SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.82Occurence of Aeromonas spp. in foods of animal origin and its importance in public healthHistamine and traceability of fish: literature review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos do Instituto Biológico

Print version ISSN 0020-3653On-line version ISSN 1808-1657

Arq. Inst. Biol. vol.82  São Paulo  2015  Epub Nov 03, 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1808-1657000672013 

REVIEW ARTICLE

Staphylococcus hyicus

Staphylococcus hyicus

Marina de Mattos Ferrasso1  * 

Helenice de Lima Gonzalez1 

Cláudio Dias Timm1 

1Laboratório de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas - Pelotas (RS), Brasil.

RESUMO:

Staphylococcus hyicus é um micro-organismo de impor tância em Medicina Veterinária e saúde pública, tendo em vista sua capacidade de causar doenças em animais e seres humanos. O pre sente trabalho teve como objetivo realizar uma revisão de literatura a fim de reunir as informações mais atuais sobre o S. hyicus. Para tanto, foram abordados: características da espécie, fatores de pato- genicidade e sua ocorrência em animais, alimentos e seres humanos.

PALAVRAS-CHAVE: fatores de patogenicidade; infecção; intoxicação

ABSTRACT:

Staphylococcus hyicus is an important micro organism Veterinary Medicine and public health, because of its ability to cause disease in animals and humans. The present study aims to conduct a literature review to bring together the most current information about S. hyicus. Thus, the specie's characteristics, the pathogenicity factors and their occurrence in animals, food and humans were approached.

KEYWORDS: pathogenicity factors; infection; intoxication

CARACTERÍSTICAS DA ESPÉCIE

As bactérias do gênero Staphylococcus são cocos Gram-positivos que medem de 0,5 a 1,5 pm de diâmetro pertencentes à família Staphylococcaceae e, por dividirem-se em planos diferentes, quando vistas ao microscópio, aparecem na forma de cacho de uva. São anaeróbios facultativos, com melhor crescimento em condições aeróbicas, quando então produzem catalase, mesófilas, apresentando temperatura de crescimento entre 7 e 47,8oC, imóveis, resistentes à elevada concentração de sal (10%), e produzem enterotoxinas entre 10 e 46oC (Franco; Landgraf, 2003; Murray et al, 2005; Hermans et al, 2010). As colônias são circulares com aproximadamente 3 a 5 mm, um pouco opacas e convexas, de superfície brilhante (Devriese et al., 1978). O gênero Staphylococcus está presente na pele e na microbiota nasal e causa infecções oportunistas em humanos e animais. A importância da pesquisa de Staphylococcus coagulase- positiva em alimentos se deve ao fato de que os Staphylococcusque produzem coagulase também são capazes de sintetizar enterotoxinas (Jay, 2000). Sete espécies de Staphylococcuscoagulase-positiva (SCP) foram identificadas, S. aureus, S. intermedius, S. schleiferi, S. hyicus, S. lutrae, S. delphini e S. pseudintermedius (Freney et al, 1999; Devriese et al., 2005), sendo S. aureus, S. hyicus, S. chromogens e S. intermedius de potencial interesse em microbiologia de alimentos (Franco; Landgraf, 2003) e S. schleiferi subespécie coagulans e os demais, com exceção de S. chromogens, os de importância em Medicina Veterinária (Hirsh; Biberstein, 2004). Staphylococcus hyicusé o agente causador de epidermite exsudativa em suínos, mas também pode ser isolado da pele de animais saudáveis (Motta et al., 2011). Essa espécie de Staphylococcus pode apresentar-se como produtora de enterotoxinas (Jay, 2000).

S. hyicus apresenta crescimento aeróbico, reação negativa para oxidase e teste de Voges-Proskauer, podendo apresentar tanto reação positiva quanto negativa no teste da coagulase. Na fermentação de carboidratos, apresenta reação positiva para lactose, frutose, sucrose, trealose e manose e não fermenta maltose, manitol, xilose, celobiose e rafinose. Apresenta reação positiva para fosfatase, nitrato, arginina, ureia e protease e é sensível à novobiocina. Os testes de Voges-Proskauer, coagulase, utilização (produção de ácidos em ambiente aeróbio) de mal tose e trealose, fosfatase, arginina e sensibilidade à novobiocina são importantes para definir Staphylococcuscapazes de infectar humanos (Devriese et al., 1978; Barrow; Feltham, 1993).

