SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue1STUDENTS’ ASSESSMENT ABOUT THE PRACTICE TO PRODUCE RECORDS OF SCIENCE EDUCATION ACTIVITIES author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte)

On-line version ISSN 1983-2117

Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) vol.17 no.1 Belo Horizonte Jan./Apr. 2015

https://doi.org/10.1590/1983-211720175170114 

Editorial

EDITORIAL

Silvania Sousa do Nascimento


Eu sempre gosto de começar a escrever um editorial agradecendo ao leitor, que muitas vezes, em nossa atual prática de leitura de artigos, não perpassa pelas primeiras páginas dos periódicos. Então, qual seria a função de um editorial de uma revista científica? Lima e Santos Filho (2011, p. 95), ao se debruçarem sobre a complexidade do gênero discursivo "editorial", no caso dos jornais impressos ou online, expressam a função de credibilidade atribuída a esse tipo de texto, principalmente no jornalismo opinativo. Não acredito que tal definição se aplique aos periódicos científicos! Os editoriais, na era digital, correm o risco de se tornarem textos de gaveta, já que a prática de leitura especializada busca direto os artigos indexados. Os estudos de Rodrigues e Oliveira (2012) sobre o crescimento das publicações indexadas vêm mostrando a desigualdade na circulação de artigos, ao mesmo tempo em que há significativo aumento do acesso diretamente aos artigos indexados nas principais bases de dados, como Thompson Reuters ISI e SciVerse Scopus. Mas, ainda assim, o escrevemos; e com muito prazer gostaria de fazer alguns comentários sobre o presente número da Revista Ensaio: pesquisa em educação em ciências. Antes de tudo, toda a equipe e seus colaboradores devem ser parabenizados pela indexação do periódico no portal Scielo.

A análise da materialidade discursiva da educação em ciência é a característica marcante deste número. A área da pesquisa em ensino de ciência assumiu, desde a última década do século XX, a importância dos aspectos comunicativos e discursivos da sala de aula em toda a complexidade de práticas discursivas que ali se desenvolvem. Os avanços tecnológicos nos viabilizam o registro e a posterior análise de interações discursivas mediadas por artefatos culturais diversificados. Quanto a isso, gostaria de chamar atenção para dois pontos pouco problematizados na área de Educação em Ciências, mas amplamente debatidos nos campos da Linguística Aplicada e da Sociolinguística. Primeiramente, é importante considerar o conceito de língua, preocupando-se com a dinâmica da linguagem em uso e com os muitos processos de subjetivação na constituição dos sujeitos leitores e escritores. E, finalmente, é preciso pensar, para além da materialidade textual, as muitas imbricações que permeiam a prática discursiva de mediadores e aprendizes, mergulhados em um mundo cada vez mais semiótico. São exatamente esses dois principais pontos que as colaborações deste número focalizam.

Já no primeiro artigo, apresentamos um texto pouco estudado: o registro escrito em sala de aula por alunos. Esses registros, quase indícios materiais de uma prática de escrita, não foram analisados diretamente; os resultados são apresentados a partir do exame de 196 questionários mediante uma combinação das análises de enunciação e gramático-funcional. Enriquecendo a discussão da produção textual e de sua implicação para a Educação em Ciências, passamos para a comunicação da ciência em outras esferas sociais. No segundo artigo, temos uma discussão sobre o endereçamento de uma produção fílmica com finalidade educativa da qual licenciandos de Biologia são produtores e, além disso, entrevistadores de um grupo de expectadores. Em seguida temos uma discussão sobre o crescimento, nas redes públicas municipais, do uso de textos apostilados, independentemente das políticas públicas de avaliação e distribuição dos livros didáticos para a Educação Básica. Dessa forma, o livro didático não é o artefato cultural predominante na sala de aula, mas possui presença significativa, como analisado no sétimo artigo, sob a ótica do conteúdo disciplinar "a evolução biológica". A diversidade metodológica das abordagens da Análise de Discurso é o objeto de discussão de nosso sexto artigo, em que é mostrado um contraponto entre a análise de conteúdo, a análise de discurso dentro da perspectiva francesa e a teoria bakhtiniana. Nesses artigos, destacamos a diversidade da abordagem teórico-metodológica na condução dos estudos, que vai da análise de conteúdo clássica à gramática sistêmico-funcional.

A dimensão da comunicação pública das ciências está presente na investigação do discurso jornalístico em dois artigos: por meio do exame de telejornais colombianos; e da análise de artigos sobre Educação em Ciências publicados entre 2006 e 2010 nos periódicos Science e Nature. Em ambos os artigos, os resultados destacam as aproximações e os afastamentos das culturas do fazer ciência e do ensinar ciências. E uma temática emerge da análise de entrevistas de pesquisadores e monitores participantes do Rede Nacional Educação e Ciência - Novos Talentos da Rede Pública (RNEC/NT), da região Sul do Brasil. Será que somos mesmo modernos?

Finalmente, temos quatro artigos que colaboram com a leitura compondo outros cenários. Um deles retoma o conceito de Conhecimento Pedagógico de Conteúdo (PCK, na sigla em inglês) na complexidade de produções escritas e orais de dois professores participantes de um grupo colaborativo. Outro comenta a diversidade de experimentos de Charles Du Fay, um filósofo natural do início do século XVIII, para investigar os fenômenos elétricos, e o terceiro analisa as representações docentes de professores de química sobre as tecnologias digitais. Temos ainda uma discussão oportuna sobre o Centro de Ciências do Rio Grande do Sul (CECIRS), que, como o Centro de Ciências e Matemática de Minas Gerais (CECIMIG), participou da política pública de renovação do ensino das disciplinas científicas durante a década de 1960. O cerne do artigo é a colaboração do professor Vicente Hillebrand, responsável pela Educação Matemática no processo de educação continuada do centro. Fechamos esse número com a resenha do livro Argumentação no Ensino de Ciências: tendências, práticas e metodologia de análise.

Orquestramos, desse modo, a multiplicidade de investigações conduzidas recentemente no campo educacional e agradecemos aos colaboradores, aos autores, aos pareceristas e aos leitores de nosso periódico.

Boa leitura!

Belo Horizonte, abril de 2015.

Silvania Sousa do Nascimento

REFERÊNCIAS

LIMA, José Rosamilton de; SANTOS FILHO, Ivanaldo Oliveira dos. Editorial: gênero de expressão opinativa. Interdisciplinar, Ano VI, v. 14, jul-dez de 2011 p. 87-99. Disponível em: <http://200.17.141.110/periodicos/interdisciplinar/revistas/ARQ_INTER_14/INTER14_08.pdf>. Acesso em 28 mar. 2015. [ Links ]

RODRIGUES, Rosângela Schwarz; OLIVEIRA, Aline Borges de. Periódicos científicos na America Latina: títulos em acesso aberto indexados no ISI e SCOPUS. Perspectivas em Ciência da Informação, v.17, n.4, p.77-99, out./dez. 2012. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/ article/download/1593/1100>. Acesso em: 28 mar. 2015. [ Links ]

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License