SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue2MORPHOLOGY OF THE FRUIT, SEEDS AND SEEDLINGS OF Eschweilera ovata (Cambess.) MiersGROWTH AND SEEDLING QUALITY OF JACARANDÁ-DA-BAHIA IN RESPONSE TO POTASSIUM AND SULFUR FERTILIZATION author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • text new page (beta)
  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Ciência Florestal

Print version ISSN 0103-9954On-line version ISSN 1980-5098

Ciênc. Florest. vol.22 no.2 Santa Maria Apr./June 2012

https://doi.org/10.5902/198050985745 

Nota Técnica

ESTAQUIA DE RESEDÁ-NACIONAL ( Physocalymma scaberrimum Pohl.) EM DIFERENTES SUBSTRATOS E CONCENTRAÇÕES DE AIB

CUTTINGS OF BRAZILIAN ROSE WOOD (Physocalymma scaberrimum Pohl.) WITH DIFFERENT SUBSTRATES AND CONCENTRATIONS OF IBA

Edilene Aparecida Preti1 

Lilian Yukari Yamamoto2 

Carina Cardoso3 

Gisele Silva de Aquino4 

Vanessa dos Santos Paes5 

Adriane Marinho de Assis6 

Maria Helena Machado7 

Carmen Silvia Vieira Janeiro Neves8 

Sérgio Ruffo Roberto9 

1. Engenheira Agrônoma, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). Bolsista Capes. edipretti2006@yahoo.com.br

2. Engenheira Agrônoma, Msc., Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). Bolsista CNPq. lilianyamamoto@yahoo.com.br

3. Engenheira Agrônoma, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). Bolsista Capes. cari_ cardoso@hotmail.com

4. Engenheira Agrônoma, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR).

5. Engenheira Agrônoma, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, 86051-990, Londrina, PR, Brasil.

6. Engenheira Agrônoma, Dr., Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). Bolsista PNPD - CAPES. agroadri@ig.com.br

7. Engenheira Agrônoma, Dr. pela Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). maria_helena@uel.br

8. Engenheira Agrônoma, Dr., Professor Associado do Departamento de Agronomia, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR). csvjneve@uel.br

9. Engenheiro Agrônomo, Dr., Professor Associado do Departamento de Agronomia, Universidade Estadual de Londrina, Caixa Postal 6001, CEP 86051-990, Londrina (PR) sroberto@uel.br


RESUMO

O resedá-nacional (Physocalymma scaberrimum Pohl.) é uma espécie nativa do Brasil que apresenta grande potencial para uso no paisagismo e em reflorestamento, além da madeira ser empregada na marcenaria de luxo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes substratos e concentrações de ácido indolbutírico (AIB) na estaquia de resedá-nacional. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com cinco repetições em arranjo fatorial 3 x 3, sendo os fatores: tipos de substratos (areia de granulação média; casca de arroz carbonizada e vermiculita de granulação média) e concentrações de AIB (0; 1.000 e 2.000 mg L-1), em parcelas compostas por dez estacas. Após 104 dias da instalação do experimento, foram avaliadas as seguintes variáveis: sobrevivência das estacas; retenção foliar; porcentagem de estacas com calos não enraizadas; estacas enraizadas; número de raízes por estaca; comprimento de raízes por estaca e massa seca das raízes por estaca. Não foram observadas diferenças quanto ao enraizamento em relação à aplicação de AIB, obtendo-se, em média, 23,5%. Entre os substratos, embora as estacas enraizadas em areia e casca de arroz carbonizada tenham apresentado maior retenção foliar, todos os substratos testados podem ser utilizados.

Palavras-chave: estacas; enraizamento; regulador de crescimento; auxina

ABSTRACT

The Brazilian rose wood is a native species from Brazil that has great potential for use in landscaping and reforestation, in addition to its use in luxury furniture. The objective of this work was to evaluate the effect of different substrates and concentrations of indole butyric acid (IBA) in the cutting of Brazilian resedá. The experiment had a randomized design in a 3x3 factorial arrangement with five replications, and each plot was composed by ten cuttings. The factors were types of substrates (washed mild sand; carbonized rice husk and vermiculite medium granules), and IBA (0 mg. L-1; 1,000 mg.L-1 and 2,000 mg.L-1). After 104 days, the following variables were evaluated: cutting survival; leaf retention; non-rooted cuttings with callus; rooted cuttings; root number per cutting; root length per cutting and dry root matter per cutting. There was no difference using IBA to improve the cuttings rooting, with average of 23.5% of rooting. Among the substrates, although the cuttings in sand and carbonized rice husk showed a better leaf retention, all substrates can be used.

Keywords :  Imbiriba; native forest species; post seminal development

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMORIM, I.L. et al. Morfologia dos frutos, sementes, plântulas e e mudas de Senna multijuga var. lindleyana (Gardner) H. S. Irwin & Barneby - Leguminosae Caesalpinioideae. Revista Braileira de Botânica, São Paulo, v.31, n.3, p.507-516, 2008. [ Links ]

ARAÚJO, E.C. et al. Caracterização morfológica de frutos, sementes e plântulas de Sesbania virgata (Cav.) Pers. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.26, p.105-110, 2004. [ Links ]

ARAÚJO, S.S.; MATOS, V.P. Morfologia da semente e de plântulas de Cassia fistula L. Revista Árvore, Viçosa - MG, v.15, n.3, p.217-223, 1991. [ Links ]

BARROSO, G.M. Curso sobre identificação de sementes. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas/CETRISUL, 1978, 36p. [ Links ]

BARROSO, G.M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Editora UFV, Viçosa, p.141-142, 1999. [ Links ]

BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia de sementes. Rio Claro: UNESP, 1994. 108p. [ Links ]

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análises de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 399p. [ Links ]

CORNER, E.J.H.; F. R. S. The seeds of dicotyledons. Cambridge University Press.v.1, p.159-160, 1976. [ Links ]

DAMIÃO FILHO, C.F.; MÔRO, F.V. Morfologia externa das espermatófitas. Jaboticabal, 2005. 101p. [ Links ]

DUKE, J.A. Keys for the identification of seedlings of some prominent woody species in eight forest types in Puerto Rico. Annals Missouri Botanical Garden, St Louis, v.52, n.3, p. 314-350, 1965. [ Links ]

DUKE, J.A. On tropical tree seedlings: I. seeds, seedlings, systems, and systematics. Annals Missouri Botanical Garden , St Louis, v.56, n.2, p. 125-161, 1969. [ Links ]

FELICIANO, A. L. P. Estudo da germinação de sementes e desenvolvimento de muda, acompanhada de descrições morfológicas, de dez espécies arbóreas ocorrentes no semi-árido nordestino. 1989. 114f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, 1989. [ Links ]

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 2ª edição. Nova Odessa: Plantarum, 2002. v.2. 384p. [ Links ]

MATHEUS, M.T.; LOPES, J.C. Morfologia de frutos, sementes e plântulas e germinação de sementes de Erythrina variegata L. Revista Brasileira de Sementes . Pelotas, v.29, n.3, p.08- 17, 2007. [ Links ]

MELO, M.F.F.; MACEDO, S.T.; DALY, D.C. Morfologia de frutos, sementes e plântulas de nove espécies de Protium Burm. f. (Burseraceae) da Amazônia Central, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo-SP, v.21, n.3, p. 503-520, 2007. [ Links ]

OLIVEIRA, E.C. Morfologia e análise de plântulas florestais. In: AGUIAR, I.B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M.B. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.175-214. [ Links ]

ROCAS, A.N. Semillas de plantas lénosas: morfologia comparada. Balderas: Limusa, 1989. p.115. [ Links ]

SANTOS, J.U.M et al. Bertholletia excelsa Humboldt & Bonpland (Lecythidadeae): aspectos morfológicos do fruto, da semente e da plântula. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém. . n.2. p. 103-112, 2006. [ Links ]

SILVA, M.L.M. et al. Morfologia de frutos e sementes e plântulas de Luetzelburgia auriculata Duke (pau-serrote) e Pterogyne nitens Tul. (madeira-nova-do-brejo). Revista Brasileira de Sementes , Brasília, v.17, n.2, p.154-159, 1995. [ Links ]

VIDAL, W.N.; VIDAL, M.R.R. Botânica: organografia, quadros sinópticos ilustrados de fanerógamas. 4ª edição. Editora UFV: Viçosa, 2000. 124p. [ Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons