SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue4Effect of low- power laser (660 nm) on regeneration of injured rat sciatic nerveMotor development comparison between infants of adolescent and adult mothers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Fisioterapia e Pesquisa

Print version ISSN 1809-2950

Fisioter. Pesqui. vol.17 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502010000400003 

PESQUISA ORIGINAL ORIGINAL RESEARCH

 

Autonomia funcional de idosas praticantes de Pilates

 

Functional autonomy of elderly women practicing Pilates

 

 

Brena Guedes de Siqueira RodriguesI; Samaria Ali CaderII; Natáli Valim Oliver Bento TorresIII; Ediléa Monteiro de OliveiraI; Estélio Henrique Martin DantasII

IFisioterapeutas Ms
IIProfs. Drs. do LABIMH/UCB
IIIProfa. Ms. da Universidade Federal do Pará, Belém, PA

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O objetivo foi avaliar o efeito do método Pilates na autonomia funcional de idosas. Foram selecionadas 52 voluntárias, submetidas à avaliação geral e ao protocolo de avaliação da autonomia funcional do Grupo Latino-Americano de Desenvolvimento para Maturidade (GDLAM), que consiste em cinco testes (caminhada de 10 m, levantar-se da posição sentada, levantar-se da cadeira e locomover-se pela casa, levantar-se da posição de decúbito ventral e vestire tirar uma camiseta); em seguida, foram divididas em dois grupos: grupo Pilates (GP, n=27; idade 66,9±5,3 anos) e grupo controle (GC, n=25; idade 65,2±3,9 anos). O GP foi submetido a uma série de dez exercícios de Pilates, por oito semanas, duas vezes por semana. Os dois grupos foram reavaliados após esse período. O nível de significância considerado foi de p?0,05. O GP obteve resultados significativamente melhores em todos os testes e no índice geral do GDLAM (p=0,035) após a intervenção. O GC obteve escore significativamente melhor (p=0,042) apenas no teste de caminhada de 10 m, tendo mantido sua classificação inicial de funcionalidade regular. Comparando-se os escores dos grupos após a intervenção, encontraram-se diferenças significativas em favor do GP, inclusive no índice GDLAM (p<0,05), tendo este passado da classificação de regular a bom. A prática do método Pilates gerou pois melhora significativa do desempenho funcional das idosas estudadas.

Descritores: Atividade motora; Idoso; Mulheres; Pilates; Técnicas de exercício e de movimento


ABSTRACT

The purpose of the study was to assess the effect of the Pilates method on elderly women's functional autonomy. Fifty-two volunteers were submitted to the evaluation protocol of the Latin-American Group for Maturity Development (GDLAM), which consists of five tests: a 10-meter walk, get up from the sitting and lying down positions, get up and walk around at home, and to put on and take off a t-shirt. They were then divided into Pilates group (PG, n=27, mean age 66.9±5.3 years) and control group (CG, n=25, mean age 65.2±3.9 years old). PG underwent a series of 10 Pilates exercises twice-weekly for eight weeks, both groups being reassessed thereafter. The level of significance was set at p?0.05. Results showed PG's better scores in all tests and at the GDLAM index (p=0.035) after the intervention; control group showed a better score ((p=0.042) only at the 10-meter walk test, thus keeping the same initial classification of "regular" functionality.. Comparison between the groups after the intervention showed significant advantages for PG, including at the GDLAM index (p<0.05), whose classification rose from "regular" to "good". It may thus be said that practice of the Pilates method significantly enhanced functional performance of the elderly women studied.

Key words: Aged; Exercise & movement techniques; Motor activity; Pilates; Women


 

 

INTRODUÇÃO

O envelhecimento consiste na degeneração progressiva dos sistemas corporais, o que afeta a capacidade de funcionamento do corpo1,2. Além dos fatores biológicos, a redução do desempenho funcional pode estar associada ao sedentarismo, ao tabagismo e à alimentação inadequada3. Esses fatores contribuem significativamente para a perda de força, flexibilidade, resistência e capacidade cardiorrespiratória, que por sua vez causam prejuízo no desempenho motor, repercutindo negativamente na autonomia funcional de idosos4.

A autonomia funcional pode ser compreendida sob os seguintes aspectos: autonomia de ação está relacionada à independência física ou capacidade de realização de tarefas do dia-a-dia; autonomia de vontade corresponde à autodeterminação individual; e a autonomia de pensamento é a que permite a tomada de decisões e julgamentos3,5. A preservação dessas capacidades exerce influência na qualidade de vida de idosos6. Neste estudo avaliou-se apenas a autonomia funcional na primeira acepção.

Estudos demonstram que a prática da atividade física, visando o reforço muscular, melhora da flexibilidade e do condicionamento aeróbico, pode oferecer efeitos positivos à autonomia funcional de sujeitos com mais de 60 anos7-9.

O método de Pilates consiste em exercícios físicos cuja característica principal é o trabalho resistido e o alongamento dinâmico, realizados em conjunto com a respiração e respeitando os seguintes princípios: controle, precisão, centralização, fluidez de movimento, concentração e respiração10,11. O método visa o reforço dos músculos localizados no centro do corpo (abdominais, paravertebrais, glúteos e músculos do assoalho pélvico), denominados pelo criador Joseph Pilates de centro de força (powerhouse)10. Ele associou o aprimoramento do desempenho motor, da estabilidade corporal e da postura ao fortalecimento e melhora da flexibilidade desses músculos12. Assim, os benefícios do método Pilates compreendem a melhora da força13, flexibilidade14, postura15,16 e de habilidades motoras17.

Como é restrito o número de estudos na área, justificam-se pesquisas que verifiquem o efeito da aplicação do método em idosos, de modo a verificar seus efeitos para prevenção e tratamento de desordens geriátricas. O objetivo deste estudo foi portanto analisar o efeito do método Pilates na autonomia funcional de idosas saudáveis.

 

METODOLOGIA

Foram selecionadas 52 participantes e distribuídas aleatoriamente em dois grupos: 25 no grupo controle (GC, com idade de 65,2±3,9 anos) e 27 no grupo Pilates (GP, com idade de 66,9±5,3 anos). As participantes, com idade entre 60 e 78 anos (66±4 anos), eram sedentárias por pelo menos seis meses antes do estudo. Todas procuraram voluntariamente a prática de Pilates em uma clínica particular (em Belém, PA).

As voluntárias atenderam aos critérios de inclusão: capacidade de realizar atividades da vida diária sem auxílio, aptidão física para a prática de Pilates e não praticar outra modalidade de atividade física durante o estudo; os critérios de exclusão foram presença de patologias que pudessem causar limitações físicas ou mentais e o uso de medicação para o tratamento de patologias osteomioarticulares.

Esta pesquisa não ofereceu riscos físicos ou psicológicos às participantes e todos os preceitos éticos foram respeitados. Todas as participantes deram seu consentimento livre e esclarecido por escrito, tendo sido o estudo aprovado pelo comitê de ética da Universidade Castelo Branco.

Procedimentos

As idosas foram submetidas a uma avaliação geral (incluindo idade e peso) e da autonomia funcional. Nas avaliações foram utilizados os equipamentos: balança adulta mecânica com capacidade de 150 kg (Instituto São Paulo, Brasil), um cronômetro com memória de 30 voltas (Oregon, tipo SL210, EUA), uma camiseta tamanho G (Hering, Brasil), dois cones de trânsito e uma cadeira sem braços (50 cm de altura).

A autonomia funcional foi avaliada pelo protocolo do GDLAM - Grupo Latino-americano de Desenvolvimento para Maturidade5, que consiste em cinco testes: caminhada de 10 m (C10m)18, levantar-se da posição sentada (LPS)19, vestir e tirar a camiseta (VTC)20, levantar-se da posição de decúbito ventral (LPDV)21 e levantar-se de uma cadeira e locomover-se pela casa (LCLC)22. O escore é atribuído pelo tempo (em segundos) que o sujeito leva para executar cada tarefa, de forma que, quanto menor o tempo, melhor o desempenho no teste. A partir dos resultados nos testes obtém-se o índice GDLAM (IG), que permite classificar o desempenho funcional em: muito bom, IG<22,66; bom, 22,66<IG<24,97; regular, 24,98<IG<27,42; e fraco, se IG for superior a 27,42 5,23.

A intervenção para o GP consistiu na prática de Pilates, usando uma bola Bobath e os aparelhos específicos do método, produzidos pelo Instituto São Paulo (SP, Brasil):

■ trapézio ou Cadillac: tablado estreito no qual são adaptadas três barras horizontais móveis e duas fixas, barra-torre com regulagem de altura, na qual são adaptadas molas, cintos de segurança e suportes para mãos e pés para a realização de exercícios nos diferentes decúbitos, posição sentada e em suspensão total ou parcial;

■ unidade de parede (wall unit): tablado de 22 cm de altura e barra-torre com regulagem de altura apoiada na parede;

reformer (sem tradução): equipamento em madeira com 70 cm de altura no qual é adaptado um carrinho em sistema de roldanas;

■ cadeira combo (combo chair): em formato de banco retangular (1,35 m de altura máxima), composto por hastes laterais com regulagem de altura e pedais com possibilidade de uso independente.

A intervenção durou oito semanas consecutivas, com freqüência mínima de duas vezes semanais. Cada sessão durou uma hora, de acordo com o protocolo usado por Kaesler et al.17.

Cada sessão foi dividida em quatro estágios: alongamento global inicial (10 minutos), incluindo a cadeia posterior (na cadeira combo) e dos músculos laterais (no reformer); fase de condicionamento geral (40 minutos); e relaxamento (10 minutos), de acordo com protocolos usados em outros estudos17,24,25. Oito exercícios compuseram a fase de condicionamento: flexão e extensão de ombros (arms up and down); abdução e adução de ombros (arms side); flexão e extensão de cotovelos (arms pull up and down); flexão e extensão de quadril (supine lower leg series); abduçãoe adução de quadril (leg series on side: up and down); flexão de joelhos com apoio de artelhos e calcanhares (footworks: toes and heels); sentar-se e levantar-se (sit ups); e levantar glúteos e tronco (gluteus and trunk raise).

Cada exercício foi executado com um máximo de dez repetições. O nível de intensidade do exercício foi controlado pelo uso das molas do método, ou seja, foram usadas molas com constante elástica predeterminada, cujos valores são certificados pelo fabricante; foram utilizadas molas de 8,3 kgf/m para os movimentos de flexão e extensão, abdução e adução de ombros e quadris; de 10 kgf/m para flexão e extensão de cotovelos; e de 29,8 kgf/m para flexão e extensão de joelhos.

Após a intervenção, as voluntárias foram reavaliadas e os testes foram comparados. O GC não foi submetido a qualquer intervenção, mas semanalmente se reunia com a pesquisadora para fins de controle.

Tratamento estatístico

Os dados se apresentaram em média, mediana, erro padrão e desvio padrão. A análise da normalidade foi feita pelo teste de Shapiro-Wilk. O método estatístico de comparação para variáveis foi o teste t de Student pareado ou o teste de Wilcoxon (intra-grupo) e Mann-Whitney (inter-grupo) Para todos os testes, foi considerado o nível alfa de 0,05 para a rejeição da hipótese nula. Foram usados os programas Microsoft Excel (2007) e o BioEstat (v.5.0) para análise dos dados.

 

RESULTADOS

A Tabela 1 apresenta os escores obtidos por ambos os grupos nos cinco testes (em segundos) e no índice GDLAM, antes e depois da intervenção. Nota-se que o GP teve redução significativa do tempo de execução de todas as tarefas, enquanto o GC só teve escore significativamente melhor no teste de caminhada de 10 m. Quanto ao índice GDLAM, o do grupo Pilates reduziu-se de 27,21 para 23,58 (p=0,03), enquanto o do grupo controle passou de 26,96 para 27,19 (p=0,304).

 

 

A comparação entre os grupos dos resultados nos testes, antes e após a intervenção, pode ser visualizada no Gráfico 1. O GP apresentou escores significativamente melhores que o GC nos testes de caminhada de 10 m (p=0,0205), levantar-se da posição sentada (p=0,016), vestir e tirar a camiseta (p=0,04), levantar-se da posição de decúbito ventral (p=0,0001) e levantar-se e locomover-se pela casa (p=0,005). Quanto aos índices GDLAM, o GP apresentou redução significativa após a intervenção (p<0,05), ao contrário do GC (Gráfico 2).

 

 

 

 

DISCUSSÃO

A capacidade de executar as atividades da vida diária depende de um processo delicado de captação e interpretação de estímulos sensoriais e de execuções motoras26, que pode ser afetado pelo envelhecimento e causar limitações no desempenho motor4,10,27. Buscando amenizar as conseqüências do processo degenerativo, estudos concluíram que a prática de atividade física regular apresenta resultados positivos de ganho funcional em idosos2,28, o que corrobora os resultados desta pesquisa.

O Pilates, como atividade física, atua promovendo o reforço do centro de força e melhora na força11, resistência29, flexibilidade14, estabilidade postural e desempenho motor30. O fortalecimento e o ganho de flexibilidade dos músculos do centro do corpo garantem a estabilização corporal durante atividades estáticas e dinâmicas, além de favorecer o equilíbrio do praticante22,31. A prática do método por senhoras saudáveis, tal como avaliada neste estudo, propiciou melhora significativa em seu desempenho funcional.

No teste de caminhar 10 metros, o grupo Pilates foi classificado como fraco no teste inicial e evoluiu para regular após a intervenção, enquanto o grupo controle manteve-se na classificação fraco em ambas as etapas. Esse teste requer um trabalho de membros inferiores, envolvendo mobilização articular, fortalecimento, equilíbrio, assim como coordenação de passadas e dissociação de cinturas, para que a marcha seja realizada adequadamente32. O grupo de idosas submetidas ao Pilates apresentou uma redução no tempo para percorrer a distância de 10 metros, o que pode ser associado à conquista da estabilidade do tronco durante a passada e melhora do equilíbrio dinâmico, de acordo com os estudos de Kaesler et al.17 e Johnson et al.33.

No teste de levantar-se da posição sentada, a classificação do GP passou de regular para bom, enquanto o GC permaneceu regular. Sabe-se que o ato de levantar-se requer fortalecimento da musculatura de membros inferiores, assim como dos músculos posturais (estabilizadores da coluna), além de flexibilidade, equilíbrio e coordenação34. O trabalho dos músculos do centro de força promove melhora da força muscular35,36, estabilização postural17,30 e melhora do equilíbrio33, necessários para o ato de se levantar-se37,38, o que explicaria os resultados aqui encontrados.

No teste LCLC, o GP evoluiu de bom para muito bom, enquanto o GC se manteve bom. Esse teste associa as habilidades necessárias aos dois anteriores, ou seja, de levantar-se da posição sentada e caminhar; como os resultados mostraram efeitos positivos da intervenção nesses outros dois testes, os resultados neste eram esperados. Nesse caso, pode-se acrescentar a importância do equilíbrio dinâmico para o ato de contornar os obstáculos. Os estudos de Hall et al.39 e Johnson et al.33 mostraram que a prática de Pilates também pode promover aprimoramento do equilíbrio dinâmico de idosos, pelo fortalecimento dos músculos do centro de força, especialmente dos estabilizadores profundos (multífido e transverso do abdome), que proporcionam estabilidade posterior para a coluna vertebral, contrapondo-se à ação da gravidade, gerando resistência para a manutenção da posição ortostática, tendo também importância na flexão e extensão de tronco17

No teste de levantar-se da posição de decúbito ventral, o GP passou de regular a bom, e o GC permaneceu como fraco. Para atingir a posição de pé, o sujeito recorre à musculatura estabilizadora da coluna, com ênfase nos paravertebrais, assim como dos membros superiores e inferiores. Ora, um dos componentes do método é o fortalecimento dos músculos estabilizadores da coluna para a execução do movimento17,35-6; além disso, ressalta-se a preocupação do método em obter mobilidade da coluna vertebral12. Dessa forma, os efeitos do método sobre a força e a mobilidade de músculos e articulações explicariam os melhores resultados do grupo Pilates na execução desse movimento.

No teste de vestir e tirar a camiseta, enquanto o GP apenas passou de fraco a regular, o GC regrediu de regular para fraco. O teste requer mobilização articular, força muscular e coordenação motora de membros superiores, além de estabilização postural. O pequeno ganho do GP poderia ser atribuído ao efeito de estabilização da postura do método17 assim como à maior mobilidade das articulações de ombros e cotovelos42. os quais estão em concordância com os encontrados por Emery et al.41.

De forma coerente com os resultados obtidos nos testes separadamente, o índice GDLAM do grupo Pilates melhorou após a intervenção, passando de 27,2 para 23,5 (p=0,035), correspondendo à passagem de regular para bom; no GC não se notaram alterações no conceito inicial de regular. Isso indica que o grupo Pilates teve uma significativa melhora na autonomia funcional, tal como encontraram Vale et al.9 e Silva et al.42, permitindo supor que as idosas estudadas alcançaram melhor desempenho na realização das atividades da vida diária22,30.

Embora os resultados da prática do método Pilates por idosas indiquem melhoras significativas, pode-se dizer que os resultados foram modestos. Pode-se atribuir tal ocorrência ao tempo de intervenção e/ou freqüência de realização das atividades. Assim, sugere-se que novos estudos sejam realizados, contemplando amostras mais amplas, com tempo de intervenção expandido e que incluam participantes do sexo masculino.

 

CONCLUSÃO

Os resultados mostram que a prática do método Pilates, tal como aplicado ao grupo de idosas saudáveis deste estudo, promoveu melhora significativa em seu desempenho funcional.

 

REFERÊNCIAS

1 Abreu FMC, Pernambuco CS, Vale RGS, Dantas EHM. Envelhecimento: atividade física para a saúde, a autonomia, o condicionamento e a qualidade de vida. In: Dantas EHM, Fernandes Filho J. Atividade física em ciências da saúde. São Paulo: Shape; 2005. p.161-83.         [ Links ]

2 Vale RGS. Avaliação da autonomia funcional do idoso Fit Perform J. 2005;4(1):4.         [ Links ]

3 Heathcote G. Autonomy, health and ageing: transnational perspectives. Health Educ Res. 2000;15(1):13-24.         [ Links ]

4 Rogatto GP, Gobbi S. Efeitos da atividade física regular sobre parâmetros antropométricos e funcionais de mulheres jovens e idosas. Rev Bras Cineantropomet Desempenho Hum. 2001;3(1):63-9.         [ Links ]

5 GDLAM - Grupo de Desenvolvimento Latino-americano para Maturidade. Discussão de estudo: conceitos de autonomia e independência para o idoso. Rio de Janeiro; 2004.         [ Links ]

6 Caldas CP. Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família. Cad Saude Publica. 2003;19(3):773-81.         [ Links ]

7 Hahn ME, Chou LS. Can motion of individual body segments identify dynamic instability in the elderly? Clin Biomech. 2003;18:737-44.         [ Links ]

8 Dias RMMM, Zogaib FG, Silva VF. Ganhos de força através de um programa de treinamento audiovisual com gerontes. Fit Perform J. 2005;4(6):324-31.         [ Links ]

9 Vale RGD, Torres JB, Martinho KO, Lopes RB, Novaes JS, Dantas EHM. Efeitos do treinamento de força na flexibilidade de mulheres idosas. Fit Perform J. 2004;3(5):266-71.         [ Links ]

10 Anderson BD, Spector A. Introduction to Pilates-based rehabilitation. Orthop Phys Ther Clin N Am. 2000;9:385-410.         [ Links ]

11 Sekendiz AB, Altuna O, Korkusuza B, Akinb S. Effects of Pilates exercise on trunk strength, endurance and flexibility in sedentary adult females. J Bodyw Mov Ther. 2007;11(4)318-26.         [ Links ]

12 Curnow D, Cobbin D, Wyndham J, Borichoy ST. Altered motor control, posture and the Pilates method of exercise prescription. J Bodyw Mov Ther. 2009;13:104-11.         [ Links ]

13 Muscolino JE, Cipriani S. Pilates and the "powerhouse". J Bodyw Mov Ther. 2004;8(1):15-24.         [ Links ]

14 Schroeder JM, Crussemeyer JA, Newton SJ. Flexibility and heart rate response to an acute Pilates reformer session. Med Sci Sports Exerc. 2002;34(5):S258.         [ Links ]

15 Segal NA, Hein J, Basford JR. The effects of Pilates training on flexibility and body composition: an observational study. Arch Phys Med Rehabil. 2004;85(12):1977-81.         [ Links ]

16 Blum CL. Chiropractic and Pilates therapy for the treatment of adult scoliosis. J Manipulative Physiol Ther. 2002;25(4):E3.         [ Links ]

17 Kaesler DS, Mellinfont RB, Swete K, Taaffe DR. A novel balance exercise program for postural stability in older adults: a pilot study. J Bodyw Mov Ther. 2007;11(1):37-43.         [ Links ]

18 Spilã S, Multanen J, Kallinen M, Era P, Suominen H. Effects of strength and endurance training on isometric muscle strength and walking speed in elderly women. Acta Physiol Scand. 1996;156:457-64.         [ Links ]

19 Guralnik M, Simonsick EM, Ferrucci L, Glynn RJ, Berkman LF, Blazer DG, et al. A short physical performance battery assessing lower-extremity function: association with self-reported disability and prediction of mortality and nursing home admission. J Gerontol. 1994;49(2):M85-M94.         [ Links ]

20 Vale RGS, Pernambuco CS, Novaes JS, Dantas EHM. Teste de autonomia funcional: vestir e tirar uma camiseta (VTC). Rev Bras Cienc Mov. 2006;14(3):71-8.         [ Links ]

21 Alexander NB, Ulbrich J, Raheja A, Channer D. Rising from the floor in older adults. Am Geriatr Soc J. 1997;45(5):564-9.         [ Links ]

22 Andreotti R, Okuma SS. Validação de uma bateria de testes de atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Rev Paul Educ Fis. 1999;13(1):46-66.         [ Links ]

23 Dantas EHM, Vale RGS, Pernambuco CS. Protocolo GDLAM de avaliação da autonomia funcional. Fit Perform J. 2004;3(3):175-83.         [ Links ]

24 Lord SR, Ward JA, Williams P. Exercise effect on dynamic stability in older women: a randomized control trial. Arch Phys Med Rehabil. 1996;77(3):232-6.         [ Links ]

25 Barnett A, Smith B, Lord SR. Community-based group exercise improves balance and reduces falls in at-risk older people: a randomized controlled trial. Age Ageing. 2003;32(4):407-14.         [ Links ]

26 Maciel ACC, Guerra RO. Prevalência e fatores associados ao deficit de equilíbrio em idosos. Rev Bras Cienc Mov. 2005;13(1):37-44.         [ Links ]

27 Reeves ND, Narici MV, Maganaris CN. Effect of resistance training on skeletal muscle-specific force in elderly humans. J Appl Physiol. 2004;96:885-92.         [ Links ]

28 Rebelatto JR, Calvo JI, Orejuela JR, Portillo JC. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Rev Bras Fisioter. 2006;10(1):127-32.         [ Links ]

29 Ferreira C, Aidar F, Novaes G, Vianna J, Carneiro A, Menezes L. O método Pilates® sobre a resistência muscular localizada em mulheres adultas. Motricidade. 2007;3(4):76-81.         [ Links ]

30 Lange C, Unnithan V, Larkam E, Latta PM. Maximizing the benefits: Pilates-inspired exercise for learning functional motor skills. J Bodyw Mov Ther. 2000;4(2):99-108.         [ Links ]

31 Gladwell V, Head S, Haggar M, Beneke R. Does a program of Pilates improve chronic non-specific low-back pain? J Sport Rehabil. 2006;15:338-50.         [ Links ]

32 Carneiro JA, Silva MS, Vieira M F. Efeitos do método Pilates e do treinamento com pesos na cinemática da marcha de mulheres obesas. Rev Bras Biomec. 2009;10(18):33-43.         [ Links ]

33 Johnson EG, Larsen A, Ozawa H, Wilson CA, Kennedy KL. The effects of Pilates-based exercises on dynamic balance in healthy adults. J Bodyw Mov Ther. 2007;11(3):238-42.         [ Links ]

34 Lira VA, Araújo CGS. Teste de sentar-levantar: estudos de fidedignidade. Rev Bras Cienc Mov. 2000;8(2):9-18.         [ Links ]

35 Petrofsky JS, Morris A, Bonacci J, Hanson A, Jorritsma, Hill J. Muscle use during exercise: a comparison of conventional weight equipment to Pilates with and without a resistive exercise device. J Appl Res. 2005;5(1):160-73.         [ Links ]

36 Kolyniak IEGG, Cavalcanti SMB, Aoka MS. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexão e extensão do tronco: efeito do método Pilates®. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(6):487-90.         [ Links ]

37 Goulart F. O movimento de passar de sentado para de pé em idosos: implicações para o treinamento funcional. Acta Fisiatr. 2003;10(3):138-43.         [ Links ]

38 Van der Heijiden MMP, Meijer K, Willems PJB, Savelberg HHCM. Muscles limiting the sit-to-stand movement: an experimental simulation of muscle weakness. Gait Posture. 2009;30(1):110-4.         [ Links ]

39 Hall DW, Nichols J, Aguilar L, Larkam E. Effects of Pilates-based-training on static and dynamic balance in an elderly population. Med Sci Sports Exerc. 1999;31(5):S388.         [ Links ]

40 Keays KS, Harris SR, Lucyshyn JM, Macintyre DL. Effects of Pilates exercises on shoulder range of motion, pain, mood, and upper-extremity function in women living with breast cancer: a pilot study. Phys Ther. 2008;88(4):494-510.         [ Links ]

41 Emery K, Serres SJ, McMillan A, Côté JN. The effects of a Pilates training program on arm-trunk posture and movement. Clin Biomech. 2010;25(2):124-30.         [ Links ]

42 Silva A, Almeida GJM, Cassolhas RC, Cohen M, Paccin MS, Tifik S, et al. Equilíbrio, coordenação e agilidade de idosos submetidos à prática de exercícios físicos resistidos. Rev Bras Med Esp. 2008;14(2):88-93.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Brena G. de S. Rodrigues
R. Mundurucus 984 ap.402 Jurunas
66025-660 Belém PA
e-mail: brenagsr@yahoo.com.br

Apresentação: Nov. 2009
Aceito para publicação: Jun. 2010

 

 

Estudo desenvolvido no LABIMH/UCB - Laboratório de Biociências da Motricidade Humana da Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, RJ, Brasil