SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 número3Componentes do rendimento de mamona segundo a ordem floral e época de semeadura no Rio Grande do SulDiâmetro de estacas e substratos na propagação vegetativa de maniçoba, Manihot glaziovii Muell. Arg índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

  • Português (pdf)
  • Artigo em XML
  • Como citar este artigo
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Tradução automática

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Ciência Agronômica

versão On-line ISSN 1806-6690

Rev. Ciênc. Agron. vol.41 no.3 Fortaleza jul./set. 2010

https://doi.org/10.1590/S1806-66902010000300010 

ARTIGO CIENTÍFICO

 

Densidade de plantio em duas cultivares de mamona no Sul do Tocantins

 

Planting density in two cultivars of castor in the south of Tocantins

 

 

Edmar Vinícius de CarvalhoI,*; Carlos Henrique Alves Corrêa de SáII; Jefferson da Luz da CostaII; Flávio Sérgio AfférriII; Susana Cristine SiebeneichlerII

IAcadêmico do Curso de Agronomia, Universidade Federal do Tocatins, Campus Universitário de Gurupi, Caixa.Postal 66, Gurupi-TO, 77.404-970, Brasil, carvalho.ev@uft.edu.br
IIUniversidade Federal do Tocatins, Campus Universitário de Gurupi, Gurupi-TO, Brasil, carloshenrique.2@hotmail.com, jeff@uft.edu.br, flavio@uft.edu.br, susana@uft.edu.br

 

 


RESUMO

A fim de se aperfeiçoar o sistema de produção da mamona é preciso determinar a densidade de plantas. Com este intuito, conduziu-se um experimento no município de Cariri do Tocantins-TO, na Fazenda Coqueiro, utilizando-se sementes das cultivares BRS Nordestina e BRS Paraguaçú com o objetivo de verificar o efeito de cinco densidades de plantio (2,5; 3,12; 4,16; 6,25; 12,5 mil plantas ha-1) sobre a produtividade e características agronômicas da mamona. O ensaio foi implantado em fevereiro de 2006 com todas as plantas recebendo a mesma adubação independente das densidades (formula NPK 5-25-15). O delineamento experimental foi o de blocos casualizados, com quatro repetições e os tratamentos arranjados em esquema fatorial de 5 x 2 x 3, para análise de produtividade das cultivares e em esquema fatorial 5 x 2 para as demais características avaliadas. Os tratamentos resultaram na combinação de cinco densidades (distância entre plantas na linha de cultivo 2,00; 1,60; 1,20; 0,80; 0,40 m) referentes a 2,50; 3,12; 4,16; 6,25 e 12,5 mil plantas por hectare respectivamente, duas cultivares (BRS Nordestina e BRS Paraguaçú) e, três colheitas de frutos, nas seguintes datas: 06/07/2006; 03/08/2006 e 19/09/2006. Dentre as populações, a de maior produtividade foi a de 12,5 mil plantas ha-1 para as duas cultivares. A produtividade média da cultivar Nordestina foi de 1.048 kg ha-1 e da Paraguaçú foi de 1.013 kg ha-1, comprovando o potencial produtivo na região de Cariri do Tocantins.

Palavras-chave: Ricinus communis. Cultivares. Rendimento.


ABSTRACT

In order to improve the system of production of castor oil, you need to determine the density of plants. It was conducted an experiment in the Cariri, Tocantins-TO, at the Fazenda Coqueiro, using seeds of BRS Nordestina and BRS Paraguaçú to verify the effect of five planting densities (2.5; 3.12; 4.16; 6.25 and 12.5 thousand plants ha-1) on yield and agronomic characteristics of castor. The experiment was installed in February 2006 with all plants receiving the same fertilization independent of density (NPK 5-25-15). The experimental design was randomized blocks with four replications and treatments arranged in a 5 x 2 x 3, for analysis of grain yields and in a 5 x 2 for the other traits evaluated. The treatments resulted in the combination of five densities (distance between plants growing 2.00; 1.60; 1.20; 0.80 and 0.40 m) for the 2.5; 3.12; 4.16; 6.25 and 12.5 thousand plants per hectare respectively, two cultivars (BRS Nordestina and BRS Paraguaçú) and three crops of fruit on the following dates: 06/07/2006; 03/08/2006 and 19/09/2006. Among the populations, the highest productivity was 12.5 thousand plants ha-1 for both cultivars. The average yield for Nordestina was 1,048 kg ha-1, and Paraguaçú was 1,013 kg ha-1, demonstrating the productive potential in the region of Cariri in Tocantins.

Key words: Ricinus communis. Density of plants. Income.


 

 

Introdução

A mamoneira, oleaginosa da família das Euforbiáceas (BARROS JUNIOR et al., 2008), teve sua origem possivelmente na Etiópia e hora é citada como asiática, hora como africana e, até mesmo, como planta nativa da América, tendo hoje grande representatividade social e econômica (SILVA et al., 2007). Como a mamona é uma planta rústica, em lugares de baixa precipitação pluvial (BARROS JUNIOR et al., 2008) a mesma consegue alcançar elevada produção de biomassa (COSCIONE; BERTON, 2009), o que favoreceu a sua disseminação pelo mundo todo. Introduzida no Brasil pelos portugueses, é encontrada em todo território nacional, por sua tolerância à seca, o que faz com que a mesma não tolere a salinidade do solo (BELTRÃO; CARDOSO, 2004), a exigência em calor e a luminosidade (AMORIM NETO et al., 2001; TÁVORA, 1982). Seu melhor desenvolvimento ocorre em áreas com boa insolação, com pelo menos 12 horas de sol/dia (BELTRÃO; SILVA, 1999).

A variação da temperatura deve ser de 20 a 35 ºC para que haja produções que assegurem valor comercial, com a temperatura ótima para a planta em torno de 28 ºC. Temperaturas muito elevadas, superiores a 40 ºC, provocam aborto das flores, reversão sexual das flores femininas em masculinas e redução do teor de óleo nas sementes (BELTRÃO; SILVA, 1999). Assim a mamoneira é uma planta de clima tropical, necessitando de pelo menos 600 mm/ciclo de pluviosidade, e altitude de pelo menos 300 m, e seu ótimo ecológico é de 650 m de altitude (AMORIM NETO et al., 2001; TÁVORA, 1982).

Por ser uma espécie que, durante os estágios iniciais de desenvolvimento, expõe o solo ao impacto das gotas de chuva, seu cultivo deve ser feito em áreas onde a declividade seja inferior a 12%, obedecendo às técnicas de conservação do solo (AMORIM NETO et al., 2001).

As pesquisas a respeito do cultivo da mamona, como a busca de informações mais apropriadas sob a densidade de plantio da mesma aumentou desde que o Governo Federal regulamentou a utilização de percentuais de biodiesel no óleo diesel em 2006 (FANAN et al., 2009; GONDIM et al., 2006).

Entende-se por espaçamento o intervalo compreendido entre duas fileiras, e, por densidade de plantio, o número de plantas que ocupa um determinado espaço. O espaçamento e a densidade de plantio definem a população e o arranjo de plantas, e ultimamente tais arranjos espaciais vêm sendo estudados em relação à adaptação das culturas ao arranjo escolhido (KUNZ et al., 2007). Estes aspectos podem afetar o rendimento e operações de tráfego de animais ou máquinas na lavoura (RAO; WILLEY, 1980).

No Brasil, o mercado da mamona na base da cadeia ainda é oligopsônico, com poucos compradores e muitos pequenos produtores, caso típico da Bahia que é o maior produtor nacional, o que não permite boa elasticidade no preço pago ao produtor, que pode variar muito entre anos e, às vezes dentro de uma mesma safra. Contudo, as regiões Centro-Oeste e do Cerrado Brasileiro são os locais onde há um aumento do cultivo da mamona no País (NOVO et al., 2007), o que pode causar mudança neste cenário, sendo necessário que os produtores busquem a profissionalização na produção (GONDIM et al., 2008).

O presente trabalho objetivou estudar as respostas da cultura da mamona, cultivar BRS Nordestina e BRS Paraguaçú, influenciada pelas densidades de plantio, na região sul do Tocantins.

 

Materiais e métodos

O presente estudo foi realizado no período de fevereiro de 2006 a abril de 2007, na Fazenda Coqueiro de propriedade do senhor Guaraciabo Ottoni da Silva, onde a mesma está situada no município de Cariri do Tocantins, localizada na região Sul do estado do Tocantins. O delineamento experimental foi blocos casualizados, com quatro repetições e os tratamentos arranjados em esquema fatorial de 5 x 2 x 3 para análise de produtividade das cultivares, e em esquema fatorial 5 x 2 para as demais características avaliadas. Os tratamentos resultaram na combinação de cinco densidades (distância entre plantas na linha de cultivo 2,00; 1,60; 1,20; 0,80; 0,40 m) referentes a 2,50; 3,12; 4,16; 6,25; e 12,5 mil plantas por hectare respectivamente, duas cultivares (BRS Nordestina e BRS Paraguaçú) e, três colheitas dos frutos. Entre cada linha deixou-se uma distância fixa de 2 metros. A parcela experimental constituiu-se de quatro linhas de 6 metros considerando como útil apenas as duas fileiras centrais, consideradas como bordadura a primeira e a última linha de plantio em cada parcela.

Antecedendo o plantio da mamona foi realizado o preparo do solo, efetuado de maneira convencional, isto é, através da aração seguida de uma gradagem, empregando uma adubação com 450 kg ha-1 da fórmula NPK (5-25-15). O plantio foi realizado manualmente através de covas, utilizando-se duas sementes/cova, onde após dez dias efetuou-se um desbaste, adequando-se às densidades requeridas. Aos 60 dias após a emergência foi efetuada adubação nitrogenada de cobertura com 60 kg ha-1 de nitrogênio. O controle das plantas daninhas foi realizado, para que não houvesse a limitação ao crescimento e desenvolvimento da mamona, sendo realizado através de duas capinas manuais.

A colheita do experimento foi realizada a partir de 174 dias após o plantio, separadas em três colheitas de acordo com a maturação dos frutos de cada parcela, nos dias 06/07/2006; 03/08/2006 e 19/09/2006, utilizando as linhas centrais da parcela, que foram preservadas para análises de produtividades e características agronômicas, em seis plantas representativas.

Foram avaliadas as seguintes características agronômicas das plantas: Altura de Plantas (AP - cm), esta apenas na última colheita; Comprimentos de Cacho (CC - cm) nas três colheitas; Número de cacho por planta (NCP - cm), na última colheita; Diâmetro de colmo (DC - cm), na 1ª colheita; Números de frutos por cacho (NFC), na última colheita. A Produtividade (kg ha-1) foi obtida com a pesagem do conjunto dos frutos das seis plantas representativas de cada parcela, e a porcentagem de sementes dos frutos com a debulha manual destes mesmos seis cachos e sua efetiva pesagem.

Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as características significativamente influenciadas pelos tratamentos tiveram suas médias comparadas pelo Teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade.

 

Resultados e discussão

Com relação à produtividade foi observado que não houve diferença significativa entre as cultivares pelo teste F a 5% de probabilidade. E para as interações entre cultivar versus densidade e entre cultivar versus colheitas também foi obsevado o mesmo. Já para densidade, colheitas e interação entre densidade versus colheitas houve diferenças significativas a 1% de probabilidade pelo teste F (TAB. 1).

 

 

Confirmando então que ocorrem diferenças na produção quando as cultivares são submetidas a diferentes arranjos, o que também foi observado por Peixoto et al. (2000) em cultivares de soja, e por Gondim et al. (2006) especificamente com mamona.

Observando a cultivar Nordestina com relação às diferentes populações, os rendimentos produtivos referentes às populações de 6,25 e 12,5 mil plantas ha-1 se destacaram perante às demais, porém se diferenciaram significativamente, pois na população de 12,5 mil plantas ha-1 a produtividade foi maior duas vezes em relação à população de 6,25 mil plantas ha-1 (TAB. 2).

Do mesmo modo que a Nordestina, a cultivar Paraguaçú atingiu melhores resultados de produtividade com as populações de 12,5 e 6,25 mil plantas ha-1 (1.916 kg ha-1 e 1.048,98 kg ha-1, respectivamente), sendo que a média do resultado em 12,5 mil plantas ha-1 foi superior em 45,25% a de 6,25 mil planta ha-1.

O resultado encontrado neste trabalho, em que as produtividades maiores são encontradas quando a manoneira é cultivada num sistema mais adensado também é obeservado por Gondim et al. (2006). Em trabalhos com outras espécies de plantas cultivadas o aumento do adensamento também promoveu o aumento da produtividade, como no caso de bananeiras (MOREIRA et al., 2007) plantadas sob três densidades diferentes, e no caso de cultivares de milho (SILVA et al., 2007; VON PINHO et al., 2008).

Na Tabela 2 vê-se tambem que comparando os resultados das duas cultivares, dentro de cada população e a média das cultivares pode-se notar que não houve qualquer efeito significativo, já para as médias das duas cultivares em função das populações, houve resultado significativo para os tratamentos (6,25 e 12,5 mil plantas ha-1).

As maiores produtividades alcançadas neste trabalho foram maiores quando comparadas às de outras regiões produtoras de mamona, como por exemplo o estado da Bahia que produz uma média de 1.080 kg de baga (sementes/hectare) (BELTRÃO; CARDOSO, 2004).

Pode-se observar que a característica altura de planta sofreu influência significativa a 5% pelo teste F para populações de plantas, e o contrário aconteceu para cultivar e cultivar x população (TAB. 3).

Na cultivar CSRN-142 testado por Gondim et al. (2006) a altura de plantas não apresentou significância pelo teste F com o aumento da população, o que também foi observado em plantas de Teca (Tectona grandis) por Rondon (2006).

Gondim et al. (2006) avaliando dois cultivares de mamona do Programa de Melhoramento Genético de Mamona da Embrapa Algodão, observaram que no cultivar CSRN-142 o adensamento influenciou a produtividade e o número de cachos, com a interação entre o espaçamento entre linhas e entre plantas na linha, e que no cultivar CSRD-2 o espaçamento interferiu na altura das plantas, o que não foi observado no primeiro cultivar. Assim, a depender da cultivar de mamona utilizada, o aumento da população de plantas, até certo nível, pode aumentar ou não a altura das plantas de mamona.

Com relação à altura de cacho avaliada na 1ª colheita, somente foi encontrada diferença estatistica pelo teste F entre as cultivares e entre a as populações de plantas, sendo também encontrada diferença entre as populações de plantas na altura de cacho avaliada na 3ª colheita e na avaliação de diâmetro de colmo.

A altura de cacho na 2ª colheita teve seus resultados não significativos em nenhuma das variavéis observadas. O que também ocorreu para cultivar e cultivar versus população nas características: altura de cacho na 3ª colheita, diâmetro de colmo e comprimento de cacho na 3ª colheita. (TAB. 3).

O número de cacho na planta somente teve diferenças significativas quando comparadas as médias entre cultivares. Gondim et al. (2006) também obervaram que a população de plantas não inflenciou o números de cachos por planta.

Nas características comprimento de cacho da 1ª e 2ª colheitas e número de frutos por cacho ocorreram diferenças significativas pelo teste F, a 1% de probabilidade, apenas para cultivares, não sendo significativos para população de plantas e interação população de plantas x cultivar.

A maior altura de plantas foi encontrada quando as cultivares foram submetidas à maior densidade de plantas, 12,5 mil plantas ha-1, o que pode ser explicado pela competição de luz, pois quando há baixa disponibilidade de luz, essas plantas tendem a crescer excessivamente, como relatado por Severino et al. (2004). As cultivares Paraguaçú e Nordestina não diferiram, pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade em relação à altura de plantas.

Ainda na Tabela 4, com relação à altura de cacho (AC) entre as densidades se destaca com maior altura as populações com 12,5 mil plantas por hectare, e entre as cultivares a Nordestina se sobrepõe na 1ª colheita, já na 2ª colheita (AC) não houve diferença entre as cultivares e entre populações. Porém, na 3ª colheita (AC) a população com 12,5 mil plantas por hectare se destacou dentre as demais, não tendo diferença significativa entre cultivares nesta colheita. Quanto ao diâmetro de colmo notou-se que densidades iguais ou inferiores a 6,25 mil plantas por hectare obtiveram maiores espessuras de colmo. Este resultado era esperado visto que com menores densidades, as plantas têm provavelmente uma maior disponibilidade de luz devido à menor competição, logo estas têm maiores taxa fotossintética, estiolam menos e conseqüentemente têm a capacidade de acumular maior quantidade de fotoassimilados no caule (SILVA et al., 2002).

Para a variável, comprimento de cacho, na 1ª e 2ª colheitas a cultivar Nordestina obteve destaque sobre a Paraguaçú, o que não aconteceu na 3ª colheita, não havendo diferenças significativas. A respeito das densidades nas três colheitas, não ocorreram diferenças significativas entre os resultados analisados. A cultivar Nordestina obteve melhor resultado perante Paraguaçú em relação ao número de frutos no cacho, não havendo diferença em relação às densidades.

 

Conclusões

1. A população de 12,5 mil plantas ha-1 resultou em maior produtividade, nas duas cultivares;

2. A produtividade média da cultivar Nordestina e da Paraguaçú comprovam o potencial produtivo da região de Cariri do Tocantins na cultura da mamona;

3. O arranjo populacional mais adensado contribuiu na obtenção de plantas mais altas, com maior altura de cacho e maiores produtividades, porém o diâmetro de colmo foi maior com menor densidade populacional;

4. O número de cachos na planta, comprimento de cacho para as três colheitas e número de frutos no cacho não tiveram diferenças nas diferentes densidades populacionais.

 

Referências

AMORIM NETO, M. S.; ARAÚJO, A. E. de; BELTRÃO, N. E. de. M. Clima e solo. In: AZEVEDO, D. M. P. de; LIMA, E. F. (Ed.). O agronegócio da mamona no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2001. p. 63-76.         [ Links ]

BARROS JUNIOR, G. et al. Consumo de água e eficiência do uso para duas cultivares de mamona submetidas a estresse hídrico. Revista brasileira de engenharia agrícola e ambiental, v.12, n. 04, p. 350-355, 2008.         [ Links ]

BELTRÃO, N. E. de M.; SILVA. L. C. Os múltiplos usos do óleo da mamoneira (Ricinus communis L.) e a importância de seu cultivo no Brasil. Fibras e Óleo, n. 31, p. 7, 1999.         [ Links ]

BELTRÃO, N. E. M.; CARDOSO, G. D. Informações sobre os sistemas de produção utilizados na ricinocultura na região Nordeste, em especial o Semi-Árido e outros aspectos ligados a sua cadeia.Embrapa. Campina Grande PB, julho de 2004. (Comunicado Técnico.         [ Links ])

COSCIONE, A. R.; BERTON, R. S. Barium extraction potential by mustard, sunflower and castor bean. Scientia agricola, v .66, n. 01, p. 59-63, 2009.         [ Links ]

FANAN, S. et al. Influência da colheita e do armazenamento na qualidade fisiológica de sementes de mamona. Revista brasileira de sementes, v. 31, n. 01, p.. 150-159, 2009.         [ Links ]

GONDIM, T. M. S. de et al. Adensamento de mamoneira em condições de sequeiro em Missão Velha - CE. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MAMONA, 2., 2006, Aracaju - SE. Anais eletrônicos... Aracaju, 2006. Disponível em: <http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/mamona/publicacoes/trabalhos_cbm2/060.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2008.         [ Links ]

GONDIM, T. M. de S. et al. Teor de óleo e rendimento de mamona BRS nordestina em sistema de otimização da produção. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MAMONA, 3., 2008, Salvador. Anais eletrônicos... Salvador, 2008. Disponível em: <http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/mamona/publicacoes/cbm3/trabalhos/OLEO%20E%20COPRODUTOS/OCP%2020.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2008.         [ Links ]

KUNZ, J. H. et al. Uso da radiação solar pelo milho sob diferentes preparos do solo, espaçamento e disponibilidade hídrica. Pesquisa agropecuária brasileira, v.42, n. 11, p. 1511-1520, 2007.         [ Links ]

MOREIRA, A.; HEINRICHS, R.; PEREIRA, J. C. R. Densidade de plantio na produtividade e nos teores de nutrientes nas folhas e frutos da bananeira cv. Thap maeo. Revista brasileira de fruticultura, v. 29, n.03, p. 626-631, 2007.         [ Links ]

NOVO, M. do C. de S. S. et al. Efeito da adição de palha de cana-de-açúcar e da aplicação de vinhaça ao solo no desenvolvimento inicial de três cultivares de mamona. Revista brasileira de sementes, v. 29, n 01, p. 125-130, 2007.         [ Links ]

PEIXOTO, C. P. et al. Épocas de semeadura e densidade de plantas de soja: I. Componentes da produção e rendimento de grãos. Scientia agricola, v. 57, n. 01, p. 89-96, 2000.         [ Links ]

RONDON, E. V. Estudo de biomassa de Tectona grandis L.f. sob diferentes espaçamentos no estado de Mato Grosso. Revista Árvore, v. 30, n. 03, p. 337-341, 2006.         [ Links ]

RAO, M. R.; WILLEY, R.; W. Preliminary study on intercropping combinations basead on pigeon pea or sorghum. Experimental agriculture, v. 16, p. 29-40, 1980.         [ Links ]

SEVERINO, L. S. et al. Adubação química da mamoneira com NPK, Cálcio, Magnésio e micronutrientes em Quixeramobim, CE. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MAMONA, 2004, Campina Grande. Anais eletrônicos... Campina Grande, 2004. Disponível em: <http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/mamona/publicacoes/trabalhos_cbm1/069.PDF>. Acesso em: 20 nov. 2008.         [ Links ]

SILVA, P. C. S. da et al. Reduções iniciais de populações em três híbridos de milho e sua relação com variáveis componentes do rendimento de grãos. Revista da FZVA. Uruguaiana, v. 09, n. 01, p. 56-64. 2002.         [ Links ]

SILVA, T. R. B. da et al. Adubação nitrogenada em cobertura na cultura da mamona em plantio direto. Pesquisa agropecuária brasileira, v. 42, n. 09, p. 1357-1359, 2007.         [ Links ]

SILVA, P. S. L e et al. Effect of planting density on green ear yield of maize cultivars bred in different periods. Horticultura Brasileira, v. 25, n. 02, p. 154-158, 2007.         [ Links ]

TÁVORA, F. J. A. A cultura da mamona. Fortaleza: EPACE, 1982. 111 p.         [ Links ]

VON PINHO, R. G. et al. Adubação nitrogenada, densidade e espaçamento de híbridos de milho em sistema de plantio direto na região sudeste do Tocantins. Bragantia, v. 67, n. 03, p. 733-739. 2008.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 08/06/2009; aprovado em 07/05/2010

 

 

Parte da monografia apresentada pelo segundo autor
* Autor para correspondência

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons