SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue9Chapter 2: coccidioidomycosisUse of virtual bronchoscopy in children with suspected foreign body aspiration author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Brasileiro de Pneumologia

Print version ISSN 1806-3713On-line version ISSN 1806-3756

J. bras. pneumol. vol.35 no.9 São Paulo Sept. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132009000900015 

SÉRIE DE CASOS

 

Surto de aspergilose pulmonar invasiva em enfermaria de transplante de medula óssea: achados tomográficos*

 

 

Daniela Batista de Almeida FreitasI; Ana Cláudia PiovesanI; Gilberto SzarfII; Dany JasinowodolinskiII; Gustavo de Souza Portes MeirellesII

IMédica Residente. Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina - UNIFESP/EPM - São Paulo (SP) Brasil
IIMédico Radiologista. Departamento de Diagnóstico por Imagem, Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina - UNIFESP/EPM - São Paulo (SP) Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar os principais aspectos encontrados na TC de seis pacientes internados em uma enfermaria de transplante de medula óssea, diagnosticados com aspergilose pulmonar invasiva (API) durante um surto intra-hospitalar da doença.
MÉTODOS: Foram revisadas 10 TC de tórax de seis pacientes internados na enfermaria de hematologia e transplante de medula óssea do Hospital São Paulo em São Paulo (SP) entre abril de 2007 e outubro de 2007, neutropênicos ou imunossuprimidos, que evoluíram com API. O diagnóstico de API foi comprovado por exames anatomopatológicos (2 casos), cultura (3 casos) ou por resposta terapêutica adequada (1 caso).
RESULTADOS: Foram avaliadas imagens tomográficas de três homens e três mulheres com idades variando de 22 a 58 anos. Nódulos (5/6 casos) e áreas de consolidação (2/6 casos) foram os achados tomográficos mais comuns. Os nódulos eram mais frequentemente múltiplos (3/5 casos), de contornos irregulares (3/5 casos) e com sinal do halo (3/5 casos). Foram encontradas consolidações múltiplas e de distribuição central em um caso e consolidação isolada e periférica em outro. Áreas de atenuação em vidro fosco e espessamento septal foram achados, respectivamente, em três e dois pacientes. Derrame pleural bilateral ocorreu em três casos.
CONCLUSÕES: Consolidação, nódulos, opacidades em vidro fosco, derrame pleural e espessamentos septais foram os principais achados tomográficos dos seis pacientes internados na enfermaria acima citada durante o surto de API. O sinal do halo, classicamente descrito na literatura para esta condição, foi um achado frequente quando associado a nódulos (67%).

Descritores: Aspergilose; Pneumopatias fúngicas; Neutropenia; Transplante de medula óssea; Tomografia computadorizada por raios X.


 

 

Introdução

A aspergilose pulmonar invasiva (API) é uma infecção grave, geralmente associada à destruição tecidual, que ocorre em indivíduos imunocomprometidos.(1) Os principais fatores de risco para essa condição são neutropenia prolongada (contagem de granulócitos inferior a 500 células/µL por mais de 10 dias) e quimioterapia mieloablativa ou transplante de medula óssea (TMO) para neoplasias hematológicas.(1,2)

A frequência de API encontra-se entre 5% e 15% em pacientes submetidos ao TMO e aproxima-se de 70% após 34 dias de neutropenia em indivíduos com qualquer malignidade hematológica.(2-5) Além de frequente, a API nesses pacientes apresenta uma alta taxa de mortalidade, que atinge 94% em alguns estudos.(2,4,6,7) Isso provavelmente se deve, ao menos em parte, à dificuldade de se diagnosticar a doença numa fase precoce e, consequentemente, ao atraso para iniciar a terapêutica antifúngica.(8)

O padrão ouro para o diagnóstico de API é a demonstração de invasão tecidual pelo microorganismo em estudo histopatológico.(8,9) Entretanto, estudos histopatológicos requerem um procedimento invasivo que é difícil de executar nesses pacientes imunocomprometidos ou pancitopênicos. A lavagem brônquica tem eficácia variável (0-93%), sendo de cerca de 50% na maioria dos estudos.(6,10) Além disso, técnicas moleculares não-invasivas para a detecção de antígenos de Aspergillus sp. (galactomanana) no sangue ou no lavado brônquico não estão bem definidas e apresentam aplicação prática limitada.(6,8,9) Alguns autores(11) demonstraram inclusive que lesões da API na TC de tórax precedem a detecção sérica do antígeno galactomanana pela biologia molecular. Portanto, a TC do tórax tem sido preconizada como o principal método para o diagnóstico precoce dessa condição.(8,9)

Visto que o reconhecimento das alterações tomográficas é fundamental no diagnóstico e no prognóstico de pacientes com API, resolvemos avaliar os principais aspectos encontrados na TC de tórax de seis pacientes internados numa unidade de hematologia e TMO, os quais evoluíram com API.

 

Métodos

Foram retrospectivamente revisadas TCs de tórax de seis pacientes internados na enfermaria de hematologia e TMO do Hospital São Paulo/Escola Paulista de Medicina entre abril de 2007 e outubro de 2007, que evoluíram com API. Os casos ocorreram durante a reforma da estrutura física da instituição e excederam o número de casos esperados para o período, de acordo com anos anteriores. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina.

Os pacientes eram três homens e três mulheres, com idades variando de 22 a 58 anos (média de 41,5 anos). Cinco pacientes estavam neutropênicos no momento do diagnóstico, e um deles era imunossuprimido devido ao TMO (corticoterapia por mais de 60 dias). O tempo decorrido entre a instalação da neutropenia e o diagnóstico de API foi, em média, de 16 dias, variando de 10 a 25 dias. Quatro pacientes apresentavam como doença de base leucemia aguda, um apresentava leucemia crônica, e um apresentava leucemia bifenotípica. Todos apresentavam critérios clínicos e de hospedeiro para aspergilose invasiva (AI) no momento do diagnóstico, segundo os critérios do comitê dos membros do Invasive Fungal Infections Cooperative Group da European Organization for Research and Treatment of Cancer (EORTC).(9) O diagnóstico de AI foi comprovado por exames histopatológicos (2/6 casos), cultura de lavado brônquico (1/6 casos) ou de escarro (2/6 casos) ou ainda por resposta terapêutica adequada (1/6 casos). Dessa forma, segundo a padronização da EORTC,(9) três pacientes foram classificados como AI provada, dois como AI provável e um como AI possível.

Entre as TCs realizadas pelos pacientes em estudo, foram selecionadas para a análise aquelas com data mais próxima ao diagnóstico anatomopatológico ou bacteriológico de API. Os exames tomográficos foram realizados com a técnica de alta resolução (cortes com 1 mm de espessura e 10 mm de intervalo) e com a técnica helicoidal (7 mm de espessura e 10 mm de intervalo). Na análise das imagens, foram usadas janelas com abertura variando de 1.200 a 1.600 UH e centro de -450 a -650 para o parênquima pulmonar e abertura de 250 a 500 UH e centro de 30 a 50 UH para a análise do mediastino.

Os exames foram avaliados por dois radiologistas, de modo independente. As decisões finais foram obtidas por consenso. Utilizou-se a terminologia do consenso elaborado pelo Colégio Brasileiro de Radiologia.(12)

 

Resultados

Os achados tomográficos em ordem de frequência foram: nódulos (5/6 casos); áreas de atenuação em vidro fosco (3/6 casos); derrame pleural bilateral (3/6 casos); consolidação (2/6 casos); e espessamento septal (2/6 casos). As características clínicas e radiológicas dos pacientes estudados estão resumidas na Tabela 1.

Os nódulos eram mais frequentemente múltiplos (3/5 casos) e de contornos irregulares (3/5 casos; Figura 1). O sinal do halo foi observado em três dos cinco casos de nódulos (67%; Figura 2).

As consolidações eram múltiplas e de distribuição central em um dos casos e, no outro caso, a consolidação era isolada e periférica (Figura 3). Houve associação entre consolidação e nódulos em um caso.

Como achados associados, foram encontrados áreas de atenuação em vidro fosco e espessamento septal em três e dois pacientes, respectivamente. Ocorreu derrame pleural bilateral em três casos, geralmente em pequena quantidade.

 

Discussão

Foram descritos neste estudo os achados tomográficos de seis pacientes com leucemia pós-quimioterapia ou pós-TMO que evoluíram com API.

Em pacientes neutropênicos, a presença de Aspergillus sp. profundamente à membrana basal é considerada diagnóstica de AI.(13) Nesses casos, Aspergillus sp. invade os vasos sanguíneos resultando em trombose, com subsequente infarto hemorrágico do pulmão.(1,14,15) Correlacionando os achados anatomopatológicos com os tomográficos, focos/áreas de infarto podem se apresentar como nódulos ou como consolidação em forma de cunha com base pleural.(2,16) Ambos os achados podem ser associados ao sinal do halo, que corresponderia à hemorragia alveolar associada à inflamação.(2,3)

Nódulos e consolidações são os principais achados descritos na literatura para API.(2,3,8,13-19). De acordo com alguns autores,(15) os nódulos seriam os achados iniciais, que progrediriam através de um sinal do halo para consolidação e, posteriormente, escavação. Dessa forma, a variação na duração desde o início da fisiopatologia da AI até o momento do diagnóstico da doença pode justificar o motivo de alguns estudos apresentarem maior frequência de nódulos, enquanto em outros predominaram as consolidações.

Derrame pleural, espessamento septal e áreas de vidro fosco, achados encontrados na nossa série, em associação com os nódulos e consolidações, também foram descritos na literatura, em frequências variáveis.(2,3,8,13-19) A Tabela 2 resume a frequência dos nossos achados em relação aos de outros estudos.

O sinal do halo foi descrito pela primeira vez por Kuhlman et al. em 1985 e é considerado muito sugestivo de API.(15) Outros autores relataram que a frequência do sinal do halo diminui com o tempo no curso da API, sugerindo que esse seja um bom sinal para o diagnóstico precoce da API e que, portanto, se relaciona a um melhor prognóstico.(19) Seguindo os critérios da EORTC, numa população específica, o achado do sinal do halo autoriza o início da terapia antifúngica.(9) No presente estudo, esse foi um achado frequente em relação aos nódulos (67%), sendo semelhante ao descrito na literatura, que varia de 20% a 100% dos casos de API.(2,3,6,8,15-17,19) Alguns autores sugeriram inclusive que o sinal do halo pode ser utilizado também como um marcador de atividade do fungo e, portanto, como um marcador de resposta terapêutica.(2)

Apesar do sinal do halo ser o achado tomográfico mais sugestivo para o diagnóstico da API, sua sensibilidade e especificidade são assuntos controversos na literatura. Ele também tem sido relatado em associação com outras infecções fúngicas (mucormicose e actinomicose), bacterianas (Pseudomonas sp. e Legionella sp.) e virais (herpes simplex e citomegalovírus), além de alguns processos não-infecciosos, como granulomatose de Wegener, sarcoma de Kaposi, carcinoma bronquioloalveolar e metástase.(2,8,19,20) Avaliando especificamente pacientes imunocomprometidos, o sinal do halo tem se relacionado à API, ao sarcoma de Kaposi e às doenças linfoproliferativas.(20) Entretanto, a maioria dos estudos sobre API que abordam o achado tomográfico de sinal do halo é retrospectiva e inclui indivíduos em diferentes fases da doença, o que acarreta grande variação na avaliação da sensibilidade e da especificidade desse sinal.

Alguns estudos demonstraram que, principalmente após o início da terapêutica antifúngica e em média 16 dias após o diagnóstico,(2) fragmentos de infarto pulmonar podem se separar do parênquima adjacente, resultando em uma escavação com ar em formato de crescente (sinal do crescente).(14,15) Apesar disso, não foi encontrado esse sinal no nosso estudo, provavelmente devido a questões metodológicas, já que a nossa amostra foi pequena e selecionamos a TC realizada o mais perto possível da comprovação diagnóstica, antes do tratamento.

Em conclusão, nódulos, consolidações, espessamentos septais, derrame pleural e opacidades em vidro fosco foram os principais achados tomográficos no surto de API na enfermaria de hematologia e TMO. O sinal do halo, classicamente descrito na literatura para essa condição, foi um achado frequente (67%) em relação aos nódulos. Dessa forma, o estudo tomográfico do tórax de pacientes com leucemia pós-quimioterapia ou pós-TMO que evoluem com API pode desempenhar um importante papel no diagnóstico precoce, no rápido início da terapia antifúngica e, consequentemente, na melhora na chance de sobrevida nesses casos.

 

Agradecimentos

Agradecemos especialmente aos Drs. Matheus Gonçalves e Carlos Alberto Pereira a colaboração na coleta das informações clínicas dos pacientes do estudo.

 

Referências

1. Sharma OP, Chwogule R. Many faces of pulmonary aspergillosis. Eur Respir J. 1998;12(3):705-15.         [ Links ]

2. Brodoefel H, Vogel M, Hebart H, Einsele H, Vonthein R, Claussen C, et al. Long-term CT follow-up in 40 non-HIV immunocompromised patients with invasive pulmonary aspergillosis: kinetics of CT morphology and correlation with clinical findings and outcome. AJR Am J Roentgenol. 2006;187(2):404-13.         [ Links ]

3. Hauggaard A, Ellis M, Ekelund L. Early chest radiography and CT in the diagnosis, management and outcome of invasive pulmonary aspergillosis. Acta Radiol. 2002;43(3):292-8.         [ Links ]

4. Denning DW, Stevens DA. Antifungal and surgical treatment of invasive aspergillosis: review of 2,121 published cases. Rev Infect Dis. 1990;12(6):1147-201. Erratum in: Rev Infect Dis 1991;13(2):345.         [ Links ]

5. Baddley JW, Stroud TP, Salzman D, Pappas PG. Invasive mold infections in allogeneic bone marrow transplant recipients. Clin Infect Dis. 2001;32(9):1319-24.         [ Links ]

6. Bruno C, Minniti S, Vassanelli A, Pozzi-Mucelli R. Comparison of CT features of Aspergillus and bacterial pneumonia in severely neutropenic patients. J Thorac Imaging. 2007;22(2):160-5.         [ Links ]

7. Denning DW. Therapeutic outcome in invasive aspergillosis. Clin Infect Dis. 1996;23(3):608-15.         [ Links ]

8. Hachem R, Sumoza D, Hanna H, Girgawy E, Munsell M, Raad I. Clinical and radiologic predictors of invasive pulmonary aspergillosis in cancer patients: should the European Organization for Research and Treatment of Cancer/Mycosis Study Group (EORTC/MSG) criteria be revised? Cancer. 2006;106(7):1581-6.         [ Links ]

9. Ascioglu S, Rex JH, de Pauw B, Bennett JE, Bille J, Crokaert F, et al. Defining opportunistic invasive fungal infections in immunocompromised patients with cancer and hematopoietic stem cell transplants: an international consensus. Clin Infect Dis. 2002;34(1):7-14.         [ Links ]

10. Reichenberger F, Habicht J, Matt P, Frei R, Solèr M, Bolliger CT, et al. Diagnostic yield of bronchoscopy in histologically proven invasive pulmonary aspergillosis. Bone Marrow Transplant. 1999;24(11):1195-9.         [ Links ]

11. Weisser M, Rausch C, Droll A, Simcock M, Sendi P, Steffen I, et al. Galactomannan does not precede major signs on a pulmonary computerized tomographic scan suggestive of invasive aspergillosis in patients with hematological malignancies. Clin Infect Dis. 2005;41(8):1143-9.         [ Links ]

12. Souza Jr. AS, Araujo Neto C, Jasinovodolinsky D, Marchiori E, Kavakama J, Irion KL, et al. Terminologia para a descrição de tomografia computadorizada do tórax: sugestões iniciais para um consenso brasileiro. Radiol Bras. 2002;35(2):125-8.         [ Links ]

13. Logan PM, Primack SL, Miller RR, Müller NL. Invasive aspergillosis of the airways: radiographic, CT, and pathologic findings. Radiology. 1994;193(2):383-8.         [ Links ]

14. Won HJ, Lee KS, Cheon JE, Hwang JH, Kim TS, Lee HG, et al. Invasive pulmonary aspergillosis: prediction at thin-section CT in patients with neutropenia--a prospective study. Radiology. 1998;208(3):777-82.         [ Links ]

15. Kuhlman JE, Fishman EK, Siegelman SS. Invasive pulmonary aspergillosis in acute leukemia: characteristic findings on CT, the CT halo sign, and the role of CT in early diagnosis. Radiology. 1985;157(3):611-4.         [ Links ]

16. Althoff Souza C, Müller NL, Marchiori E, Escuissato DL, Franquet T. Pulmonary invasive aspergillosis and candidiasis in immunocompromised patients: a comparative study of the high-resolution CT findings. J Thorac Imaging. 2006;21(3):184-9.         [ Links ]

17. Caillot D, Couaillier JF, Bernard A, Casasnovas O, Denning DW, Mannone L, et al. Increasing volume and changing characteristics of invasive pulmonary aspergillosis on sequential thoracic computed tomography scans in patients with neutropenia. J Clin Oncol. 2001;19(1):253-9.         [ Links ]

18. Leão RC, Marchiori E, Rodrigues R, Souza Jr AS, Gasparetto EL, Escuissato DL. Tomografia computadorizada na avaliação da aspergilose pulmonar angioinvasiva em pacientes com leucemia aguda. Radiol Bras. 2006;39(5):327-31.         [ Links ]

19. Horger M, Hebart H, Einsele H, Lengerke C, Claussen CD, Vonthein R, et al. Initial CT manifestations of invasive pulmonary aspergillosis in 45 non-HIV immunocompromised patients: association with patient outcome? Eur J Radiol. 2005;55(3):437-44.         [ Links ]

20. Gaeta M, Blandino A, Scribano E, Minutoli F, Volta S, Pandolfo I. Computed tomography halo sign in pulmonary nodules: frequency and diagnostic value. J Thorac Imaging. 1999;14(2):109-13.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Daniela Batista de Almeida Freitas
Rua Oscar freire, 2040, apto 118, Pinheiros
CEP 05409-001, São Paulo, SP, Brasil
Tel 55 11 8371-5605
E-mail:
daniela.ba@gmail.com

Recebido para publicação em 26/1/2009.
Aprovado, após revisão, em
6/3/2009.
Apoio financeiro: Nenhum.

 

 

* Trabalho realizado no Departamento de Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina - UNIFESP/EPM - São Paulo (SP) Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License