FATORES DE PATOGENICIDADE

Peptidoglicano

A parede celular bacteriana é composta de uma rede macro molecular chamada peptidoglicano, que se encontra presente isoladamente ou em combinação com outras substâncias. O peptidoglicano consiste em repetições de um dissacarídeo ligado por polipeptídeos formando uma estrutura que envolve e protege a célula. A porção de dissacarídeo é composta por monossacarídeos chamados N-acetilglucosamina (NAG) e ácido N-acetilmurâmico (NAM), que estão relacionados com a glicose. Moléculas alternadas de NAM e NAG estão liga das em linhas de 10 a 65 açúcares, formando um hidrato de carbono (a porção glicano do peptidoglicano). Filas adjacen tes estão ligadas por polipeptídeos (a porção de peptídeo do peptidoglicano). Embora a estrutura das ligações do polipeptí- deo varie, sempre inclui cadeias laterais de tetrapeptídeo, que consistem de quatro aminoácidos ligados a NAMs. Os ami- noácidos ocorrem em um padrão alternado de formas D e L. Isso é único, porque os aminoácidos encontrados em outras proteínas estão na forma L. Cadeias laterais paralelas de tetra- peptídeo podem ser diretamente ligadas umas às outras ou ligadas por um peptídeo de pontes cruzadas, constituído por uma cadeia curta de aminoácidos. Essa estrutura forma uma camada rígida e grossa para a proteção da célula (Tortora et al., 2010). O peptidoglicano de S. hyicusé L-LYS-Gly5-6 (Schleifer; Kocur, 1973). Essa referência não está listada e pequenas quantidades de glicano podem ser substituídas por L-serina (Devriese et al., 1978).

Ácidos teicoicos

A parede celular das bactérias Gram-positivas possui ácido teicoico, que consiste primariamente em um álcool e um fosfato. Devido à carga negativa (pelos grupos fosfato), o ácido teicoico pode regular a circulação de cátions para dentro e para fora da célula. Pode também desempenhar um papel no crescimento celular, prevenindo colapso da parede celular e possível lise celu lar. Os ácidos teicoicos fornecem grande parte da especificidade antigênica da parede e, assim, tornam possível a identificação de bactérias Gram-positivas (Tortora et al., 2010). S. hyicus possui ácido teicoico na membrana da célula (Devriese et al., 1978).

Coagulase

Coagulases são enzimas bacterianas capazes de coagular o fibrinogênio presente no sangue. O fibrinogênio, que é uma proteína do plasma produzida pelo fígado, é convertido pela coagulase em fibrina, formando coágulo. O coágulo atua pro tegendo a bactéria dos fagócitos e a isola das outras defesas do hospedeiro (Tortora et al., 2010). De 11 a 89% das cepas de S. hyicuspodem se comportar como coagulase-positivas (Devriese et al, 1978).

Estafiloquinase ou fibrinolisina

As quinases bacterianas são enzimas que quebram a fibrina e depois digerem os coágulos formados pelo hospedeiro para controlar a infecção (Tortora et al., 2010). De 11 a 89% das cepas de S. hyicus apresentam fibrinolisina (Devriese et al., 1978).

Hialuronidase

S. hyicus apresenta produção de hialuronidase (Devriese et al, 1978). Hialuronidase é uma enzima capaz de hidrolisar o ácido hialurônico, um tipo de polissacárido que une determinadas células do corpo, particularmente células de tecido conjuntivo. Essa ação digestiva ajuda o micro-organismo a se espalhar a par tir do local inicial da infecção (Tortora et al., 2010).

Catalase

A catalase é uma enzima capaz de lisar o peróxido de hidro gênio em duas moléculas de água e uma de oxigênio (O2). Algumas células do sistema imune do hospedeiro produzem peróxido de hidrogênio como agente antibacteriano. As bactérias que possuem catalase são capazes de resistir a esse mecanismo de defesa, conseguindo sobreviver nas células que invadem (Tortora et al., 2010). S. hyicus é capaz de produzir catalase (Devriese et al., 1978).

Lipase

Segundo Wegener (1993), S. hyicus tem a capacidade de produzir lipases. As lipases são enzimas capazes de quebrar os triglicerídeos em glicerol e ácidos graxos, facilitando, dessa forma, a invasão das células do hospedeiro (Tortora et al., 2010).

Fosfatase

A enzima fosfatase é responsável por aumentar a permeabili dade vascular e por romper a cadeia respiratória na célula do hospedeiro (Westman et al., 2010). S. hyicus apresenta pro dução de fosfatase (Devriese et al., 1978).

Termonuclease

S. hyicus produz termonuclease, uma enzima termorresistente que cliva o DNA (Devriese et al., 1978).

Enterotoxinas

Enterotoxinas são toxinas que causam gastroenterites (Tortora et al., 2010). As enterotoxinas estafilocócicas (EE) estão incluí das no grupo I da classificação das exotoxinas, pois, assim como as toxinas termoestáveis, também pertencentes a esse grupo, atuam somente na superfície das células. As EE são classificadas como superantígenos. Os superantígenos não são processados pelos macrófagos e têm a capacidade de se ligar simultaneamente às moléculas do complexo maior de histocompatibilidade (MHC) na superfície de macrófagos e aos receptores presentes na superfície dos linfócitos Th. Essa característica permite que os superantígenos unam ao mesmo tempo muitos macrófagos e linfócitos Th, o que resulta na produção de grandes quantidades de interleucina-2 (IL-2), que, por sua vez, vai estimular a produção do fator de necrose tumoral-α (TNF-α) e de outras citocinas por outros tipos de células. A produção dessas substâncias em cadeia leva, invariavelmente, às manifestações clínicas observadas em pacientes que ingeriram enterotoxinas estafilocócicas (Piazza; Menezes, 2005).

As EE provêm de uma grande família de exotoxinas pirogênicas estafilocócicas e estreptocócicas. São um grupo de baixo peso molecular e cadeia simples (27.000 - 34.000), produzidas principalmente durante o meio e o final da fase exponencial de multiplicação bacteriana. São resistentes às enzimas proteolíticas, como pepsina e tripsina, e são relativa mente termoestáveis. São identificadas de acordo com as suas diferenças de antigenicidade. As EE são nomeadas sequencial mente conforme a ordem em que foram descobertas (SEA a SEJ) (Balaban; Rasooly, 2000; Genigeorgis, 1989).

Hoover et al. (1983) e Valle et al. (1990) encontraram cepas de S. hyicus capazes de produzir enterotoxinas que são normalmente encontradas em S. aureus e responsáveis por intoxicações causadas por alimentos.

Adesiyun et al. (1984) mostraram que S. hyicus é capaz de produzir enterotoxinas; no entanto, tais autores não defini ram quais poderiam ser produzidas por essa espécie. Valle et al. (1990) mostraram que S.hyicus é capaz de produzir a enterotoxina C (SEC). Aliu; Bergdoll (1998) encontraram cepas de S. hyicus capazes de produzir enterotoxinas A (SEA), que até então eram comprovadamente produzidas apenas por S. aureus.

Toxinas esfoliativas

As toxinas que degradam as moléculas de adesão do epitélio cutâneo são conhecidas como toxinas esfoliativas ou, ainda, esfoliatina ou epidermolisina. A toxina esfoliativa tipo A é a mais estudada e provavelmente deve agir sobre a desmogleína, uma proteína que existe na superfície das células epiteliais da pele e que promove a adesão entre elas (Trabulsi et al., 2005). Tanabe et al. (1996) mostraram que S. hyicus são produto res de toxinas esfoliativas. Andresen (1998) identificou as toxinas esfoliativas como ExhA, ExhB e ExhC e classificou S. hyicus pela capacidade ou não de produção de toxinas esfoliativas, dividindo as cepas em virulentas e não virulentas. Estudos de Sato et al. (2000) mostraram a capacidade de S. hyicus de produzir as toxinas esfoliativas SHETA e SHETB (toxina esfoliativa sintetizada por S. hyicus), e Kanbar et al. (2008) relataram a produção da toxina SHETA. Wilson et al. (2011) descreveram a produção de toxinas SHETA, SHETB e ExhA em S. hyicus. Hassler et al. (2008) encontraram os genes responsáveis pela produção das toxinas esfoliativas ExhA e ExhD em seu estudo.

OCORRÊNCIA EM ANIMAIS

S. hyicus já foi reconhecido como agente patogênico em dife rentes espécies animais, causando, por exemplo, epidermite exsudativa em suínos (Motta et al., 2011). S. hyicus é uma das espécies mais comumente envolvidas em lesões cutâneas em bovinos (Hazarika et al., 1991) e tem sido isolado de vacas e novilhas com mastite clínica (Roberson et al., 1996; Waage et al., 1999). Cheville et al. (1988) isolaram S. hyi cus de frangos e perus com conjuntivite. S. hyicustambém foi isolado de lesões de pele de equinos (Devriese et al., 1983) e de cães (Medleau et al., 1986).

OCORRÊNCIA EM ALIMENTOS

A presença de SCP em alimentos indica a possível presença de EE. Entretanto, a ausência ou presença de pequeno número desse micro-organismo, sobretudo em alimentos processados submetidos a tratamento térmico, não significa que tais pro dutos não possam ocasionar intoxicação, uma vez que, mesmo as bactérias sendo eliminadas, as suas toxinas podem perma necer ativas (Cunha Neto et al., 2002).

S. hyicus está intimamente associado a animais de pro dução, como gado, suínos e aves, e pode ser encontrado em alimentos derivados desses animais (Hoover et al., 1983).

Valle et al. (1990) concluíram que cabras podem ser con sideradas como carreadoras de S. hyicus capazes de produzir enterotoxinas, secretando principalmente SEC. Esse fato pode ser de relevância para a saúde humana, pois as cabras podem ser a origem de contaminação na cadeia de alimentos, espe cialmente por meio do leite e de seus derivados.

Spescha et al. (2006) isolaram S. hyicus de carcaças suínas em dois diferentes abatedouros na Suíça. O'Sullivan et al. (2011) isolaram S. hyicus de tonsilas palatinas de suínos em aba tedouros no Canadá. Gandra et al. (2005), Costa et al. (2010) e Guimarães et al. (2013) isolaram S. hyicus de leite cru de vacas com mastite no Brasil.

Encontrando condições favoráveis, como aquecimento ou refrigeração em temperatura inadequada, o S. hyicus cresce e pode produzir toxinas. O controle das enterotoxinas é possível desde que se observem as boas práticas sanitárias de higiene nos estágios de obtenção, produção, estocagem e manuseio de alimentos (Cunha Neto et al., 2002).

Estima-se que seja necessária a ingestão de 0,015 a 0,037 µg de toxina por kg de peso corpóreo para que ocorra a intoxi cação alimentar (Franco; Landgraf, 2003).

Sabendo-se que S. hyicus pode ser isolado de diferentes produtos de origem animal de diversas origens e que esse micro -organismo é capaz de produzir enterotoxinas, mais estudos a respeito devem ser executados.

CASOS EM HUMANOS

Osterlund; Nordlund (1997) relataram uma infecção cau sada por S. hyicus em ser humano depois de uma mordida de burro. Casanova et al. (2011) relataram um caso de bac teremia em um fazendeiro. É comprovada a capacidade de S. hyicus causar infecções e produzir enterotoxinas capazes de causar doenças em humanos. Dessa forma, mesmo que não se tenham mais casos descritos sobre infecções ou into xicações causadas por esse micro-organismo na literatura até o presente momento, pesquisas sobre esse patógeno se mos tram importantes.

Além de ser patogênico para animais, S. hyicus pode cau sar infecções em seres humanos, embora os casos reportados sejam raros. Também é capaz de produzir enterotoxinas com potencial patogênico, as quais poderiam ser transmitidas aos consumidores por meio dos alimentos, o que justifica a neces sidade estudos no sentido de dimensionar a real importância desse micro-organismo em saúde pública.

REFERÊNCIAS

ADESIYUN, A.A.; TATINI, S.R.; HOOVER, D.G. Production of enterotoxin(s) by Staphylococcus hyicusVeterinary Microbiology v.9, p.487-495,1984. [ Links ]

ALIU, B.; BERGDOLL, M.S. Characterisation of staphylococci from patients with toxic shock syndrome. Journal of Clinical Microbiology v.26, p.2417-2428, 1988. [ Links ]

ANDRESEN, L.O. Diferentiation and distribution of three types of exfoliative toxin produced by Staphylococcus hyicus from pigs with exudative epidermitis. Immunology and Medical Microbiology v.20, p.301-310, 1998. [ Links ]

BALABAN, N.; RASOOLY, A. Staphylococcal enterotoxins. International Journal of Food Microbiology v.61, p.1-10, 2000. [ Links ]

BARROW, G.I.; FELTHAM, R.K.A. Characters of Gram-positive bactéria. 50-90p. In: Cowan and Steel's manual for identification of medical bacteria 3rd ed. Cambridge: Syndicate of the University of Cambridge, 1993. 2016p. Chap.6. [ Links ]

CASANOVA, C.; ISELIN, L.; STEIGER, N.; DROZ, S.; SENDI, P. J. Staphylococcus hyicus Bacteremia in a Farmer. Journal of Clinical Microbiology v.49, n.12, p.4377-4378, 2011. [ Links ]

CHEVILLE, N.F.; TAPPE, J.; ACKERMANN, M.; JENSEN, A. Acute Fibrinopurulent Blepharitis and Conjunctivitis Associated with Staphylococcus hyicus, Escherichia coli, and Streptococcus sp. in Chickens and Turkeys. Veterinary Pathology v.25, p.369 -375, 1988. [ Links ]

COSTA, G.M. da; PAIVA, L.V.; PICCOLI, R.H.; FIGUEIREDO, D.J.; PEREIRA, U. de P.; SILVA, N. da. Evaluation of a simplified key for the identification of coagulase-positive Staphylococcusisolated from bovine mastitis. Acta Scientiarum Biological Sciences v.32, n.4, p.403-406, 2010. [ Links ]

CUNHA NETO, A.; SILVA, C.G.M. da; STAMFORD, T.L.M. Staphylococcus Enterotoxigênicos em Alimentos In Natura e Processados no Estado de Pernambuco, Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos v.22, n.3, p.263-271,2002. [ Links ]

DEVRIESE, L.A.; HAJEK, V.; OEDING, P.; MEYER, S.; SCHLEIFER, K.H. Staphylococcus hyicus (Sompolinsky 1953) comb. nov. and Staphylococcus hyicus subsp. chromogenes subsp. nov. Journal of Systematic Bacteriology v.28, p.482-490, 1978. [ Links ]

DEVRIESE, L.A.; VANCANNEYT, M.; BAELE, M.; VANEECHOUTTE, M.; de GRAEF, E.; SNAUWAERT, C.; CLEENWERCK, I., DAWYNDT, P.; SWINGS, J.; DECOSTERE, A.; HAESEBROUCK, F. Staphylococcus pseudintermedius sp. nov., a coagulase-positive species from animals. International Journal of Systematic and Evolutionary v.55, p.1569-1573, 2005. [ Links ]

DEVRIESE, L.A.; VLAMINCK, K.; NUYTTEN, J.; de KEERSMAECKER, P. Staphylococcus hyicus in skin lesions of horses. Equine Veterinary Journal v.33, p.263-265, 1983. [ Links ]

FRANCO, B.D.G.M.; LANDGRAF, M. Micro-organismos Patogênicos de Importância em Alimentos. In:; FRANCO, B.D.G.M. LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Ed. Atheneu, 2003. 182p. Cap. 4. [ Links ]

FRENEY, J.; KLOOS, W.E.; HAJEK, V. WEBSTER, J.A. Recommended minimal standards for description of new staphylococcal species. International Journal of Systematic and Evolutionary v.49, p.489 -502, 1999. [ Links ]

GANDRA, E.A.; SILVA, J.A.; MACEDO, M.R.P de; ARAÚJO, M.R. de; MATA, M.M.; SILVA, W.P. da. Differentiation Between Staphylococcus aureus, S. intermedius and S. hyicus Using Phenotypical Tests and PCR. Alimentos e Nutrição v.16, n.2, p.99-103, 2005. [ Links ]

GENIGEORGIS, C.A. Present state of knowledge on staphylococcal intoxication. International Journal of Food Microbiology v.9, p.327-360, 1989. [ Links ]

GUIMARÃES, F. de F.; NÓBREGA, D.B.; RICHINI-PEREIRA, V.B.; MARSON, P.M.; PANTOJA, J.C. de F.; LANGONI, H. Enterotoxin genes in coagulase-negative and coagulase-positive staphylococci isolated from bovine milk. Journal of Dairy Science v.96, n.5, p.2866-2872, 2013. [ Links ]

HASSLER, C.H.; NITZSCHE, S.; IVERSEN, C.; ZWEIFEL, C.; STEPHAN, R. Characteristics of Staphylococcus hyicus strains isolated from pig carcasses in two different slaughterhouses. Meat Science , v.80, n.2, p.505-510, 2008. [ Links ]

HAZARIKA, R.A.; MAHANTA, P.N.; DUTTA, G.N. Cutaneous infection associated with Staphylococcus hyicus in cattle. Research in Veterinary Science v.50, p.374-375, 1991. [ Links ]

HERMANS, K.; DEVRIESE, L.A. HAESEBROUCK, F.Staphylococcus. In: GYLES, C.L.; PRESCOTT, J.F.; SONGER, J.G.; THOEN, C.O. Pathogenesis of Bacterial Infections in Animals 4th ed. Iowa: Blackwell Publishing, 2010. 623p. Cap. 5. [ Links ]

HIRSH, D.C.; BIBERSTEIN, E.L. Staphylococcus. In: Veterinary Microbiology; HIRSH, D.C. MACLACHAN, N.J.; WALKER, R.L. 2nd ed., Iowa: Blackwell Publishing 2004. 536p. Cap. 27. [ Links ]

HOOVER, D.G.;; TATINI, S.R. MALTAIS, J.B. Characterization of staphylococci. Applied and Environmental Microbiology v.46, p.649-660, 1983. [ Links ]

JAY, J.M. Staphylococcal Gastroenteritis. In: Modern Food Microbiology 6th ed. Gaithersburg-Maryland: Aspen Publishers, Inc., 2000. 635p. Cap. 23. [ Links ]

KANBAR, T.; VOYTENKO, A.V.; ALBER, J.; LÃMMLER, C.; WEISS, R.; SKVORTZOV, V.N. Distribution of the putative virulence factor encoding gene sheta in Staphylococcus hyicusstrains of various origins. Journal of Veterinary Science v.9, n.3, p.327-329, 2008. [ Links ]

MEDLEAU, L.; LONG, R.E.; BROWN, J.; MILLER, W.H. Frequency and antimicrobial susceptibility of Staphylococcus species isolated from canine pyodermas. American Journal of Veterinary Research v.47, n.2, p.229-231, 1986. [ Links ]

MOTTA, A.P.; BIONDO, N.; SATO, J.P.H.; BARCELLOS, D.E.S.N. Epidermite Exsudativa em suínos. A hora veterinária n.181,2011. [ Links ]

MURRAY, P.R.; ROSENTHAL, K.S.; PFÄUER, M.A. Staphylococcus y microorganismos relacionados. In: Microbiologia médica 5th ed. Madri: Elsevier, 2005. 963p. Cap. 22. [ Links ]

OSTERLUND, A.; NORDLUND, E. Wound infection caused by Staphylococcus hyicus subspecies hyicus after a donkey bite. Scandinavian Journal of Infectious Diseases v.29, n.95, 1997. [ Links ]

O'SULLIVAN, T.; FRIENDSHIP, R.; BLACKWELL, T.; PEARL, D.; MCEWEN, B.; CARMAN, S.; SLAVIC, D.; DEWEY, C. Microbiological identification and analysis of swine tonsils collected from carcasses at slaughter. The Canadian Journal of Veterinary Research v.75, p.106-111,2011. [ Links ]

PIAZZA, R.M.F.; MENEZES, C.A. Fatores de Virulência II: Toxinas. In: TRABULSI, L.R.; ALTERTHUM, F. Microbiologia 4a ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2005. 718p. Cap. 17.2. [ Links ]

ROBERSON, J.R.; FOX, L.K.; HANCOCK, D.D.; GAY, J.M.; BESSER, T.E. Prevalence of coagulase-positive staphylococci, other than Staphylococcus aureus, in bovine mastites. American Journal of Veterinary Research v.57, n.1, p.54-58, 1996. [ Links ]

SATO, H.; WATANABE, T.; HIGUCHI, K.; TERUYA, K.; OHTAKE, A.; MURATA, Y.; SAITO, H.; AIZAWA, C.; DANBARA, H.; MAEHARA, N. Chromosomal and extrachromosomal synthesis of exfoliative toxin from Staphylococcus hyicusJournal of Bacteriology v.182, p.4096-4100, 2000. [ Links ]

SCHLEIFER, K.H.; KOCUR, K.M. Classification of Staphylococci Based on Chemical and Biochemical Properties. Archives of Microbiology v.93, p.65-85, 1973. [ Links ]

SPESCHA, C.; STEPHAN, R. ZWEIFEL, C. Microbiological contamination of pig carcasses at different stages of slaughter in two EU-approved abattoirs. Journal of Food Protection v.69, p.2568-2575, 2006. [ Links ]

TANABE, T.; SATO, H.; SATO, H. WATANABE, K.; HIRANO, M.; HIROSE, K.; KUROKAWA, S.; NAKANO, K.;; SAITO, H. MAEHARA, N. Correlation between occurrence of exudative epidermitis and exfoliative toxin-producing ability of Staphylococcus hyicus Veterinary Microbiology v.48, p.9-17, 1996. [ Links ]

TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C.L. Microbial Mechanisms of Pathogenicity. In: Microbiology: an introduction 10th ed. San Francisco: Ed. Pearson, 2010. 810p. Cap. 15. [ Links ]

TRABULSI, L.R.; TEIXEIRA, L.M.; BUERIS, V. Staphylococcus aureus In:; TRABULSI, L.R. ALTERTHUM, F. Microbiologia 4a ed., Rio de Janeiro: Atheneu 2005. 718p. Cap. 20. [ Links ]

VALLE, J.; GOMEZ-LUCIA, E.; PIRIZ, S.; GOYACHE, J.; ORDEN, J.A.; VADILLO, S. Enterotoxin production by staphylococci isolated from healthy goats. Applied and Environmental Microbiology v.56, p.1323-1326, 1990. [ Links ]

WAAGE, S.; MORK, T.; ROROS, A.; AASLAND, D.; HUNSHAMAR, A.; ODEGAARD, S.A. Bacteria Associated with Clinical Mastitis in Dairy Heifers. Journal of Dairy Science v. 82, n.4, p.712-719, 1999. [ Links ]

WEGENER, H.C.; ANDRESEN, L.O.; BILLE-HANSEN, V. Staphylococcus hyicus Virulence in Relation to Exudative Epidermitis in Pigs. Research in Microbiology v.144, p.237-244, 1993. [ Links ]

WESTMAN, E.L.; MATEWISH, J.M.; LAM, J. S. Pseudomonas. In:; GYLES, C.L.; PRESCOTT, J.F.; SONGER, J.G. THOEN, C.O. Pathogenesis of Bacterial Infections in Animals Fourth Edition., Iowa: Blackwell Publishing 2010. 623p. Chap. 23. [ Links ]

WILSON, B.A.; SALYERS, A.A.; WHITT, D.D.; WINKLER, M.E. Toxins and Other Toxic Virulence Factors. In: Bacterial pathogenesis: a molecular approach 3rd ed. Washington: ASM Press, 2011. 509p. Chap. 12. [ Links ]

Received: July 28, 2013; Accepted: March 05, 2015

*Autor correspondente: marinaferrasso@gmail.com

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium provided the original work is properly cited.