SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 issue2INNOVATING TEXTBOOK AND TEACHERS: A CHALLENGE TENSIONContributions of Discourse Analysis and Fleck's epistemology to the comprehension of Popular Science and its introduction in science classrooms author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte)

Print version ISSN 1415-2150On-line version ISSN 1983-2117

Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) vol.7 no.2 Belo Horizonte May/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172005070205 

Artigos

REPRESENTAÇÕES DE UM GRUPO DE DOCENTES SOBRE DROGAS: ALGUNS ASPECTOS

Cláudia Virginia Galindo Cavalcante1 

Daisi Teresinha, Chapani1 

Vagner da Silva Sena2 

Jamile Souza Damasceno2 

Elaine Silva Alexandre2 

Wagner Barbosa Matias2 

1Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié-BA.

2Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié-BA.

RESUMO

O abuso de drogas é atualmente um grave problema de saúde pública e a escola básica deve contribuir com a sua prevenção. O objetivo do trabalho foi identificar as representações sociais dos professores de um grupo de professores de educação básica sobre drogas. Utilizamos como instrumento de coleta de dados um formulário que continha a seguinte sentença: Para você, drogas são... , aplicado a um grupo de 75 docentes. Utilizando procedimentos da análise de conteúdo buscamos identificar alguns aspectos das representações destes profissionais. Verificamos que estes entendem drogas como algo extremamente maléfico, que produz danos muitas vezes irreversíveis. Programas de formação inicial e continuada devem levar em consideração estas representações e colaborar na ampliação destas.

Palavras-Chave: docentes; representações socais; drogas de abuso.

ABSTRACT

The abuse of psychtropic drugs is nowadays a serious problem of public health and the basic school is called to contribute with its prevention. We judge it's important to identify the social representations of a group of teachers of basic education about drugs. For this we used a form with the following sentence: For you, drugs are... . Taking this as base procedures to the analyse of content seeking to identify some aspects of the representations of this professional group. We verified that they understand drugs as something extremely harmful, that produce psycological, physical, social, spiritual and moral damages, most times irreversible. Concluded that the programs of beginning continued formation of teachers must colaborate in the magnification of these representations also to provoke a transformation in the teaching practice.

Key words: teachers; social representation; drugs of abuse; prevention.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERENCES

ANADÓN, M.; MACHADO, P. B. Reflexões teórico-metodológicas sobre as representações sociais. Salvador: Editora UNEB, 2003 [ Links ]

ARATANGY, L. R. Drogas: uma questão de liberdade. In. SÃO PAULO (ESTADO) Papel da educação na ação preventiva ao abuso de drogas e à DST/AIDS. São Paulo: FDE. Diretoria de Projetos Especiais/Diretoria Técnica, 1996. (Série Idéias; n.29)p.109-118. [ Links ]

ARAUJO, C. C., FERREIRA, F. N. E., QUEIROZ, R. S., PORTO, G. G., SILVA, T. F., CAVALCANTE, C. V. G., CHAPANI, D.T. Conhecimento de um grupo de professores de ensino fundamental e médio sobre drogas psicotrópicas In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Educação em Ciências (IV) Atas... ABRAPEC: Bauru, 2003 [ Links ]

BRASIL, Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília: MEC/SEF, 1997. [ Links ]

BRASIL, Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiros e quarto ciclos: temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. [ Links ]

BRASIL, Secretaria Nacional Antidrogas. Política Nacional Antidrogas. Brasília: Presidência da República, Gabinete de Segurança Institucional, Secretaria Nacional Antidrogas, 2001. [ Links ]

BUCHER, R. Drogas e drogadição no Brasil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. [ Links ]

BUCHER, R. Drogas: o que é preciso saber para prevenir. 3a ed. São Paulo: Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, 1993. [ Links ]

BUCHER, R.,OLIVEIRA, S.R.M. O discurso do combate às drogas e suas ideologias. Rev. Saúde Pública, 28 (2), 137-145.{s.d.} [ Links ]

CARLINI-CONTRIM, B., ROSEMBERG, F. Os livros didáticos e o ensino para a saúde: o caso das drogas psicotrópicas. Rev. Saúde Pública, São Paulo 25 (4): 299-305, 1991. [ Links ]

DELGADO, E., PABLOS, M.L., SÁNCHES, D.S. Programa de orientação educacional sobre prevenção à dependência de drogas. In: ÁLVAREZ, M.N. Valores e temas transversais no currículo. Porto Alegre: ARTMED, 2002 [ Links ]

DOMANICO, A.; BRITES, C.M. realidade escolar e uso de drogas. In. SÃO PAULO (ESTADO). Papel da educação na ação preventiva ao abuso de drogas e à DST/AIDS São Paulo: FDE. Diretoria de Projetos Especiais/Diretoria Técnica, 1996. (Série Idéias; n.29) (133 - 136). [ Links ]

FERREIRA, A.B.H. Novo Aurélio século XXI: dicionário de língua portuguesa. 3a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. [ Links ]

GALDURÓZ, J.C.F.; NOTO, A.R.;CARLINI, E.A. IV Levantamento sobre o uso de drogas entre estudantes de 1° e 2° grau em 10 capitais brasileiras. São Paulo: UNIFESP, 1997. Disponível em http://www.cebrid.epm.br. Acesso em 03/12/2004. [ Links ]

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M.C.S. (org) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 12a ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994. [ Links ]

LEOPARDI, M.T. Metodologia da pesquisa na saúde. Santa Maria: Pallotti, 2001 [ Links ]

LIMA, E.S. Drogas nas escolas:quem consome o quê? In. SÃO PAULO (ESTADO). Papel da educação na ação preventiva ao abuso de drogas e à DST/AIDS São Paulo: FDE. Diretoria de Projetos Especiais/Diretoria Técnica, 1996. (Série Idéias; n.29) p. 119 -130 [ Links ]

MARQUES, A.C.P.R. Atualização de Conhecimentos sobre redução da demanda de drogas (curso a distância). s.l. SENAD/UFSC, s.d. [ Links ]

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1995(Questões da nossa época, v.41). [ Links ]

RIBEIRO, T.W.; PERRGHER, N.K., TOROSSIAN, S.D. Drogas e adolescência: uma análise da ideologia presente na mídia escrita destinada ao grande público. Psicol. Reflex.Crit.v. 11. n.3. Porto Alegre, 1998 [ Links ]

SOARES, C.B., JACOBI, P.R. Adolescentes, drogas e AIDS: avaliação de um programa de prevenção escolar. Caderno de Pesquisa, n. 109, p.213-237, março, 2000 [ Links ]

SPINK, M.J. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, P.A., JOVCHELOVICHT (ORG) Textos em representações sociais. 2a ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1995( 117- 148). [ Links ]

WAGNER, W. Descrição, explicação e método na pesquisa das representações sociais. In:, GUARESCHI, P.A. JOVCHELOVICHT (ORG). Textos em representações sociais 2a ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1995 (149-186). [ Links ]

1 Prof. Ms. Assistente do Departamento de Ciências Biológicas da UESB-Jequiè

2 Graduandos da UESB-Jequié

3 "Fatores de riscos são aquelas circunstâncias sociais ou características da pessoa que a tornam mais vulneráveis a assumir comportamentos arriscados, como usar drogas. Fatores de proteção são aqueles que contrabalançam as vulnerabilidades, tornando a pessoa com menos chance de assumir esses comportamentos" (MARQUES, s.d)

4 De acordo com o Dicionário Aurélio: Sf. 1 - qualquer substância ou ingrediente que se usa em farmácia, em tinturaria etc.2 - Med. Qualquer sustância que possa ser empregada no homem ou em outros animais, com o fim de diagnóstico, de tratamento ou de profilaxia de doença. 3 - produto oficinal, de origem animal ou vegetal, no estado em que se encontra no comércio. 4 - Substância entorpecente, alucinógena, excitante etc, com p. ex., a maconha, o haxixe, a cocaína, ministrada por via oral, ou por outras, ger. com o fito que o usuário passe, principalmente e em caráter transitório, a um estado psíquico que lhe pareça agradável (....) 5 - Fig. Coisa de pouco valor. 6- Coisa enfadonha, desagradável (...) ( FERREIRA, 1999 p. 708 - 709 )

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License