total de 59 publicações de apenas oito periódicos dos 40 iniciais. Os oito periódicos foram: Academy of Management Journal, Human Relations, International Journal of Management Reviews, Journal of Management Studies, Long Range Planning, Organization Science, Organization Studies e Strategic Organization.

Tendo-se como amostra da pesquisa esses 59 artigos, o movimento social da strategy as practice foi analisado à luz dos três momentos sugeridos por Hambrick e Chen (2008): diferenciação, mobilização e construção de legitimidade.

A diferenciação foi analisada considerando-se as informações dos 59 artigos selecionados, bem como a apresentação da abordagem em livros sobre o tema e outros periódicos de menor relevância em termos de fator de impacto. Nessa etapa, o objetivo foi destacar as promessas da strategy as practice e seus domínios particulares de investigação, sobretudo no que ela tentou diferenciar-se da literatura sobre processo estratégico.

A mobilização foi examinada por meio da observação da ação coletiva dos pesquisadores desse campo. Para tanto, foi construída uma matriz com as relações de coautorias para destacar os laços entre pesquisadores, sua centralidade e produtividade (número de artigos publicados nos 40 periódicos examinados).

Na sequência, outra matriz foi desenvolvida para representar as relações entre autores dos artigos e as teorias sociais. Os dados foram tratados com apoio dos softwares Ucinet e Pajek, que permitiram os cálculos de centralidade e extração dos sociogramas.

A construção de legitimidade desse movimento social foi analisada a partir da consideração dos resultados alcançados e não alcançados pela srategy as practice nos trabalhos que fizeram parte da amostra. Nesse momento da análise, as informações da agenda de pesquisa, que foram destacadas principalmente até 2005, foram comparadas com os principais achados empíricos dos trabalhos publicados na mesma amostra.

 

4 ANÁLISE DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Como já foi destacado, no presente trabalho a abordagem da strategy as practice é examinada como um movimento social. Tanto a formação de teorias quanto a dinâmica de novos campos acadêmicos já foram submetidas a teorizações pela sociologia da ciência nesses moldes (MERTON; STORER, 1973). Estudos dessa natureza frequentemente têm como objeto de análise a formação, a dinâmica de manutenção ou declínio de comunidades científicas em torno de determinadas teorias (HAGSTROM, 1965).

Nessa mesma linha de raciocínio, Hambrick e Chen (2008) desenvolveram o seu modelo de análise de campos acadêmicos considerando três momentos, não necessariamente sequenciais, da formação e continuidade de novos movimentos sociais teóricos. O modelo dos autores foi aplicado por eles na análise do campo da administração estratégica como um todo. Em relação à análise dos dados realizada aqui, ocorreu a aplicação do mesmo modelo, entretanto para exame de uma nova abordagem teórica (isto é, strategy as practice).

Para tanto, a produção dos pesquisadores (amostra de 59 artigos) que se enquadram na abordagem da strategy as practice foi examinada em termos de diferenciação (agenda de pesquisa), mobilização (ação coletiva e grau de integração entre atores do movimento) e construção de legitimidade (aderência a normas e padrões já estabelecidos nas adjacências da nova proposta, e recursos ou resultados alcançados), conforme os critérios sugeridos por Hambrick e Chen (2008). De modo geral, essas análises guiaram-se pelas seguintes questões de pesquisa, já apresentadas: "No que consiste a virada da prática no campo da estratégia?", "Como se tem dado e quais são as características dessa virada da prática nesse campo de estudos?" e "Está de fato completa essa virada da prática?".

4.1 DIFERENCIAÇÃO NO MOVIMENTO SOCIAL DA STRATEGY AS PRACTICE

A apresentação da abordagem da strategy as practice, em livros e artigos, foi acompanhada de uma série de promessas e intenções. Entre as principais características que poderiam diferenciar a agenda dessa abordagem de outras já conhecidas, sobretudo em relação à perspectiva do processo estratégico, estava principalmente a capacidade de debruçar-se sobre a esfera micro para informar tanto conceitos tradicionais e outras teorias quanto questões ainda não colocadas na pauta dos estudos sobre estratégia. Mais especificamente, a agenda de pesquisa que foi estabelecida pela strategy as practice (JOHNSON; MELIN; WHITTINGTON, 2003; WHITTINGTON, 2004; WILSON; JARZABKOWSKI, 2004; JARZABKOWSKI, 2005) pode ser resumida nos seguintes pontos:

• Estabelecimento da prática, praticantes e práticas como unidades de análise.

• Recuperação do papel do ator social na estratégia organizacional.

• Ênfase nas atividades diárias e localizadas dos praticantes da estratégia.

• Superação das dicotomias da área (processo/conteúdo, intencional/emergente).

• Identificação do papel de artefatos e ferramentas na prática da estratégia.

• Compreensão das tecnologias da estratégia e suas implicações para a sociedade.

• Descrição de como administradores se tornam estrategistas (carreira).

• Explicação de como são adquiridas as habilidades de estrategistas.

• Descrição de como as tecnologias da estratégia podem ser mais bem utilizadas.

• Explicação do desempenho dos praticantes da estratégia.

• Análise do desempenho do campo da estratégia como um todo.

• Ênfase no papel das elites da estratégia (CEOs, escolas, gurus, consultores).

• Expansão da análise dos praticantes da estratégia (stakeholders).

• Análise das implicações do planejamento sobre a organização do trabalho.

• Associação dos fenômenos da esfera micro com aqueles do nível macro.

• Consideração do nível de análise organizacional para evitar reducionismos.

• Associação das práticas com resultados organizacionais estratégicos.

• Exame das práticas para informar outras teorias (teoria institucional e Visão Baseada em Recursos).

• Relação das práticas com diversificação corporativa e estruturas organizacionais.

• Recuperação das práticas formais na análise do trabalho do estrategista.

4.2 MOBILIZAÇÃO NO MOVIMENTO SOCIAL DA STRATEGY AS PRACTICE

A agenda de pesquisa da strategy as practice tem chamado atenção de vários pesquisadores, promovido encontros, chamadas de trabalhos e até inspirado o desenvolvimento de uma comunidade (www.s-as-p.org) dedicada ao estudo da estratégia como uma prática social. Em sua coletividade, esses trabalhos vêm constituindo a infraestrutura (interesses compartilhados e laços sociais) necessária à mobilização de diversos pesquisadores. Entretanto, ainda é difícil precisar em que medida, como e em torno de que teorias centrais ocorreu essa mobilização.

Para evidenciar esse processo de ação coletiva da abordagem da strategy as practice, os 59 artigos coletados nos principais periódicos internacionais foram submetidos à análise e serviram para identificar: 1. conexões e centralidade dos pesquisadores desse movimento social; 2. produtividade dos autores; e 3. principais orientações teóricas dos trabalhos. Com auxílio do programa Pajek, para análise de redes sociais, foi construída uma matriz de coautorias e número de artigos publicados por pesquisador. No sociograma apresentado a seguir (Figura 1), todos os 76 pesquisadores envolvidos nos 59 artigos foram conectados. O tamanho dos vértices (nós) representa o número de trabalhos, o qual também é apresentado ao lado de cada nome, por exemplo: [12,00] Jarzabkowski, P.

 

 

A análise do sociograma extraído dessa matriz permitiu concluir que existe um componente principal na rede no que concerne ao número de publicações e conexões, o qual está centralizado e altamente dependente de dois pesquisadores: Richard Whittington e Paula Jarzabkowski.

Portanto, em termos relacionais, a mobilização (HAMBRICK; CHEN, 2008) da strategy as practice tem sido impulsionada desproporcionalmente por seus auto-res (isto é, por dois pesquisadores). Esse dado é importante na medida em que há possibilidade de maior difusão das orientações teóricas desses dois autores nesse campo. Isso equivale a dizer que o campo tende a caracterizar-se cada vez mais fortemente pela aplicação das teorias sociais seguidas por R. Whittington e P. Jarzabkowski. Decorre daí a necessidade de demarcar as orientações teóricas dos autores da strategy as practice, sobretudo daqueles mais centrais e profícuos, com maior poder de influência em função do número de laços e publicações.

Visando apresentar graficamente as orientações teóricas de todos os autores dos artigos examinados, foi construída outra matriz relacionando cada pesquisador com o proponente das teorias sociais contemporâneas que prevaleceram no artigo. Essa matriz permitiu a extração do segundo sociograma (Figura 2), o qual destacou as orientações teóricas mais difundidas.

 

 

Esse sociograma destaca quatro grupos (pontilhados) de autores e suas correspondentes orientações teóricas (autor da teoria social). Richard Whittington e Paula Jarzabkowski, os dois autores mais profícuos na área e mais centrais em termos de conexões com outros pesquisadores, fazem uso principalmente da teoria da estruturação (GIDDENS, 1989). Aliás, essa é a orientação teórica que prevalece nos trabalhos analisados: [11,00] Giddens. Paula Jarzabkowski se diferencia um pouco dessa tendência ao adotar também a perspectiva da teoria da atividade (VYGOTSKY, 1978) e formar um segundo grupo.

No terceiro grupo de trabalhos orientados por uma mesma teoria social, prevalece o arcabouço de Foucault (1977), mas é composto por autores com menor número de publicações. O quarto grupo, também com número reduzido de artigos, segue as teorias microssociológicas de Goffman (1967) e Collins (2004). A teoria da prática, de Bourdieu (1990), é citada apenas perifericamente, servindo de pano de fundo de alguns trabalhos.

Também é interessante destacar que, de acordo com a Figura 2, vários auto-res não empregaram centralmente nenhuma das teorias sociais contemporâneas. Esses artigos foram compostos a partir dos pressupostos, argumentos, conceitos e relações no domínio do conjunto de conhecimentos apresentados nas publicações enquadradas na strategy as practice e que começam a desenhar uma provável "teoria da prática estratégica".

Em adição, em linhas gerais, a publicação analisada enfatiza a recursividade das atividades em vez da sua transformação, o que é natural em função da própria natureza rotinizada da prática e das teorias sociais que são aplicadas na strategy as practice. Mas, mesmo considerando essa característica da prática, ainda são poucos os trabalhos que enfatizam a tensão entre práticas recursivas e adaptativas (JARZABKOWSKI, 2003, 2004). De acordo com Jarzabkowski (2004, p. 530), o "problema" da recursividade "obscurece os meios pelos quais as práticas são adaptadas". Nesse sentido, é preciso destacar o viés da maioria dos trabalhos para uma sociologia da regulação (BURRELL; MORGAN, 1994) que, na maior parte das vezes, apenas sedimenta antigos conceitos e obstrui a emergência de um novo vocabulário.

A necessidade de um novo vocabulário para os estudos sobre a prática social (RECKWITZ, 2002) e sobre a prática estratégica (CHIA; HOLT, 2006; WHITTINGTON, 2006) está sendo reiterada por vários autores da teoria social e da strategy as practice. Mesmo sem incorrer em qualquer tipo de incoerência epistemológica que possa ter origem na articulação entre a sociologia da regulação e a da mudança radical (BURRELL; MORGAN, 1994), é possível que pesquisadores de práticas estratégicas possam "sensibilizar-se teoricamente" (REICHERTZ, 2007) em conceitos de uma sociologia humanista ou estruturalista sobre a mudança da sociedade para o desenvolvimento de um novo vocabulário (RECKWITZ, 2002) dentro da sociologia da regulação aplicada ao estudo da prática. Termos como classe, conflito e elite podem inspirar o desenvolvimento de novas categorias de análise da prática estratégica. Por ora, esse vocabulário, com potencial de novas definições, parece relativamente distante da strategy as practice.

Outra característica digna de nota e que decorre das atuais orientações teóricas no estudo da prática estratégica é o tratamento das organizações como sistemas sociais de grande espectro, fazendo delas simples "espelhos" da sociedade, como ocorre em Bourdieu (2005), que defende a ideia de organização como um tipo de campo social ou com os trabalhos que aplicam a teoria da estruturação e tratam os sistemas organizacionais como small societies ou "instituições totais".

Em relação à posição de Bourdieu (2005), é preciso destacar que a simples transposição do conceito de campo social à organização é desnecessariamente restritiva. Em relação à aplicação da teoria da estruturação na pesquisa sobre estratégia, vale lembrar que Giddens (1989) considera dois níveis de análise na teoria da estruturação: o da ação (análise da conduta estratégica) e o da estrutura (análise institucional), mas não sucumbe à ideia de igualar sociedade e organizações; pelo contrário, mantém o status do seu trabalho como uma metateoria ao propor a conduta do agente ou as instituições como objetos de investigação. Estranhamente, Whittington (2010) cita estudos que consideraram o contexto organizacional, como nível institucional, como exemplos de boa aplicação da teoria da estruturação na área de organizações.

A limitação mais acentuada retratada nesse viés, tanto da conceituação de Bourdieu (2005) das organizações como campos sociais quanto da aplicação da teoria da estruturação no contexto organizacional, é explicada pelo conceito de link institucional perdido (STONE, 1991). Nessa situação, a pesquisa social é direcionada a questões de macro e microníveis, e o elemento meso (GRANOVETTER, 1985), no caso a organização, é esquecido. Stone (1991) propõe a análise do contexto do agente como outro tipo de parêntesis metodológico (GIDDENS, 1989) de maior utilidade.

Destaca-se aqui, de modo geral, que os problemas da ênfase na recursividade e do tratamento das organizações como small societies não devem ser atribuídos, por exemplo, à teoria da estruturação, mas sim ao modo como ela tem sido aplicada, pois a organização é um tipo de sistema distinto da sociedade. Sociedades e organizações diferem, em função de suas lógicas, dimensão espacial e extensão temporal, das instituições sociais nesses dois níveis.

4.3 CONSTRUÇÃO DE LEGITIMIDADE NO MOVIMENTO SOCIAL DA STRATEGY AS PRACTICE

De acordo com Hambrick e Chen (2008), a (1) construção da legitimidade se relaciona recursivamente com os elementos (2) diferenciação e (3) mobilização. Assim, os resultados alcançados e não alcançados por um movimento social teórico condicionam a sua própria legitimidade, sua futura possibilidade de diferenciação e, por consequência, também o sucesso da mobilização de novos pesquisadores. Assim, a progressão da abordagem é a principal responsável pela geração de recursos (conceitos e relações) que darão auxílio aos novos trabalhos do mesmo programa de pesquisa. Nesses termos, faz-se necessário delimitar os avanços e as questões deixadas em aberto pela strategy as practice.

Especificamente no caso dessa abordagem, a leitura dos artigos permitiu apontar que ela tem conseguido chamar a atenção para o papel dos atores sociais (gurus, escolas de negócio, consultores, stakeholders) e para suas implicações (uso de tecnologias, artefatos e ferramentas de análise estratégica) sobre a estratégia. Do mesmo modo, também tem ressaltado a prática concreta e socialmente situada como uma de suas unidades de análise, conforme sua agenda de pesquisa apresentada na diferenciação desse movimento social. Constatou-se, ainda, que esse exercício se dá tanto por meio de trabalhos teórico-empíricos quanto por meio de ensaios que apresentam tipologias e relações conceituais, como a oferecida por Whittington (2006) acerca da conexão entre práticas, práxis e praticantes da estratégia.

De igual modo, essa perspectiva tem destacado o papel das práticas formais de planejamento (JARZABKOWSKI; BALOGUN, 2009) e superado a ênfase demasiada de Henry Mintzberg na emersão da estratégia. Nessa linha, os artefatos, as ferramentas e tecnologias associados ao trabalho do estrategista também têm sido relativamente abordados, apesar de quase restritos às publicações no periódico Long Range Planning (EPPLER; PLATTS, 2009).

Mas, apesar dos avanços da abordagem, quando considerada sua agenda de pesquisa supracitada, alguns tópicos continuam em aberto. O primeiro deles diz respeito à compreensão de como se formam os estrategistas em termos de conhecimentos, habilidades e identidade. Desse modo, esse tópico mostra claramente a necessidade de teorizações de natureza também educacional para esclarecimento da formação de estrategistas. Rasche e Chia (2009, p. 724) ressaltam:

[...] a constituição da identidade do estrategista por meio de suas práticas permanece não endereçada [...] a análise da strategy as practice incorpora pouca consideração de como, por exemplo, o engajamento em práticas é constitutivo dos praticantes como sujeitos.

O segundo ponto da agenda de pesquisa passível de crítica é a capacidade em informar outras teorias mais amplamente empregadas na área de estratégia, pois são poucas as relações estabelecidas entre conceitos dessa perspectiva e outras já tradicionais. Como afirmaram Johnson, Melin e Whittington (2003), teorias como visão baseada em recursos e teoria institucional operam na dependência de explicações de natureza mais micro.

