SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 suppl.2Epidemiological surveillance and occupational respiratory diseases author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Brasileiro de Pneumologia

Print version ISSN 1806-3713On-line version ISSN 1806-3756

J. bras. pneumol. vol.32  suppl.2 São Paulo May 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132006000800001 

Apresentação

 

 

Ao consultarmos a literatura médica específica, podemos avaliar a dimensão do tema "Doenças Respiratórias Ambientais e Ocupacionais - DRAO". No ano 2000, a American Thoracic Society (ATS) promoveu um encontro de especialistas para avaliar a interação do pulmão com o meio ambiente. O objetivo foi o de aprofundar a discussão desse problema de saúde pública, mais do que atual, prio-rizando abordagens que englobam desde os estudos de base populacional até as complexas interações celulares e moleculares decorrentes dos agentes encontrados no meio ambiente em geral. Foi destacado que o ar inalado, mesmo em condições de relativa pureza, contém um grande número de partículas das mais diversas origens, tais como poléns, proteínas animais e vegetais, poeiras inorgânicas, substâncias produzidas pela queima de combustíveis fósseis e de biomassa, erupções vulcânicas e pela degradação natural ocasionada pelas intempéries.

As doenças relacionadas com o trabalho, as assim chamadas "doenças profissionais", constituem um problema de difícil equacionamento, mesmo nos países desenvolvidos. Em 1995, estimativas americanas demonstravam um número de 125.000 a 350.000 casos novos de doenças ocupacionais por ano, cerca de 5,3 milhões de trabalhadores acometidos e um custo de U$ 60 bilhões anuais relativos às despesas médicas e administrativas decorrentes desses agravos à saúde. As mais prevalentes são as doenças osteomusculares, respiratórias, dermatoses, perdas auditivas induzidas pelo ruído e intoxicações por produtos químicos.

As exposições ambiental e ocupacional aos agentes dispersos no ar que respiramos, os assim chamados aerodispersóides ou bioaerossóis, constituem-se, em nossos dias de extrema poluição atmosférica, desafiante problema de saúde pública. Embora reconhecidas ao longo dos séculos, e com substancial conhecimento adquirido em relação aos agentes responsáveis e medidas para a prevenção e o controle dessas exposições, ainda persistem ceifando vidas. Considera-se que de 15% a 20% das doenças das vias aéreas e intersticiais podem ser atribuídas às exposições ocupacionais, segundo dados da ATS. Em 2000, nos EUA, foi estimado um custo de US$ 140 bilhões relacionados com as doenças respiratórias de origem ocupacional, envolvendo, também, as despesas médicas e administrativas pertinentes.

Entre nós, os dados disponíveis são inconsistentes e imprecisos. Carecemos de uma base de dados de vigilância epidemiológica, a subnotificação ainda é predominante e, mesmo os profissionais da área da saúde afeitos a esse tema, na sua grande maioria ainda ignoram ou subestimam a etiologia ambiental ou ocupacional dessas doenças. Tal situação contribui para a precariedade do diagnóstico, e conseqüentemente para o deficiente sistema de coleta de dados, fundamental para a definição de políticas públicas de saúde. Por oportuno, indagamos: quantas vezes nós, os pneumologistas, perguntamos sobre a ocupação do nosso paciente, tentando estabelecer uma relação de nexo causal entre o seu trabalho, ao longo da sua vida, e a eventual hipótese diagnóstica?

Outras indagações são pertinentes: qual o número de trabalhadores expostos ao risco inalatório, a que agentes, em que nível de exposição, quantos adoeceram ou morreram exclusivamente devido a essas exposições (morbimortalidade), e quais os custos econômico e social decorrentes desses agravos? Seguramente as respostas serão inconsistentes, imprecisas ou até mesmo inexistentes.

Agradecemos a colaboração das sociedades afeitas ao assunto e aos colegas que participam da elaboração dos respectivos capítulos deste Suplemento. A sua elaboração visa a aprimorar o conhecimento sobre esse enfoque temático, proporcionando aos colegas uma leitura dirigida que os possa alentar para enfrentar a magnitude desse problema em nosso país e, quem sabe, despertar desafios institucionais ou pessoais mais do que necessários e urgentes.

O presente suplemento procurará, portanto, trazer subsídios para a resolução destas pertinentes questões.

 

Ericson Bagatin, José Alberto Neder

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License