SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.76 issue1Partial reconstruction of the external ear after a trauma: simple and efficient techniques author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Print version ISSN 1808-8694

Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) vol.76 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2010

https://doi.org/10.1590/S1808-86942010000100001 

EDITORIAL

 

Triagem auditiva neonatal

 

 


Palavras-chave: perda auditiva, testes auditivos, triagem auditiva neonatal.


 

 

Caro colega,

Nos últimos anos, nota-se em todos os setores da sociedade e da saúde pública, especial atenção ao deficiente. Políticas de diagnóstico precoce, de tratamento, de reabilitação e de prevenção, têm envolvido legisladores, administradores, profissionais da saúde multidisciplinares, com a finalidade de minimizar ao máximo os efeitos muitas vezes devastadores das diversas deficiências.

O desenvolvimento auditivo segue etapas graduais de complexidade tendo início já na vida intra-uterina. Assim, para que uma criança adquira a linguagem e desenvolva sua fala, deve ser capaz de detectar sons, localizá-los, discriminá-los, memorizá-los, reconhecê-los e finalmente compreendê-los. Quaisquer dessas etapas, especialmente as iniciais, são de grande importância para que todo o processo se complete. Sua interrupção levará a prejuízos funcionais importantes no desenvolvimento da criança. Sendo assim, medidas devem ser tomadas o mais rapidamente possível, para que as dificuldades decorrentes de uma privação sensorial possam ser minimizadas.

Nos países desenvolvidos, a deficiência auditiva sensorioneural acomete um em cada 1.000 recém nascidos, sendo que 40% dos casos podem ser devido a fatores hereditários, 30% às diversas etiologias adquiridas e 20% ainda apresentam etiologia desconhecida. O Sistema Nervoso Central apresenta grande plasticidade, quando precocemente estimulado, principalmente até os 12 meses de idade, permitindo o aumento de conexões nervosas e possibilitando melhores resultados na reabilitação auditiva e desenvolvimento de linguagem de crianças acometidas pela deficiência auditiva. Os seis primeiros meses de vida são decisivos para o seu desenvolvimento futuro, e por essas razões otorrinolaringologistas, fonoaudiólogos e pediatras têm se preocupado com a promoção de campanhas de conscientização da população e dos profissionais da saúde sobre a importância da identificação e diagnóstico precoce da deficiência auditiva, seguido imediatamente de medidas de intervenção médica e fonoaudiológica.

Devido ao aumento de unidades hospitalares que vêm implantando Programas de Triagem Auditiva Neonatal Universal (TANU) e devido também a aprovação de projetos de leis municipais e estaduais, decidiu-se elaborar um parecer sobre a TANU, de forma a nortear as ações dos profissionais envolvidos.

O Comitê Multiprofissional em Saúde Auditiva (COMUSA), criado em 2007, é um comitê que agrega áreas de estudo e atuação da Fonoaudiologia, Otologia, Otorrinolaringologia e Pediatria. Tem como objetivo discutir e referendar ações voltadas à saúde auditiva de recém-nascidos, lactentes, pré-escolares, escolares, adolescentes, adultos e idosos. Durante dois anos discutimos, estudamos e elaboramos um texto inicialmente voltado a TAN. Fazem parte do COMUSA representantes da Academia Brasileira de Audiologia (ABA), Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL), Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa), Sociedade Brasileira de Otologia (SBO) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) que assinam este documento e que apresentamos neste número da nossa revista.

Espero que a leitura deste texto possa colaborar para minimizar e prevenir os efeitos da deficiência auditiva das crianças e envolver o maior número possível de otorrinolaringologistas nesses programas.

Boa leitura!

 

Prof. Dr. Silvio Antonio Monteiro Marone
Prof. Titular de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas (S. P.)
Prof. Doutor de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da USP

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License