SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número3TÉCNICAS GEOESTATÍSTICAS E INTERPOLADORES ESPACIAIS NA ESTRATIFICAÇÃO DE POVOAMENTOS DE Eucalyptus sp.PARAMETRIZAÇÃO DO MODELO 3-PG PARA EUCALIPTO NA REGIÃO DO CERRADO DE MINAS GERAIS índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Ciênc. Florest. vol.22 no.3 Santa Maria jul./set. 2012

https://doi.org/10.5902/198050986622 

Artigos

PADRÃO ESPACIAL DE QUATRO FORMAÇÕES FLORESTAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO, ATRAVÉS DA FUNÇÃO K DE RIPLEY

SPATIAL PATTERN OF FOUR FOREST COMMUNITIES BY RIPLEY'S K FUNCTION IN SÃO PAULO STATE

Robson Louiz Capretz1 

João Luís Ferreira Batista2 

Jaime Felipe Medina Sotomayor3 

Camila Rossetti da Cunha4 

Marcos Felipe Nicoletti5 

Ricardo Ribeiro Rodrigues6 

1. Engenheiro Florestal, Pesquisador da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, Rua Desembargador Isaias Bevilaqua, 999, Mercês, CEP 80430-040, Curitiba (PR). robson.capretz@hotmail.com

2. Engenheiro Florestal, PhD., Professor Doutor do Departamento de Ciências Florestais, Escola de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Caixa Postal 09, CEP 13400-970, Piracicaba (SP). parsival@usp.br

3. Engenheiro Agropecuário, Doutorando do Programa de Pós-graduação em Recursos Florestais, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba (SP). Bolsista do CPNq. sotomayo@usp.br

4. Engenheira Florestal, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Recursos Florestais, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba (SP). Bolsista do IPEF. cacaflorestal@usp.br

5. Engenheiro Florestal, Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba (SP). Bolsista CAPES. mfnicoletti@usp.br

6. Biólogo, Dr, Professor Titular do Departamento de Ciências Biológicas, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Caixa Postal 09, CEP 13400-970, Piracicaba (SP). rrr@esalq.usp.br


RESUMO

Investigar o padrão espacial das árvores, segundo suas classes de tamanho e segundo suas espécies mais abundantes pode fornecer evidências sobre a estrutura da comunidade vegetal, sendo que, o padrão espacial é uma questão-chave para estudos de ecologia florestal. O nível de organização espacial das árvores no ambiente depende de diversos processos ecológicos e características próprias de cada ambiente, de modo que a melhor compreensão deste quadro fornece subsídios importantes para o conhecimento sobre formações florestais. Neste trabalho objetivou-se estudar o padrão espacial das árvores, segundo suas classes de diâmetro e das quatro espécies mais abundantes em diferentes florestas, visando fornecer evidências sobre a ecologia de cada comunidade vegetal. A descrição do padrão espacial em cada formação florestal foi realizada segundo a Função K de Ripley. As formações florestais estudadas foram: Floresta Ombrófila, Cerradão, Floresta Estacional e Restinga. Instalou-se uma parcela de 10,24 ha em cada formação florestal, e todas as árvores com circunferência na altura do peito (CAP) a partir de 15 cm foram medidas, georreferenciadas e identificadas. Os resultados obtidos ressaltam o caráter agregado em florestas tropicais, como foi observado em todas as florestas estudadas. As árvores do Cerradão e da Restinga apresentaram padrões de agregação muito próximos. Para a Floresta Ombrófila, o padrão agregado foi significativo em toda a escala de distâncias estudada. Na Floresta Estacional, foi observada tendência à aleatoriedade, embora, uma agregação significativa tenha sido notada para curtas distâncias. O padrão espacial por classes de diâmetro foi, em linhas gerais, agregado para árvores menores que 10 cm de diâmetro, e entre 10 e 20 cm, e aleatório para as demais, evidenciando uma tendência de que árvores jovens são mais agregadas do que árvores adultas. O padrão espacial das espécies dominantes é sempre muito semelhante ao padrão geral de cada formação florestal. As diferenças entre o padrão espacial das espécies dominantes coincidentes entre as formações florestais indicam que seu padrão é influenciado por cada ambiente. Ressaltando-se assim, a importância da sua autoecologia e dos processos ecológicos intrínsecos a cada comunidade que podem explicar os padrões observados.

