SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue3THE RESTRUCTURING OF THE PEDAGOGICAL PROGRAM OF A BRAZILIAN PUBLIC UNIVERSITY'S DEGREE IN PHYSICS EDUCATION: CONTRIBUTIONS OF FUTURE TEACHERS TO THE PROCESSPROFILE OF KNOWLEDGE OF LIVING BEINGS BY COOPEC STUDENTS: A TOOL FOR PLANNING SCIENCE TEACHING author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte)

Print version ISSN 1415-2150On-line version ISSN 1983-2117

Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) vol.14 no.3 Belo Horizonte Sept./Dec. 2012

https://doi.org/10.1590/1983-21172012140315 

Dossiê

DISCURSOS QUE CIRCULAM NA CORREÇÃO DE UM QUESTIONÁRIO: SENTIDOS E SIGNIFICADOS

DISCOURSES PRESENT IN THE CORRECTION OF A QUESTIONNAIRE: SENSES AND MEANINGS

Sheila Alves de Almeida 1  

Marcelo Giordan 2  

1Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente da Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto-MG.

2Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo-SP


RESUMO

Este trabalho analisa o uso do questionário em uma aula de Ciências nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Ao investigar a aula, compreendemos o questionário como um gênero escolar pertencente a práticas institucionalizadas que envolvem alunos e professores a partir de contratos tácitos que vinculam as duas pontas na interação, numa incessante tarefa de produção de sentido a partir do querer dizer do professor e do que é interpretado pelos alunos. Baseado em estudos sobre esse gênero, foram analisados três episódios distintos que contemplam diferentes fases da correção de um questionário. Num primeiro momento, os papéis desempenhados por professora e alunos e o lugar social de onde falam, ouvem e agem é bem marcado. No segundo evento, identificamos que no processo de correção do questionário, a linguagem não se apresenta ordenada. Como produto do incessante leva e traz, o discurso resiste a uma sistematização rígida. No último evento, identificamos que mesmo com as opressões hierárquicas, as palavras circulam. Assim, partindo dos pressupostos bakhtinianos, a questão fundamental presente neste artigo é a discussão da natureza dialógica do questionário.

Palavras-Chave: Questionário; dialogia; ensino de ciências; sala de aula.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Sheila Alves. Ver o invisível: o olhar das professoras sob uma experiência de ensinar e aprender com as atividades de conhecimento físico nos ciclos iniciais. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005. [ Links ]

CANDELA, Antonia. Ciencia en el aula: los alumnos entre Ia argumentación. y el consenso. México/ MEX: Paidós Educador, 1999. [ Links ]

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Tradução por Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes. 1997. [ Links ]

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Tradução por Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec. 1995. [ Links ]

BRAIT, B. O processo interacional. In: PRETI, Dino (org.) Análise de textos orais. 4. ed. São Paulo: Humanitas, 1999. [ Links ]

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC, SEF, 1998. [ Links ]

CAZDEN, Courtney B. Classroom Discourse: The Language of Teaching and Learning. 2. ed. Portsmouth, USA: Heinemann, 2001. [ Links ]

EMERSON, C. O mundo exterior e o discurso interior, Bakhtin, Vygotisky e a internalização da língua. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Loyola, 2002. [ Links ]

GUIDO, L. F. E. A Evolução Conceitual na Prática Pedagógica do Professor de Ciências das Séries Iniciais. 1996. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas-SP, 1996. [ Links ]

JIMÉNEZ, Aleixandre M.P., Bugallo Rodriguez, A. e Duschl R.A. (2000) 'Doing the lesson' or 'Doing Science': Argument in High School Genetics. Science Education, [s.l] v. 84, 2000. [ Links ]

LEMKE, J. (1990) Talking Science. Language, Learning and Values. Norwood, NJ: Ablex, 1990.(Traducido como Aprender a hablar Ciencia. Lenguaje, aprendizaje, valores. Barcelona: Paidós,1997). [ Links ]

MEHAN, H. Learning Lessons: social organization in the classroom. Cambridge, MA: Harvard Press, 1979. [ Links ]

MACEDO, M.S.N.; MORTIMER, E.F.; GREEN, J. A constituição das interações em sala de aula e o uso do livro didático: análise de uma prática de letramento no primeiro ciclo. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n° 25, Jan/Fev/Mar/Abr. 2004. [ Links ]

MERCER, N. Language, Education and the Guided Construction of Knowledge. In: ENCONTRO SOBRE TEORIA E PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS: LINGUAGEM, CULTURA E COGNIÇÃO, REFLEXÕES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS, 1997, Águas de Lindóia, SP: SBF. Anais... Águas de Lindóia, 1997. [ Links ]

MOLINA, A. El modelo didáctico del maestro y la clase de ciencias en la básica primaria. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, LINGUAGEM, CULTURA E COGNIÇÃO, REFLEXÕES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS ,1997, Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Física. Anais... Aguas de Lindóia, 1997. [ Links ]

MORTIMER, Eduardo F.; SCOTT, Phillip H. Making meaning in secondary science classrooms. Maidenhead, UK : Open Univ Press., 2003. [ Links ]

OSBORNER, R.; FREYBERG, P. El Aprendizaje de las Ciencias: implicaciones de la ciencia de los alumnos. Madrid: Narcea, S. A. Ediciones, 1991. [ Links ]

ROJO, Roxane Helena Rodrigues. Gêneros do discurso no círculo de Bakhtin - ferramentas para a análise transdiciplinar de enunciados em dispositivos e práticas didáticas. Disponível em: <http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/cd/Port/117.pdf>. acesso em: 24 de agosto de 2009.{s.d.} [ Links ]

SILVEIRA, Juracy. Leitura na escola primária. Rio de Janeiro: Conquista, 1966. [ Links ]

TODOROV, T. Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980. [ Links ]

VYGOTSKY Lev S. Pensamento e linguagem. Tradução por Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes. 1993. [ Links ]

VYGOTSKY Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução por José Cipolla Neto et al. São Paulo: Martins Fontes, 1994. [ Links ]

WEISMANN, H. O que ensinam os professores quando ensinam Ciências Naturais e o que dizem querer ensinar. In: WEISSMANN, Hilda (Org.). Didática das ciências naturais: contribuições e reflexões. Porto Alegre: ArtMed, 1998. [ Links ]

WELLS, G. (org). Creating communities of inquiry. Toronto, Canadá: Portsmouth, OISE Press e Heinemann, [199?]. [ Links ]

1Silveira (1966), Weissmann (1998), Barros, Susana, Losada e Cristina (2001).

2Na transcrição dos eventos, usamos o padrão ortográfico. Utilizamos a seguinte legenda: (...) para pausas e letras maiusculas para ênfases.

3Sheila Alves de Almeida - Doutora em Educação pela Universidade de são Paulo (USP). Professora do Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Email: sheilaalvez@iceb.ufop.br

4Marcelo Giordan -Doutor em Química pelo Programa de Pós-graduação em Química no Instituto de Química da Universidade de Campinas(IQ-UNICAMP). Professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo(USP). Email: giordan@usp.org.br

Recebido: 01 de Fevereiro de 2011; Aceito: 03 de Novembro de 2011

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License