SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19Enzyme optimization to reduce the viscosity of pitanga (Eugenia uniflora L.) juiceControlled atmosphere associated with 1-methylcyclopropene in the preservation of ‘Tewi’ kiwifruit quality author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Food Technology

Print version ISSN 1516-7275On-line version ISSN 1981-6723

Braz. J. Food Technol. vol.19  Campinas  2016  Epub May 03, 2016

http://dx.doi.org/10.1590/1981-6723.4315 

Artigos Científicos

Determinação e verificação de como a gordura trans é notificada nos rótulos de alimentos, em especial naqueles expressos “0% gordura trans”

Determination and verification of how “trans” fat is notified on food labels, particularly those expressed as being “0% trans fat”

Ana Luisa Daibert Pinto1 

Tânia Lucia Santos Miranda1 

Vany Perpétua Ferraz1 

Daniel Dornellas Athayde1 

Adriane Salum1 

1Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Departamento de Engenharia Química, Belo Horizonte/MG - Brasil

Resumo

Neste trabalho, foram analisadas 251 amostras de alimentos quanto aos teores de gordura total, ácidos graxos TRANS, saturados, monoinsaturados e poli-insaturados de produtos amplamente consumidos pela população, principalmente aqueles com alegação “zero TRANS”. De acordo com a Resolução RDC 360/2003 da ANVISA, é obrigatória a declaração dos níveis de ácidos graxos TRANS na rotulagem dos alimentos embalados quando os teores forem superiores a 0,2 g na porção do alimento. Produtos com valores inferiores a 0,2 g podem ser notificados na rotulagem como “zero TRANS”. O objetivo deste estudo foi avaliar a quantidade de gorduras saturadas e TRANS em diversos grupos de alimentos industrializados, e a adequação, frente à legislação brasileira, da declaração dessas gorduras nos respectivos rótulos. Para as análises, foram utilizados os métodos oficiais de análise de gorduras AOAC 996.01 (modificado) e de ésteres metílicos de ácidos graxos AOAC 996.06. Conforme os resultados obtidos, alguns produtos apresentaram, em 100 g, teores de ácidos graxos TRANS superiores aos recomendados para ingestão total diária em diversos países (2 g/dia). Vários produtos estão conforme a legislação (0,2 g de gordura TRANS por porção), o que não implica necessariamente em zero absoluto, dando a falsa ideia ao consumidor de não estar ingerindo gordura TRANS, independentemente da quantidade consumida. Em apenas 12 amostras, não se detectou gordura TRANS em 100 g de produto analisado. Ressalte-se, ainda, que, muitas vezes, a quantidade consumida é maior do que a porção sugerida, acarretando uma ingestão significativa de ácidos graxos TRANS. Os resultados obtidos nesta avaliação oferecem subsídios para modificações na legislação em vigor, exigindo a declaração de ácidos graxos TRANS na rotulagem.

Palavras-chave:  Gorduras TRANS; Gorduras saturadas; Legislação brasileira; Rotulagem nutricional

Summary

In this study 251 food samples widely consumed by the population, especially those claiming to be “zero TRANS”, were analys5ed for their total fat contents and for their “TRANS”, saturated, monounsaturated and polyunsaturated fatty acid contents. According to the RDC Resolution 360/2003 of ANVISA, the TRANS fatty acid content of a food must be printed on the label when the level is greater than 0.2 g per food portion. Products containing less than 0.2 g/ per portion can be reported on the label as “zero TRANS.” The aim of this study was to evaluate the amounts of saturated and “TRANS” fats in many groups of processed foods, and the adequacy of the disclosure of these amounts on the product label, considering the Brazilian legislation. The official AOAC methods were used for the analyses specifically nº 996.01 (modified) for the total fat analysis and nº 996.06 for the analysis of the fatty acid methyl esters. According to the results obtained, 100g portions of some of the products contained more than 2g of “TRANS” fatty acids, which is the limit recommended by several countries for the daily intake of “TRANS” fatty acids. Many products were in compliance with the law (up to 0.2 g TRANS fat per serving), which does not necessarily imply absolute zero, giving the consumer the false impression of not ingesting any “TRANS” fat regardless of the amount of product consumed. Only 12 samples really showed 0g of “TRANS” fat per 100g of product analysed. It should also be pointed out that frequently the amount of product consumed is more than the suggested serving, resulting in a significant intake of “TRANS” fatty acids. The results presented here provide subsidies for the reshaping of current Brazilian legislation demanding the printing of the “TRANS” fatty acid content on the food label.

Keywords:  “TRANS” fat; Saturated fat; Brazilian legislation; Nutrition labelling

1 Introdução

As gorduras TRANS na dieta derivam, principalmente, da ingestão de alimentos industrializados, como biscoitos, sorvetes, batatas fritas, salgadinhos de pacote, bolos, frituras em geral, margarinas, entre outros (ARENHART et al., 2009; AUED-PIMENTEL et al., 2009; BROWNELL; POMERANZ, 2014; DAVID; GUIVANT, 2012; MERÇON, 2010; PEREIRA et al., 2012; PROENÇA; SILVEIRA, 2012; SILVEIRA et al., 2013; SOUZA et al., 2014). Nos alimentos de origem animal (carne e leite), também há gorduras TRANS, porém em pequenas quantidades.

Segundo a resolução RDC 360, de 23 de dezembro de 2003, que estabelece a obrigatoriedade de declaração dos níveis de gordura TRANS nos rótulos dos alimentos industrializados (BRASIL, 2003), podem ser notificados na rotulagem como “zero TRANS” os alimentos que apresentarem máximos de 0,2 g de gorduras TRANS e de 2 g de gorduras saturadas por porção (BRASIL, 1998).

Em muitos produtos, a gordura TRANS consta como zero, mas, na realidade, não é zero absoluto, pois se o valor for inferior a 0,2 g/porção, a empresa fica desobrigada a informar a quantidade dessa gordura no rótulo, impossibilitando a averiguação nutricional do alimento quanto a este componente.

A gordura TRANS pode ser notificada nos rótulos dos produtos alimentícios brasileiros de três maneiras, a saber: na lista de ingredientes, com componentes que possuem esse tipo de gordura; no quadro da informação nutricional, apresentando o conteúdo por porção, ou o destaque de ausência na parte frontal do rótulo.

Observa-se, portanto, uma fragilidade importante na legislação brasileira, uma vez que a rotulagem e a declaração de ausência de gordura TRANS não podem ser consideradas completamente seguras, necessitando também a consideração da lista de ingredientes.

Em razão do exposto e da tolerância apresentada na legislação que engloba uma extensa gama de alimentos altamente consumidos pela população brasileira, é importante que seja realizado um levantamento desses produtos com alegação “zero gordura TRANS”, pois, na maior parte dos casos, não significa ausência dessa gordura, expressando, apenas, que uma porção do alimento não ultrapassa a tolerância legal.

Surgem alguns questionamentos e preocupações acerca do tema, como, por exemplos, a veracidade das informações alimentares e nutricionais declaradas nos rótulos; a notificação de não conter gordura TRANS no quadro da informação nutricional e desta estar presente em componentes citados na lista de ingredientes, e a possibilidade de a declaração de “zero TRANS” ser interpretada como “um produto saudável”.

Neste trabalho, foi feita uma verificação de como a gordura TRANS é notificada na informação alimentar e nutricional de rótulos de produtos industrializados, em especial aqueles em que estão expressos “não contém gordura TRANS”. Análises foram realizadas para determinar a quantidade total de gordura, gordura saturada e gordura TRANS presente em 100 g de cada produto analisado. Foi verificado se a rotulagem estava de acordo com a legislação e os resultados obtidos nas análises foram comparados com os dados expressos nos rótulos das amostras analisadas. Para viabilizar a comparação entre os valores obtidos nas análises e os valores declarados nos rótulos, os valores de gorduras totais, gorduras saturadas e gorduras TRANS apresentados nos rótulos foram transformados para valores em 100 g de produto, uma vez que os valores das porções nos rótulos não são padronizados.

2 Material e métodos

Foram selecionadas categorias de produtos de grande consumo pela população, especialmente produtos com alegação “zero gordura TRANS”. No total, foram analisadas 251 amostras de alimentos, adquiridas em mercados locais, no período de novembro/2013 a fevereiro/2014.

As gorduras das amostras trituradas e pesadas (1-5 g) eram extraídas com 10 mL de hexano (P.A) em banho ultrassônico (Branson 1510), por 5 min. Uma alíquota de 2 mL do extrato era centrifugada em tubo de microcentrífuga e retirava-se, então, 1 mL do sobrenadante, que era transferido para um tubo criogênico de 2 mL; após secagem, o valor de gordura total era calculado. A seguir, dissolviam-se aproximadamente 15 mg da amostra de gordura em 100 µl de uma solução de etanol (95%)/hidróxido de potássio 1 mol/l (5%). Após agitação em vórtex por 10 s, a gordura era hidrolisada em um forno de micro-ondas doméstico (Panasonic Piccolo), à potência de 80 W (Potência 2), durante 5 min. Após resfriamento, adicionavam-se 400 µl de ácido clorídrico a 20%, uma ponta de espátula de NaCl (~20 mg) e 600 µl de acetato de etila. Depois de agitação em vórtex por 10 s e repouso por 5 min, uma alíquota de 300 µl da camada orgânica era retirada, colocada em tubos de microcentrífuga e seca por evaporação, obtendo-se, assim, os ácidos graxos livres (CHRISTIE, 1989). Posteriormente, os ácidos graxos livres eram metilados com 100 µl de BF3 / metanol (14%) por aquecimento, durante 10 min, em banho de água a 60°C. Os ésteres metílicos obtidos eram diluídos em 900 µl de metanol e analisados por Cromatografia Gasosa segundo a norma AOAC 996.06 (HORWITZ, 2005). A adaptação do preparo das amostras em microescala utilizando tubos criogênicos e forno de micro-ondas na hidrólise proporcionou uma redução drástica no tempo e nos custos das análises, viabilizando, assim, a realização da análise de uma grande quantidade de amostras.

As análises eram realizadas em um Cromatógrafo a Gás, equipado com detector por ionização de chamas. Utilizou-se uma coluna SP2380, de 30m × 0,32 mm, com gradiente de temperatura: 120°C, 1 min, 7°C/min até 240°C; injetor (split de 1/50) a 250°C e detector a 250°C. Como gás de arraste, foi utilizado hidrogênio (2 mL/min). O volume de injeção da amostra era de 1 μL. A identificação dos picos era feita por comparação com padrões de ácidos graxos metilados (FAME Mix C14-C22 – CRM18917 SUPELCO).

Variações em composição química, tanto de produtos em diferentes lotes como em diferentes grupos, são esperadas para esse tipo de análise. No intuito de avaliar essas variações, realizou-se uma análise estatística, em que se calcularam a concentração média, o desvio padrão e a concentração mediana de gordura TRANS para os diferentes grupos de produtos utilizados.

3 Resultados e discussão

Os resultados obtidos nas análises de acordo com o grupo de gordura (saturada, monoinsaturada, poli-insaturada e TRANS), bem como os valores de gorduras TRANS declarados nos rótulos equivalentes a 100 g do produto (última coluna), encontram-se na Tabela 1.

Tabela 1 Caracterização por grupo de gordura (em 100 g do produto) e apresentação da gordura TRANS declarada nos respectivos rótulos. 

Amostra Total Sat. Mono insat. Poli- insat. TRANS RÓTULO TRANS
Biscoitos Caseiros 1 Caseiro – Pão de mel 12,2 4,7 7,0 0,5 3,3 -
2 Caseiro – Nata redondo 13,3 4,6 6,0 2,7 1,9 -
3 Caseiro – Nata anel 14,7 5,8 6,4 2,5 2,3 -
4 Caseiro – Nata ondulado 12,5 3,4 7,4 1,7 3,2 -
5 Caseiro – Nata coberto chocolate 10,5 3,4 5,7 1,4 2,4 -
6 Caseiro – Nata metade chocolate 13,6 5,0 6,1 2,5 2,4 -
7 Caseiro – Casadinho/nata 13,3 4,2 6,5 2,6 2,4 -
8 Caseiro – Casadinho 11,2 4,4 4,6 2,2 1,6 -
9 Caseiro – Palmier 10,8 5,6 3,2 2,1 0,6 -
10 Caseiro – Abacaxi 10,3 3,6 5,3 1,4 2,0 -
11 Caseiro – Açúcar 11,1 5,3 4,8 1,0 0,5 -
12 Caseiro – Rosquinha com açúcar 7,3 2,8 3,0 1,5 1,0 -
13 Caseiro – Açúcar e canela palito 13,1 4,4 6,2 2,5 2,2 -
14 Caseiro – Açúcar e canela redondo 17,0 5,9 8,7 2,4 3,3 -
15 Caseiro – Palito de chocolate 13,3 5,8 6,7 0,8 3,6 -
16 Caseiro – Cookie 9,7 4,3 3,7 1,7 1,1 -
17 Caseiro – Cookie integral 11,9 3,4 5,6 2,9 2,2 -
18 Caseiro – Chocolate preto 11,6 7,2 3,0 1,4 0,9 -
19 Caseiro – Chocolate branco 12,6 8,4 3,0 1,2 0,9 -
20 Caseiro – Amanteigado 8,0 2,4 3,9 1,7 1,8 -
21 Caseiro – Polvilho 4,2 1,8 1,7 0,7 0,6 -
Biscoitos doces 22 Cookies Original com gotas de chocolate H – I 15,9 7,6 4,7 3,6 0,3 0
23 Chocolate crocante – BBB 4,0 1,8 1,7 0,5 0,0 0
24 Chocolate com recheio chocolate – G 14,1 7,7 4,3 2,1 0,1 0
25 Chocolate com recheio chocolate – TTT 13,2 4,8 4,4 4,0 0,4 0
26 Chocolate com recheio chocolate – RR 9,7 2,7 2,5 4,5 0,4 0
27 Chocolate com recheio branco – RR 9,0 2,6 0,3 6,2 0,1 0
28 Recheado - Chocolate – I 11,9 5,2 3,9 2,8 0,2 0
29 Recheado - Chocolate – RR 1,6 0,6 0,4 0,6 0,0 0
30 Recheado - Chocolate – X 9,8 3,6 5,4 0,8 2,2 0
31 Recheado - Chocolate – G 21,1 11,8 7,0 2,2 1,8 0
32 Fit Cacau e Cereais – RR 7,6 3,5 3,5 0,7 0,9 0
33 Wafer Morango – G 16,6 10,0 3,2 3,4 0,2 0
34 Wafer Morango – RR 17,1 7,2 3,4 6,5 0,9 0
35 Wafer Chocolate Branco – MM 9,7 6,3 2,2 1,1 0,9 0
36 Wafer chocolate – I 22,5 12,5 6,8 3,3 4,5 0
37 Wafer maxi chocolate – I 2,5 1,3 0,9 0,4 0,0 0
38 Wafer chocolate – HH 20,5 10,1 7,9 2,5 0,5 0
39 Wafer chocolate – G 16,8 10,0 3,3 3,5 0,2 0
40 Wafer Chocolate – RR 16,4 7,6 2,5 6,3 6,3 0
41 Wafer Chocolate com avelã – G 17,9 10,3 4,7 3,0 1,6 0
42 Biscoito Rosquinha de Coco – G 9,3 4,8 3,7 0,8 0,9 0
43 Rosquinha de Coco – KK 8,6 2,5 5,1 1,0 2,1 0,9
44 Biscoito de coco fit – RR 7,0 2,4 1,5 3,0 0,0 0
45 Amanteigados de Coco – G 11,1 5,2 4,5 1,4 0,1 0
46 Rosquinha de Coco – G 9,6 4,4 3,9 1,3 0,0 0
47 Biscoito de coco – G 9,2 3,5 4,5 1,2 0,3 0
48 Biscoito ao leite – X 10,1 3,3 5,7 1,1 2,5 0
49 Biscoito de leite fit – RR 6,8 2,0 2,0 2,9 0,0 0
50 Amanteigados de Leite – G 9,3 4,3 3,8 1,2 0,1 0
51 Biscoito de Leite – RR 6,8 1,7 1,9 3,1 0,1 0
52 Biscoito de leite coberto com chocolate – RR 12,5 5,7 4,1 2,7 0,1 0
53 Biscoito ‘Maria’ – G 7,7 3,5 3,1 1,2 0,0 0
54 Biscoito Maisena – I 5,1 2,7 2,0 0,5 0,6 0
55 Biscoito Maisena – MM 8,2 3,8 3,3 1,1 0,0 1,1
56 Biscoito Maisena – G 8,7 3,9 3,6 1,3 0,0 0
57 Amanteigado – BBB 7,6 3,8 3,2 0,6 0,9 0
58 Amanteigados de Chocolate – G 10,5 5,0 4,2 1,4 0,1 0
59 Recheado Morango – BBB 1,9 0,9 0,8 0,2 0,0 0
60 Recheado Morango – RR 1,4 0,5 0,3 0,6 0,0 0
61 Recheado Morango – G 13,1 7,1 4,2 1,8 0,1 0
62 Fit Morango/Cereais – RR 6,9 1,0 1,9 4,0 0,1 0
63 Biscoito de Chocolate recheio morango – TTT 9,0 3,2 2,9 2,8 0,3 0
64 Biscoito de Chocolate recheio morango – RR 13,2 4,2 2,5 6,5 6,1 0
65 Recheado de Goiaba – I 5,5 2,4 2,1 0,9 0,1 0
66 Recheado de Goiaba – BBB 6,6 3,0 2,7 0,9 0,0 0
67 Integral Aveia/Maçã – G 6,7 0,5 5,1 1,1 0,3 0
68 Biscoito Integral grãos – G 7,9 0,7 6,1 1,1 0,0 0
69 Integral Aveia/Granola – G 10,4 1,1 7,6 1,7 0,0 0
70 Cream craker – I 11,0 5,3 3,8 2,0 0,1 0
71 Cream craker – LLL 9,2 4,7 3,9 0,7 1,1 0
72 Cream craker – G 6,2 2,8 2,5 1,0 0,1 0
73 Cream craker gergelim –G 7,0 0,7 5,2 1,0 0,0 0
74 Agua e Sal – G 8,0 3,8 3,0 1,2 0,1 0
75 Polvilho tradicional – UU 3,4 0,9 2,3 0,1 1,1 1,4
76 Queijo Suíço – J 12,5 3,2 6,9 2,5 2,4 0
77 Panetini queijo suave – V 9,7 0,8 7,9 1,0 0,1 0
78 Cracker Mussarela búfala com manjericão – V 10,0 1,0 7,9 1,1 0,1 0
79 Original – O 13,0 3,7 3,7 5,6 0,3 0
80 Integral – O 10,5 3,1 3,2 4,1 0,1 0
81 Biscoito sabor Queijo – O 7,0 1,9 2,3 2,8 0,2 0
82 Biscoito sabor Pizza Portuguesa – O 15,2 5,1 5,0 5,2 0,5 0
83 Biscoito Salgadinho – BBB 8,2 3,2 3,8 1,2 0,0 0
84 Biscoito Salgado – CCC 10,3 4,9 4,1 1,2 0,0 0
85 Biscoito Salgado tradicional – G 5,9 2,7 2,2 1,0 0,0 0
86 Original – G 8,4 2,5 4,8 1,1 0,0 0
87 Biscoito sabor Presunto – G 8,5 2,7 4,7 1,2 0,0 0
88 Biscoito sabor Pizza – G 8,0 3,3 2,9 1,8 0,0 0
89 Biscoito sabor Queijo – G 10,0 3,4 5,2 1,4 0,1 0
Molhos, Manteigas, Margarinas e Óleos 90 Cheddar – DDD 1,5 1,0 0,5 0,0 0,1 2
91 Curry – FF 0,9 0,1 0,6 0,2 0,0 0
92 Molho para salada sabor Queijo – II 0,1 0,0 0,0 0,1 0,0 0
93 Molho para salada Rosê – II 0,2 0,0 0,1 0,1 0,0 0
94 Molho para salada Italiano – DD 18,9 4,5 4,9 9,5 0,2 0
95 Maionese light – II 0,3 0,1 0,1 0,1 0,1 0
96 Manteiga – Q 80,0 53,3 25,6 1,1 6,8 2,0
97 Manteiga – EEE 76,4 49,7 25,7 1,1 6,0 0
98 Margarina Light – S 36,1 12,8 13,5 9,7 5,3 0
99 Margarina – S 59,0 21,0 21,6 16,4 7,7 0
100 Margarina – JJJ 64,5 22,7 23,1 18,6 8,7 0
101 Margarina – FFF 53,2 18,3 24,9 10,0 10,2 13,0
102 Margarina – N 54,1 18,7 18,3 17,1 7,4 0
103 Óleo de girassol - NNN 100,0 6,6 24,1 69,3 0,1 0
104 Óleo de soja – A 100,0 14,8 23,8 61,4 0,1 0
105 Óleo de soja – QQQ 100,0 15,1 23,9 61,0 0,2 0
Amendoins, achocolatados e grãos 106 Paçoca – XX 4,9 0,7 3,7 0,6 0,5 0
107 Amendoim – D 49,3 8,7 27,5 13,1 5,4 0
108 Amendoim – XXX 9,6 1,5 7,1 0,9 1,6 0
109 Amendoim Japonês – T 7,4 1,3 5,2 0,9 1,0 0
110 Amendoim Japonês – OOO 10,0 2,0 7,2 0,8 1,8 0
111 Amendoim torrado e moído – VV 15,4 2,2 10,4 2,9 0,0 0
112 Amendoim crocante/pimenta – C 7,4 1,0 5,4 1,0 0,0 0
113 Amendoim crocante/ervas – C 5,2 0,6 4,2 0,5 0,1 0
114 Castanha do Pará – M 34,7 8,0 19,1 7,5 0,0 0
115 Coco ralado – P 44,5 42,1 2,3 0,2 0,6 0
116 Coco ralado fresco 32,7 28,4 1,7 0,3 0,0 0
117 Achocolatado – SSS 1,4 0,7 0,5 0,2 0,2 0
118 Achocolatado – QQ 4,8 2,9 1,6 0,4 0,5 0
119 Creme de avelã preto – TT 15,0 5,1 8,8 1,1 1,9 0
120 Granulado – T 7,1 2,2 4,5 0,4 2,2 5,6
121 Farinha láctea – RR 0,6 0,4 0,2 0,1 0,0 0
122 Farinha de aveia – III 6,3 2,0 0,5 3,8 0,1 0
123 Barra de cereal brigadeiro - MMM 5,3 4,6 0,5 0,2 0,0 0
124 Barra Premium amêndoas chocolate amargo - PP 5,0 2,2 1,7 1,1 0,1 0
Semiprontos 125 Mistura para pão de queijo – AA 5,2 1,6 3,5 0,2 1,7 5,8
126 Pão de queijo congelado – KKK 1,0 0,5 0,4 0,1 0,2 0,8
127 Pão de queijo congelado – BB 4,1 1,7 1,4 1,0 0,5 1,0
128 Nuggets – AAA 5,6 1,8 2,4 1,4 0,8 0
129 Raviole de frango – UU 3,0 1,2 1,5 0,4 0,4 0
130 Farofa pronta – XXX 5,9 2,4 2,7 0,8 0,7 0
Batatas palhas e Chips 131 Batata Palha – XXX 37,8 19,0 16,1 2,7 3,4 0
132 Batata Palha – VVV 24,5 11,8 10,8 1,8 2,1 0
133 Batata palha – H 23,9 12,5 10,1 1,3 3,0 0
134 Batata palha extrafina – R 23,4 6,8 8,0 8,6 2,2 0
135 Batata palha – RRR 34,6 16,4 13,9 4,4 0,7 0
136 Batata chips – U 34,2 15,8 13,7 4,7 3,8 0
137 Batata chips – GGG 14,2 1,6 9,2 3,5 0,1 0
138 Batata chips sabor creme/cebola – GGG 14,6 1,3 9,9 3,4 0,7 0
139 Batata chips sabor cebola/shoyo – U 22,6 2,2 17,9 2,5 0,1 0
140 Batata chips sabor cebola/salsa – U 22,2 9,3 8,0 4,9 0,3 0
141 Batata chips queijo – GGG 13,6 1,7 8,7 3,2 0,1 0
142 Batata chips sabor Barbecue – OO 14,4 5,1 8,0 1,3 0,5 0
143 Batata chips sabor churrasco – U 19,9 9,5 7,8 2,5 0,1 0
144 Batata chips sabor frango grelhado – U 25,9 1,8 21,3 2,8 1,1 0
145 Batata chips sabor peito peru – U 22,0 2,6 16,1 3,3 0,1 0
146 Pingo D’ouro Picanha Grelhada – U 14,0 6,2 6,3 1,5 0,2 0
147 Chips de milho sabor presunto – U 5,3 0,9 3,8 0,7 0,1 0
148 Chips de milho sabor queijo – U 7,1 1,4 4,8 0,9 0,0 0
149 Chips de milho sabor queijo parmesão – U 16,0 3,2 10,7 2,2 0,1 0
150 Chips de milho sabor requeijão – U 12,8 2,5 8,5 1,8 0,0 0
151 Chips sabor cebola – U 24,9 12,0 9,5 3,4 2,3 0
152 Chips sabor bacon – U 39,2 18,3 16,5 4,4 3,7 0
153 Chips tortilhas de queijo nacho – U 17,3 7,8 7,2 2,4 1,8 0
Paes e Torradas 154 Pão Integral – ZZ 3,9 1,0 1,3 1,7 1,7 0
155 Pão de sanduiche – PPP 0,9 0,6 0,0 0,3 0,0 0
156 Torrada – I 2,7 1,3 1,1 0,3 0,3 0
157 Torrada – HHH 3,6 1,7 1,5 0,4 0,4 0
158 Torradinha canapé – I 4,3 2,1 1,6 0,7 0,6 0
159 Torrada light integral – I 2,1 1,0 0,8 0,3 0,3 0
Temperos 160 Tempero macarrão instantâneo – LL 0,5 0,2 0,2 0,1 0,0 0
161 Tempero macarrão instantâneo sabor frango – SS 13,3 6,5 5,9 0,9 1,4 0
162 Tempero macarrão instantâneo sabor galinha – SS 14,0 6,8 6,2 1,0 1,5 0
163 Sopa de abóbora com carne cremosa - B 9,5 5,1 3,7 0,7 0,3 0
164 Caldo de Bacon – GG 15,1 8,6 5,7 0,8 1,9 0
165 Caldo de Galinha – GG 4,0 2,4 1,4 0,2 0,5 0
Chocolates e Bolinhos prontos 166 Chocolate branco – EE 13,9 8,5 4,9 0,5 0,1 0
167 Chocolate branco – RR 10,9 8,0 2,6 0,3 0,0 0
168 Bombom chocolate branco recheio chocolate branco – RR 16,5 9,7 5,9 0,9 0,1 0
169 Chocolate Preto/branco – RR 13,9 8,6 4,9 0,4 0,7 0
170 Chocolate ao leite – EE 12,3 7,5 4,4 0,4 0,8 0
171 Chocolate ao leite – HH 9,8 5,8 3,5 0,5 0,2 0
172 Chocolate ao leite – RR 9,2 5,7 3,2 0,3 0,1 0
173 Bombom de chocolate ao leite – RR 1,5 1,0 0,5 0,1 0,0 0
174 Bombom de chocolate ao leite – CC 11,5 7,1 3,9 0,4 0,3 0
175 Chocolate ao leite – CC 10,5 6,4 3,6 0,5 0,1 0
176 Chocolate ao leite aerado – RR 14,1 8,9 4,8 0,5 0,1 0
177 Chocolate meio amargo – RR 14,8 8,8 5,4 0,6 0,8 0
178 Chocolate meio amargo – EE 8,9 5,3 3,2 0,4 0,0 0
179 Bombom chocolate meio amargo recheio leite – CC 17,2 9,8 6,3 1,1 0,1 0
180 Bombom chocolate meio amargo recheio mousse – CC 8,7 5,0 3,0 0,6 0,0 0
181 Bombom de cereja – L 2,4 1,5 0,9 0,1 0,0 0
182 Bombom de chocolate recheio mel – CC 15,4 8,4 5,9 1,1 0,2 0
183 Bombom de chocolate recheio banana – CC 9,5 5,7 3,3 0,5 0,0 0
184 Bombom de coco ralado coberto chocolate – CC 9,1 5,8 2,9 0,4 0,0 0
185 Barra de chocolate com coco tostado – HH 8,2 5,4 2,6 0,3 0,1 0
186 Bombom de chocolate recheio morango – RR 7,4 4,6 2,5 0,3 0,0 0
187 Barra nougat/caramelo coberta com chocolate – NN 6,8 4,4 2,2 0,3 0,0 0
188 Bombom de chocolate com caramelo – RR 4,4 2,8 1,4 0,2 0,0 0
189 Bombom chocolate recheio leite maltado – RR 9,8 6,1 3,3 0,3 0,1 0
190 Bombom com flocos e chocolate – RR 7,1 4,5 2,4 0,3 0,1 0
191 Bombom chocolate com flocos de arroz – RR 12,8 8,0 4,4 0,5 0,1 0
192 Bombom wafer, chocolate branco, chocolate, flocos arroz – HH 14,5 7,9 5,1 1,5 0,2 0
193 Tablete de chocolate com cereal crocante – F 9,1 5,5 3,2 0,4 0,0 0
194 Creme à base de cacau, avelãs e leite – Z 9,9 3,3 5,6 0,9 0,5 0
195 Bombom chocolate com avelã, recheio cremoso e avelã – Z 17,9 4,9 11,7 1,3 1,3 0
196 Bombom recheio avelã, coberto com chocolate – HH 2,3 0,9 1,1 0,3 0,1 0
197 Bombom wafer com chocolate cremoso – HH 15,6 6,8 5,6 3,1 0,4 0
198 Chocolate com wafer – MM 8,4 6,2 1,7 0,6 0,1 0
199 Chocolate com wafer – HH 9,7 5,5 3,0 1,1 0,2 0
200 Chocolate com wafer – RR 10,7 4,4 5,5 0,8 0,7 0
201 Bombom de chocolate branco e castanha-de-caju – CC 11,0 6,2 4,3 0,6 0,3 0
202 Bombom wafer chocolate, chocolate meio amargo, castanha-de-caju – CC 14,1 7,8 5,3 1,0 0,1 0
203 Chocolate ao leite com castanha-de-caju – RR 9,1 5,6 3,1 0,4 0,1 0
204 Bombom de chocolate com castanha-de-caju – CC 13,6 7,9 4,9 0,8 0,0 0
205 Bombom amendoim, castanha-de-caju e chocolate – CC 15,6 7,5 6,9 1,3 0,2 0
206 Bombom wafer chocolate, amendoim e castanha-de-caju – HH 17,4 9,0 6,6 1,9 0,3 0
207 Bombom wafer chocolate recheio amendoim – CC 13,4 6,9 5,8 0,8 0,5 0
208 Chocolate ao leite com amendoim – CC 1,1 0,6 0,4 0,0 0,0 0
209 Chocolate ao leite com amendoim – RR 1,2 0,7 0,5 0,1 0,0 0
210 Bombom chocolate recheio amendoim caramelizado – RR 9,2 5,2 3,5 0,5 0,1 0
211 Tablete sabor chocolate com amendoim – HH 1,4 0,8 0,5 0,1 0,0 0
212 Bombom Torrone – CC 13,2 7,1 5,5 0,6 0,1 0
213 Confeitos chocolate com açúcar – JJ 9,6 4,8 4,5 0,3 0,9 0
214 Confeitos de amendoim com açúcar – JJ 9,0 4,0 4,0 1,0 0,1 0
215 Bala de leite – K 1,6 1,3 0,3 0,1 0,1 0,2
216 Bolinho coberto de chocolate – E 16,2 10,6 4,4 1,3 1,4 0
217 Bolinho de brigadeiro – I 7,8 5,4 1,9 0,5 0,1 0
218 Bolinho com gotas sabor chocolate – I 11,5 5,4 4,3 1,8 0,4 0
219 Bolinho chocolate ao leite/chocolate branco –- I 2,0 1,1 0,8 0,2 0,0 0
Hambúrgueres e Batata frita - Fast food 220 Dois Hambúrgueres, cheddar, cebola, picles, tomate, alface, mostarda, maionese, pão Angus 7,8 3,4 3,6 0,8 0,4 0,5
221 Peito de frango empanado 10,9 2,7 3,0 5,2 0,3 0,2
222 Frango empanado, maionese, alface e pão com gergelim 4,0 0,9 1,3 1,8 0,4 0,2
223 Hambúrguer, queijo, bacon, cebola, mostarda, ketchup, maionese e pão com gergelim 3,9 1,7 1,8 0,4 0,3 0,5
224 Hambúrguer, queijo, cebola, tomate, alface, molho especial e pão com gergelim. 7,3 3,1 3,0 1,2 0,5 0,2
225 Hambúrguer, queijo, cebola, picles, ketchup e mostarda e pão com gergelim 5,8 2,9 2,7 0,2 0,4 0,6
226 Hambúrguer, cheddar, cebola grelhada ao molho shoyo e pão escuro com gergelim. 5,7 2,8 2,7 0,2 0,4 0,7
227 Dois hambúrgueres, queijo, alface e molho especial e pão com gergelim 7,4 3,1 3,1 1,1 0,3 0,7
228 Filé de peixe empanado, queijo, molho tártaro e pão 6,5 1,7 1,9 2,9 0,4 0,2
229 Hambúrguer, queijo, cebola, picles, ketchup, mostarda e pão 6,4 3,2 2,9 0,3 0,4 0,4
230 Hambúrguer, cebola, picles, ketchup, mostarda e pão 5,2 2,6 2,5 0,2 0,3 0,2
231 Tortilha crocante, alface, tomate, queijo, cebola e frango 2,7 1,4 0,2 1,0 0,1 0,1
232 Batata frita 0,5 0,1 0,3 0,2 0,0 0,1
233 Dois hambúrgueres, cheddar, cebola roxa, bacon, picles, mostarda, ketchup e pão Angus 6,6 3,2 3,1 0,3 0,3 0,5
Salgados de lanchonete 234 Quibe 6,0 2,1 2,7 1,2 0,7 -
235 Risole de milho com catupiry 2,9 0,9 1,3 0,7 0,4 -
236 Risole de palmito com catupiry 2,3 0,9 1,0 0,5 0,3 -
237 Bolinho de Aipim 3,9 1,1 1,8 1,0 0,5 -
238 Coxinha de frango com catupiry 4,2 1,3 1,7 1,3 0,3 -
239 Coxinha de frango 6,9 1,4 2,4 3,1 0,4 -
240 Esfirra de carne 2,4 0,9 1,2 0,3 0,3 -
241 Folhado de queijo 9,8 4,8 3,1 1,8 0,2 -
242 Folhado de peito de peru defumado 6,0 2,8 1,9 1,4 0,1 -
243 Folhado de frango 5,3 2,5 1,6 1,3 0,1 -
244 Pastel assado de frango 2,5 1,1 1,1 0,3 0,2 -
245 Pastel assado de frango com catupiry 1,5 0,8 0,6 0,1 0,1 -
246 Juscelino de presunto 4,6 1,8 1,9 0,9 0,4 -
247 Juscelino de frango 2,8 0,8 1,1 0,9 0,2 -
248 Pão de queijo 6,3 0,0 0,0 0,0 0,0 -
Pipocas 249 Pipoca de micro-ondas com manteiga – XXX 9,8 3,2 5,3 1,3 0,5 0
250 Pipoca de micro-ondas natural – XXX 13,4 8,1 4,6 0,6 0,1 0
251 Pipoca de micro-ondas com caramelo – XXX 3,7 0,8 1,0 1,9 0,0 0

Conforme se observa nos resultados apresentados na Tabela 1, alguns tipos de biscoitos (caseiros, wafer e recheados), chips e batata palha, e manteigas e margarinas foram os produtos que apresentaram os maiores percentuais de gorduras TRANS. Por outro lado, os chocolates e bombons, apesar de a grande maioria apresentar elevados teores de gordura total, os teores de gorduras TRANS encontrados foram relativamente baixos.

Nos biscoitos caseiros (amostras números 1 a 21) e nos salgados de lanchonete (amostras números 234 a 247), cujas amostras não continham rótulos, foram encontrados elevados teores de gorduras TRANS. Nos biscoitos caseiros, os valores variaram de 0,47 a 3,59 g em 100 g, o que equivale à variação de 0,1 a 1,1 g por porção de 30 g; nos salgados de lanchonete, encontrou-se de 0,08 a 0,66 g de gordura TRANS em 100 g.

Dos 215 produtos que continham rótulos, observaram-se divergências entre os teores de ácidos graxos TRANS declarados nos rótulos e os teores encontrados nas análises, em grande parte dos produtos analisados.

Em 27 amostras (números 31, 32, 34, 36, 41, 42, 57, 71, 107, 110, 119, 128, 129, 130, 131, 132, 133, 134, 136, 144, 151, 152, 153, 154, 195, 213 e 216), havia no rótulo a declaração de “0 gorduras TRANS”. Entretanto, nas análises desses produtos, foram encontrados teores de ácidos graxos TRANS superiores a 0,2 g/porção. Assim, estes deveriam conter nos rótulos os valores reais de gordura TRANS.

As manteigas continham a declaração de zero gordura TRANS em seus rótulos; entretanto, foram encontrados elevados teores. Nas amostras números 96 a 102, foram encontrados de 5,29 a 10,17 g (5,29% a 10,17%) de gordura TRANS em 100 g, o que equivale a uma variação de 0,5 a 0,9 g por porção de 10 g.

Deve-se salientar que sete amostras (números 30, 36, 40, 43, 48, 64, 76) apresentaram, em 100 g do produto, teores de ácidos graxos TRANS elevadíssimos, próximos ao máximo recomendado para ingestão total diária em diversos países (2 g/dia). Tomando-se a amostra 40 como exemplo (Wafer Chocolate – RR), observa-se que, em uma porção de 30 g, encontra-se 1,90 g de Gorduras TRANS (6,34 g de gorduras TRANS em 100 g do produto), valor muito próximo do limite de ingestão diária dessa gordura. Lembrando, ainda, que, muitas vezes, consome-se uma quantidade maior do que a porção utilizada para declaração nutricional.

Das 215 amostras que continham rótulos, em 189 havia a declaração “0 TRANS”. Porém, destas, em apenas 11 amostras (números 60, 69, 73, 91, 92, 93, 123, 155, 204, 208, 209), não se detectou gordura TRANS. Na amostra 248, apesar de não conter nenhuma indicação acerca do teor de gorduras TRANS, também não se detectou gordura TRANS. Assim, a despeito de conter ou não rótulo, das 251 amostras analisadas, apenas 12 considera-se realmente “0 TRANS”.

Em 25 das 215 amostras, havia indicação da quantidade de gorduras TRANS presente em uma porção [números 43, 55, 75, 90, 96, 101, 120, 125, 126, 127, 215 e os 14 produtos da rede fast food (números 220 a 233)].

Das 215 amostras analisadas que continham rótulos, 151 estão conforme a legislação, podendo alegar não conter gordura TRANS, pois apresentaram, no máximo, 0,2 g/porção de gordura TRANS. Ressalte-se, entretanto, que a alegação de “0 TRANS” não implica, necessariamente, em zero absoluto, e que a ingestão, mesmo de pequenas quantidades, resultará em um acúmulo diário.

Segundo a legislação brasileira, as condições para o produto conter a alegação “zero gordura TRANS” são: máximo de 0,2 g de gordura TRANS por porção e 2 g de gordura saturada por porção (BRASIL, 1998). Observam-se, em 23 amostras, valores altos de teores de gorduras saturadas (valores acima de 2 g de gordura saturada por porção) (amostras números 19, 22, 24, 33, 38, 39, 61, 97, 99, 100, 104, 105, 115, 135, 140, 143, 166, 169, 177, 197, 217, 218 e 250) e, em 27 amostras, tanto de gorduras saturadas quanto de TRANS (amostras números 18, 31, 34, 36, 40, 41, 96, 128, 131, 132, 133, 136, 151, 152, 215, 216, 220, 223, 224, 225, 226, 227, 228, 229, 230, 231 e 233) em 100 g de produto, como pode ser observado nos dois exemplos apresentados a seguir.

Na amostra de biscoito wafer de morango da marca G (amostra n.º 33), foram encontrados valores abaixo de 0,2 g/porção para gorduras TRANS (0,05 g de gorduras TRANS/porção de 30 g), mas valores elevados para gorduras saturadas, acima de 2,0 g/porção (3 g de gorduras saturadas/porção de 30 g). Este é um aspecto importante a ser observado, pois uma das formas utilizadas para reduzir a gordura TRANS consiste na substituição de óleos insaturados por gorduras saturadas.

Para o bolinho com cobertura de chocolate (amostra n.º 216), a situação é ainda pior, pois este é um produto amplamente consumido por crianças, no qual foram encontrados valores elevados tanto para gorduras TRANS quanto para gorduras saturadas, observando-se que, em uma porção de 45 g, encontram-se 0,62 g de gorduras TRANS e 4,75 g de gorduras saturadas.

Outro aspecto observado neste trabalho foi a divergência encontrada entre os valores declarados nos rótulos e aqueles encontrados nas análises. Para exemplificar estes casos, foram utilizadas as amostras 34, 68 e 233, conforme apresentado na Tabela 2.

Tabela 2 Caracterização das amostras 34, 68 e 233, por grupo de gordura. 

AMOSTRA 34 AMOSTRA 68 AMOSTRA 233
ANÁLISE em (%) ANÁLISE em 100g RÓTULO em 100g ANÁLISE em (%) ANÁLISE em 100g RÓTULO em 100g ANÁLISE em (%) ANÁLISE em 100g RÓTULO em 100g
Gordura Total 100,00 17,09 30,50 100,00 7,87 16,00 100,00 6,61 13,90
Gordura saturada 42,00 7,18 12,50 8,70 0,69 1,67 47,70 3,16 6,34
Gordura monoinsaturada 20,10 3,43 - 77,20 6,08 8,00 47,10 3,11 -
Gordura poli-insaturada 37,90 6,47 - 14,10 1,10 8,70 5,20 0,34 -
Gordura TRANS 5,30 0,91 0 0,40 0,03 0 5,20 0,34 0,51
Lista de Ingredientes Gordura vegetal Óleo vegetal de girassol -

A soma dos valores das gorduras saturadas, monoinsaturadas e poli-insaturadas tem de ser equivalente ao valor da gordura total (o teor de gordura TRANS está incluído no teor de gorduras insaturadas, podendo ser mono ou poli-insaturada). É importante ressaltar que o que se observa nos rótulos (Tabela 2) é que as informações nutricionais são incompletas.

No rótulo da amostra 34, encontra-se o total de 30,5 g de gordura em 100 g de produto, sendo que 12,5 g correspondem à gordura saturada, faltando a informação de onde provêm os 18 g de gordura que faltam.

Na amostra 68, ao somar os valores de gorduras saturadas, monoinsaturadas e poli-insaturadas contidas no rótulo, observa-se que esse valor (18,37 g) ultrapassa o valor declarado de gordura total (16 g). Já na amostra 233, ao somar os valores de gorduras saturadas e gorduras TRANS contidas no rótulo, observa-se um valor (6,85 g) inferior ao valor declarado de gordura total (13,9 g).

Os valores inferiores encontrados para gorduras saturadas e gorduras TRANS em comparação com os valores declarados nos rótulos das amostras 68 e 233, provavelmente são devidos à substituição de ingredientes que eram utilizados anteriormente, quando o rótulo foi elaborado, e que continham teores mais elevados dessas gorduras. Essa discrepância demonstra um grave problema quanto ao fornecimento de informações acuradas ao consumidor.

O rótulo da amostra 34 continha a alegação de “zero gordura TRANS” e o valor encontrado na análise foi de 0,91 g em 100 g (0,27 g/porção de 30 g), superior ao valor permitido pela legislação para ser declarado como “zero gordura TRANS”. Já na amostra 68, a declaração de “zero gordura TRANS” no rótulo obedeceu à legislação (0,03 g/100 g de produto).

Observa-se, ainda, que, no caso da amostra 233, não se comem, apenas, 100 g do produto e sim o sanduíche inteiro, com aproximadamente 331 g, o que equivale a ingerir 1,1 g de gorduras TRANS em uma única refeição.

Num total de 251 amostras analisadas, 21 eram de biscoitos caseiros; 46 de biscoitos doces; 22 de biscoitos salgados; 6 de molhos; 19 de grãos e achocolatados; 6 de produtos semiprontos; 5 de batatas palhas; 18 de chips; 6 de pães e torradas; 6 de temperos; 50 de chocolates; 4 de bolos prontos; 14 de hambúrgueres – fast food; 15 de salgados de lanchonete; 3 de pipocas; 3 de óleos; 7 de manteigas e margarinas.

É esperada variação em composição química de produtos em diferentes lotes e também em diferentes análises químicas. Na Figura 1, apresentam-se a mediana, a média e o desvio padrão de cada grupo de produto apresentado, de modo a evidenciar a grande variação nas concentrações de gordura TRANS em diferentes grupos de produtos.

Figura 1 Variações nas concentrações de gordura TRANS em diferentes grupos de produtos (linha inteira: concentração média ± desvio padrão; linha pontilhada: concentração mediana). 

Os resultados do grupo das amostras de manteigas e margarinas não estão apresentados na referida figura, visto que foram encontrados valores de gorduras TRANS (7,43 ± 1,66) muito superiores aos dos outros grupos de produtos, os quais variaram de 0,06 ± 0,07 (para molhos) a 2,28 ± 1,03 (para batatas palhas). Assim, por questões de escala, a representação de todos os grupos de produtos na mesma figura (incluindo manteigas e margarinas) dificultaria a visualização dos resultados.

Conforme se observa nos resultados apresentados na Figura 1, os grupos dos produtos batata palha e biscoitos caseiros foram os que apresentaram as maiores médias de gorduras TRANS. Observa-se que há uma grande variação dos teores de gordura TRANS nos valores encontrados nas análises para os vários grupos de produtos, evidenciada pelos elevados valores de desvio padrão; estes valores mostram-se até mesmo superiores às suas respectivas médias, comprovando a grande variação que há no teor de gordura TRANS entre mesmos produtos de diferentes marcas e lotes.

Vale ressaltar que a ANVISA não exige a análise constante e periódica. A exigência é de, apenas, uma vez, ao registrar o produto. Portanto, um produto que foi analisado há dez anos pode ter variado sua composição, ou o lote, mas a empresa elabora seu rótulo por meio de tabelas e não da análise, o que justifica o fato de a grande maioria das amostras analisadas não ter apresentado veracidade na declaração dos teores das gorduras, objeto deste estudo.

4 Conclusões

Das 251 amostras analisadas, observa-se que 151 produtos estão conforme a legislação, em que a gordura TRANS nos rótulos consta como zero, por apresentarem valores abaixo de 0,2 g de gordura TRANS e 2 g de gordura saturada por porção. Porém, deve-se ressaltar que, na realidade, não é zero absoluto, dando a falsa ideia ao consumidor de não estar ingerindo gordura TRANS, independentemente da quantidade consumida. Observa-se que, em apenas 12 amostras dentre as 251 amostras analisadas, não se detectou gordura TRANS em 100 g de produto analisado.

Os resultados obtidos indicam a necessidade de uma regulamentação mais cautelosa, discriminando o real teor de gordura TRANS nos rótulos dos alimentos. Na maioria dos rótulos, apesar de apresentarem 0% gordura TRANS em suas tabelas nutricionais, observa-se, na lista de ingredientes, a presença de gordura vegetal, mas o tipo de gordura vegetal utilizado não é especificado – ingrediente este, importante para uma adequada orientação nutricional para pacientes com risco ou portadores de doenças cardiovasculares. É necessário que a declaração dos nutrientes seja mais objetiva, de modo a minimizar dúvidas quanto ao tipo de gordura empregada nos produtos.

É necessária, também, uma padronização dos métodos analíticos e das porções utilizadas para a declaração nutricional (fixando, por exemplo, 100 g para todos os produtos), e que se estabeleça a exigência de determinação periódica dos teores de ácidos graxos TRANS e de gorduras saturadas nos produtos, para verificar a veracidade das informações contidas nos rótulos, uma vez que a formulação do produto pode variar com o tempo e/ou com a disponibilidade de matéria-prima.

Agradecimentos

À FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) pelos recursos financiados para a execução do projeto e pela concessão de bolsa de estudo.

Cite as: Determination and verification of how “trans” fat is notified on food labels, particularly those expressed as being “0% trans fat”. Braz. J. Food Technol., v. 19, e2015043, 2016.

Referências

Arenhart, M.; Balbinot, E. L.; Batista, C. P.; Prochnow, L. R.; Marques, E. B.; Portella, E. A.; Blasi, T. C. A realidade das gorduras trans: conhecimento ou desconhecimento. , Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da SaúdeSanta Maria, v. 10, n. 1, p. 59-68, 2009. [ Links ]

Aued-Pimentel, S.; Silva, S. A.; Kus, M. M. M.; Caruso, M. S. F.; Zenebon, O. Avaliação dos teores de gordura total, ácidos graxos saturados e trans em alimentos embalados com alegação “livre de gorduras trans”. , Brazilian Journal of Food TechnologyCampinas, v. VII BMCFB, p. 51-57, jun 2009. [ Links ]

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998. Aprova regulamento técnico referente à Informação nutricional complementar (declarações relacionadas ao conteúdo de nutrientes), constantes do anexo desta portaria. , Diário Oficial [da] República Federativa do BrasilBrasília, DF, 16 jan. 1998. [ Links ]

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. , Diário Oficial [da] República Federativa do BrasilBrasília, DF, 26 dez. 2003. [ Links ]

Brownell, K. D.; Pomeranz, J. D. The trans-fat ban – food regulation and long-term health. , The New England Journal of MedicineBoston, v. 370, n. 19, p. 1773-1775, 2014. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMp1314072. PMid:24806156. [ Links ]

Christie, W. W. Gas chromatography and lipids: a practical guide. Ayr: Pergamon Press, 1989. [ Links ]

David, M. L.; Guivant, J. S. A gordura trans: entre as controvérsias científicas e as estratégias da indústria alimentar. , Política & SociedadeFlorianópolis, v. 11, n. 20, p. 49-74, 2012. [ Links ]

HORWITZ, W. (Ed.). Official Methods of Analysis of AOAC. 18 ed. Gaithersburg: AOAC International, 2005. (Method 996.06). [ Links ]

Merçon, F. O que é uma Gordura Trans? , Química NovaSão Paulo, v. 32, n. 2, p. 78-83, 2010. [ Links ]

Pereira, R. A.; Duffey, K. D.; Sichieri, R.; Popkin, B. M. Sources of excessive saturated fat, trans fat and sugar consumption in Brazil: an analysis of the first Brazilian nationwide individual dietary survey. , Public Health NutritionWallingford, v. 17, n. 1, p. 113-121, 2012. http://dx.doi.org/10.1017/S1368980012004892. PMid:23190560. [ Links ]

Proença, R. P.; Silveira, B. M. Recomendações de ingestão e rotulagem de gordura trans em alimentos industrializados brasileiros: análise de documentos oficiais. , Revista de Saúde PúblicaSão Paulo, v. 46, n. 5, p. 923-928, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012000500020. PMid:23128270. [ Links ]

Silveira, B. M.; GONZALEZ-CHICA, D. A.; PROENÇA, R. P. C. Componentes com gordura trans notificados na lista de ingredientes de alimentos industrializados. , Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e NutriçãoSão Paulo, v. 38, p. 212, 2013. Suplemento. [ Links ]

Souza, A. A.; Almeida, D. T.; Barros, H. D.; Machado, E. R.; Pumar, M. Critical analysis of labeling and household measures of margarine, vegetable cream, butter, cream cheese, and palm oil. , Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e NutriçãoSão Paulo, v. 39, n. 1, p. 1-16, 2014. [ Links ]

Received: June 15, 2015; Accepted: February 23, 2016

Ana Luisa Daibert Pinto, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Departamento de Engenharia Química, Av. Antônio Carlos, 6627, Prédio da Engenharia, Bloco 2, 5º Andar, Campus da Pampulha, CEP: 31270-901, Belo Horizonte/MG - Brasil, e-mail: anadaibert@yahoo.com.br

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.