Palavras-chave: ecologia florestal; estrutura populacional; análise espacial; floresta tropical

ABSTRACT

Investigating tree's spatial patterns according to their size classes and according to their more abundant species can provide evidences about the structure of the vegetal community, since the spatial pattern is a key question for forestry ecology studies. The tree spatial organization patterns on the environment depend on several ecological processes and on the specific characteristics of each environment, so that the best understanding of this frame provides important elements for the knowledge on forestry formation. This paper aimed to study tree spatial patterns, according to the diameter classes and from four most abundant species in different forests, in order to provide evidences regarding to the ecology of each vegetal community. The spatial pattern description in each forestry formation was developed using Ripley's K function. The studied forestry formations were: Ombrophilous Forest, Cerradao, Seasonal Forest and Restinga Forest. In this work, a 10.24 ha plot was installed in each forestry formation, and every tree, with a circumference at breast height (CBH) larger than 15 cm were measured, georeferenced and identified. The obtained data highlights the aggregated character in tropical forests, as observed in every studied forest. The 'Cerradão' and 'Restinga' forest trees showed close aggregate patterns. In the Ombrophilous forest, for all distance scales, the aggregate pattern was meaningful. In the seasonal forest, a random tendency was observed, although a meaningful aggregation was observed in all short distances. The spatial pattern by diameter classes was generally aggregated for trees smaller than 10 cm of diameter and between 10 and 20 cm and random for the others, proving the existence of a tendency which in young trees is more aggregated than in old ones. The spatial pattern of the dominant species is always strongly similar to the general pattern of each forestry formation. The differences between the spatial patterns of two or three coincident species, among the forestry formations, indicate that its pattern is influenced by each different environment. This stands out the importance of its self-ecology and of its ecological processes, intrinsic of each community that can explain the observed patterns.

Keywords :  forestry ecology; population structure; spatial analysis; tropical forests

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANJOS, A. Análise do padrão de distribuição espacial da araucária (Araucaria angustifólia) em algumas áreas no Estado do Paraná, utilizando a função K de Ripley. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 66, p. 38-45, 2004. [ Links ]

ANJOS, A. et al. Análise do efeito de um manejo em regime de rendimento sustentável sobre o padrão de distribuição espacial do palmiteiro (Euterpe edulis Martius), utilizando a Função k de Ripley. Árvore, Viçosa, v. 22, n. 2, p. 215-225. 1998. [ Links ]

ARMESTO, J. et al. A comparison of spatial patterns of trees in some tropical and temperate forests. Biotropica, Washington, v. 8, n. 1, p. 1-11. 1986. [ Links ]

BAROT, S. et al. Demography of a savanna palm tree: predictions from comprehensive spatial pattern analyses.Ecology, Oxford, v. 80, p. 1987-2005, 1999. [ Links ]

BATISTA, J.Spatial dynamics of trees in a brazilian atlantic tropical forest under natural and managed conditions. 1994. 330 f. Thesis (PhD thesis)-University of Washington, Seattle, 1994. [ Links ]

BATISTA, J.; MAGUIRE, D. Modelling the spatial structure of tropical forests. Forest Ecology and Management, Amsterdam v. 110, p. 293-314, 1998. [ Links ]

BUSING, R. Composition, structure and diversity of cove forest stands in the great smoky mountains: a patch dynamics perspective. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 9, p. 881-890, 1998. [ Links ]

CAPRETZ, R. L. Análise dos padrões espaciais de árvores em quatro formações florestais do Estado de São Paulo, através de análises de segunda ordem, como a Função K de Ripley. 2004. 93 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia)- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2004. [ Links ]

CAPRETZ, R. L. et al. O uso de análises de segunda ordem (função k de Ripley) para a detecção do padrão espacial em três áreas submetidas a manejos silviculturais diferentes na região de Paragominas, Pará. In: REUNIÃO DA RBRAS, 48.; SEAGRO, 10., 2003, Belo Horizonte. Anais ... Lavras: Universidade Federal de Lavras, 2003, p.192-196. [ Links ]

COLLINS, S.; KLAHR, S. Tree dispersion in oak-dominated forests along an environmental gradient. Oecologia, Berlim, v. 86, p. 471-477, 1991. [ Links ]

CONDIT, R. et al. Recruitment near conspecific adults and the maintenance of tree and shrub diversity in a neotropical forest. American Naturalist, Chicago, v. 140, p. 261-286, 1992. [ Links ]

CONDIT, R. et al. Spatial patterns in the distribution of tropical tree species. Science, Inglaterra, v. 288, n. 5470, p. 1414-1418, 2000. [ Links ]

CONNELL, J. Diversity in tropical rain forests and coral reefs. Science , Londres, v. 199, p. 1302-1310. 1978. [ Links ]

CONNELL, J. H. On the role of natural enemies in preventing competitive exclusion in some marine animals and in rain forest trees. In: DEN BOER, P. J.; GRADWELL, G. (ed). Dynamics of populations. PUDOC, 1971. p. 298-312. [ Links ]

COOMES, D. et al. Identifying aggregation and association in fully mapped spatial data. Ecology , Oxford, v. 80, p. 554-565, 1999. [ Links ]

DEMELAS, K. M.; PEDRONI, F.; SANCHEZ, M. Estrutura e Dinâmica Populacional de Copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. Fabaceae- Caesalpinioideae) em uma área de Mata de Galeria, Barra do Garças-MT. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 58., 2007, São Paulo. Anais... São Paulo, 2007. [ Links ]

DIAS, A. Estrutura e diversidade do componente arbóreo e a regeneração do palmito (Euterpe edulis) em um trecho de mata secundária, no parque estadual de Carlos Botelho, SP. 1993. 126 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais)- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 1993. [ Links ]

DIGGLE, P. Statistical analysis of spatial point patterns. 2. ed. London: Arnold, 2003. 159 p. [ Links ]

DIGGLE, P. Statistical analysis of spatial point patterns. London: Academic Press. 1983. 272 p. [ Links ]

EDMAN, M.; JONSSON, B. Spatial pattern of downed logs and wood-decaying fungi in an old-growth picea abies forest. Journal of Vegetation Science , Knivsta, v. 12, p. 609-620, 2001. [ Links ]

FONSECA, M. G.; MARTINI, A. M; DOS SANTOS, F. A. Spatial structure of Aspidosperma polyneuron in two semideciduous forests in Southeast Brazil. Journal of Vegetation Science , Knivsta, v. 15, p. 41-48, 2004. [ Links ]

FRANCO, G. Florística e fitossociologia de duas unidades do mosaico florestal da Estação Ecológica de Caetetus floresta estacional semidecidual, Gália, SP. 2002. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ciências)-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2002. [ Links ]

GETIS, A.; FRANKLIN, J. Second-order neighbourhood analysis of mapped point patterns. Ecology , Oxford, v. 68, p. 473-477, 1987. [ Links ]

GRAU, H. Regeneration patterns of Cedrela lilloi (Meliaceae) in Northwestern Argentina subtropical montane forests. Journal of Tropical Ecology , Cambridge, v. 16, p. 227-242, 2000. [ Links ]

HAASE, P. et al. Spatial pattern in Anthyllis cytisoides shrubland on abandoned land in southeastern Spain. Journal of Vegetation Science , Knivsta, v. 8, p. 627-634, 1997. [ Links ]

HAASE, P. Spatial pattern analysis in ecology based on ripley's k function: introduction and methods of edge correction. Journal of Vegetation Science , Knivsta, v. 6, p. 575-582, 1995. [ Links ]

HARMS, K. et al. Habitat associations of trees and shrubs in a 50 ha neotropical forest plot. Journal of Vegetation Science , Knivsta, v. 11, p. 801-812, 2001. [ Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons