SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue4Apoptosis deregulation in myeloproliferative neoplasmsVaccination against human papillomavirus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Einstein (São Paulo)

Print version ISSN 1679-4508

Einstein (São Paulo) vol.11 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082013000400026 

APRENDENDO POR IMAGENS

 

Fusariose disseminada com endoftalmite em paciente com neoplasia hematológica

 

 

Guilherme Fleury Perini; Luis Fernando Aranha Camargo; Claudio Luiz Lottenberg; Nelson Hamerschlak

Hospital Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 

Paciente de 68 anos com diagnóstico anterior de leucemia melodie aguda iniciada com febre e mialgia durante quimioterapia. Apesar do largo espectro de antibióticos, a febre persistiu e, após 3 dias, foram observadas, nos membros inferiores do paciente, lesões na pele compatíveis com infecção por Fusarium. Observaram-se dispneia e hipóxia. Tomografia computadorizada mostrou infiltrações pulmonares extensas, e as culturas sanguíneas foram positivas para Fusarium sp. Fusariose disseminada foi diagnosticada sendo, assim, iniciado o uso de anfotericina lipossomal, voriconazol e infusão de granulócitos.

As lesões na pele regrediram completamente, assim como os infiltrados pulmonares; porém, após 1 semana, o paciente relatou embaçamento da visão no olho esquerdo. A imagem por ressonância magnética da órbita mostrou melhora do globo ocular esquerdo com laminação lateral, mediana e anterior compatível com endoftalmites (Figura 1). Iniciou-se tratamento intraocular com voriconazol, sendo observada pequena melhora. Diagnosticou-se endoftalmites por Fusarium sp, após o paciente relatar perda da visão do olho direito. Apesar do tratamento, houve piora progressiva de endoftalmites bilateral, ocorrendo enucleação do olho e sendo necessário o controle da doença. O exame patológico do olho enucleado mostrou abscesso adjacente à retina (Figura 2). Em alta magnificação, foi possível identificar Fusarium hifa (Figura 3).

 

 

 

 

 

 

As espécies de Fusarium causam diversas infecções em humanos, incluindo infecções superficiais, localmente invasivas e disseminadas. Pacientes imunocomprometidos têm alto risco, especialmente aqueles com neutropenia prolongada ou grave e/ou imunodeficiência grave de células T(1). Indivíduos com leucemia aguda e também pacientes submetidos à transplante de célula-tronco hematopoiética têm risco principalmente por meio das formas invasivas e disseminadas(2). O padrão típico de doenças disseminadas é uma combinação de lesões cutâneas (tipicamente com necrose externa no centro da lesão) e cultura positiva de sangue, com ou sem envolvimento de outros locais (sinusites, pulmões e outros)(3).

A endoftalmite por Fusarium em hospedeiros imunocomprometidos resulta mais comumente de semeadura hematogênica(4,5). A terapia intraocular e sistemática é, geralmente, aplicada com resposta baixa, podendo ser necessário a evisceração do olho, para evitar o envolvimento do sistema nervoso central(6). Poucos casos relatados descrevem o tratamento com sucesso da endoftalmite por Fusarium sp com voriconazola isolada ou combinada com caspofungina e posaconazole(7,8).

 

REFERÊNCIAS

1. Boutati EI, Anaissie EJ. Fusarium, a significant emerging pathogen in patients with hematologic malignancy: ten years' experience at a cancer center andimplications for management. Blood. 1997;90(3):999-1008.         [ Links ]

2. Nucci M, Anaissie E. Cutaneous infection by Fusarium species in healthy and immunocompromised hosts: implications for diagnosis and management. Clin Infect Dis. 2002;35(8):909-20.         [ Links ]

3. Nucci M, Anaissie E. Fusarium infections in immunocompromised patients. Clin Microbiol Rev. 2007;20(4):695-704.         [ Links ]

4. Dursun D, Fernandez V, Miller D, Alfonso EC. Advanced fusarium keratitis progressing to endophthalmitis. Cornea. 2003;22(4):300-3.         [ Links ]

5. Rezai KA, Eliott D, Plous O, Vazquez JA, Abrams GW. Disseminated Fusarium infection presenting as bilateral endogenous endophthalmitis in a patient with acute myeloid leukemia. Arch Ophthalmol. 2005;123(5):702-3.         [ Links ]

6. Tiribelli M, Zaja F, Filì C, Michelutti T, Prosdocimo S, Candoni A, et al. Endogenous endophthalmitis following disseminated fungemia due to Fusariumsolaniin a patient with acute myeloid leukemia. Eur J Haematol. 2002; 68(5):314-7.         [ Links ]

7. Tu EY, McCartney DL, Beatty RF, Springer KL, Levy J, Edward D. Successful treatment of resistant ocular fusariosis with posaconazole (SCH-56592). Am J Ophthalmol. 2007;143(2):222-7.         [ Links ]

8. Durand ML, Kim IK, D'Amico DJ, Loewenstein JI, Tobin EH, Kieval SJ, et al. Successful treatment of Fusarium endophthalmitis with voriconazole and Aspergillus endophthalmitis with voriconazole plus caspofungin. Am J Ophthalmol. 2005;140(3):552-4.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Guilherme Fleury Perini
Hospital Israelita Albert Einstein
Istituto Israelita de Ensino e Pesquisa
Avenida Albert Einstein, 627/701, Bloco A - Morumbi
CEP: 05652-900 - São Paulo, SP, Brasil
Tel.: (11) 2151-8709
E-mail: guiperini@einstein.br

Data de submissão: 2/8/2012
Data de aceite: 24/2/2013

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License