SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número3As complexidades inerentes ao tema "mudanças climáticas": desafios e perspectivas para o ensino de física índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte)

versão impressa ISSN 1415-2150versão On-line ISSN 1983-2117

Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) vol.17 no.3 Belo Horizonte set./dez. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172015170313 

Editorial

Editorial

Orlando Aguiar Jr


No fechamento desta edição, estivemos imersos em inúmeros debates no campo da educação. Um deles, relativo à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), cujo documento preliminar encontra-se aberto à consulta pública. Apesar de estar prevista nas Diretrizes Curriculares e aprovada no Plano Nacional de Educação, um intenso debate tem sido realizado sobre o sentido desta Base, sobre a necessidade da mesma e de seus desdobramentos. Se tomarmos o espectro de posições, favoráveis e contrárias à BNCC, vemos que vários desses posicionamentos convergem ao indicar a necessidade de preservar a diversidade cultural e de abordagens dos temas de escolarização e, ao mesmo tempo, a proposição de objetivos educacionais básicos e fundamentais, a serem preservados e garantidos a todos (Batista, Lugli e Ribeiro, 2015).

No entanto, há que se reconhecer a precariedade das condições de produção do documento preliminar e, ainda, o exíguo tempo destinado à consulta pública. Disso resultam problemas de diversas ordens na proposta, seja quando se consideram sua estrutura e organização, seja quando examinamos em detalhe as proposições feitas nas áreas de conhecimento e componentes curriculares. Não foram dadas condições mínimas para que uma posição hegemônica fosse sendo construída, nem mesmo entre aqueles que consideram a BNCC um vetor de mudanças desejáveis na educação brasileira. Preocupa, sobretudo, que esse debate, embora intenso no meio acadêmico, inexiste entre os professores e escolas da Educação Básica, a quem compete, supostamente, concretizar suas intenções educativas.

Nesse sentido, é necessário rever os prazos inicialmente previstos para consolidação da proposta, que deveria ser precedida por uma ampla discussão sobre seu caráter, alcance e desdobramentos. A Base Comum deve indicar um currículo ideal ou um currículo mínimo? Como devem ser estabelecidos os tempos e orientações para a parte diversificada do currículo? Qual o nível de detalhamento desejável da proposta? Quais as implicações dessas definições para a avaliação de sistemas educativos, a produção de materiais didáticos e a formação, inicial e continuada de professores? O que se pretende com a Base? Quais os próximos passos?

Outro debate se abre em torno de cortes anunciados em órgãos do Ministério da Educação e em programas e políticas educacionais em andamento. Preocupa, entre outros, o debate sobre cortes anunciados no PIBID, Programa de Bolsas de Iniciação à Docência, da Diretoria da Educação Básica da CAPES. São notórias as contribuições deste programa para a formação de professores em sintonia com necessidades e realidade das escolas e dos estudantes da educação básica (Gatti et al, 2014). O sucesso deste Programa depende fundamentalmente da figura do Professor Supervisor, com bolsa, reconhecimento e condições de atuar como um formador no contexto da Escola e da sala de aula. Tais condições incluem reuniões da equipe na Universidade e o diálogo crítico e propositivo com novas metodologias e abordagens educativas.

Cabe ressaltar que além das pressões e cortes nas políticas educacionais, acompanhamos também movimentos de cidadania e resistência, como a inesperada reação de estudantes secundaristas ao fechamento de escolas em São Paulo. Neste contexto, entendemos também como animadoras as produções de pesquisa publicadas neste volume que temos a honra de apresentar.

Os artigos deste volume tratam de temas de inegável relevância educacional. As temáticas do currículo e de reformas curriculares estão presentes no artigo 1 ( As Complexidades Inerentes ao Tema 'Mudanças Climáticas': Desafios e Perspectivas para o Ensino de Física), artigo 3 ( As Reações dos Professores de Ciências diante da Implantação de Novo Currículo na Rede Estadual Paulista) e na resenha do livro " A Complexidade aplicada à Educação: sustentabilidade, transdisicplinaridade e criatividade" de Moraes e Suanno (2014).

Estudos de processos de aprendizagem em salas de aula de ciências são tratados no artigo 4 ( Imagens e Desenhos Infantis nos Processos de Construção de Sentidos em uma Sequência de Ensino sobre Ciclo da Água), artigo 5 ( Leitura em Sala de Aula de Ciências como uma Prática Social Dialógica e Pedagógica) e artigo 8 ( Argumentação e Orientações Discursivas na Educação em Ciências).

A temática da avaliação, com estudos que alternam entre abordagens quali e quantitativas foram retratados nos artigos 6 ( A Medida nas Pesquisas em Educação: Empregando o Modelo Rasch para Acessar e Avaliar Traços Latentes) e artigo 7 ( Análise Comparativa de Desempenho de Alunos de Ensino Médio em Atividade com Modelagem Computacional Exploratória e Atividade Tradicional sobre Movimento dos Corpos).

Finalmente, outros quatro artigos apresentam-se no contexto de formação de professores, em diferentes abordagens, como o artigo 2 ( Promovendo a Alfabetização Científica através do Ensino Investigativo no Ensino Médio de Química: Contribuições para a Formação Inicial Docente ), artigo 9 ( Aprendizagem Docente no âmbito do PIBID/Física: a Visão dos Bolsistas de Iniciação à Docência ), artigo 10 ( A Formação Educacional na EJA: Dilemas e Representações Sociais ) e artigo 11 ( Mobilização do Conhecimento Socioambiental de Professores por meio do Desenvolvimento de Ações para Conservação de Nascentes Urbanas).

Agradecemos, uma vez mais, à imprescindível colaboração de autores e avaliadores, bem como à equipe editorial da Revista. Desejamos a todos uma boa leitura.

Orlando Aguiar Jr

Editor

Referências:

GATTI, B.; ANDRÉ, M.; GIMENES, N.; FERRAGUT, L. (2014) Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). (Textos FCC, 41). São Paulo: FCC/SEP [ Links ]

BATISTA, A. G.; LUGLI, R.; RIBEIRO, V. Centralização e Padronização dos Currículos: Posições e Tomadas de Posição. Anais da 37a Reunião da ANPED. Florianópolis: ANPED, 2015. [ Links ]

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License