SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número4Capacidade funcional e fatores associados em idosos longevos residentes em comunidade: estudo populacional no Nordeste do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia e Pesquisa

versão impressa ISSN 1809-2950

Fisioter. Pesqui. vol.21 no.4 São Paulo out./dez. 2014

http://dx.doi.org/10.590/1809-2950/00000124042014 

Editorial

Fibromialgia: recomendações e possibilidades

Amélia Pasqual Marques

A fibromialgia é definida como uma condição reumatológica que se caracteriza por dor crônica generalizada, hiperalgesia e alodinia, estando ainda presentes sintomas como fadiga, distúrbios do sono, rigidez matinal, cefaleia e parestesias associados a comorbidades, tais como depressão e ansiedade.

O exercício é a terapia não farmacológica recomendada como o primeiro passo de uma abordagem interdisciplinar. O exercício aeróbico, em especial, apresenta fortes evidências na melhora do bem-estar global, da capacidade física, da dor e da sensibilidade dolorosa à palpação. Fortalecimento e alongamento musculares também são benéficos, porém sem tantas evidências.

Além de tais atividades, cresce o número de fisioterapeutas que fazem uso das terapias alternativas e complementares (acupuntura, massagem, tai chi, ioga, shiatsu, entre outras) no tratamento de condições crônicas de pacientes reumáticos, entre eles os indivíduos com fibromialgia. Contudo, de um modo geral, a eficácia destas práticas ainda está sendo investigada. Portanto, a orientação, recomendação ou utilização de tais modalidades deve ser feita com cautela, tendo em vista a falta de evidências existentes até o momento. As revisões sistemáticas apontam a qualidade dos estudos como uma das grandes limitações.

Fica então a pergunta: devemos estimular os fisioterapeutas a usarem somente as modalidades que já tenham evidências, tais como os exercícios? Desestimulamos o uso das terapias alternativas e complementares ou recomendamos o profundo conhecimento destas técnicas e a realização de estudos de qualidade para verificar seus efeitos? Como pesquisadores, poderíamos pensar somente na primeira alternativa, ou seja, recomendar os exercícios. No entanto, como clínicos, devemos estimular o profundo conhecimento das modalidades de terapias alternativas e complementares e a realização de ensaios clínicos de qualidade a fim de verificar seus reais efeitos nos pacientes com fibromialgia.

Amélia Pasqual Marques Editora

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.