SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número6Perguntamos: qual é o diagnóstico? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Brasileiro de Pneumologia

versão impressa ISSN 1806-3713versão On-line ISSN 1806-3756

J. bras. pneumol. v.33 n.6 São Paulo nov./dez. 2007

https://doi.org/10.1590/S1806-37132007000600023 

DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICO

 

Diagnóstico do caso da edição anterior

 

 

Dany Jasinowodolinski; Gustavo de Souza Portes Meirelles; Flavio Duarte Silva; Nestor L Müller

Centro de Medicina Diagnóstica Fleury, São Paulo (SP) Brasil; Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP – São Paulo (SP) Brasil; Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP – São Paulo (SP) Brasil; University of British Columbia, Vancouver, BC, Canadá

 

 

Criptococose pulmonar

 

 

Comentários

A contaminação pelo fungo Cryptococcus neoformans ocorre normalmente pela via inalatória. A infecção pulmonar (criptococose) pode ser assintomática, por vezes autolimitada, ou grave e progressiva. Um estudo com pacientes com imunidade normal revelou que a metade apresentava tosse ou dor torácica, um quarto tinha perda de peso ou febre e os demais eram assintomáticos. Os achados de imagem são variados. Os pacientes imunocompetentes geralmente apresentam sintomas pulmonares leves, tendendo a apresentar nódulos que simulam tuberculose pulmonar ou até mesmo neoplasias. Os imunocomprometidos habitualmente apresentam nódulos e consolidações múltiplos e podem apresentar cavidades pulmonares, linfonodomegalias e derrame pleural.

No caso apresentado, a paciente iniciou a história com quadro clínico de lúpus eritematoso sistêmico e evoluiu para nefrite lúpica grave. Após 38 dias de tratamento imunossupressor, voltou ao hospital com queixa de febre. A radiografia de tórax evidenciou uma consolidação no pulmão direito. A tomografia computadorizada caracterizou melhor a consolidação, mostrando sua localização periférica e formato cuneiforme com base na pleura. O diagnóstico foi feito por biópsia da lesão pulmonar.

 

Referências

1. Patz EF Jr, Goodman PC. Pulmonary cryptococcosis. J Thorac Imaging. 1992;7(4):51-5.        [ Links ]

2. Campbell GD. Primary pulmonary cryptococcosis. Am Rev Respir Dis. 1966;94(2):236-43.        [ Links ]

3. Khoury MB, Godwin JD, Ravin CE, Gallis HA, Halvorsen RA, Putman CE. Thoracic cryptococcosis: immunologic competence and radiologic appearance, AJR, Am J Roentgenol. 1984;142(5):893-6.        [ Links ]

4. Boyars MC, Zwischenberger JB, Cox CS Jr. Clinical manifestations of pulmonary fungal infections. J Thorac Imaging. 1992;7(4):12-22.        [ Links ]

5. Feigin DS. Pulmonary cryptococcosis: radiologic-pathologic correlates of its three forms. AJR Am J Roentgenol. 1983;141(6):1262-72.        [ Links ]

 

ACERTADORES NO CASO DE SETEMBRO/OUTUBRO DE 2007

Elza Maria Rezende de Almeida – Centro de Saúde da Policia Militar do Amapá – Amapá – AP

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons