SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número4DENSIDADE BÁSICA E RETRATIBILIDADE DA MADEIRA DE CLONES DE TRÊS ESPÉCIES DE EucalyptusCRESCIMENTO EM VIVEIRO DE MUDAS DE Schizolobium parahyba (Vell.) S. F. Blake. SUBMETIDAS A NÍVEIS DE SOMBREAMENTO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

  • nova página do texto(beta)
  • Português (pdf)
  • Artigo em XML
  • Como citar este artigo
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Tradução automática

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Ciênc. Florest. vol.20 no.4 Santa Maria out./dez. 2010

https://doi.org/10.5902/198050982426 

Artigo

ESTIMATIVA DA IDADE DE SEGREGAÇÃO DO LENHO JUVENIL E ADULTO DE Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch POR MEIO DE PARÂMETROS ANATÔMICOS DA MADEIRA

ESTIMATION OF AGE OF SEGREGATION OF JUVENILE AND MATURE Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch WOOD USING ANATOMICAL CHARACTERISTICS

Darci Alberto Gatto1 

Clovis Roberto Haselein2 

Ediane Andréia Buligon3 

Leandro Calegari4 

Diego Martins Stangerlin5 

Rafael Rodolfo de Melo6 

Rômulo Trevisan7 

Elio José Santini2 

1. Engenheiro Florestal, Dr., Professor Adjunto do Curso de Engenharia Industrial Madeireira, Departamento de Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Pelotas, Caixa Postal 354, CEP 96019-900, Pelotas (RS). darcigatto@yahoo.com

2. Engenheiro Florestal, PhD., Professor Associado do Departamento de Ciências Florestais, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). haselein@smail.ufsm.br

3. Engenheira Florestal, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciência Florestal, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). edianeandreia@yahoo.com.br

4. Engenheiro Florestal, Dr., Professor Assistente do Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Campina Grande, Caixa Postal 64, CEP 58700-970, Patos (PB). leandrocalegari@yahoo.com.br

5. Engenheiro Florestal, M.Sc., Professor Assistente do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso, CEP 78550-000, Sinop (MT). diego_stangerlin@yahoo.com.br

6. Engenheiro Florestal, M.Sc., Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí, Campus Professora Cinobelina Elvas, BR 135 km 03, CEP 64900-000, Bom Jesus (PI). rrmelo2@yahoo.com.br

7. Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Centro de Educação Superior Norte do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de Santa Maria, Linha 7 de setembro, BR 386, Km 40, .CEP 08400, Frederico Westphalen (RS). romulo_trevisan@yahoo.com.br


RESUMO

Esse estudo teve como objetivo delimitar a idade de maturação do lenho utilizando-se de características anatômicas da madeira de Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch (nogueira-pecã) por meio da segregação dos lenhos juvenil e adulto. Para a tecnologia da madeira, aliada ao manejo florestal, é imprescindível o conhecimento da delimitação do lenho juvenil e adulto. Os desbastes, na grande maioria dos casos, devem levar em consideração esse parâmetro, já que o lenho juvenil possui características inferiores a do lenho adulto, e diferentes proporções de cada tipo de lenho vão interferir na qualidade e no uso da madeira. Para a realização do presente estudo, foram eleitas três árvores adultas, de fuste reto e cilíndrico, com DAP superior a 30 cm, localizadas na Encosta Superior do Nordeste do estado do Rio Grande do Sul. Foi retirado um disco por árvore, com aproximadamente 2 cm de espessura a 0,10 m de altura do tronco. De cada disco, retirou-se, com auxilio de uma serra-de-fita, uma bagueta central de 2,0 cm de largura, bem orientada no sentido radial, incluindo a medula no centro, dividiu-se então a bagueta em duas amostras “A” e “B”. Dessas, sorteou-se uma, e separou-se apenas o lenho inicial de cada anel de crescimento para a maceração (método de Jeffrey) conforme descrito por Burger e Richter (1991). Mediram-se, primeiramente, com auxílio de um microscópio ótico com régua micrométrica, o comprimento, largura e diâmetro do lume individual de cem fibras no primeiro anel de crescimento (próximo à casca), e, posteriormente, definiram-se trinta fibras, por anel de crescimento, como estatisticamente suficiente para o ensaio. A espessura das paredes das fibras foi obtida pela metade da diferença do diâmetro da fibra e do lume. A segregação dos dois tipos de lenho foi definida pela variação radial (medula-casca) das características anatômicas (comprimento, diâmetro, largura do lume e espessura da parede das fibras) por meio de duas regressões lineares simples. Os resultados indicaram que o comprimento de fibra é a melhor característica para a definição do ano de segregação. Utilizando-se essa variável, determinou-se o ano de segregação dos lenhos juvenil-adulto em 16 anos. Por sua vez, os parâmetros anatômicos, diâmetro das fibras, largura do lume e espessura da parede das fibras mostraram-se inadequados, para a estimativa da idade de segregação, em conseqüência dos baixos coeficientes de determinação (R²), altos erros de estimativa (Sxy) e baixos valores para Razão F, observados nos modelos estatísticos.

Palavras-chave: qualidade da madeira; variação radial; características anatômicas

ABSTRACT

Knowledge of the demarcation of juvenile and mature wood is essential both for wood technology and forest management. Thinning, in most cases, must take into account this parameter, as the juvenile wood has inferior characteristics compared to mature wood, and different proportions of each type of wood will affect the quality and the use of the wood. Thus, this study aimed to determine the age of maturation of the wood using anatomical characteristics of Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch wood, through the segregation of juvenile and mature wood. Three adult trees, of good trunk, with diameter greater than 30 cm DBH, were chosen from the region Encosta Superior do Nordeste in the State of the Rio Grande do Sul. From each tree, one disc was removed, with approximately 2 cm in thickness, at 0.10 m in height of the trunk. From each disc was removed a central portion of 2 cm in width, well oriented in the radial direction, including the pith in the center, and this central portion was divided into samples “A” and “B”. One of these two samples was selected for separation of the initial wood of each growth ring for maceration (Jeffrey method ). First, the length, width and diameter of the lumen of one hundred fibers were measured in the first ring (next to the bark) and later, thirty fibers were defined per growth ring as statistically sufficient for the assay. The thickness of the walls of the fiber was taken as the half of the difference of the diameter of the fiber and the lumen. The segregation of the two types of wood was defined by the radial variation (pith-bark) of the anatomical characteristics (length, diameter, width of the lumen and thickness of the wall of fibers), through two simple linear regressions. The results indicate that the fiber length is the best characteristic for the definition of the year of segregation. The age of segregation of juvenile-mature wood was defined as 16 years. In their turn, the anatomical parameters, diameter of fibers, width of the lumen and thickness of the wall of fibers were shown to be inadequate for estimating the age of segregation.

Keywords: wood quality; radial variation; anatomical characteristics

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABDEL-GADIR, A.Y.; KRAHMER, R. L. Estimating the age of demarcation of juvenile and mature wood in Douglas-fir. Wood and Fiber Science, v. 25, n. 3, p. 242-249, 1993. [ Links ]

ASTM. American Society for Testing and Materials. Standard practice for sampling forest trees for determination of clear wood properties: ASTM D5536-94. Philadelphia, 1995. [ Links ]

BALLARIN, A.W.; PALMA, H.A.L. Propriedades de resistência e rigidez da madeira juvenil e adulta de Pinus taeda L. Revista Árvore v. 27, n. 3, 2003. [ Links ]

BENDTSEN, B. A. Properties of wood from improved and intensively managed trees. Forest Products Journal, v. 28, n. 10, p. 69-72, 1978. [ Links ]

BENDTSEN, B. A.; SENFT, J. Mechanical and anatomical properties in individual growth rings of plantation-grown cottonwood and loblolly pine. Wood Fiber Science, v. 18, n. 1, p. 23-28. 1986. [ Links ]

BROWN, M. J.; McWILLIAMS, W. H. Pine stands across the South - trends and projections. In: SOUTHERN PLANTATION WOOD QUALITY WORKSHOP, 1989, Athens. Proceedings… Asheville: Southeastern Forest Experiment Station, United States Department of Agriculture, 1990. p.1-15. [ Links ]

BURGER, L. M.; RICHTER, H. G. Anatomia da Madeira. São Paulo: Ed. Nobel, 1991. 154 p. [ Links ]

CLARK, A.; SAUCIER, J. R. Influence of initial planting density, geographic location, and species on juvenile formation in souther pine. Forest Products Journal . v. 39, p. 42-48, 1989. [ Links ]

COPANT. Comision Panamericana de Normas Técnicas. Selección y colección de maderas, COPANT 30:1- 001, 1971. [ Links ]

COWN, D. J. Corewood (Juvenile wood) in Pinus radiata - should we be concerned?. New Zealand Journal of Forestry Science, v. 22, n. 1, p. 87-95, 1992. [ Links ]

FOELKEL, C. E. B. et al. Variabilidade no sentido radial de madeira de Pinus elliottii. IPEF n. 10, p. 1-11, 1975. [ Links ]

GATTO, D. A. Características tecnológicas do vergamento das madeiras de Luehea divaricata, Carya illinoinensis e Platanus x acerifolia como subsídios para o manejo florestal. 2006. 109f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)-Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006. [ Links ]

GATTO, D. A. et al. Estimativa da idade de segregação do lenho juvenil e adulto para Platanus x acerifolia (Ait.) Willd. Cerne, v. 13 n. 4, p. 393-398, 2007. [ Links ]

GATTO, D. A. et al. Características tecnológicas das madeiras de Luehea divaricata, Carya illinoinensis e Platanus x acerifolia quando submetidas ao vergamento. Ciência Florestal, v. 18, n. 1, p. 121-131, 2008a. [ Links ]

GATTO, D. A. et al. Estimativa da idade de segregação do lenho juvenil a adulto por meio de parâmetros anatômicos para madeira de Luehea divaricata Mart. Ciência Florestal , v. 18, n. 4, p.121-131, 2008b. [ Links ]

LOO, J. A.; TAUER, C. G.; MCNEW, R. W. Genetic variation in the time of transition from juvenile to mature wood in loblolly pine (Pinus taeda L.). Silvae Genetetica, v. 34, n. 1, p. 14-19, 1985. [ Links ]

MUÑIZ, G. L. B. Caracterização e desenvolvimento de modelos para estimar as propriedades e o comportamento na secagem da madeira de Pinus taeda L.. 1993. 126f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1993. [ Links ]

PANSHIN, A. J.; ZEEUW, C. de Textbook of wood technology. New York. Mc. Graw-hill. Compny, 1970. 105 p. [ Links ]

RAMSAY, W.; BRIGGS, D. Juvenile wood: has it come of age. In: A TECHNICAL WORKSHOP: JUVENILE WOOD-WHAT DOES IT MEAN TO FOREST MANAGEMENT AND FOREST PRODUCTS, 1985, Washington. Proceedings… Madison: Forest Products Research Society, 1986. p. 5-11. [ Links ]

ROOS, K. D.; SHOTTAFER, J. E.; SHEPARD, R. K. The relationship between selected mechanical properties and age in quaking aspen. Forest Products Journal , v. 40, n. 7/8, p. 54-56. 1990. [ Links ]

SHIOKURA, T. Extent and differentiation of the juvenile wood zone in coniferous tree trunks. Wood Fiber Science , v. 28, n. 2, p. 85-90. 1982. [ Links ]

ZOBEL, B. J. The changing quality of the world wood supply. Wood Fiber Science , v. 18, p. 1-17.1984. [ Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons