SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84Serological investigation of lentiviruses of small ruminants in the microregions of Alto Médio Canindé, Picos and Floriano, Piauí state, BrazilPopulation fluctuation and estimate of generations number of Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) in apple orchard in Caçador, Santa Catarina, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos do Instituto Biológico

On-line version ISSN 1808-1657

Arq. Inst. Biol. vol.84  São Paulo  2017  Epub May 12, 2017

http://dx.doi.org/10.1590/1808-1657000072015 

SCIENTIFIC ARTICLE

Avaliação in vitro da adsorção de aflatoxina B1 por produtos comerciais utilizados na alimentação animal

In vitro evaluation of aflatoxin B1 adsorption by commercial products used in animal feed

Raizza Eveline Escórcio Pinheiro1  * 

Carina Maricel Pereyra2 

Josyanne Araújo Neves3 

Rodrigo Maciel Calvet3 

Julliet Teixeira de Oliveira Santos4 

Cristiane Evangelista Lima4 

Verbena Carvalho Alves5 

Maria Marlucia Gomes Pereira4 

Maria Christina Sanches Muratori4 

1Campus Professora Cinobelina Elvas, Universidade Federal do Piauí (UFPI) - Bom Jesus (PI), Brasil.

2Departamento de Microbiología y Inmunología, Universidad Nacional de Río Cuarto - Córdoba, Argentina.

3Instituto Federal do Maranhão (IFMA) - Codó (MA) e Caxias (MA), Brasil.

4Núcleo de Estudos, Pesquisas e Processamento de Alimentos (NUEPPA), Centro de Ciências Agrárias (CCA), UFPI - Teresina (PI), Brasil.

5Fiscal de Defesa Agropecuária da ADAPAR - Ivaiporã (PR), Brasil.

RESUMO:

Objetivou-se avaliar a capacidade de adsorção in vitro de aflatoxina B1 (AFB1) por produtos comerciais utilizados na alimentação animal. Muitas pesquisas estão sendo realizadas para a descontaminação de AFB1 em alimentos. Os produtos comerciais utilizados frequentemente na alimentação de peixes, disponíveis na forma de probióticos, são formados por cepas de bactérias e leveduras utilizadas na maioria dos ensaios de adsorção de micotoxinas. Foram utilizados três produtos comerciais: A, composto por Bacillus subtilis, Bifidobacterium bifidum, Enterococcus faecium e Lactobacillus acidophilus; B, por leveduras secas de Saccharomyces cerevisiae provenientes de cervejaria; e C, por Bacillus subtilis, Bacillus licheniformis e Bacillus pumilus. Cinco suspensões da dose máxima recomendada pelo fabricante de cada produto (0; 25; 50; 75 e 100%) foram testadas contra AFB1 (1000 ng.mL-1) em microtubos para determinação da capacidade de adsorção. Para simular o pH do estômago e do intestino de tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) foram formuladas soluções tampão fosfato salino (PBS), com pH 1,5 e 7,5; respectivamente. Os microtubos foram introduzidos em uma centrífuga com agitação mecânica, a 37ºC por 1 h e depois centrifugados por 10 min a 14.000 rpm; os sobrenadantes foram quantificados por cromatografia líquida de alta eficiência. Os produtos comerciais, nas concentrações máximas, foram capazes de adsorver AFB1 em quantidades de 45,01 a 129,59; 123,90 a 215,59 e 209,98 a 370,73 ng.mL-1, respectivamente. Concluiu-se que todos os produtos comerciais analisados adsorvem AFB1 em condições simuladas de pH gastrointestinal e são candidatos potenciais para adsorção de AFB1 para futuros ensaios in vivo.

PALAVRAS-CHAVE: Bacillus sp.; bactérias ácido-láticas; detoxificação; Saccharomyces cerevisiae; tilápia do Nilo

ABSTRACT:

The aim of this study was to evaluate the aflatoxin B1 (AFB1) adsorption capacity, in vitro, by commercial products used in animal feed. Many studies are being conducted for the decontamination of aflatoxins in feed. The commercial products destined to fish feed that are available as probiotics and are formed by strains of bacteria and yeasts used in most mycotoxins adsorption assays. Three commercial products were studied: A, consisting of Bacillus subtilis, Bifidobacterium bifidum, Enterococcus faecium and Lactobacillus acidophilus; B, consisting of dry yeast of Saccharomyces cerevisiae from brewery; and C, consisting of Bacillus subtilis, Bacillus licheniformis and Bacillus pumilus. Five suspensions of the maximum dose recommended by the manufacturer of each product (0; 25; 50; 75 and 100%) were tested against AFB1 (1000 ng.mL-1) in microtubes to determine the adsorption capacity. To simulate the pH of the stomach and intestine of the Nile tilapia (Oreochromis niloticus), phosphate buffered saline solutions (PBS) at pH 1.5 and 7.5, respectively, were formulated. Microtubes were introduced into a centrifuge with mechanical agitation at 37ºC for 1 h and then centrifuged for 10 min at 14.000 rpm; the supernatants were quantified by high-performance liquid chromatography. The commercial products in the maximum concentration were capable of adsorbing AFB1 in amounts from 45.01 to 129.59; from 123.90 to 215.59; and from 209.98 to 370.73 (ng.mL-1), respectively. It was concluded that all commercial products, which are added to animal feed, adsorbed AFB1 under simulated gastrointestinal pH conditions and are potential candidates for AFB1 adsorption for future in vivo studies.

KEYWORDS: Bacillus sp.; lactic acid bacteria; detoxification; Saccharomyces cerevisiae; Nile tilapia

INTRODUÇÃO

Micotoxinas são metabólitos secundários produzidos por algumas espécies de fungos filamentosos e sua ingestão pode ocasionar danos ao desempenho e à saúde dos animais. As aflatoxinas (AFs) são as micotoxinas mais predominantes nos ingredientes usados nas rações para animais no Brasil e no mundo (KUBITZA, 2010). Os principais fungos produtores de AFs fazem parte do gênero Aspergillus, principalmente as espécies A. flavus, A. parasiticus e A. nominus. A aflatoxina B1 (AFB1) destaca-se por ser tóxica para os animais, com potencial carcinogênico, mutagênico, teratogênico, hepatotóxico e imunossupressor (KLICH, 2007). Alimentos para animais aquáticos contaminados com AFs podem causar anormalidades que resultam na queda da produtividade do cultivo (GOPINATH et al., 2012). A tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), principal espécie de peixe cultivada no Brasil (BRASIL, 2010), é sensível à contaminação por AFs, caracterizada pela ocorrência de quadros de caquexia, despigmentação das escamas, icterícia e lesões hepáticas, responsáveis por gerar prejuízos econômicos em seu cultivo (KUBITZA, 2010).

Os aditivos antimicotoxinas (AAM) incluem os produtos que, quando adicionados a alimentos para animais, sejam capazes de adsorver, inativar, neutralizar ou biotransformar micotoxinas. O controle biológico tem proporcionado resultados promissores para a descontaminação de AFs sem alterar as características do alimento (BARBOSA et al., 2005). Dentre as categorias de produtos à base de micro-organismos, existem os probióticos e os suplementos dietéticos. De acordo com FULLER (1989), os probióticos são suplementos alimentares de micro-organismos vivos que produzem efeitos benéficos no hospedeiro, favorecendo o equilíbrio de sua microbiota intestinal, além de auxiliar na diminuição das concentrações de substâncias tóxicas em ambientes de cultivo. Segundo SHETTY; JESPERSEN (2006), ingredientes básicos e suplementos dietéticos, tais como a levedura Saccharomyces cerevisiae, podem ter propriedades funcionais na dieta e apresentarem resultados satisfatórios quando adicionados à ração como células ativas ou como componentes de parede celular.

No Brasil, foi estabelecido um protocolo para reavaliação do uso de adsorventes de micotoxinas como aditivo autorizado para a alimentação animal. A proposta propõe a realização de testes in vitro simulando as condições do trato gastrointestinal de animais, utilizando pH 3,0 e 6,0 (BRASIL, 2006). No entanto, os níveis de pH de espécies aquáticas, especificamente de tilápias do Nilo, diferem dos estabelecidos no protocolo. Desse modo, é importante avaliar a eficiência da adsorção de micotoxinas em faixas de pH específicas para cada espécie.

Com base nos dados expostos, objetivou-se avaliar a capacidade antimicotoxina de produtos comerciais compostos à base de leveduras secas de cervejaria e de probióticos utilizados na alimentação animal para adsorção in vitro de AFB1.

MATERIAL E MÉTODOS

O ensaio foi realizado no Laboratório de Nutrição Animal, do Departamento de Zootecnia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Piauí. Para avaliação in vitro de produtos comerciais para adsorção de AFB1 foram utilizados três produtos com formulação diferenciada (Tabela 1).

Tabela 1: Composição e concentração testada de produtos comerciais para ensaio de adsorção in vitro de aflatoxina B1

UFC: unidades formadoras de colônias.

Para simular o pH do estômago e intestino de tilápias do Nilo, foram formuladas soluções em tampão fosfato salino (PBS: NaCl 80 g, KCl 2 g, Na2HPO4 14,4 g, KH2PO4 2,4 g, água destilada em quantidade suficiente para 1.000 mL), sendo posteriormente ajustadas com adição de ácido clorídrico (HCl 0,1 N) para pH 1,5 e com hidróxido de sódio (NaOH 0,1 N) para pH 7,5, (ROTTA, 2003), respectivamente, sendo ambos ajustados por pHmetro digital (Labmeter Modelo pHS-3B). A AFB1 (Sigma Aldrich® Co., St. Louis, MO USA, pureza > 99%) utilizada foi diluída em acetonitrila para obtenção da concentração final de 1,0 µg.mL-1 (1.000 ng.mL-1). Para a obtenção da solução de trabalho (1.000 ng.mL-1), a acetonitrila foi evaporada com nitrogênio gasoso e, em seguida, adicionaram-se soluções em PBS para cada pH.

O teste foi realizado com concentração única de AFB1 (1.000 ng.mL-1). As concentrações dos produtos utilizados corresponderam a 0; 25; 50; 75 e 100% da dose máxima recomendada por cada fabricante (Tabela 1). Também foram preparadas amostras em triplicata de controle positivo (AFB1 em PBS com pH 1,5 e 7,5) e controle negativo (somente PBS) para realização dos cálculos de adsorção.

Foram transferidas para microtubos, alíquotas de 500 µL das soluções de PBS contendo as diferentes concentrações de cada produto comercial e acrescentaram-se 500 µL de AFB1, obtendo-se um volume final de 1.000 µL, com concentração final de 1.000 ng.mL-1 de AFB1. As soluções nos microtubos foram homogeneizadas em agitador tipo Vortex e introduzidas em uma centrífuga com agitação mecânica a 200 rpm, a 37ºC por 1 h, para promover o contato entre a toxina e o produto comercial utilizado. A seguir, as amostras foram centrifugadas por 10 min a 14.000 rpm para ocorrer a separação da toxina livre da toxina unida ao produto comercial utilizado. Logo, recuperou-se a toxina livre presente no sobrenadante e realizou-se a detecção e quantificação de AFB1.

Para a detecção e quantificação de AFB1, utilizou-se um cromatógrafo líquido de alta eficiência (CLAE) Shimadzu®, modelo Prominence com detector de fluorescência modelo RF-10AXL Super, loop de 20 µL, com excitação e emissão de 360 e 460 nm, respectivamente (TRUCKSESS et al., 1994), equipado com coluna de fase reversa de sílica gel C18 (150 x 4,6 mm, 5,0 µm de tamanho de partícula, Phenomenex, Luna) conectada a uma pré-coluna Supelguard LC-ABZ (20 x 4,6 mm, 5,0 µm de tamanho de partícula, Supelco). Para análise, utilizou-se uma alíquota de 100 µL do extrato da amostra, que foi acrescida de 350 µL de solução derivatizante, composta por ácido trifluoroacético:ácido acético glacial:água (20:10:70 v/v). Como fase móvel, utilizou-se um sistema isocrático acetonitrila:metanol:água (17:17:66 v/v) a uma vazão de 1,5 mL.min-1.

A curva de quantificação da toxina foi elaborada através da correlação das alturas dos picos do extrato da amostra com o da curva padrão (y=0,0003x-0,0077; R2=0,99). O limite de detecção do método analítico utilizado foi de 0,4 ng.g-1, enquanto o de quantificação resultou em 1,2 ng.g-1. As quantificações de AFB1 adsorvidas foram realizadas pela equação a seguir, onde: A=[(B-C)xD]/E, sendo A=quantidade (ng.mL-1) de toxina adsorvida pelo produto comercial; B=altura do pico cromatográfico da amostra; C=altura do pico cromatográfico do controle negativo; D=concentração (ng.mL-1) do controle positivo; E=altura do pico cromatográfico do controle positivo.

Os tratamentos foram distribuídos em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3x5, sendo: 2 valores de pH (1,5 e 7,5); 3 produtos comerciais (A, B e C) e 5 concentrações (0; 25; 50; 75 e 100%), com 3 repetições por tratamento, totalizando 90 amostras. Os dados obtidos foram analisados segundo os procedimentos do software SAS 9.0 (SAS, 2009) e submetidos à análise de variância e comparação de médias pelo SNK, baseado no Lsmeans a 5% de probabilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O ensaio in vitro de adsorção de AFB1 foi realizado com base nas recomendações da proposta para registro de AAM do Grupo de Trabalho sobre Micotoxinas (BRASIL, 2006). A proposta do Grupo de Trabalho recomenda a utilização de valores de pH 3,0 e 6,0 para avaliação de AAM, porém, para adequar à fisiologia do estômago e intestino das tilápias do Nilo, foram realizadas adaptações de pH para 1,5 e 7,5; respectivamente. Além disso, foi utilizada solução de PBS como solução de reação do ensaio, de acordo com BOVO et al. (2011) e PEREYRA et al. (2012).

Nesta pesquisa, realizada para avaliar a capacidade de produtos comerciais adsorverem 1.000 ng.mL-1 de AFB1, observou-se um percentual de adsorção variável. Os produtos comerciais A, B e C; quando testados em pH 1,5 e 7,5; apresentaram percentuais de adsorção de AFB1 que variaram de 0,5 a 37,1% (Tabela 2). A média dos valores do controle positivo (somente toxina AFB1) em PBS com pH 1,5 foi de 998,54 ng.mL-1;e em pH 7,5 se obteve o valor médio de 964,12 ng.mL-1. No probiótico A, composto majoritariamente por bactérias ácido-láticas (BAL) (0,5 a 13,0%), e no B, formado por leveduras mortas secas da espécie S. cerevisiae (8,8 a 21,6%), os valores de adsorção foram menores, quando comparados aos resultados de PIZZOLITTO et al. (2011), que utilizaram concentração de 500 ng.mL-1 e obtiveram valores de 11,8 a 67,6% para cepas de BAL e 18,4 a 65,7% para cepas de S. cerevisiae. Essa variação de resultados pode ter ocorrido pelo fato dos autores citados terem utilizado uma concentração menor de toxina e testado apenas cepas puras de bactérias e de leveduras, em contraste com este experimento, que foi realizado com produtos comerciais formulados para alimentação animal que continham várias cepas bacterianas e leveduras mortas secas da espécie S. cerevisiae.

Tabela 2: Valores e percentuais de adsorção de 1.000 ng.mL-1 de aflatoxina B1 em dois valores de pH e diferentes concentrações de produtos comerciais utilizados na alimentação animal. 

a,b,c,d,eMédias na mesma coluna, para o mesmo produto e mesmo pH, seguidas da mesma letra minúscula diferem significativamente entre si pelo teste Student-Newman-Keuls (SNK) (p<0,05); A,Bmédias na mesma linha, para o mesmo produto e mesma concentração, seguidas da mesma letra maiúscula diferem entre si pelo teste SNK (p<0,05).

BOLOGNANI et al. (1997) relataram que cepas de S. cerevisiae na concentração mínima de 2 a 5x109 unidades formadoras de colônia por mililitro (UFC.mL-1) adsorveram de 13 a 50% de AFB1. MALLMANN et al. (2006) obtiveram percentuais de adsorção de 90% em suco gástrico e intestinal, ao estudarem diversos compostos em avaliações in vitro. É possível que fatores como concentração dos micro-organismos utilizados, pH, concentração dos produtos e tempo de contato (EL-NEZAMI; AHOKAS, 1998; PIZZOLITTO et al., 2011) possam ter influência nos resultados de adsorção. Embora a quantidade média de cepas utilizadas nas formulações comerciais seja compatível com resultados satisfatórios obtidos por outros pesquisadores (EL-NEZAMI; AHOKAS, 1998; HASKARD et al., 2001), a atividade antimicotoxina dos produtos comerciais testados foi próxima à encontrada pelos autores citados.

Pode-se verificar que a melhor adsorção de AFB1 ocorreu quando os produtos comerciais foram utilizados na concentração 100% (Tabela 2). Houve diferença significativa (p<0,05) entre a capacidade antimicotoxina dos produtos nas concentrações utilizadas, ocorrendo um aumento proporcional de adsorção quando eram adicionadas maiores concentrações desses produtos. Essa tendência não se aplicou ao probiótico C, que apresentou resultados semelhantes em concentrações 50 e 75%; e no produto B em pH 1,5, cujo percentual melhor foi em concentração 75%. Ensaios de adsorção frequentemente utilizam uma única concentração de AFB1 (HASKARD et al., 2001), entretanto, a eficiência dos micro-organismos altera-se quando as concentrações de AFB1 são modificadas (BUENO et al., 2007; PIZZOLITTO et al., 2011), tendo em vista que ocorrem oscilações naturais nos níveis de AFB1 nos alimentos. Desse modo, além de avaliar diferentes concentrações de micotoxinas nos testes de adsorção, deve-se também analisar se diferentes concentrações de micro-organismos e de produtos comerciais interferem na atividade antimicotoxina. Os componentes das paredes microbianas possuem número limitado de polos de ligação para AFB1 (PIZZOLITTO et al., 2011), e podem não apresentar disponibilidade para tal ligação devido a uma saturação dos polos (TAPIA-SALAZAR et al., 2010). Desse modo, a associação de diferentes tipos de micro-organismos utilizados na formulação de produtos comerciais permitiria uma maior disponibilidade desses polos de ligação.

De um modo geral, o pH 7,5 favoreceu a adsorção dos produtos comerciais em condições experimentais, com exceção do produto B, que apresentou adsorção semelhante na concentração 25% quando submetido ao pH 1,5 e pH 7,5 (Tabela 2). Entretanto, as bactérias que foram utilizadas na formulação dos probióticos testados estavam viáveis e poderiam crescer em ampla variação de pH (4,8 a 9,6), devido ao tempo de contato em temperatura favorável ao qual foram submetidas na fase inicial do experimento. Constatou-se que a eficiência da capacidade antimicotoxina dos produtos comerciais testados foi variável, sendo o probiótico C, composto por três cepas de Bacillus sp. (12,10 a 37,10%) mais eficiente do que o A, formado por BAL associada a B. subtilis (5,15 a 13,00%) e do que o B, composto por leveduras secas de cervejaria da espécie S. cerevisiae (8,80 a 21,60%). Esse fato pode ser comprovado pelas propriedades benéficas atribuídas à união das três espécies de Bacillus e pela maior concentração bacteriana presente (1,0x1010 UFC.g-1). PIZZOLITTO et al. (2011) observaram que o aumento da concentração de bactérias ou leveduras, na presença de uma concentração fixa de AFB1, promoveu um aumento na ligação desses compostos, mas ainda insuficiente para ligar todas as toxinas presentes.

Resultados eficientes de adsorção de AFB1 foram encontrados por HAI (2006), em que cepas de B. subtilis foram eficazes como inibidores na produção e adsorção de AFB1. Estudos com a utilização de espécies de Bacillus em alimentos mostram que esses possuem grande habilidade de adesão à parede intestinal, aumento de respostas imunológicas, enzimas hidrolíticas que degradam a parede celular de fungos patogênicos e são considerados importantes no controle biológico. BARBOSA et al. (2005) e GAO et al. (2011) obtiveram remoção de 81,5% de AFB1 na concentração de 500 ng.mL-1, para cepas isoladas de Bacillus e ainda demonstraram que essas possuem alta resistência ao simularem condições semelhantes do conteúdo estomacal e intestinal de animais, assim como também contra patógenos desse ambiente, entretanto, a adsorção de AFB1 não foi avaliada em diferentes pH, nem o sinergismo entre as cepas.

O Brasil, por meio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), estabelece o limite de 50 µg.kg-1 de aflatoxinas para alimentos de consumo animal, matérias primas e rações (BRASIL, 1988). Sendo assim, os três produtos comerciais podem agir efetivamente na adsorção de AFB1, já que os valores de incidência natural deveriam ser menores do que 50 µg.kg-1 e adsorveram quantidades maiores do que as regulamentadas. Pesquisas realizadas em rações comerciais para pisciculturas relataram níveis de aflatoxinas que variaram de não detectáveis a 15,60 µg.kg-1 (HASHIMOTO et al., 2003); desse modo, os produtos comerciais analisados poderiam ser úteis no processo de adsorção da toxina desses alimentos destinados à alimentação de peixes.

CONCLUSÕES

Produtos comerciais à base de leveduras secas de cervejaria e de probióticos formados por bactérias possuem capacidade de adsorção in vitro de AFB1. Probióticos, à base de Bacillus sp., são mais eficientes do que os compostos principalmente por BAL e leveduras secas de cervejaria.

AGRADECIMENTOS

À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela concessão de bolsa de estudos para a realização deste trabalho e à Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Universidad Nacional de Rio Cuarto, Córdoba, Argentina, pela parceria científica.

REFERÊNCIAS

BARBOSA, T.M.; SERRA, C.R.; RAGIONE, R.M.L.; WOODWARD, M.J.; HENRIQUES, A.O. Screening for Bacillus isolates in the broiler gastrointestinal tract. Applied and Environmental Microbiology, v.71, p.968-978, 2005. [ Links ]

BOLOGNANI, F.; RUMNEY, C.J.; ROWLAND, I.R. Influence of carcinogen binding by lactic acid producing bacteria on tissue distribution and in vivo mutagenicity of dietary carcinogens. Food and Chemical Toxicology, v.35, p.45-535, 1997. [ Links ]

BOVO, F.; CORASSIN, C.H.; KOBASHIGAWA, E.; ROSIM, R.E.; DE OLIVEIRA, C.A.F. Eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflatoxina M1 em solução tampão fosfato. Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde, v.13, p.151-156, 2011. [ Links ]

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria n.º 7, de 9 de novembro de 1988. Fixa padrões de tolerância para aflatoxinas em alimentos para consumo animal: matérias primas e rações. Diário Oficial da União, Brasília, 1988. [ Links ]

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria n.º 130, de 24 de maio de 2006. Estabelece protocolos para reavaliação do uso de adsorventes de micotoxinas como aditivo autorizado na alimentação animal. Diário Oficial da União, Brasília, 2006. [ Links ]

BRASIL. Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim estatístico da pesca e aquicultura: Brasil 2010. Brasília, 2010. Disponível em: <Disponível em: http://www.mpa.gov.br/Docs/_Estatisticas/BoletimMPA2010.pdf >. Acesso em: 2 out. 2014. [ Links ]

BUENO, D.; CASALE, C.H.; PIZZOLITTO, R.P.; SALVANO, M.A.; OLIVER, G. Physical adsorption of aflatoxin B1 by lactic acid bacteria and Saccharomyces cerevisiae: a theoretical model. Journal of Food Protection, v.70, p.2148-2154, 2007. [ Links ]

EL-NEZAMI, H.S.; AHOKAS, J. Lactic acid bacteria: approach to detoxify aflatoxins. In: SALMINEN, S.; VON, W.A. Lactic acid bacteria. New York: Marcel Dekker, 1998. p.359-367. [ Links ]

FULLER, R. Probiotic in man and animals. Journal of applied bacteriology, v.66, p.365-378, 1989. [ Links ]

GAO, X.; MA, Q.; ZHAO, L.; LEI, Y.; SHAN, Y.; JI, C. Isolation of Bacillus subtilis: screening for aflatoxins B1, M1, and G1 detoxification. European Food Research and Technology, v.232, p.957-962, 2011. Disponível em: <Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00217-011-1463-3 >. Acesso em: 21 jul. 2014. DOI: 10.1007/s00217-011-1463-3 [ Links ]

GOPINATH, R.; PAUL RAJ, R.; GEORGE, K.C.; SANIL, N.K. Ultrastructural changes in the hepatopancreas of Penaeus monodon Fabricius 1798 given aflatoxin B1 diets. Aquaculture Research, v.43, p.32-43, 2012. [ Links ]

HAI, N.N. Bacillus subtilis possibly used for aflatoxin control, Ho Chi Minh, Vietnam, 2006. In: INTERNATIONAL WORKSHOP ON BIOTECHNOLOGY IN AGRICULTURE, Ho Chi Minh, Vietnam, 2006. Proceedings… Ho Chi Minh: Nong Lam University, 2006. p.75-77. [ Links ]

HASHIMOTO, E.H.; SANTOS, M.A.; ONO, E.Y.S.; HAYASHI, C.; BRACARENSE, A.P.F.R.L.; HIROOKA, E.Y. Bromatologia e contaminação com fumonisina e aflatoxina em rações utilizadas na piscicultura da região de Londrina, Estado do Paraná, Brasil. Semina: Ciências Agrárias, v.24, p.123-132, 2003. Disponível em: <Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/2134 >. Acesso em: 27 jul. 2014. [ Links ]

HASKARD, C.A.; EL-NEZAMI, H.S.; KANKAANPAA, P.E.; SALMINEN, S.; AHOKAS, J.T. Surface binding of aflatoxin B1 by lactic acid bacteria. Applied and Environmental Microbiology, v.67, p.3086-3091, 2001. [ Links ]

KLICH, M.A. Aspergillus flavus: the major producer of aflatoxin. Molecular Plant Pathology, v.8, p.713-722, 2007. [ Links ]

KUBITZA, F. Micotoxinas e seus efeitos sobre os peixes. Panorama da Aquicultura, v.20, n.121, p.14-23, 2010. [ Links ]

MALLMANN, C.A.; DILKIN, P.; GIACOMINI, L.Z.; RAUBER, R.H. Critérios para seleção de um bom sequestrante para micotoxinas. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, Santos, SP, 2006. Anais... Santos: Fundação Apinco de Ciência e Tecnologia Avícolas, 2006. p.213-224. [ Links ]

PEREYRA, C.M.; PEREYRA, C.M.; CAVAGLIERI, L.R.; CHIACCHIERA, S.M.; DALCERO, A. The corn influence on the adsorption levels of aflatoxin B1 and zearalenone by yeast cell wall. Journal of Applied Microbiology, v.114, p.655-662, 2012. [ Links ]

PIZZOLITTO, R.P.; BUENO, D.J.; ARMANDO, M.R.; CAVAGLIERI, L.; DALCERO, A.M.; SALVANO, M.A. Binding of aflatoxin B1 to lactic acid bacteria and Saccharomyces cerevisiae in vitro: a useful model to determine the most efficient microorganism. In: GUEVARA-GONZALEZ, R.G. Aflatoxins: biochemistry and molecular biology. InTech, 2011. p.323-346. [ Links ]

ROTTA, M.A. Aspectos gerais da fisiologia e estrutura do sistema digestivo dos peixes relacionados à piscicultura. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2003. 48p. [ Links ]

SHETTY, P.H.; JESPERSEN, L. Saccharomyces cerevisiae and lactic acid bacteria as potential mycotoxin decontaminating agents. Trends in Food Science & Technology, v. 17, p. 48-55, 2006. [ Links ]

STATISTICAL ANALYSIS SISTEM. System for linear models. Cary: SAS Institutte, 2009. [ Links ]

TAPIA-SALAZAR, M.; GARCÍA-PÉREZ, O.D.; NIETO-LÓPEZ, M.; RICQUE-MARIE, D.; VILLARREAL-CAVAZOS, D.; CRUZ-SUÁREZ, L.E. Uso de secuestrantes para disminuir la toxicidad de micotoxinas en alimentos para acuacultura, San Nicolás de los Garza, Nuevo León, 2010. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE NUTRICIÓN ACUÍCOLA, 10., Nuevo León, México, 2010. Proceedings... San Nicolás de los Garza: Universidad Autónoma de Nuevo León, 2010. 726p. p. 514-546. [ Links ]

TRUCKSESS, M.W.; STACK, M.E.; NESHEIM, S.; ALBERT, R.H.; ROMER, T.R. Multifunctional column coupled with liquid chromatography for determination of aflatoxins B1, B2, G1, and G2 in corn, almonds, Brazil nuts, peanuts, and pistachio nuts: collaborative study. Journal of AOAC International, v.77, p.1512-1521, 1994. [ Links ]

Received: January 27, 2015; Accepted: October 04, 2016

*Autor correspondente: raizza_eveline@hotmail.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons