SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84In vitro evaluation of aflatoxin B1 adsorption by commercial products used in animal feedHerbicides selectivity in pre-budded seedlings of sugarcane author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos do Instituto Biológico

On-line version ISSN 1808-1657

Arq. Inst. Biol. vol.84  São Paulo  2017  Epub May 18, 2017

http://dx.doi.org/10.1590/1808-1657000482015 

SCIENTIFIC ARTICLE

Flutuação populacional e estimativa do número de gerações de Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) em pomar de macieira em Caçador, Santa Catarina, Brasil

Population fluctuation and estimate of generations number of Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) in apple orchard in Caçador, Santa Catarina, Brazil

Janaína Pereira dos Santos1  * 

Luiza Rodrigues Redaelli2 

Josué Sant’Ana2 

Eduardo Rodrigues Hickel3 

1Laboratório de Entomologia, Estação Experimental de Caçador, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI) - Caçador (SC), Brasil.

2Departamento de Fitossanidade, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Porto Alegre (RS), Brasil.

3Laboratório de Entomologia, Estação Experimental de Itajaí, EPAGRI - Itajaí (SC), Brasil.

RESUMO:

Este estudo teve como objetivos avaliar a flutuação populacional e estimar o número de gerações por ano de Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae), com base nas variáveis meteorológicas de Caçador, Santa Catarina, Brasil. O estudo foi conduzido em pomar orgânico de macieira, de outubro de 2009 a abril de 2012. O número de moscas-das-frutas foi aferido semanalmente, com quatro armadilhas do tipo McPhail iscadas com Torula®. A associação entre o número de adultos capturados e as variáveis meteorológicas (temperaturas máxima, mínima e média, precipitação pluviométrica e umidade relativa do ar) foi feita pelo coeficiente de correlação de Pearson (p < 0,05). Para o período de entressafra (maio a setembro), os valores médios diários das variáveis meteorológicas foram calculados pelos testes F ou de Kruskal-Wallis (p < 0,05). O número de gerações/ano foi estimado utilizando-se os dados de temperatura mínima de 2009 até 2012, constante térmica e temperatura basal estabelecidos para A. fraterculus. Verificou-se que a mosca-das-frutas sul-americana ocorreu de novembro a abril, com picos populacionais em janeiro ou fevereiro. Apenas na safra 2010/2011 houve correlação entre o número médio de adultos capturados e as temperaturas máxima, média e mínima. Estimou-se que podem ocorrer em torno de oito gerações de A. fraterculus por ano em Caçador, Santa Catarina.

PALAVRAS-CHAVE: mosca-das-frutas sul-americana; monitoramento; variáveis meteorológicas; Malus domestica

ABSTRACT:

This study aimed to evaluated the population fluctuation and estimate the number of Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) generations per year, based on meteorological variables in Caçador, SC, Brazil. The work was carried out in an organic apple orchard from October/2009 to April/2012. The fruit flies numbers were weekly recorded with four McPhail traps baited with Torula®. The association between the number of adults captured and meteorological variables (maximum, average and minimum temperatures, rainfall and relative humidity) was calculated using Pearson’s correlation coefficient (p < 0.05). In off-season crop (May to September), the daily average of the meteorological variables were evaluated calculated by F or Kruskal-Wallis tests (p < 0.05). The number of generations per year was estimated based on minimum temperature from 2009 to 2012, thermal constant and basal temperature, established for A. fraterculus. The South American fruit fly occurred from November to April, with population peaks in January or February. We observed, only in 2010/2011 crop season, correlation between average number of adults captured and maximum, average and minimum temperatures. It was estimated that may occur about eight A. fraterculus generations per year in Caçador, Santa Catarina.

KEYWORDS: South American fruit fly; sampling; meteorological variables; Malus domestica

INTRODUÇÃO

O gênero de moscas-das-frutas Anastrepha Schiner, 1868 (Diptera: Tephritidae), originário da América do Sul (ALUJA, 1994), é o de maior importância econômica no Brasil (NAVA; BOTTON, 2010; MENEZES-NETTO et al., 2016). Das 64 espécies de moscas-das-frutas registradas em Santa Catarina (GARCIA et al., 2002), 25 são do gênero Anastrepha (ZUCCHI, 2008).

Nas principais regiões produtoras de maçã do sul do Brasil, a mosca-das-frutas sul-americana, Anastrepha fraterculus (Wiedemann, 1830), é considerada a principal praga da cultura (SANTOS; WAMSER, 2006), sendo a espécie de maior distribuição e abundância nos pomares de macieira catarinenses - representa mais de 90% das moscas capturadas (NORA et al., 2000).

A flutuação populacional de A. fraterculus modifica-se entre anos, pomares e regiões (NORA et al., 2000; GARCIA et al., 2003a; SOUZA-FILHO et al., 2009), bem como em função das variáveis meteorológicas (GARCIA et al., 2003a; ARAUJO et al., 2008, CALORE et al., 2013) e da disponibilidade de frutos hospedeiros (GARCIA et al., 2003a; RONCHI-TELES; SILVA, 2005; ARAUJO et al., 2008; SOUZA-FILHO et al., 2009; CALORE et al., 2013).

A temperatura é um dos principais fatores que interferem no ciclo biológico de A. fraterculus (MACHADO et al., 1995; SALLES, 2000; TAUFER et al., 2000), cuja faixa ótima para o desenvolvimento está entre 15,3 e 26,8ºC, sendo necessárias 430,6 horas (constante térmica expressa em graus/dias) com temperaturas acima de 10,72ºC (temperatura base) para que o ciclo biológico se complete (MACHADO et al., 1995). Em Pelotas, Rio Grande do Sul, podem ocorrer até seis gerações/ano (MACHADO et al., 1995), e em Chapecó, Santa Catarina, em torno de 11 gerações/ano (GARCIA et al., 2003a).

Em pomares de macieira em Santa Catarina, as moscas podem ser capturadas de setembro a abril, e o tamanho da população varia em função da frutificação de hospedeiros multiplicadores presentes em cada região (NORA et al., 2000). HICKEL; DUCROQUET (1993) registraram, de outubro a março, com pico populacional em dezembro, a ocorrência de A. fraterculus em ameixeiras e pessegueiros na região meio-oeste de Santa Catarina. Já em goiabeira-serrana, HICKEL; DUCROQUET (1994) observaram que A. fraterculus ocorreu de janeiro a março, com picos populacionais nos meses de fevereiro e março. No oeste do Estado, verificou-se maior densidade de A. fraterculus em pessegueiros, em dezembro e janeiro (GARCIA et al., 2003a).

Informações sobre a flutuação populacional de moscas-das-frutas e a sua relação com os fatores bióticos e abióticos devem ser obtidas e interpretadas adequadamente, para que seja realizado o controle regionalizado (ALUJA et al., 2012). Dessa maneira, este estudo teve como objetivos registrar a flutuação populacional, avaliar a influência das variáveis meteorológicas nas oscilações populacionais e calcular o número de gerações/ano de A. fraterculus em Caçador, Santa Catarina.

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi conduzido em pomar de macieira (26º49’47”S, 50º58’36”O e altitude de 972 m) cultivado no sistema orgânico, localizado em Caçador, Santa Catarina. O pomar, de aproximadamente 0,6 ha, implantado havia 12 anos, era composto de 10 genótipos de macieira, com plantas distribuídas em espaçamento de 4,5 m entre as linhas e 1,5 m entre as plantas, todas sobre porta-enxerto Marubakaido com filtro de M-9. Os genótipos eram: Royal Gala, M-2/01 e Monalisa, de maturação semiprecoce, com colheita no início de fevereiro; M-9/00 e M-11/00, de maturação intermediária, com colheita a partir de meados de fevereiro; Fuji Suprema, Catarina, M-13/00, MR-11/90 e MRC-21/97, de maturação tardia, com colheita de meados de março a início de abril.

Não foram realizados tratamentos fitossanitários para o controle de insetos. Para as doenças, utilizaram-se caldas sulfocálcica e bordalesa, pulverizadas a intervalos quinzenais, de outubro a abril de cada ano.

Próximo ao pomar de estudo há uma área de mata de aproximadamente 20 ha onde estão presentes as seguintes espécies referidas como hospedeiras de mosca-das-frutas e com períodos de frutificação que antecedem ou coincidem com os da macieira: cerejeira-do-Rio-Grande (Eugenia involucrata), pitangueira (Eugenia uniflora), guabirobeira (Campomanesia xanthocarpa), goiabeira-serrana (Acca sellowiana), capoteira ou sete-capotes (Campomanesia guazumifolia), araçazeiro (Psidium spp.), uvaieira (Eugenia pyriformis), guabijeiro (Myrcianthes pungens) (Myrtaceae), ingazeiro (Inga spp.) (Fabaceae) e araticunzeiro (Annona cacans) (Annonaceae).

O número de mosca-das-frutas foi aferido com quatro armadilhas do tipo McPhail, iscadas com Torula® (diluída na proporção de três tabletes/400 mL de água), instaladas 1,5 m acima do nível do solo, na parte interna da copa das plantas. O monitoramento ocorreu de outubro de 2009 a abril de 2012, abrangendo as safras 2009/2010, 2010/2011 e 2011/2012. O atrativo foi substituído semanalmente, registrando-se o número de adultos capturados. Após a obtenção dos dados das coletas semanais, calculou-se o índice moscas/armadilha/dia (MAD) pela fórmula:

Em que:

M

= número de moscas capturadas (machos e fêmeas);

A

= número de armadilhas;

D

= número de dias de exposição das armadilhas.

Os espécimes coletados foram armazenados em frascos contendo álcool 70% e, posteriormente, procedeu-se à identificação específica com o auxílio de chave dicotômica de ZUCCHI (2000).

Os registros diários referentes às temperaturas máxima, mínima e média (ºC), à precipitação pluviométrica (mm) e à umidade relativa do ar (%) foram obtidos de uma estação meteorológica distante 2 km do pomar de macieira.

A associação entre o número médio de moscas capturadas e as variáveis meteorológicas foi avaliada pelo coeficiente de correlação de Pearson (p < 0,05). Em função do ciclo biológico de A. fraterculus, os valores utilizados nessas análises foram relativos às médias diárias registradas aos 7, 15 e 30 dias que antecederam cada ocasião de amostragem. Os valores médios diários das temperaturas mínima, média e máxima (ºC), da umidade relativa do ar (%) e da precipitação pluviométrica (mm) para o período de entressafra (maio a setembro) foram testados quanto à normalidade e submetidos aos testes F ou de Kruskal-Wallis (p < 0,05). As análises foram feitas com o auxílio do programa estatístico BioEstat 5.0. O número de gerações/ano foi estimado para o município de Caçador, Santa Catarina, utilizando-se os dados de temperatura mínima de 2009, 2010, 2011 e 2012, com base na constante térmica e na temperatura basal, estabelecidos para A. fraterculus, conforme MACHADO et al. (1995).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na safra 2009/2010, foram registrados 77 adultos de A. fraterculus; na safra 2010/2011, o total capturado foi de 429; e na safra 2011/2012, de 345. A razão sexual nesses períodos foi de 0,31; 0,55 e 0,8, respectivamente. No estado de Santa Catarina, a maior abundância de A. fraterculus, entre os tefritídeos, também já havia sido registrada em: ameixeira (HICKEL; DUCROQUET, 1993; GARCIA et al., 2003b; GARCIA; NORRBOM, 2011), goiabeira-serrana (HICKEL; DUCROQUET, 1994; GARCIA; NORRBOM, 2011), macieira (NORA et al., 2000), citros (GARCIA et al., 2003b; GARCIA; LARA, 2006), pessegueiro (HICKEL; DUCROQUET, 1993; GARCIA et al., 2003b; ALBERTI et al., 2009; GARCIA; NORRBOM, 2011) e maracujazeiro (ALBERTI et al., 2009).

Na safra 2009/2010, os primeiros adultos foram capturados no início de dezembro de 2009, e o pico populacional foi verificado em fevereiro de 2010 (índice MAD = 0,68). Em março de 2010, os frutos de todos os genótipos de macieira já haviam sido colhidos, mas as moscas continuaram sendo capturadas até o fim de abril. De maio a outubro, não foram capturados adultos de moscas-das-frutas nas armadilhas; eles voltaram a ser registrados no início de novembro de 2010. Na safra 2010/2011, o pico populacional também foi constatado em fevereiro (índice MAD = 3,0), e as capturas cessaram no começo de abril do mesmo período. Somente no início de dezembro de 2011 houve nova captura de adultos. Na safra 2011/2012, o pico populacional ocorreu no mês de janeiro de 2012 (índice MAD = 5,0), e em março se registraram as últimas moscas em armadilhas (Fig.1). Os picos populacionais de A. fraterculus em janeiro e fevereiro observados neste trabalho foram semelhantes aos obtidos por BRANCO et al. (1999) em Caçador. Esses autores atribuíram a maior ocorrência de insetos nessa época à migração de adultos de hospedeiros silvestres localizados em áreas de mata, atraídos pelos frutos das cultivares precoces de macieira Pome 3, Duquesa e Sansa, que já se encontravam próximos da maturação.

Figura 1: Média acumulada registrada na quinzena anterior a cada data de amostragem de mosca-das-frutas: temperaturas máxima, média e mínima (A); precipitação pluviométrica acumulada e umidade relativa do ar (B); e flutuação populacional de Anastrepha fraterculus (C) de outubro de 2009 a abril de 2012 (Caçador, Santa Catarina). 

Nas três safras, as maiores capturas de A. fraterculus ocorreram em janeiro ou fevereiro, quando as temperaturas oscilaram entre 17º e 27ºC (Fig. 1A) e a umidade relativa do ar estava acima de 80% (Fig. 1B), coincidindo com o início da maturação dos genótipos precoces. A faixa ótima para o desenvolvimento de A. fraterculus está entre 15,3º e 26,8ºC, ocorrendo aumento populacional em razão da qualidade e da abundância de hospedeiros (MACHADO et al., 1995; SALLES, 2000).

Neste estudo, a maior densidade de A. fraterculus em janeiro ou fevereiro (Fig. 1C), pode estar relacionada ao início da maturação dos genótipos precoces Royal Gala, M-2/01 e Monalisa e dos intermediários M-9/00 e M-11/00, sendo corroborado por NORA et al. (2000), que associaram a alta incidência de A. fraterculus em macieiras, em Caçador, à maturação dos cultivares Gala e Fuji. Pesquisas realizadas na região oeste de Santa Catarina mostraram que a maior incidência de A. fraterculus também ocorreu na época de maturação dos frutos em pessegueiros (GARCIA et al., 2003a) e laranjeiras (GARCIA; LARA, 2006). Da mesma forma, em goiabeiras, nespereiras e pessegueiros, SOUZA-FILHO et al. (2009) observaram picos populacionais de A. fraterculus durante o período de maturação dos frutos.

Somente na safra 2010/2011, observou-se correlação entre o número médio de moscas capturadas e as temperaturas máxima, média e mínima, registradas aos 7, 15 e 30 dias anteriores às amostragens (Tabela 1). A temperatura, outros fatores ecológicos e, principalmente, a disponibilidade de frutos hospedeiros são importantes na flutuação populacional de várias espécies de moscas-das-frutas, como relatado em outros estudos (KOVALESKI et al., 1999; RONCHI-TELES; SILVA, 2005; HICKEL et al., 2007; ARAUJO et al., 2008).

Tabela 1: Correlação entre o número médio de Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) e as variáveis meteorológicas, registradas aos 7, 15 e 30 dias anteriores às amostragens, no período de safra da macieira (outubro a abril) de 2009 a 2012 (Caçador, Santa Catarina). 

*Coeficiente de correlação de Pearson.

As últimas capturas de A. fraterculus em armadilhas ocorreram entre março e abril, com ausência de moscas de maio a outubro (Fig. 1C). Esses resultados corroboram os encontrados por NORA et al. (2000), em pessegueiros e macieiras na região de Caçador, os quais atribuíram esse fato à ausência de frutos nos pomares. Além disso, as temperaturas na região diminuem a partir de maio, podendo a média ficar abaixo dos 13ºC até agosto (Fig. 1A). Temperaturas inferiores a 10ºC são limitantes para o desenvolvimento de todas as fases do ciclo biológico de A. fraterculus, pois impossibilitam o amadurecimento ovariano (TAUFER et al., 2000; SALLES, 2000), podendo ser esse outro fator responsável pela ausência de moscas nas armadilhas.

No presente estudo não foram observadas diferenças significativas entre as variáveis meteorológicas nas três safras avaliadas que justificassem a maior abundância de A. fraterculus na safra 2011/2012 (Tabela 2).

Tabela 2: Valores médios diários das temperaturas mínima, média e máxima (ºC), da umidade relativa do ar (%) e da precipitação pluviométrica (mm), no período de entressafra da macieira (maio a setembro) de 2009 a 2011 (Caçador, Santa Catarina). 

*Médias na linha não diferiram significativamente entre as safras, pelos testes F1 ou Kruskal-Wallis2.

Com base nos valores de temperatura registrados no município de Caçador, onde a média anual ficou em torno de 16ºC (Fig. 1A), estimou-se o número de gerações por ano de A. fraterculus: 8,3/2009; 7,7/2010; 7,8/2011; e 8,7/2012. Considerando-se exclusivamente a temperatura, a região de Chapecó, onde a média anual é mais elevada (19ºC), teve as seguintes condições de desenvolver gerações de A. fraterculus: 11,27/1998; 10,75/1999; e 11,57/2000 (GARCIA et al., 2003a).

Há vários fatores que podem interferir na dinâmica populacional de A. fraterculus, tais como: a presença de hospedeiros alternativos nas matas do entorno; a heterogeneidade entre cultivares com ciclos fenológicos distintos; as variáveis meteorológicas; a presença/ausência de inimigos naturais. Assim, as diferenças registradas na abundância da mosca-das-frutas sul-americana entre as safras estão relacionadas à interação entre os fatores descritos.

Constatou-se que o pomar em estudo não se caracterizou como hospedeiro multiplicador de A. fraterculus, pois no período de entressafra não foi registrada captura nas armadilhas, podendo a macieira ser um hospedeiro alternativo dessa espécie, conforme reportado por SALLES (1995). Entretanto, pelo fato de as moscas-das-frutas ocasionarem injúrias em maçãs ainda imaturas (SUGAYAMA et al., 1997; SANTOS et al., 2015) e pela elevada incidência dessas espécies no período de maturação das cultivares precoces, em janeiro ou fevereiro, é recomendável que o monitoramento populacional seja iniciado logo após a floração e mantido até a colheita de todos os frutos do pomar, viabilizando, assim, a tomada de decisão de controle.

CONCLUSÕES

Em Caçador, Santa Catarina, a mosca-das-frutas sul-americana, A. fraterculus, ocorre em pomar de macieiras no período de novembro a abril, com pico populacional em janeiro ou fevereiro. Estima-se que A. fraterculus tenha condições de desenvolver aproximadamente oito gerações/ano na região.

AGRADECIMENTOS

À Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a concessão de bolsa de pós-graduação à primeira autora; e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a bolsa de produtividade à segunda autora.

REFERÊNCIAS

ALBERTI, S.; GARCIA, F.R.M.; BOGUS, G.M. Moscas-das-frutas em pomares de pessegueiro e maracujazeiro, no município de Iraceminha, Santa Catarina, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v.39, n.5, p.1565-1568, 2009. [ Links ]

ALUJA, M. Bionomics and management of Anastrepha. Annual Review of Entomology, Palo Alto, v. 39, p.155-178, 1994. [ Links ]

ALUJA, M.; ORDANO, M.; GUILLÉN, L.; RULL, J. Understanding long-term fruit fly (Diptera: Tephritidae) population dynamics: implications for area wide management. Journal of Economic Entomology, Lanham, v.105, n.3, p.823-836, 2012. [ Links ]

ARAUJO, E.L.; SILVA, R.K.B.; GUIMARÃES, J.A.; SILVA, J.G.; BITTENCOURT, M.A.L. Levantamento e flutuação populacional de moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) em goiaba Psidium guajava L., no município de Russas (CE). Caatinga, Mossoró, v.21, n.1, p.138-146, 2008. [ Links ]

BRANCO, E.S.; DENARDI, F.; VENDRAMIM, J.D.; NORA, I. Preferência para oviposição da moscas-das-frutas Anastrepha fraterculus (Wied., 1830) (Diptera: Tephritidae) em genótipos de macieira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 21, p.216-221, 1999. [ Links ]

CALORE, R.A.; GALLI, J.C.; PAZINI, W.C.; DUARTE, R.T.; GALLI, J.A. Fatores climáticos na dinâmica populacional de Anastrepha spp. (Diptera: Tephritidae) e de Scymnus spp. (Coleoptera: Coccinellidae) em um pomar experimental de goiaba (Psidium guajava L.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.35, n.1, p.67-74, 2013. [ Links ]

GARCIA, F.R.M.; CAMPOS, J.V.; CORSEIUL, E. Lista documentada das moscas-das-frutas (Diptera, Tephritidae) de Santa Catarina, Brasil. Biociências, Porto Alegre, v.10, n.1, p.139-148, 2002. [ Links ]

GARCIA, F.R.M.; CAMPOS, J.V.; CORSEIUL, E. Flutuação populacional de Anastrepha fraterculus (Wiedemann, 1830) (Diptera, Tephritidae) na região oeste de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, Curitiba, v.47, n.3, p.415-420, 2003a. [ Links ]

GARCIA, F.R.M.; CAMPOS, J.V.; CORSEIUL, E. Análise faunística de espécies de mosca-das-frutas (Diptera, Tephritidae) na região oeste de Santa Catarina. Neotropical Entomology, Londrina, v.32, n.3, p.421-426, 2003b. [ Links ]

GARCIA, F.R.M.; LARA, D.B. de. Análise faunística e flutuação populacional de mosca-das-frutas (Diptera, Tephritidae) em pomar cítrico no município de Dionísio Cerqueira, Santa Catarina. Biotemas, Florianópolis, v.19, n.3, p.65-70, 2006. [ Links ]

GARCIA, F.R.M.; NORRBOM, A.L. Tephritoid flies (Diptera, Tephritoidea) and their plant hosts from state of Santa Catarina in Southern Brazil. Florida Entomologist, v.94, n.2, p.151-157, 2011. [ Links ]

HICKEL, E.R.; DUCROQUET, J.P.H.J. Flutuação populacional de espécies de Anastrepha (Diptera: Tephritidae) relacionada com a fenologia de frutificação de pêssego e ameixa em Santa Catarina. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v.22, n.3, p.591-596, 1993. [ Links ]

HICKEL, E.R.; DUCROQUET, J.P.H.J. Ocorrência de mosca-das-frutas Anastrepha fraterculus (Wied.) em frutas de goiabeira-serrana. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v.23, n.2, p.311-315, 1994. [ Links ]

HICKEL, E.R.; HICKEL, G.R.; VILELA, E.F.; SOUZA, O.F.F. de; MIRAMONTES, O. Por que as populações flutuam erraticamente? Tantos e tão poucos... e suas implicações no manejo integrado de pragas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v.6, n.2, p.149-161, 2007. [ Links ]

KOVALESKI, A.; SUGAYAMA, R.L.; MALAVASI, A. Movement of Anastrepha fraterculus from native breeding sites into apple orchards in Southern Brazil. Entomologia Experimentalis et Applicata, Dordrecht, v.91, p.457-463, 1999. [ Links ]

MACHADO, A.E.; SALLES, L.A.B.; LOECK, A.E. Exigências térmicas de Anastrepha fraterculus (Wied.) e estimativa do número de gerações anuais em Pelotas, RS. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v.24, n.3, p.573-578, 1995. [ Links ]

MENEZES-NETTO, A.C.; ARIOLI, C.J.; NAVA, D.E.; SANTOS, J.P.; ROSA, J.M.; BOTTON, M. Combate às moscas-das-frutas em pomares domésticos. Florianópolis: Epagri, 2016. 20p. (Epagri. Boletim Didático, 133). [ Links ]

NAVA, D.E.; BOTTON, M. Bioecologia e controle de Anastrepha fraterculus e Ceratitis capitata em pessegueiro. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2010. 29p. (Documento 315). [ Links ]

NORA, I.; HICKEL, E.R.; PRANDO, H.F. Moscas-das-frutas nos estados brasileiros: Santa Catarina. In: MALAVASI, A.; ZUCCHI, R.A. (Eds.). Moscas-das-frutas de importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado. Ribeirão Preto: Holos, 2000. cap.40, p.271-276. [ Links ]

RONCHI-TELES, B.; SILVA, N.M. Flutuação populacional de espécies de Anastrepha Schiner (Diptera: Tephritidae) na região de Manaus, AM. Neotropical Entomology, Londrina, v.34, n.5, p.733-741, 2005. [ Links ]

SALLES, L.A.B. Bioecologia e controle da mosca-das-frutas sul-americana. Pelotas: Embrapa-CPACT, 1995. 58p. [ Links ]

SALLES, L.A.B. Biologia e ciclo de vida de Anastrepha fraterculus (Wied.). In: MALAVASI, A.; ZUCCHI, R.A. (Eds). Moscas-das-frutas de importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado. Ribeirão Preto: Holos , 2000. cap.8, p.81-86. [ Links ]

SANTOS, J.P.; WAMSER, A.F. Efeito do ensacamento de frutos sobre danos causados por fatores bióticos e abióticos em pomar orgânico de macieira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.28, n.2, p.168-171, 2006. [ Links ]

SANTOS, J.P.; REDAELLI, L.R.; SANT’ANA, J.; HICKEL, E.R. Suscetibilidade de genótipos de macieira a Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) em diferentes condições de infestação. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.37, n.1, p.77-83, 2015. [ Links ]

SOUZA-FILHO, M.F.; RAGA, A.; AZEVEDO-FILHO, J.A.; STRIKIS, P.C.; GUIMARÃES, J.A.; ZUCCHI, R.A. Diversity and seasonality of fruit flies (Diptera: Tephritidae and Lonchaeidae) and their parasitoids (Hymenoptera: Braconidae and Figitidae) in orchards of guava, loquat and peach. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v.69, n.1, p.31-40, 2009. [ Links ]

SUGAYAMA, R.L.; BRANCO, E.S.; MALAVASI, A.; KOVALESKI, A.; NORA, I. Oviposition behavior of Anastrepha fraterculus in apple and diel pattern of activities in an apple orchard in Brazil. Entomologia Experimentalis et Applicata, Dordrecht, v.83, p.239-245, 1997. [ Links ]

TAUFER, M.; NASCIMENTO, J.C.; CRUZ, I.B.M.; OLIVEIRA, A.K. Efeito da temperatura na maturação ovariana e longevidade de Anastrepha fraterculus (Wied) (Diptera: Tephritidae). Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v.29, n.4, p.639-648, 2000. [ Links ]

ZUCCHI, R.A. Taxonomia. In: MALAVASI, A.; ZUCCHI, R.A. (Eds.). Moscas-das-frutas de importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado. Ribeirão Preto: Holos , 2000. cap.1, p.13-24. [ Links ]

ZUCCHI, R.A. Fruit flies in Brazil: Anastrepha species and their hosts plants, and parasitoids, 2008. Disponível em: <Disponível em: http://www.lea.esalq.usp.br/anastrepha >. Acesso em: 10 maio 2015. [ Links ]

Received: June 12, 2015; Accepted: October 06, 2016

*Autor correspondente: janapereira@epagri.sc.gov.br

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons