SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 suppl.1II Consenso Brasileiro de Tuberculose: Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Brasileiro de Pneumologia

Print version ISSN 1806-3713On-line version ISSN 1806-3756

J. bras. pneumol. vol.30  suppl.1 São Paulo June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132004000100002 

Editorial

 

 

Decorridos quase sete anos da elaboração do I Consenso Brasileiro de Tuberculose, momento em que se reconheceu sua oportunidade pelas características que a endemia tomava no país, pode-se constatar sua grande utilidade, como fonte de consulta para pneumologistas e profissionais da saúde das mais diversas especialidades.

Reconhecendo o momento atual como igualmente oportuno, a SBPT, em nova iniciativa conjunta com o Ministério da Saúde, através da Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância à Saúde, reúne especialistas para procederem à revisão de seu conteúdo. Assim, este trabalho, ora denominado Diretrizes Brasileiras para Tuberculose, toma como base de suas recomendações o I Consenso e as normas estabelecidas no Guia de Vigilância Epidemiológica/MS – 2002, como documentos oficiais em uso no Brasil. A partir da revisão mais atualizada e análise do estado da arte, pretende responder algumas questões relevantes pendentes ou surgidas no último qüinqüênio, quanto à epidemiologia, diagnóstico, tratamento, prevenção, biossegurança e controle da doença.

A tuberculose, embora doença endêmica mundial, apresenta características peculiares em cada país e mesmo em regiões, como ocorre no Brasil, estando sua magnitude relacionada ao nível de desenvolvimento social, à qualidade do controle da doença e da sua gestão, como estabelece a introdução do Guia de Vigilância Epidemiológica/MS 2002, e fundamentalmente às condições de acesso aos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde aponta a necessidade de concentrar esforços em 290 municípios brasileiros responsáveis por 70% dos casos da doença no Brasil. A estratificação obedece a critérios que levam em conta o risco para a tuberculose (taxas de morbimortalidade), a carga da doença (número absoluto de casos e óbitos) e a incidência de HIV/aids. A implementação da estratégia do Tratamento Diretamente Supervisionado nesses municípios, a melhoria dos sistemas de vigilância de casos e de contatos intradomiciliares e institucionais, a expansão da rede de laboratórios públicos ou colaboradores, a qualificação dos profissionais de saúde nas ações de vigilância e controle são os componentes-chave do Programa Nacional de Controle da Tuberculose. A edição destas Diretrizes visa contribuir para o alcance das metas de Governo e da sociedade civil na luta para o controle da tuberculose no país.

Publicações de caráter normativo, em especial quando fruto de trabalho multiinstitucional, devem representar diretrizes clínicas e por vezes operacionais, gerando um conjunto de recomendações desenvolvido de maneira sistematizada, destinado a apoiar o profissional de saúde e o paciente na tomada de decisões, em situações específicas. Espera-se, com a elaboração destas Diretrizes Brasileiras atuais, promover práticas cada vez mais eficazes e seguras, melhorando a qualidade dos cuidados de saúde em relação à tuberculose; reduzir condutas médicas empíricas, e oferecer informações de boa qualidade (com as melhores evidências disponíveis) traduzidas em recomendações objetivas. E ainda, identificar as áreas que necessitam de investigação clínica, operacional e em Unidades de atendimento, com vistas a aumentar a eficiência dos serviços de saúde.

Muitas foram as sugestões encaminhadas e colocadas em discussão. O objetivo maior dos participantes foi, à luz do conhecimento científico atual, ratificar o que se demonstrou como válido, rever conceitos e recomendar métodos para diagnóstico e esquemas de tratamento, sempre com a preocupação de responder de maneira prática, e com base no conceito de custo-efetividade, quando permitido pelo estado da arte no assunto.

Consideramos que recomendações e diretrizes clínicas não se encerram com sua elaboração, sendo necessário, subseqüentemente, sua avaliação, divulgação, implementação e, sobretudo, geração de conhecimento e crítica a posteriori, conduta infelizmente não utilizada com freqüência pela nossa Sociedade e pelos órgãos públicos. É com esta expectativa que esperamos que a presente publicação seja útil a todos os profissionais de saúde que dela se utilizarem com o objetivo maior de controlar a tuberculose no Brasil.

Nossos maiores agradecimentos aos autores e colaboradores pela participação e pelo cuidado permanente, desde a elaboração das questões até as revisões do conteúdo.

 

CARLOS ALBERTO DE CASTRO PEREIRA
Presidente da SBPT

JOSENEY RAIMUNDO SANTOS
Coordenador de Doenças Transmissíveis,
da Secretaria de Vigilância à Saúde,
Ministério da Saúde

MARGARETH PRETTI DALCOLMO
Presidente da Comissão
Científica de TB da SBPT

Editora

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License