SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue56Place-making via traces and attachments: African migrants and their experiences of mobility, immobility and local insertion in Latin America. Introduction to the thematic dossier REMHU 56 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana

Print version ISSN 1980-8585On-line version ISSN 2237-9843

REMHU, Rev. Interdiscip. Mobil. Hum. vol.27 no.56 Brasília May/Aug. 2019  Epub Sep 02, 2019

http://dx.doi.org/10.1590/1980-85852503880005601 

Editorial

Migrantes africanos na América Latina

African Migrants in Latin America

*Editor-chefe da revista REMHU, Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM). Brasília - DF, Brasil. E-mail: remhu@csem.org.br.

A identidade latino-americana é marcada pelas contribuições socioculturais dos numerosos grupos de migrantes, voluntários ou forçados, que ingressaram no território no decorrer dos séculos. Entre eles estão os africanos, trazidos à força desde o século XVI, que carregaram consigo cosmovisões, religiões, idiomas, músicas, danças e outros elementos culturais que marcaram e continuam marcando a identidade da região (Seyferth, 2002).

Nas últimas décadas, a América Latina se depara com novas tipologias de imigração africana, caracterizadas por uma expressiva diversificação em termos de motivações, rotas e projetos migratórios. Neste número da REMHU (n. 56), o Dossiê, coordenado junto ao CSEM pelas pesquisadoras Nanneke Winters e Franziska Reiffen1, da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz (Alemanha), atenta para diferentes aspectos desses novos deslocamentos, com enfoques prioritariamente antropológicos, sociológicos, geográficos, políticos e demográficos. O artigo introdutório do Dossiê (Winters, Reiffen, 2019) de autoria das duas pesquisadoras supracitadas, elucida as abordagens teóricas e as principais contribuições trazidas nos diferentes artigos da seção.

Neste Editorial queremos salientar como as narrativas dos vários textos que compõem o Dossiê apontam para realidades heterogêneas e complexas, em que se entrelaçam fatores estruturais – sobretudo econômicos e políticos –, e fatores subjetivos, marcados por histórias de vida únicas e irrepetíveis. Nessas dinâmicas, que envolvem tanto os países de origem quanto aqueles de chegada, entrelaçam-se mobilidades e imobilidades, deslocamentos e estadias, processos de sujeição e subjetivização (Mezzadra, 2015). A inserção na América Latina se dá pela construção de lugares materiais e existenciais (haciendo-lugar), vinculados a um território específico – físico e social –, mas também com um forte caráter transnacional. Parafraseando Marc Augé (1994, p. 73), os “pontos de trânsitos e as ocupações provisórias”, geralmente caracterizados pelo anonimato, a solidão e a ausência de memória, são ressignificados e transformados, na medida do possível, em “lugares” identitários, relacionais e históricos.

Nesse quadro, a incessante mobilidade geográfica em busca de respostas mais adequadas e coerentes aos desafios pessoais, familiares e estruturais se intersecciona, por vezes, com a (suposta) imobilidade das cosmovisões culturais e religiosas, e seus decorrentes imperativos comportamentais. Nesse processo, as inevitáveis dinâmicas de adaptação e negociação inerentes à construção de novos lugares implicam sempre a reconfiguração de todas as fronteiras, tanto daquelas geográficas quanto daquelas simbólicas (Pace, Ravecca, 2010). Essa dialética entre mobilidades e imobilidades é um dos aspectos que demarca a inserção de migrantes africanos na América Latina.

Além do aprofundamento do fenômeno migratório em termos gerais, o Dossiê auxilia na compreensão das características e da recepção da imigração africana na América Latina. Ademais, a reflexão sobre as diferentes estratégias de “hacer-lugar”, abre um importante debate acerca das assim chamadas políticas de “integração” no território, políticas essas frequentemente elaboradas mais na lógica do controle e da segurança do que da promoção da autonomia e dos direitos das pessoas migrantes.

***

Na Seção “Artigos”, Victoria Finn desenvolve uma reflexão teórica acerca da relação entre indivíduo e Estado no interior das dinâmicas migratórias em nível internacional. A autora, mesmo não menosprezando a agency das pessoas migrantes, atenta para o papel protagônico das políticas migratórias estatais, tanto no que diz respeito ao ingresso no território do país, quanto ao assim chamado processo integrativo. Em outros termos, a agency das pessoas migrantes é sempre condicionada pelas “políticas de fronteirização”, externas e internas, dos Estados.

Numa abordagem análoga, Federico Rodrigo analisa o papel desenvolvido pelos programas de regularização migratória, tendo como referência específica a migração boliviana para a cidade de La Plana, na Argentina. Na ótica do autor, o acesso à documentação, tanto no país de origem quanto no de chegada, não pode ser lida apenas na ótica do fortalecimento de políticas de controle e securitização, mas também naquela de acesso a direitos e práticas de cidadania.

A importância da intervenção estatal nos processos de inserção dos imigrantes é também o foco dos últimos dois artigos. Primeiramente, Juliana Chatti Iorio e Silvia Garcia Nogueira analisam os processos de acolhimento de estrangeiros – brasileiros e timorenses – em Portugal. O artigo, construído a partir de duas pesquisas, atenta sobre as dificuldades de inserção desses estudantes, provocadas às vezes por expectativas equivocadas ou exageradas por parte dos recém-chegados, outras vezes pelo idioma (sobretudo em relação aos timorenses), por entraves institucionais ou, inclusive, por preconceitos raciais e pela xenofobia.

Finalmente, no último artigo, Menara Guizardi e Pablo Mardones apresentam uma reflexão sobre as configurações migratórias de três Estados da Alemanha. A partir de fontes históricas e demográficas, do auxílio de pesquisadores locais e da observação etnográfica, os autores descrevem três diferentes modelos migratórios e, principalmente, ressaltam o papel central desenvolvido pelo Estado, questionando, dessa forma, “el discurso hegemónico en los países del Cono Sur Americano donde el giro a la derecha se acompaña no solamente de una lógica de demonización del Estado (...), sino también de la aseveración de la idea de que, en lo concierne a la cuestión migrante, la inversión pública debe reducirse a la compra y aplicación de armas de control fronterizo y herramientas de vigilancia de las movilidades humanas” (p. 230).

Na Seção “Relatos e reflexões”, Nanneke Winters apresenta um relato do trabalho de campo no Panamá, tendo como foco a migração de trânsito de pessoas africanas, na perspectiva do “haciendo-lugar“ retratada no Dossiê da revista. A autora, entre outros aspectos, sublinha a importância da pesquisa em áreas de trânsito periféricas, como as zonas rurais e, inclusive, as comunidades indígenas.

Ainda nessa seção, Igor B. Cunha e Nathalia Fernandes relatam, de forma sucinta, alguns resultados de uma pesquisa realizada pelo Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM) em Tijuana, México, sobre o trabalho sócio-pastoral de acolhida a mulheres e crianças migrantes no Instituto Madre Assunta das Irmãs Scalabrinianas. A reflexão destaca o assim chamado “atendimento integral”, com suas potencialidades e limitações.

A resenha de Fabio Perocco sobre o livro Caporalato. An Authentic Agromafia, de Fiammetta Fanizza e Marco Omizzolo encerra o número da revista.

Desejamos a todas e todos uma boa leitura.

Referências bibliográficas

AUGÉ, Marc. Não lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas, SP: Papirus, 1994. [ Links ]

MEZZADRA, Sandro. Multiplicação das fronteiras e das práticas de mobilidade. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 23, n. 44, p. 11-30, 2015. [ Links ]

PACE, Enzo; RAVECCA, Andrea. Religioni, genere e generazioni. Uno sguardo europeo sull’Italia: introduzione. Mondi Migranti, n. 2, p. 43-59, 2010. [ Links ]

SEYFERTH, Giralda. Colonização, imigração e a questão racial no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 117-149, março-maio 2002. [ Links ]

WINTERS, Nanneke; REIFFEN, Franziska. Haciendo-lugar vía huellas y apegos: las personas migrantes africanas y sus experiencias de movilidad, inmovilidad e inserción local en América Latina. Introducción al dossier temático REMHU 56. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 27, n. 56, p. 11-33, 2019. [ Links ]

1 Agradecemos as professoras Nanneke Winters e Franziska Reiffen pela colaboração na organização do Dossiê.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons