SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.79 issue3Audiometric evaluation after stapedotomy with Fisch titanium prosthesisThe effects of hyperbaric oxygen therapy upon ototoxic injuries produced by amikacin in guinea pigs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • text in English
  • English (pdf) | Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Print version ISSN 1808-8694

Braz. j. otorhinolaryngol. vol.79 no.3 São Paulo May/June 2013

http://dx.doi.org/10.5935/1808-8694.20130059 

ORIGINAL ARTICLE

 

Influência dos contrastes de fala nos potenciais evocados auditivos corticais

 

 

Kátia de Freitas AlvarengaI; Leticia Cristina VicenteII; Raquel Caroline Ferreira LopesII; Rubem Abrão da SilvaIII; Marcos Roberto BanharaIV; Andréa Cintra LopesV; Lilian Cássia Bornia Jacob-CortelettiV

IProfessora Doutora Associada da Universidade de São Paulo (Professora Associada do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, campos Bauru, Brasil)
IIFonoaudióloga (Mestranda em Ciências dos Processos e Distúrbios da Comunicação pela Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, campus Bauru, Brasil)
IIIFonoaudiólogo Especialista em Saúde da Família (Especialista em Saúde da Família e Comunidade pela Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil)
IVProfessor Doutor (Fonoaudiólogo do Programa de Implante Coclear e de Fissura Lábio-palatina do Hospital Santo Antônio - Obras sociais Irmã Dulce, Salvador, Bahia, Brasil)
VProfessora Doutora Associada da Universidade de São Paulo (Professora Associada do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, campos Bauru, Brasil)

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Estudos voltados aos potenciais evocados auditivos com estímulos de fala em indivíduos ouvintes são importantes para compreender como a complexidade do estímulo influencia nas características do potencial cognitivo auditivo gerado.
OBJETIVO: Caracterizar o potencial evocado auditivo cortical e o potencial cognitivo auditivo P3 com estímulos de contrastes vocálico e consonantal em indivíduos com audição normal.
MÉTODO: Participaram deste estudo 31 indivíduos sem alterações auditivas, neurológicas e de linguagem na faixa etária de 7 a 30 anos. Os potenciais evocados auditivos corticais e cognitivo auditivo P3 foram registrados nos canais ativos Fz e Cz utilizando-se os contrastes de fala consonantal (/ba/-/da/) e vocálico (/i/-/a/). Desenho: Estudo de coorte, transversal e prospectivo.
RESULTADOS: Houve diferença entre o contraste de fala utilizado e as latências dos componentes N2 (p = 0,00) e P3 (p = 0,00), assim como entre o canal ativo considerado (Fz/Cz) e os valores de latência e amplitude de P3. Estas diferenças não ocorreram para os componentes exógenos N1 e P2.
CONCLUSÃO: O contraste do estímulo de fala, vocálico ou consonantal, deve ser considerado na análise do potencial evocado cortical, componente N2, e do potencial cognitivo auditivo P3.

Palavras-chave: audiologia; eletrofisiologia; potenciais evocados auditivos; potencial evocado P300; vias auditivas.


 

 

INTRODUÇÃO

A pesquisa do potencial evocado auditivo cognitivo P3 permite avaliar a atividade neurofisiológica de processos que ocorrem no córtex cerebral relacionados com a cognição, como a memória e a atenção auditiva1. Por se tratar de um método objetivo, a sua aplicabilidade clínica tem sido demonstrada em diferentes quadros neurológicos e mentais, alterações auditivas, de linguagem e aprendizagem, entre outros2-6.

No paradigma oddball, são utilizados dois estímulos auditivos, um raro e outro frequente, que apresentam um contraste entre si, construído a partir da dimensão de frequência, intensidade, significado ou categoria. Com a utilização de dois canais de registro, é possível observar para o estímulo frequente, os potenciais corticais N1, P2 e N2 e, para o estímulo raro, o componente P3. O número utilizado para denominar estes componentes refere-se à ordem de ocorrência em que os potenciais são registrados, e as letras para caracterizar picos positivos (P) e negativos (N). Importante ressaltar que o P3 é considerado um potencial cognitivo, diferente dos demais, pois corresponde à atividade elétrica que ocorre no sistema auditivo quando há a discriminação do estímulo raro entre os frequentes.

Estudos caracterizaram o componente P3 quanto à latência e amplitude ao ser evocado por tons puros, em indivíduos ouvintes. No entanto, o processamento do sinal acústico ocorre de forma diferenciada entre sons verbais e não verbais7-10, sendo difícil generalizar a informação do processamento auditivo de um estímulo simples para um estímulo mais complexo, como a fala11.

O potencial evocado auditivo cognitivo P3 gerado por estímulo de fala tem sido utilizado para fornecer informações do processamento do sinal de fala em situações em que a avaliação comportamental não é um método preciso, além de auxiliar na identificação de alterações na detecção ou discriminação, informação esta que pode direcionar a reabilitação terapêutica de um indivíduo12.

Assim, estudos voltados aos potenciais evocados auditivos com estímulos de fala são importantes para compreender como a complexidade do estímulo influencia nas características do potencial gerado, como a latência e amplitude. A Tabela 1 apresenta os valores de latência dos componentes dos potenciais evocados auditivos corticais e cognitivo auditivo P3, assim como valores de amplitude deste, evocados por estímulo de fala (sílabas) em adultos com audição normal.

O objetivo deste trabalho foi caracterizar os potenciais evocados auditivos corticais e o cognitivo auditivo P3 com estímulo de fala com contrastes vocálico e consonantal em indivíduos com audição normal.

 

MÉTODO

Trata-se de um estudo de coorte transversal e prospectivo realizado com aprovação do Comitê de Ética, processo nº 069/2003. Todos os indivíduos avaliados ou seus responsáveis assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido anteriormente à realização do exame.

Foram avaliados 31 indivíduos com audição normal e sem histórico de risco para alterações auditivas, neurológicas e de linguagem na faixa etária de 7 a 30 anos, sendo 13 do gênero feminino e 18 do masculino.

A ausência da perda auditiva foi evidenciada pelo limiar auditivo < 25 dBNA na audiometria tonal liminar, escores 92% para vocábulos monossílabos na pesquisa do índice de reconhecimento de fala (IRF), curva timpanométrica tipo A e presença de reflexos acústicos entre 70 e 90 dBNS. Foram utilizados o audiômetro Madsen®, modelo Midmate 622 com fones TDH-39, calibrado no padrão ANSI-69, e o imitanciômetro Interacustic®, modelo AZ7.

Durante o exame, os indivíduos permaneceram deitados em uma maca em posição dorsal e foram orientados a manter o olhar o mais fixo possível para redução do artefato causado pela movimentação ocular. Ao discriminar o estímulo raro entre os frequentes, os indivíduos foram instruídos a realizar um ato motor simples (levantar a mão).

O registro simultâneo dos complexos N1/P2 e N2/ P3 nos canais Fz e Cz foi considerado como critério para definir a presença dos potenciais evocados auditivos corticais e do cognitivo auditivo P3. O equipamento Biologic's Evoked Potential System® (EP) foi utilizado com os parâmetros descritos na Tabela 2.

 

 

A amostra de fala foi desenvolvida em uma sala acusticamente tratada de um laboratório. As emissões foram gravadas por meio de microfone unidirecional, diretamente na placa de computador, pelo programa livre Praat® (www.praat.org), com amostragem de 22 kHz. Solicitou-se que o locutor (homem, 22 anos de idade com qualidade vocal fluida) realizasse as emissões naturalmente. Inicialmente, trabalhou-se no contraste por meio do ponto de articulação /ba/-/da/. Pela definição espectral e disposição temporal, o /ba/ configurou-se como o estímulo frequente e o /da/ como o raro. As sílabas [ba] e [da] foram extraídas da emissão das palavras [ba'ba] e [da'da], respectivamente, sendo correspondentes à segunda sílaba. A partir da sílaba isolada, verificaram-se os valores de F1, F2 e F3 em sua porção inicial e estável. Com os valores das larguras de banda da região estável das frequências formantes, compilou-se um script no Praat® (versão 4.2.31) e uma ressíntese de cada sílaba foi realizada. O tempo de duração das sílabas [ba] e [da] é de 180 ms. O contraste vocálico /i/-/a/ foi determinado pelas frequências dos formantes F1 e F2 e por uma extensão menor de F3. As vogais [a] e [i] foram extraídas da emissão isolada das sílabas [pa] e [pi], respectivamente. Em cada sílaba da região da vogal, coletaram-se dois ciclos glotais com estabilidade espectral e, em Matlab® (versão 6.0.0.88), replicou-se estes ciclos de forma a corresponderem a uma emissão vocálica de 150 ms. As vogais foram sintetizadas no Praat com script semelhante ao descrito anteriormente para as sílabas. Os estímulos linguísticos produzidos, previamente manipulados e gravados em CD pelo laboratório, foram digitalizados e inseridos na unidade C: do computador conectado ao software do Biologic's Evoked Potential System® (EP). A ordem e o nível de apresentação do estímulo foram manipulados randomicamente pelo referido software.

Para a avaliação dos resultados, considerou-se a latência absoluta dos potenciais evocados auditivos corticais, componentes N1, P2 e N2, e cognitivo auditivo P3, assim como a amplitude do componente P3, obtidas nos canais Fz e Cz.

O estudo da comparação das médias entre os fatores tipo de canal e estímulo e as variáveis (amplitude e latência) foi realizado utilizando-se um modelo de análise de variância com medidas repetidas com dois fatores, ANOVA.

 

RESULTADOS

A Figura 1 exemplifica o registro obtido na pesquisa do potencial evocado auditivo cortical e do potencial cognitivo auditivo P3 nos canais Fz e Cz.

 

 

Ao analisar a ocorrência dos registros dos componentes N1, P2, N2 e P3 considerando a divisão da casuística nas faixas etárias: 7-10 anos; 11-20 anos; 21-30 anos, pode-se observar a influência da faixa etária no registro dos componentes N1 e P2 (Tabela 3).

 

 

A análise descritiva (média, desvio padrão, valor máximo e valor mínimo) da latência dos componentes N1, P2, N2 e P3 e amplitude do componente P3, registrados nos canais Fz e Cz, para todos os indivíduos, está descrita na Tabela 4.

A análise da associação entre as latências dos componentes N1, P2, N2 e P3 e amplitude do componente P3 com o tipo de canal e o estímulo utilizado não apresentou diferença para os valores de latência dos componentes N1 e P2. Por outro lado, o estímulo utilizado influenciou nos valores de latência de N2 e P3. Também houve diferença entre os canais ativos (Fz e Cz) considerados no registro do componente P3 (Tabela 5).

As comparações Post-Hoc de Tukey considerando o tipo de estímulo (consoante-vogal) para a latência dos componentes N2 e P3 e considerando o tipo de canal (Fz-Cz) para a amplitude e latência do componente P3 estão descritos na Tabela 6.

 

DISCUSSÃO

No presente estudo, foi possível obter os registros dos potenciais evocados auditivos corticais e cognitivo auditivo P3 com estímulo de fala com boa reprodutibilidade e morfologia, demonstrando ser um procedimento viável para ser aplicado na prática clínica (Figura 1).

Analisando a ocorrência de registro dos componentes exógenos N1 e P2, foi possível constatar que a presença dos mesmos aumentou de acordo com a faixa etária. O componente N1 praticamente não foi registrado na faixa etária entre 7-10 anos, corroborando com a literatura em que, dependendo das características de apresentação do estímulo, seu registro pode ser observado somente aos 16 anos de idade, aproximadamente19. Considerando que o componente P2 também é influenciado pela faixa etária20, estes dados demonstraram o processo maturacional das estruturas envolvidas no aparecimento do potencial evocado auditivo cortical.

No entanto, a faixa etária não influenciou na ocorrência dos registros dos componentes N2 e P3, os quais são identificados com mais frequência do que os componentes N1 e P2 em crianças21. A variável gênero não foi analisada, porque em estudo anterior por nós realizado demonstrou-se que não há diferença significante entre o sexo feminino e masculino, quando analisado o potencial cognitivo auditivo P322.

Na pesquisa dos potenciais evocados auditivos corticais, constatou-se que as latências dos componentes exógenos N1 e P2 não apresentaram diferença significante quando considerado o canal Fz/Cz e o tipo de estímulo utilizado (/a/-/i/; /ba/-/da/). Contudo, para o potencial cognitivo auditivo P3, o canal foi um fator que influenciou em sua latência e amplitude, conforme constatado por outros estudos22,23. Da mesma forma, o tipo de estímulo utilizado foi uma variável importante na obtenção dos componentes N2 e P3.

O registro do componente N2 parece estar relacionado com o processamento de identificação e atenção ao estímulo raro, com correlação positiva entre o valor de sua latência e o nível de dificuldade da tarefa de discriminação24. No presente estudo, houve influência do estímulo de fala no componente N2, com valores de latência maiores para o contraste consonantal, sugerindo que o grau de dificuldade na discriminação deste contraste é maior do que no contraste vocálico. Semelhante achado foi observado para a latência do componente P3. Este efeito também foi descrito previamente ao comparar estímulos verbais com não verbais e em situações de difícil discriminação14,17,18,25, reforçando a hipótese desta tarefa apresentar maior grau de dificuldade26.

No entanto, este achado também pode ser explicado pelas evidências de que consoantes e vogais são processadas de forma distinta pelo sistema auditivo central. Um estudo recente realizado em ratos27 comparando respostas comportamentais de discriminação de consoantes e vogais com o registro neural no colículo inferior e córtex auditivo primário sugeriu que consoantes e vogais têm diferentes representações no cérebro. Em humanos, estudos também relataram diferenças na ativação de estruturas do sistema auditivo central durante a discriminação de consoantes e de vogais28,29. Portanto, o tipo de contraste de fala utilizado pode refletir de forma diferenciada na latência dos componentes N2 e P3.

Alguns estudos descreveram a diminuição da amplitude do componente P3 com o aumento do nível de dificuldade da tarefa de discriminação14,17,18,25,26. No entanto, essa correlação não foi significante no presente estudo.

Na casuística estudada, os valores de latência normais para os componentes N1, P2, N2 e P3 para o contraste vocálico e consonantal estão descritos na Tabela 4. A discussão comparativa entre os valores obtidos com resultados de estudos prévios é imprecisa porque a metodologia difere, e como demonstrado acima, parâmetros de avaliação, como tipo de estímulo utilizado, influenciam significativamente nos valores de latência dos potenciais evocados auditivos.

Considerando que diferentes estruturas neurais são ativadas durante a percepção de sons verbais e não verbais, ressalta-se a importância do uso de estímulos de fala para pesquisas futuras com os potenciais evocados auditivos corticais e auditivo cognitivo P3.

 

CONCLUSÃO

O contraste do estímulo de fala, vocálico ou consonantal, deve ser considerado na análise do componente N2 dos potenciais evocados auditivos corticais e cognitivo auditivo P3. O mesmo não foi observado para os componentes N1 e P2.

 

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo apoio concedido para a realização dessa pesquisa, sob processo número 110767/2005-5.

 

REFERÊNCIAS

1. Sousa LCA, Piza MRT, Alvarenga KF, Cóser PL. Potenciais Auditivos Evocados Corticais Relacionados a Eventos (P300). Em: Sousa LCA, Piza MRT, Alvarenga KF, Cóser PL. Eletrofisiologia da audição e emissões otoacústicas. 2ª ed. Ribeirão Preto: Novo Conceito; 2010. p.95-107.         [ Links ]

2. Ethridge LE, Hamm JP, Shapiro JR, Summerfelt AT, Keedy SK, Stevens MC, et al. Neural activations during auditory oddball processing discriminating schizophrenia and psychotic bipolar disorder. Biol Psychiatry. 2012;72(9):766-74. http://dx.doi.org/10.1016/j.biopsych.2012.03.034 PMid:22572033        [ Links ]

3. Gao Y, Raine A, Schug RA. P3 event-related potentials and childhood maltreatment in successful and unsuccessful psychopaths. Brain Cogn. 2011;77(2):176-82. http://dx.doi.org/10.1016/j.bandc.2011.06.010 PMid:21820788        [ Links ]

4. Reis AC, Iório MC. P300 in subjects with hearing loss. Pró-Fono. 2007;19(1):113-22. PMid:17461354        [ Links ]

5. Weber-Fox C, Leonard LB, Wray AH, Tomblin JB. Electrophysiological correlates of rapid auditory and linguistic processing in adolescents with specific language impairment. Brain Lang. 2010;115(3):162-81. http://dx.doi.org/10.1016/j.bandl.2010.09.001 PMid:20889197        [ Links ]

6. Wiemes GR, Kozlowski L, Mocellin M, Hamerschmidt R, Schuch LH. Cognitive evoked potentials and central auditory processing in children with reading and writing disorders. Braz J Otorhinolaryngol. 2012;78(3):91-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942012000300016 PMid:22714853        [ Links ]

7. Uppenkamp S, Johnsrude IS, Norris D, Marslen-Wilson W, Patterson RD. Locating the initial stages of speech-sound processing in human temporal cortex. Neuroimage. 2006;31(3):1284-96. http://dx.doi. org/10.1016/j.neuroimage.2006.01.004 PMid:16504540        [ Links ]

8. Liebenthal E, Binder JR, Spitzer SM, Possing ET, Medler DA. Neural substrates of phonemic perception. Cereb Cortex. 2005;15(10):1621-31. http://dx.doi.org/10.1093/cercor/bhi040 PMid:15703256        [ Links ]

9. Husain FT, Fromm SJ, Pursley RH, Hosey LA, Braun AR, Horwitz B. Neural bases of categorization of simple speech and nonspeech sounds. Hum Brain Mapp. 2006;27(8):636-51. http://dx.doi.org/10.1002/ hbm.20207 PMid:16281285        [ Links ]

10. Samson F, Zeffiro TA, Toussaint A, Belin P. Stimulus complexity and categorical effects in human auditory cortex: an activation likelihood estimation meta-analysis. Front Psychol. 2010;1:241. PMid:21833294        [ Links ]

11. Henkin Y, Kileny PR, Hildesheimer M, Kishon-Rabin L. Phonetic processing in children with cochlear implants: an auditory event-related potentials study. Ear Hear. 2008;29(2):239-49. http://dx.doi.org/10.1097/AUD.0b013e3181645304 PMid:18595188        [ Links ]

12. Martin BA, Tremblay KL, Korczak P. Speech evoked potentials: from the laboratory to the clinic. Ear Hear. 2008;29(3):285-313. http://dx.doi.org/10.1097/AUD.0b013e3181662c0e PMid:18453883        [ Links ]

13. Sharma A, Kraus N, McGee TJ, Nicol TG. Developmental changes in P1 and N1 central auditory responses elicited by consonant-vowel syllables. Electroencephalogr Clin Neurophysiol. 1997;104(6):540-5. http://dx.doi.org/10.1016/S0168-5597(97)00050-6        [ Links ]

14. Tampas JW, Harkrider AW, Hedrick MS. Neurophysiological indices of speech and nonspeech stimulus processing. J Speech Lang Hear Res. 2005;48(5):1147-64. http://dx.doi.org/10.1044/1092-4388(2005/081)        [ Links ]

15. Gilley PM, Sharma A, Dorman M, Martin K. Developmental changes in refractoriness of the cortical auditory evoked potential. Clin Neurophysiol. 2005;116(3):648-57. http://dx.doi.org/10.1016/j.clinph.2004.09.009 PMid:15721079        [ Links ]

16. Garinis AC, Cone-Wesson BK. Effects of stimulus level on cortical auditory event-related potentials evoked by speech. J Am Acad Audiol. 2007;18(2):107-16. http://dx.doi.org/10.3766/jaaa.18.2.3 PMid:17402297        [ Links ]

17. Massa CG, Rabelo CM, Matas CG, Schochat E, Samelli AG. P300 with verbal and nonverbal stimuli in normal hearing adults. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(6):686-90. PMid:22183272        [ Links ]

18. Bennett KO, Billings CJ, Molis MR, Leek MR. Neural encoding and perception of speech signals in informational masking. Ear Hear. 2012;33(2):231-8. http://dx.doi.org/10.1097/AUD.0b013e31823173fd PMid:22367094        [ Links ]

19. Sussman E, Steinschneider M, Gumenyuk V, Grushko J, Lawson K. The maturation of human evoked brain potentials to sounds presented at different stimulus rates. Hear Res. 2008;236(1-2):61-79. http://dx.doi.org/10.1016/j.heares.2007.12.001 PMid:18207681        [ Links ]

20. Wunderlich JL, Cone-Wesson BK, Shepherd R. Maturation of the cortical auditory evoked potential in infants and young children. Hear Res. 2006;212(1-2):185-202. http://dx.doi.org/10.1016/j.heares.2005.11.010 PMid:16459037        [ Links ]

21. Martin L, Barajas JJ, Fernandez R, Torres E. Auditory event-related potentials in well-characterized groups of children. Electroencephalogr Clin Neurophysiol. 1988;71(5):375-81. http://dx.doi.org/10.1016/01685597(88)90040-8        [ Links ]

22. Duarte JL, Alvarenga Kde F, Banhara MR, Melo AD, Sás RM, Costa Filho OA. P300-long-latency auditory evoked potential in normal hearing subjects: simultaneous recording value in Fz and Cz. Braz J Otorhinolaryngol. 2009;75(2):231-6. PMid:19575109        [ Links ]

23. Franco GM. The cognitive potential in normal adults. Arq Neuropsiquiatr. 2001;59(2-A):198-200. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000200008 PMid:11400024        [ Links ]

24. Novak GP, Ritter W, Vaughan HG Jr, Wiznitzer ML. Differentiation of negative event-related potentials in an auditory discrimination task. Electroencephalogr Clin Neurophysiol. 1990;75(4):255-75. http://dx.doi.org/10.1016/0013-4694(90)90105-S        [ Links ]

25. Geal-Dor M, Kamenir Y, Babkoff H. Event related potentials (ERPs) and behavioral responses: comparison of tonal stimuli to speech stimuli in phonological and semantic tasks. J Basic Clin Physiol Pharmacol. 2005;16(2-3):139-55. http://dx.doi.org/10.1515/JBCPP.2005.16.2-3.139 PMid:16285466        [ Links ]

26. Beynon AJ, Snik AF, Stegeman DF, van den Broek P. Discrimination of speech sound contrasts determined with behavioral tests and event-related potentials in cochlear implant recipientes. J Am Acad Audiol. 2005;16(1):42-53. http://dx.doi.org/10.3766/jaaa.16.1.5 PMid:15715067        [ Links ]

27. Perez CA, Engineer CT, Jakkamsetti V, Carraway RS, Perry MS, Kilgard MP. Different timescales for the neural coding of consonant and vowel sounds. Cereb Cortex. 2013;23(3):670-83. http://dx.doi.org/10.1093/cercor/bhs045 PMid:22426334        [ Links ]

28. Jäncke L, Wüstenberg T, Scheich H, Heinze HJ. Phonetic perception and the temporal cortex. Neuroimage. 2002;15(4):733-46. http://dx.doi.org/10.1006/nimg.2001.1027 PMid:11906217        [ Links ]

29. Joanisse MF, Gati JS. Overlapping neural regions for processing rapid temporal cues in speech and nonspeech signals. Neuroimage. 2003;19(1):64-79. http://dx.doi.org/10.1016/S1053-8119(03)00046-6        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Kátia de Freitas Alvarenga
Al. Dr. Octávio Pinheiro Brisola, nº 9-75
Bauru - SP. Brasil. CEP: 17012-901
E-mail: katialv@fob.usp.br

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) do BJORL em 5 de outubro de 2012. cod. 10506.
Artigo aceito em 19 de janeiro de 2013.

 

 

Universidade de São Paulo.
Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), sob processo individual: 110767/2005-5.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License