SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 número2AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE OPERADORES DE MOTOSSERRA NO CORTE DE EUCALIPTO EM REGIÃO MONTANHOSAAVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE COBERTURA E DE UM PROTETOR FÍSICO, NO ESTABELECIMENTO DE PLANTAS DE Pinus taeda L., POR SEMEADURA DIRETA NO CAMPO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Ciênc. Florest. vol.9 no.2 Santa Maria jul./dez. 1999

http://dx.doi.org/10.5902/19805098386 

Artigos

VARIAÇÃO AXIAL DA DENSIDADE BÁSICA DA MADEIRA DE Acacia mangium WILLD AOS SETE ANOS DE IDADE

THE BASIC AXIAL VARIATION OF SEVEN YEARS OLD Acacia mangium WILLD WOOD

Ailton Teixeira do Vale1 

Maria Aparecida Mourão Brasil2 

Ildeu Soares Martins1 

1. Professor do Departamento de Engenharia Florestal, Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, CEP: 70910-900, Caixa Postal 04357, Brasília. (DF). Brazil.

2. Professora do Departamento de Ciências Florestais, Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade de São Paulo, Caixa Postal 237, Campus de Botucatu, CEP: 18603-970, Botucatu. (SP). Brazil.


RESUMO

Tomando-se por base um povoamento de Acacia mangium com 7 anos de idade, retirou-se discos ao longo do tronco de 126 árvores para o estudo da densidade básica da espécie. A densidade básica média (DBM) encontrada foi de 0,524 ± 0,076 g/cm3. A variação axial da densidade básica (Db), explicada por um modelo quadrático (R2 = 0,83), apresentou tendência de diminuição até a metade da altura do tronco, crescendo a partir daí até o topo, sem, contudo, atingir os valores da Db da base. O modelo linear foi o que melhor explicou a relação da DBM com a Db obtida a várias posições do tronco, mostrando-se mais acentuada (R2 = 0,81) a 25% da altura do tronco. Portanto, na determinação da DBM da espécie por métodos destrutivos, pode-se utilizar amostras retiradas à 25% da altura do tronco. No entanto, para amostragens não-destrutivas, a posição de 25% pode ser uma altura elevada e a retirada da amostra, por exemplo, utilizando um trado, pode-se tornar inviável. Nesse caso, sugere-se a retirada no DAP, pois relação, nesta posição também é alta (0,78).

Palavras-chave: Acacia mangium; densidade básica média; variação axial da densidade

ABSTRACT

From a seven years old population of acacia mangium, discs were taken from the trunks of 126 trees in order to study the species’ basic density. The basic average density (DBM) found was between 0.524 + 0.076 g/cm3. The axial variation for the basic density (Db), explained according to a quadratic model (R2 = 0.83), revealed a reduction tendency of up to half of the trunk’s height, increasing from this point up to the top without reaching the Db’s value for the base. The linear model was what best explained the relation between the DBM and the Db, obtained at various positions along the trunk. In fact, this relation was even more accentuated (R2 = 0.81) at 25% of the trunk’s height. Thus, in the determining of the species’ DBM through destructive methods, samples taken at 25% of the trunk’s height can be used. Nevertheless, for non-destructive samples, the height of 25%, may be too much, and so, withdrawing a sample, using an Pressler’s cork bore, for example, may not be feasible. In this case, withdrawing from the DAP is suggested because the relation at this height is also high (0.78).

Key words: acacia mangium; basic average density; and axial variation density

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBINO, J.C.; TOMAZELLO FILHO, M. Variação da densidade básica da madeira e produtividade de Eucalyptus spp. Planaltina: EMBRAPA - CPAC, 1985. 43p (EMBRAPA - CPAC: Boletim de Pesquisa, 26). [ Links ]

BRASIL, M.A.M. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus propinqua Deane ex Maiden em função do local e do espaçamento. 74 p. 1972. Dissertação de mestrado, USP, Piracicaba, 1972. [ Links ]

DANIEL, O. et al. Aplicação de fósforo em mudas de Acacia mangium Willd. R. Árvore, Viçosa, v.21, n.2, p.163-168, 1997. [ Links ]

DRAPPER, N. R.; SMITH, H. Applied regression analysis. New York: John Willey Sons, 1981. 709p. [ Links ]

FERREIRA, M. Variação da densidade básica da madeira de povoamentos comerciais de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden nas idades de 11, 12, 13, 14 e 16 anos. Piracicaba, IPEF, 4:65-89. 1972. [ Links ]

FERREIRA, M. Variação da densidade básica de plantaç·es comerciais de Eucalyptus alba Reinw (E. urophylla S.T.Blake), E. saligna Smith e E. grandis Hill ex. Maiden. Papel 34: 151-157, 1973. [ Links ]

HOFFMAN, R.; VIEIRA, S. Análise de regressão: uma introdução à econometria. São Paulo, Hucitec, 2. ed., 1983. 379p. [ Links ]

JESUS, R.M.; VITAL, B. R. Comparação entre densidade de matrizes e de clones de Eucalyptus grandis. R. Árvore , Viçosa, v. 10, n. 1, p. 83-90, 1986. [ Links ]

NETER, J.; WASSERMAN, W. Applied linear statistical models: Regression, analysis of variance, and experimental design. Homewood: Riochard D. Irwin, 1974. 842 p. [ Links ]

NOGUEIRA, M.V.P.; VALE, A.T. Densidade básica da madeira de Pinus caribaea var. hondurensis proveniente de cerrado: relação com a densidade básica média e variação radial e axial. R. Árvore , Viçosa, v. 21, n.4, p. 547-554, 1997. [ Links ]

REGAZZI, A.J.; LEITE, H.G. Análise de regressão e aplicações em manejo florestal. DEF/SIF/UFV: Viçosa, 1992. 235 p. [ Links ]

SILVA, F.P.; BORGES, R.C.G.; PIRES, I.E. Avaliação de procedências de Acacia mangium Willd, aos 63 meses de idade no Vale do Rio Doce. R. Árvore , Viçosa, v. 20, n. 3, p. 267-278, 1996. [ Links ]

SOUZA, A.P. et al. Estudo da densidade básica da madeira de Eucalyptus microcorys F. Muell, cultivado na região de Dionísio, MG. R. Árvore . 1979. 3(1):16-27. [ Links ]

SOUZA, V.R.; CARPIM, M.A.; BARRICHELO, L.E.G. Densidade básica entre procedências, classes de diâmetro e posições em árvores de Eucalçyptus grandis e E. saligna. IPEF . Piracicaba, 1986. p. 65-72. [ Links ]

VALE, A.T.; MOURA, V.P.G.; MARTINS, I.S; REZENDE, D.C.A. Densidade básica média, em função da profundidade de penetração do pino do “pilodyn” e da classe diamétrica, e variação axial da densidade básica em Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. R. Árvore , Viçosa, v. 19, n.1, p. 80-91. 1995. [ Links ]

VALE, A.T. ; NOGUEIRA, M.V.P. Variação longitudinal da densidade básica e contração da madeira de Dalbergia miscolobium Benth. R. Árvore , Viçosa, v. 22, n. 3, p. 429-432, 1998. [ Links ]

VITAL, B.R. Métodos de determinação da densidade da madeira. Viçosa-MG: SIF, 1984. 21p. (Boletim Técnico, 2) [ Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons