SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue3Kinesiotherapy decreases upper limb pain in females submitted to mastectomy or quadratectomy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Dor

Print version ISSN 1806-0013

Rev. dor vol.13 no.3 São Paulo July/Sept. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S1806-00132012000300001 

EDITORIAL

 

Dor pós-operatória crônica: a afecção negligenciada

 

 

José Paulo Drummond

Livre Docente e Professor Adjunto Concursado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

 

A dor pós-operatória, por suas repercussões somáticas e psíquicas, é direta ou indiretamente responsável por morbidade imediata ou mesmo por mortalidade. No entanto, ainda hoje, geralmente, é tratada de modo inadequado, insuficiente ou tardio. Em nosso modo de ver, isto constitui autêntica banalização da dor pós-cirúrgica, representada por desinteresse pelo sofrimento alheio, minimização de suas consequências e negligência ou omissão terapêutica.

O seu controle além de óbvias motivações humanitárias, restringe a incidência de complicações, reduz a permanência hospitalar e os custos correspondentes e, mediante a mais rápida recuperação da capacidade produtiva do paciente, diminui o ônus da respectiva inatividade para a instituição mantenedora ou para a própria comunidade1.

Entretanto, o objetivo da prevenção e do tratamento da dor pós-operatória, não deveria ser o de eliminá-la radicalmente, uma vez que isto aumentaria riscos e efeitos colaterais dose-dependentes, aboliria algumas vantagens da resposta neuroendócrino-metabólica e imunológica ao ato anestésico-cirúrgico e eliminaria sua função de estímulo à atividade respiratória. A finalidade profilática e terapêutica deveria, portanto, se limitar apenas a minimizar a dor aguda, isto é, torná-la francamente suportável, permitindo ao paciente com ela conviver em relativa harmonia.

Na última década do século passado, a pesquisa descobriu a fisiopatologia da cronicidade da dor pós-operatória, ou seja, sua transformação de sintoma em afecção específica, devido a mecanismos periféricos e centrais complexos, interdependentes e interativos. Os mecanismos periféricos se devem, essencialmente, à sensibilização dos nociceptores, ocasionada por estímulos intensos e duradouros, e às descargas ectópicas, deflagradas por lesão de nervos aferentes. Os mecanismos centrais são determinados, fundamentalmente, pela sensibilização das sinapses medulares, determinada pela barragem nociceptiva, e pela neuroplasticidade, a qual implica em alterações fisiológicas e estruturais, acontecidas, sobretudo, no corno posterior da medula2.

Estes conhecimentos deveriam gerar uma tomada de consciência por parte de anestesiologistas, cirurgiões, administradores e companhias de seguro, o que, por sua vez originaria mudanças de atitude e cuidados com sua prevenção (preemptive analgesia)3 e com seu controle imediato e eficaz. Estas posturas, motivadas não apenas por sentimentos compassivos, por mais justificáveis que o sejam, resultariam na profilaxia da morbiletalidade e da cronicidade correlatas, como também na redução de perdas e custos, os quais poderiam ser perfeitamente, contornáveis.

 

REFERÊNCIAS

1. Randall LC, Stephen EA, Philip RB, et al. Consensus statement in acute pain management. Reg Anesth Pain Med. 1996;21(S6):152-6.         [ Links ]

2. Woolf CJ, Doubell TP. The pathophysiology of chronic pain--increased sensitivity to low threshold A beta-fibre inputs. Curr Opin Neurobiol. 1994;4(4):525-34.         [ Links ]

3. McQuay HJ. Pre-emptive analgesia: a systematic review of clinical studies. Ann Med. 1995;27(2):249-56.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License