Em terceiro lugar, cabe apontar a necessidade de superar efetivamente a dicotomia processo/conteúdo estratégico. A perspectiva da strategy as practice foi apresentada como a possibilidade teórica de não dissociação entre vários elementos antes dicotômicos. Entretanto, a solução da perspectiva tem sido, com poucas exceções (JARZABKOWSKI, 2005), simplesmente ignorar a noção de estratégia produto-mercado.

Outra questão ainda não adequadamente apresentada é a possibilidade de explicação da variação do desempenho a partir das práticas estratégicas, tanto no nível organizacional quanto do praticante da estratégia. Por um lado, pesquisadores afirmam que a questão é crucial, sobretudo para maior difusão da própria perspectiva. Por outro lado, alguns dos pesquisadores, mobilizados pelo mesmo movimento, apontam como equivocada a tentativa de exame da relação entre práticas e desempenho por tratar-se de fenômenos "distantes". Há necessidade de aprofundar as discussões sobre desempenho nessa abordagem e esclarecer se a strategy as practice realmente pode explicar, sem mediadores, a variação dos consequentes organizacionais.

O quinto ponto reside na promessa ainda não cumprida de tratar mais detalhadamente a estratégia, nos planos micro e macro, a partir de um campo social e suas instituições e elementos (escolas de negócios e gurus), como alertado também por Whittington (2010). Nesses termos, a estratégia é uma instituição no nível social mais abstrato, mas com consequências em vários outros níveis, que foram apenas perifericamente abordadas até agora em relação ao potencial da área de investigação.

Por último, é preciso ressaltar a necessidade de considerar mais especificamente as dimensões organizacionais (estrutura e tecnologia) e sua relação com as práticas estratégicas. Como citado anteriormente, sociedades e organizações são fenômenos com lógicas diferentes, e assumir os sistemas organizacionais como instituições totais faz com que sejam desconsideradas as características peculiares a esses arranjos. Desse modo, vale destacar que é preciso recuperar a organização nos estudos sobre a prática estratégica.

Como exemplo da diferença entre organizações e sociedades, vale destacar o papel das tecnologias sobre as práticas estratégicas. Ao considerar as diferentes racionalidades impostas por diferentes tecnologias (elos de sequência, tecnologia intensiva e tecnologia mediadora) (THOMPSON, 1967), não há variação nas práticas estratégicas? As diferentes tecnologias organizacionais não influenciam a possibilidade e a velocidade de adaptação das práticas? Em adição, questões de estrutura, por exemplo, têm sido abordadas, privilegiando-se a noção de arcabouço estrutural (organograma), e não os padrões de interação informais (redes intraorganizacionais) (RANSON; HININGS; GREENWOOD, 1980). Assim, a estrutura serve apenas de lócus da ação estratégica (REGNÉR, 2003), e questões paradoxais como diferenciação-integração (LAWRENCE; LORSCH, 1967) e o fenômeno de decoupling (MEYER; ROWAN, 1977) são desconsideradas. Logo, a despeito do que afirma Whittington (2006), a virada da prática não está completa, pois a organização parece ter sido relegada, nessa abordagem, no ímpeto de recuperar o papel dos atores sociais e suas atividades.

Vale destacar que, quanto à aderência da abordagem ao que já ocorre no campo de estudos da estratégia, parece existir a expectativa de teorizações sobre a relação entre práticas e resultados. A fim de manter a discussão em uma mesma base epistemológica, talvez a noção de consequentes (outcomes) das práticas, como sugerido por Jarzabkowski e Spee (2009), seja a alternativa a ser considerada. Entre esses consequentes das práticas, podem figurar: respostas da gerência média, sensemaking, legitimidade, reputação, prestígio ou até mesmo características das rotinas organizacionais (AMBROSINI; BOWMAN; BURTON-TAYLOR, 2007). A ideia de consequentes (outcomes) se apresenta como uma opção menos restritiva e mais dissociada das métricas quantitativas tradicionais de natureza econômica que são consideradas nos estudos sobre estratégia.

 

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O objetivo do presente artigo foi analisar a virada da prática nos estudos sobre estratégia, tanto no que concerne às suas principais características quanto à finalização desse ciclo. Esse objetivo foi desdobrado nas seguintes perguntas de pesquisa: "No que consiste a virada da prática no campo da estratégia?", "Como se tem dado e quais são as características dessa virada da prática nesse campo de estudos?" e "Está de fato está completa essa virada da prática?". As conclusões a seguir tentam responder a essas questões.

Ao julgar pelas análises do presente trabalho, a virada da prática (practice turn) no campo da estratégia consiste na assimilação dos pressupostos, conceitos e argumentos da teoria da prática (RECKWITZ, 2002), sobretudo na localização do social nas próprias práticas, e não centralmente nas estruturas cognitivas, comunicações (textualismo) ou linguagem (intersubjetivismo). Isso equivale a investigar o social tendo como ponto de partida a prática, assumir o comportamento rotinizado como unidade de análise. E relacionar a corporeidade dos atores sociais, seus objetos e formas de uso, seus conhecimentos, habilidades, estados de emoção e motivações à prática. Nesse sentido, o campo das práticas (field of practices) (SCHATZKI, 2001) é a "cola social" que conecta todos esses elementos em diversos padrões.

Em relação ao modo como se deu essa virada no campo da estratégia, é importante destacar que, considerando-se os principais periódicos da área, os pesquisadores com maior número de publicações sobre a strategy as practice estão concentrados num componente central em termos relacionais na observação da ação coletiva. Whittington e Jarzabkowski são os autores que lideram esse movimento, mas se mantêm fiéis, principalmente, ao emprego dos conceitos da teoria da estruturação na investigação das práticas estratégicas. Como já foi destacado, a julgar pela orientação teórica desses autores e por seu poder de difusão entre os demais pesquisadores, a abordagem tende a se caracterizar, não unicamente, mas mais fortemente pela teoria de Giddens (1989).

Assim, em termos de interesses compartilhados, o movimento social da strategy as practice está preso a conceitos já bem sedimentados na sociologia da regulação. Esse fato traz vantagens e desvantagens. Vantagens em função da necessidade de construção de legitimidade do movimento social, que assim adere a normas e conceitos já bem estabelecidos, e desvantagens em razão das limitações conceituais, como o tratamento dos sistemas organizacionais como small societies ou "instituições totais". Tal consideração é importante na medida em que vários autores reconhecem a necessidade de um novo vocabulário na pesquisa sobre as práticas.

No que concerne à consecução ou finalização da virada da prática, como foi pretensamente colocado por Whittington (2006), conclui-se que a virada da prática nos estudos sobre estratégia não está completa. Em termos de níveis de análise, é preciso considerar mais apropriadamente a organização, e, em termos de conteúdo informacional dessa teoria, é necessário detalhar o processo de construção dos estrategistas, a relação prática entre processo e conteúdo estratégico, a relação micro e macro entre práticas e instituições no campo da estratégia, assim como discutir a associação entre medidas de desempenho e atividades.

Sobretudo, há necessidade de considerar adequadamente as características organizacionais, que atualmente operam como um link institucional perdido (STONE, 1991). A prática da estratégia não ocorre num vácuo organizacional, não é condicionada apenas por objetos ou artefatos próximos ao praticante, nem apenas por estruturais sociais do campo da estratégia, como afirmado por Whittington (2006). Logo, é preciso recuperar a organização no estudo da prática, redefinindo o próprio termo "organização" nesse movimento social, conforme foi sugerido também por Schatzki (2006).

Nesses termos, a organização deveria ser definida como um espaço de realização de scripts e não de realidade acabada, como se extrai da expressão tão citada – "realidade organizacional". Propõe-se aqui que a palavra "realização" reflete mais adequadamente uma concepção de organização voltada para o estudo do que ocorre de fato no interior desse tipo de arranjo. Os sistemas organizacionais devem ser compreendidos como lócus da emergência, disputa, conflito, negociação, transformação e legitimação de scripts dos atores sociais, bem como um tipo de arranjo para materialização prática desses scripts por meio da confluência de atividades materiais, objetos, corporeidade dos atores sociais, emoções e consumo das práticas institucionalizadas que operam como guias de ação.

Assim, a estratégia organizacional é praxeológica e temporalmente vista como antecedente, consequência e base da realização organizacional, que se estende às atividades de seus múltiplos atores ou praticantes.

 

REFERÊNCIAS

AMBROSINI, V.; BOWMAN, C.; BURTON-TAYLOR, S. Inter-team coordination activities as a source of customer satisfaction. Human Relations, v. 60, n. 1, p. 59-98, 2007.         [ Links ]

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1998.         [ Links ]

BESNIER, B. A distinção entre práxis e poiêsis em Aristóteles. Analytica, v. 1, n. 3, p. 127-163, 1996.         [ Links ]

BOURDIEU, P. The logic of practice. Cambridge: Polity Press, 1990.         [ Links ]

BOURDIEU, P. The social structures of the economy. Cambridge: Polity Press, 2005.         [ Links ]

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organisational analysis. Vermont: Ash- gate, 1994.         [ Links ]

CARTER, C.; CLEGG, S. R.; KORNBERGER, M. Strategy as practice? Strategic Organization, v. 6, n. 1, p. 83-99, 2008.         [ Links ]

CHIA, R. C. H.; HOLT, R. Strategy as practical coping: a Heideggerian perspective. Organization Studies, v. 27, n. 5, p. 635-655, 2006.         [ Links ]

CHIA, R. C. H.; HOLT, R. Strategy without design: the silent efficacy of indirect action. New York: Cambridge University Press, 2009.         [ Links ]

COLLINS, R. Interaction ritual chains. Oxford: Princeton University Press, 2004.         [ Links ]

EPPLER, M. J.; PLATTS, K. W. Visual strategizing: the systematic use of visualization in the strategic-planning process. Long Range Planning, v. 42, n. 1, p. 42-74, 2009.         [ Links ]

FOSS, N. J. Desenvolvido por Organization and Markets. Management Journal Impact Factors 2009. Disponível em: <http://organizationsandmarkets.com>. Acesso em: 23 mar. 2011.         [ Links ]

FOUCAULT, M. Discipline and punish. New York: Pantheon Books, 1977.         [ Links ]

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1989.         [ Links ]

GOFFMAN, E. Interaction ritual. New York: Doubleday, 1967.         [ Links ]

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.         [ Links ]

HABERMAS, J. The theory of communicative action. Boston: Beacon Press, 1984. v. 1.         [ Links ]

HAGSTROM, W. D. The scientific community. New York: Basic Books, 1965.         [ Links ]

HAMBRICK, D. C.; CHEN, M. J. New academic fields as admittance-seeking social movements: the case of strategic management. Academy of Management Review, v. 33, n. 1, p. 32-54, 2008.         [ Links ]

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. Petrópolis: Vozes, 2002.         [ Links ]

HODGKINSON, G. P.; WRIGHT, G. Neither completing the practice turn, nor enriching the process tradition: secondary misinterpretations of a case analysis reconsidered. Organization Studies, v. 27, n. 12, p. 1895-1901, 2006.         [ Links ]

JARZABKOWSKI, P. Strategic practices: an activity theory perspective on continuity and change. Journal of Management Studies, v. 40, n. 1, p. 23-55, 2003.         [ Links ]

JARZABKOWSKI, P. Strategy as practice: recursiveness, adaptation, and practices-in-use. Organization Studies, v. 25, n. 4, p. 529-560, 2004.         [ Links ]

JARZABKOWSKI, P. Strategy as practice: an activity-based approach. London: Sage, 2005.         [ Links ]

JARZABKOWSKI, P.; BALOGUN, J. The practice and process of delivering integration through strategic planning. Journal of Management Studies, v. 46, n. 8, p. 1255-1288, 2009.         [ Links ]

JARZABKOWSKI, P.; SPEE, P. Strategy-as-practice: a review and future directions for the field. International Journal of Management Reviews, v. 11, n. 1, 69-95, 2009.         [ Links ]

JOHNSON, G.; MELIN, L.; WHITTINGTON, R. Micro strategy and strategizing: towards an activity-based view. Journal of Management Studies, v. 40, n. 1, p. 3-22, 2003.         [ Links ]

LANGLEY, A. The challenge of developing cumulative knowledge about strategy as practice. In: GOLSORKHI, D.; ROULEAU, L.; SEIDL, D.; VAARA, E. (Ed.). Cambridge handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. p. 91-106.         [ Links ]

LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. Organization and environment. Boston: Harvard Business School Press, 1967.         [ Links ]

LUHMANN, N. Social systems. Stanford: Stanford University Press, 1996.         [ Links ]

MERTON, R. K.; STORER, N. W. The sociology of science. Chicago: The University of Chicago Press, 1973.         [ Links ]

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutional organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.         [ Links ]

MINTZBERG, H.; WATERS, J. A. Of strategies, deliberate and emergent. Strategic Management Journal, v. 6, n. 3, p. 257-272, 1985.         [ Links ]

NEUMAN, L. W. Social research methods: qualitative and quantitative approaches. Boston: Allyn & Bacon, 1997.         [ Links ]

RANSON, S.; HININGS, B.; GREENWOOD, R. The structuring of organizational structures. Administrative Science Quarterly, v. 25, n. 1, p. 1-17, 1980.         [ Links ]

RASCHE, A.; CHIA, R. Researching strategy practices: a genealogical social theory perspective. Organization Studies, v. 30, n. 7, p. 713-734, 2009.         [ Links ]

RECKWITZ, A. Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, v. 5, n. 2, p. 243-263, 2002.         [ Links ]

REGNÉR, P. Strategy creation in the periphery: inductive versus deductive strategy making. Journal of Management Studies, v. 40, n. 1, p. 57-82, 2003.         [ Links ]

REICHERTZ, J. Abduction: the logic of discovery of grounded theory. In: BRYANT, A.; CHARMAZ, K. (Ed.). The Sage handbook of Grounded Theory. London: Sage, 2007. p. 214-228.         [ Links ]

ROSSONI, L.; GUARIDO FILHO, E. R. Cooperação entre programas de pós-graduação em administração no Brasil: evidências estruturais em quatro áreas temáticas. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. 74-88, 2007.         [ Links ]

ROSSONI, L.; GUARIDO FILHO, E. R. Cooperação interinstitucional no campo da pesquisa em estratégia. Revista de Administração Contemporânea, v. 13, n. 3, p. 366-390, 2009.         [ Links ]

SCHATZKI, T. R. Introduction. In: SCHATZKI, T. R.; KNORR CETINA, K.; SAVIGNY, E. von (Ed.). The practice turn in contemporary theory. London: Routledge, 2001. p. 1-14.         [ Links ]

SCHATZKI, T. R. The sites of organizations. Organization Studies, v. 26, n. 3, p. 465-484, 2005.         [ Links ]

SCHATZKI, T. R. On organizations as they happen. Organization Studies, v. 27, n. 12, p. 18631873, 2006.         [ Links ]

SCHUTZ, A. The phenomenology of the social world. Evanston: Northwestern University Press, 1967.         [ Links ]

STONE, R. Strategic context analysis: a new research strategy for structuration Theory. Sociology, v. 25, n. 4, p. 673-695, 1991.         [ Links ]

THOMPSON, J. D. Organizations in action. New York: McGraw-Hill, 1967.         [ Links ]

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. Buenos Aires: Clacso; São Paulo: Expressão Popular, 2007.         [ Links ]

VYGOTSKY, L. Mind in society. Cambridge: Harvard University Press, 1978.         [ Links ]

WHITTINGTON, R. Strategy as practice. Long Range Planning, v. 29, n. 5, p. 731-735, 1996.         [ Links ]

WHITTINGTON, R. Strategy after modernism: recovering practice. European Management Review, v. 1, n. 1, p. 62-68, 2004.         [ Links ]

WHITTINGTON, R. Completing the practice turn in strategy research. Organization Studies, v. 27, n. 5, p. 613-634, 2006.         [ Links ]

WHITTINGTON, R. Giddens, structuration theory and strategy as Practice. In: GOLSORKHI, D.; ROULEAU, L.; SEIDL, D.; VAARA, E. (Ed.). Cambridge handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. p. 109-126.         [ Links ]

WILSON, D. C.; JARZABKOWSKI, P. Thinking and acting strategically: new challenges for interrogating strategy. European Management Review, v. 1, n. 1, p. 14-20, 2004.         [ Links ]

 

 

Submissão: 12 jun. 2011
Aceitação: 21 set. 2011
Sistema de avaliação: às cegas dupla (double blind review).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License