SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.76 número2Potenciais evocados auditivos tardios em indivíduos com queixa de zumbidoAdenose policística esclerosante de glândula salivar menor: relato de caso índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

versão impressa ISSN 1808-8694

Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) vol.76 no.2 São Paulo mar./abr. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942010000200020 

RELATO DE CASO

 

Tumor miofibroblástico inflamatório: caso raro em laringe

 

 

Flavio CarlosI; Mirelle Limp Boa VidaII; Bruno Bernardo DuarteIII; Flavio Akira SakaeIV; Silvio Antonio Monteiro MaroneV

IMédico Residente do Serviço de ORL da PUC de Campinas. Departamento de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas
IIMédica Residente do Serviço de ORL da PUC de Campinas. Departamento de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas
IIIMédico Colaborador do Serviço de ORL da PUC de Campinas. Departamento de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas
IVMédico assistente do Serviço de ORL da PUC de Campinas Doutorando em ORL pela FMUSP. Departamento de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas
VProf. Titular do Serviço de ORL da PUC de Campinas. Departamento de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas

Endereço para correspondência

 

 


Palavras-chave: laringe, tumor.


 

 

INTRODUÇÃO

O tumor miofibroblástico inflamatório (TMI) é mais comumente encontrado nos pulmões1,2. Na região da cabeça e pescoço, os seios paranasais e a órbita são as áreas mais acometidas, sendo a apresentação na laringe extremamente rara com aproximadamente 15 casos descritos na literatura. Relataremos os aspectos clínicos de um caso de TMI laríngeo do Serviço de Otorrinolaringologia de um Hospital Universitário.

 

APRESENTAÇÃO DE CASO

Uma paciente do sexo feminino, 71 anos, procedente de Campinas, aposentada, compareceu ao ambulatório com queixa de disfonia persistente há dois anos. Negava dispneia ou disfagia. Tinha antecedentes de abuso vocal, refluxo gastroesofágico e tabagismo por 30 anos que havia parado há 12 anos. Negava etilismo e realizou radioterapia para neoplasia tireoidiana há 22 anos, segundo informação colhida. A endoscopia laríngea revelou uma lesão nos dois terços anteriores da prega vocal esquerda, com aspecto granulomatoso, ocupando quase toda glote (Figura 1), com pregas vocais móveis. As hipóteses diagnósticas foram pólipo vocal, papiloma, granuloma e carcinoma espinocelular, optando-se por microcirurgia laríngea. A lesão tinha consistência endurecida, sem planos de clivagem com a borda livre da prega vocal, porém restrita ao espaço de Reinke. Foi realizada completa exérese da lesão. O resultado do exame anatomopatológico foi de tumor miofibroblástico inflamatório, com imunoistoquímica positiva para vimentina e actina de músculo liso e negativa para pancitoqueratinas e antígeno de membrana epitelial. Os exames de tomografia cervical e raio-X de tórax revelaram-se normais e a endoscopia laríngea após 1 ano de cirurgia não revelou recidiva da lesão. Houve melhora significativa da disfonia.

 

 

DISCUSSÃO

Na laringe, o comportamento do TMI parece ser mais indolente, com prognóstico indeterminado devido à raridade da lesão. Wenig et al.3, estudando 8 casos de TMI laríngeo, descreveram recorrência em apenas um caso. Os autores consideram o TMI laríngeo uma lesão não-metastatizante que raramente pode recorrer localmente ou multifocalmente.

A etiologia é incerta, alguns fatores como trauma1, associação com o vírus Epstein-Barr4 e a translocação cromossomial (2p23) e do gene ALK2 têm sido apontados como possíveis causas. Em nosso caso a exposição à radioterapia da paciente pode estar relacionada ao surgimento do tumor.

Guilemany et al.2 relatam ocorrência de 11 casos em adultos com idade entre 19 a 74 anos (8 masculinos e 3 feminino ). Em crianças4,5 são relatados 4 casos com idade entre 5 a 11 anos (3 masculinos e 1 feminino).

A apresentação clínica varia desde disfonia, estridor até insuficiência respiratória. Guilemany et al.2 descrevem o primeiro caso na laringe com manifestações sistêmicas como febre, anemia, trombocitose e alteração do sedimento eritrocitário. Em outro caso descrito1, a paciente apresentou miosite ossificante.

Na laringe acomete principalmente a glote, revelando uma massa com aspecto polipoide, pedunculada e com superfície irregular. Os diagnósticos diferenciais incluem pólipo vocal, papiloma laríngeo, granuloma e tumores malignos.

Histologicamente, o TMI é formado por um componente de células fusiformes, com fibroblastos e miofibroblastos, infiltrado linfocítico e de plasmócito. Histologicamente deve ser diferenciado de carcinoma de células fusiformes, histiocitoma fibroso, fibrossarcoma, fasceíte nodular, tumor miogênico, miofibroblastoma, fibromatose e fibrossarcoma infantil congênito.

O diagnóstico definitivo é realizado pela imunoistoquímica, que é positiva para vimentina em 89-99% dos casos, músculo-liso específico em 89% e actina de músculo liso em 92%2.

O tratamento cirúrgico com biópsia excisional da lesão parece ser a melhor abordagem. Guilemany et al.2 em uma revisão de literatura encontrou um caso que foi realizado cordectomia seguido de radioterapia e posterior laringectomia total. A radioterapia pode ser usada em lesões persistentes5.

Em nosso caso a biópsia excisional da lesão apresentou ótimo resultado funcional pela boa preservação da voz e o acompanhamento clínico de 1 ano não revelou recidiva da lesão.

 

COMENTÁRIOS FINAIS

Foi descrito um caso raro de tumor miofibroblástico inflamatório na laringe com resultados funcionais satisfatórios após biopsia excisional da lesão.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Alaani A, Hogg H, Warfield AT et al.. Air bag injury as a cause of inflammatory myofibroblastic pseudotumour of the subglottic larynx progressing to myositis ossificans. Acta Otolaryngol. 2005;125(6):674-7.         [ Links ]

2. Guilemany JM, Alos L, Alobid I, Bernal-Sprekelsen M, Cardesa A. Inflammatory myofibroblastic tumor in the larynx: clinicopathologic features and histogenesis. Acta Otolaryngol. 2005;125(2):215-9.         [ Links ]

3. Wenig BM, Devaney K, Bisceglia M. Inflammatory myofibroblasyic tumor of the larynx. A clinicopathologic study of eight cases simulating a malignant spindle cell neoplasm. Cancer. 1995;76 (11): 2217-29.         [ Links ]

4. Rodrigues M, Taylor RJ, Sun CC, Wolf JS. Inflammatory myofibroblastic tumor of the larynx in a 2-year-old male. ORL J Otorhinolaryngol Relat Spec. 2005;67(2):101-5.         [ Links ]

5. Sclafani AP, Kimmelman CP, McCormick SA. Inflammatory pseudotumor of the larynx: comparison with orbital inflammatory pseudotumor with clinical implications. Otolaryngol Head Neck Surg. 1993;109(3 Pt 1):548-51        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Flavio Akira Sakae
Rua Nanuque 432 apto. 102
05302-031. Vila Leopoldina SP

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da BJORL em 30 de julho de 2007. cod. 4691
Artigo aceito em 3 de setembro de 2007.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons