SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Prevalência de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em bovinos abatidos em matadouros do estado da Bahia, BrasilOcorrência de carrapatos (Acari: Ixodidae) no município de Goiatins, Tocantins índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária

versão On-line ISSN 1984-2961

Rev. Bras. Parasitol. Vet. (Online) vol.18 no.2 Jaboticabal abr./jun. 2009

http://dx.doi.org/10.4322/rbpv.01802010 

ARTIGO COMPLETO

 

Ocorrência de parasitos gastrintestinais em amostras fecais de felinos no município de Andradina, São Paulo

 

Occurrence of gastrointestinal parasites in fecal samples of cats in Andradina City, São Paulo

 

 

Willian Marinho Dourado CoelhoI; Alessandro Francisco Talamini do AmaranteII; Ricardo Velludo Gomes de SoutelloIII; Marcelo Vasconcelos MeirelesIV; Katia Denise Saraiva BrescianiV

IPrograma de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Estadual Paulista - UNESP
IIDepartamento de Parasitologia, Instituto de Biociências de Botucatu, Universidade Estadual Paulista - UNESP
IIICurso de Medicina Veterinária, Faculdade Ciências Agrárias de Andradina - FCAA, Fundação Educacional de Andradina - FEA
IVDepartamento de Clínica, Cirurgia e Reprodução Animal, Universidade Estadual Paulista - UNESP
VDepartamento de Apoio, Produção e Saúde Animal, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Autor para correspondência

 

 


RESUMO

O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de parasitos gastrintestinais em amostras fecais de felinos do Município de Andradina, SP. Este trabalho foi realizado no período de março a novembro de 2007, sendo utilizados 51 gatos de procedências diversas, endereçados ao Centro de Controle de Zoonoses do referido Município. Para o diagnóstico coproparasitológico foram associadas as técnicas de Willis e Faust, observando-se ocorrência de Ancylostoma spp. em 96,1% dos animais; Toxocara spp. em 43,1%; Cystoisospora spp. em 43,1%; Dipylidium caninum em 21,6% e Giardia spp. em 5,9% dos animais. Oocistos de Cryptosporidium spp. foram detectados em 3,9% das amostras pela técnica de coloração negativa com verde malaquita. Não foi verificada associação significativa entre a ocorrência de endoparasitos e a consistência das amostras fecais. Os resultados obtidos confirmam que esses felinos são importantes hospedeiros de parasitos, alguns com alto potencial zoonótico.

Palavras-chave: Ancylostoma spp., Cryptosporidium spp., Giardia spp., Toxocara spp., saúde pública


ABSTRACT

The purpose of this study was to verify the occurrence of gastrointestinal parasites in fecal samples from cats of the Andradina city, SP. This work was carried out from March to November of 2007, and used 51 cats delivered to the Center of Zoonoses Control of that city. Techniques of Willis and Faust were used in the fecal examination and resulted in detection of Ancylostoma spp. in 96.1% of the animals; Toxocara spp. in 43.1%; Cystoisospora spp. in 43.1%; Dipylidium caninum in 21.6% and Giardia spp. in 5.9% samples. Cryptosporidium spp. oocysts were detected in 3.9% fecal samples by the use of malachite green negative stain. There was no significant association between the occurrence of endoparasites and consistency of fecal samples. The results confirm that these cats represent important hosts of parasites, some of those with high zoonotic potential.

Keywords: Ancylostoma spp., Cryptosporidium spp., Giardia spp., Toxocara spp., public health


 

 

Introdução

A ocorrência de endoparasitoses em animais domésticos com potencial zoonótico (FUNADA et al., 2007; PALUDO et al., 2007) tem sido relatadas em vários ambientes públicos (GUIMARÃES et al., 2005; MORO et al., 2008), evidenciando-se, em especial, o papel dos felinos no ciclo e na disseminação desses agentes (ISHIZAKI et al., 2006; COELHO, 2008). Esse é o caso de Ancylostoma brasiliense e Toxocara spp. que ocasionam no homem alterações patológicas importantes, denominadas "larva migrans cutânea" e "larva migrans visceral", respectivamente (SCHANTZ, 1991; McCARTHY et al., 2000).

Entre os protozoários Giardia lamblia e Cryptosporidium felis, comumente encontrados nas fezes de animais domésticos, pode-se destacar o primeiro como o mais frequente em gatos, o que caracteriza um risco à saúde pública (CIMERMAN et al., 1999; LIMA et al., 2006; MENDES-DE-ALMEIDA et al., 2007; THOMPSON et al., 2007; TZANNES et al., 2008; PALMER et al., 2008).

O presente estudo tem por objetivo determinar a ocorrência de parasitos gastrintestinais e associá-la com a consistência das amostras fecais de felinos do município de Andradina, SP, bem como correlacionar essas infecções com raça, sexo e idade dos animais.

 

Material e Métodos

O grupo experimental foi constituído por 51 gatos de ambos os sexos, de diferentes raças e idades, descartados para eutanásia no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do município de Andradina, São Paulo, no período de março a novembro de 2007. Esse trabalho foi conduzido com aprovação da Comissão de Ética em Experimentação Animal da Faculdade de Odontologia de Araçatuba (FOA) UNESP, protocolo nº 2007-003276.

A idade dos animais foi estimada de acordo com a análise da arcada dentária, sendo considerados jovens os felinos com até 1 ano de idade, adultos aqueles entre 1 e 7 anos de idade, e idosos acima de 7 anos.

As amostras fecais foram colhidas diretamente do reto por laparotomia, após eutanasiados, e divididas em quatro alíquotas de dois gramas cada. A primeira foi armazenada em bicromato de potássio a 5% para detecção de Cryptosporidium spp., por meio da coloração negativa com verde malaquita, com observação de 300 campos em aumento de 1.000x (ELLIOT et al., 1999). A segunda e a terceira, analisadas pelas técnicas de flutuação em solução saturada de cloreto de sódio (WILLIS, 1921) e centrífugo - flutuação em solução de sulfato de zinco (FAUST et al., 1938), respectivamente. A quarta amostra foi conservada em formol a 10% e processada pelo teste de ELISA direto, com os kits "Cryptosporidium Test" e "Giardia Test" (TechLab®, Blacksburg), conforme recomendações do fabricante.

A inspeção visual da região anal, perianal e cauda dos animais foi realizada para constatação de proglótides de Dipylidium caninum. As infecções múltiplas foram quantificadas, ressaltando-se a associação mais frequente.

Para determinar o grau de infecção, foi elaborado um índice, incluindo média de contagem de ovos, cistos e oocistos em cinco campos de microscópio. Pela visualização aleatória em aumento de 400×, determinou-se: (0 = negativo) na ausência de ovos de helmintos, cistos ou oocistos de protozoários, (1 a 2 = raros), (3 a 4 = +), (5 a 7 = ++), (8 a 10 = +++) e (acima de 10 = ++++). Para a padronização da determinação do grau de hidratação das fezes foi adotada a classificação de sólida, semi-sólida, pastosa ou liquefeita. As informações referentes às condições fecais foram introduzidas no banco de dados para correlacionar o status físico das fezes e o acometimento por parasito, bem como a raça, sexo e idade dos animais.

Essas variáveis foram analisadas pelo teste de Qui-Quadrado (χ2) ou pelo teste exato de Fisher (ZAR, 1999), com o emprego do programa SAS (SAS, 1999), com nível de significância de 5%.

 

Resultados e Discussão

Por meio das técnicas de Willis, Faust e coloração negativa com verde malaquita, 100% (51/51) dos felinos apresentaram pelo menos um gênero de parasito (Tabela 1). Ocorrência de infecção mista por parasitos gastrintestinais foi verificada em 76,4% das amostras analisadas (Tabela 2). A associação mais frequente ocorreu entre Ancylostoma spp. e Cystoisospora spp. em 21,6%, o que diverge dos achados por Ragozo et al. (2002) e Gennari et al. (1999), que observaram maior frequência para Toxocara cati e Cystoisospora spp.

 

 

O helminto de maior ocorrência foi Ancylostoma spp., resultado concordante com os achados de Côrtes et al. (1988) e Silva et al. (2001) em São Paulo, e Serra et al. (2003) no Rio de Janeiro. Entretanto, também em São Paulo, Gennari et al. (1999, 2001) e Ragozo et al. (2002) verificaram que o helminto de maior prevalência foi Toxocara cati, divergindo dos achados do presente trabalho. As variações nos resultados observados podem ser explicadas, em parte, pela eficiência de diferentes técnicas laboratoriais no diagnóstico de cada espécie de parasito em particular, bem como pela influência do ambiente e características específicas de cada região na epidemiologia destes agentes parasitários.

Overgaauw e Boersema (1998) verificaram uma maior ocorrência de Toxocara cati em animais adultos quando comparados a jovens, enquanto Martínez-Barbosa et al. (2003) detectaram infecções por esse helminto especialmente em gatos com idade inferior a um ano. Da mesma forma, foi constatada ocorrência de Ancylostoma spp. em felinos, independentemente da faixa etária (SILVA et al., 2001). Neste estudo, não foi detectada associação significante entre a ocorrência de endoparasitos com a raça, sexo ou a idade dos animais analisados (p > 0,05).

Em 15,6% dos animais, foi observada a presença de proglótides de D. caninum aderidos nos pelos da região anal, perianal e cauda, sendo verificada, concomitantemente, a ocorrência de cápsulas ovígeras nas amostras fecais por meio dos exames coproparasitológicos.

A associação entre a ocorrência de enteroparasitos e a consistência das amostras fecais não foi constatada (p > 0,05). Aquelas que continham maior número de ovos de helmintos (Tabela 3) eram sólidas, consistentes e de aspecto normal. Esse fato assume especial importância prática na rotina da clínica de pequenos animais, pois, na maioria dos casos, na ausência de sintomas, os felinos não são tratados com anti-helmíntico. Assim, de modo geral, pode ocorrer eliminação constante de ovos no meio ambiente, expondo a risco de infecção outras espécies animais e também o homem.

Do total de amostras fecais analisadas, 3,9% (2/51) e 5,9% (3/51) foram positivas para Cryptosporidium spp. por meio das técnicas de verde malaquita e "Cryptosporidium Test", respectivamente, sendo particularmente prevalente em animais jovens. Achados semelhantes aos encontrados foram descritos por Rambozzi et al. (2007) e Tzannes et al. (2008), não sendo evidenciada associação com as variáveis sexo e raça.

Positividade para Giardia spp. foi observada em 5,9% (3/51) pela técnica de Faust e 13,7% (7/51) com o emprego do "Giardia Test", sendo estes animais sem raça definida, fêmeas e predominantemente jovens. Lima et al. (2006) encontraram o protozoário Giardia spp. como sendo o parasito mais frequente, mesmo quando comparado aos helmintos Ancylostoma spp. e Toxocara spp.

Todas as amostras em que foram observados oocistos de Cryptosporidium spp. e cistos de Giardia spp. nos testes parasitológicos, também foram positivas nos testes de ELISA direto, embora em menor número, o que sugere a necessidade da adoção de duas ou mais técnicas associadas na rotina laboratorial, para que se possa aumentar a precisão de diagnóstico e de casos positivos.

As constatações deste trabalho reforçam a importância de se realizar exames coproparasitológicos periódicos nos animais de companhia, em especial no gato, independentemente da observação de disfunções gastrintestinais e de se adotar tratamento específico, assim como medidas de controle ambiental e educação sanitária.

 

Conclusão

Por meio dos resultados obtidos, pode-se inferir que os gatos examinados neste estudo podem ser considerados como importantes hospedeiros de formas evolutivas parasitárias, algumas destas com potencial zoonótico. Desse modo, a elevada ocorrência de parasitos observados sugere a adoção de medidas terapêuticas e preventivas em relação à população felina, minimizando-se, assim, os riscos de transmissão dessas endoparasitoses a outros hospedeiros.

 

Referências

CIMERMAN, S.; CIMERMAN, B.; LEWI, D. S. Avaliação da relação entre parasitoses intestinais e fatores de risco para o HIV em pacientes com AIDS. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 32, n. 2, p. 181-185, 1999.         [ Links ]

COELHO, W. M. D. Ocorrência de endoparasitos com potencial zoonótico em gatos no município de Andradina, São Paulo, Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo.         [ Links ]

CÔRTES, V. A.; PAIM, G. V.; ALENCAR FILHO, R. Infestação por ancilostomídeos e toxocarídeos em cães e gatos apreendidos em vias públicas, São Paulo (Brasil). Revista de Saúde Pública, v. 22, n. 4, p. 341-343, 1988.         [ Links ]

ELLIOT, A.; MORGAN, U. M.; THOMPSON, A. R. C. Improved staining method for detecting Cryptosporidium oocysts in stools using malachite green. The Journal of Genneral and Applied Microbiology, v. 45, n. 3, p. 139-142, 1999.         [ Links ]

FAUST, E. C. et al. A critical study of clinical laboratory technics for the diagnosis of protozoan cysts and helminth eggs in feces. I. preliminary communication. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v. 18, n. 2, p. 169-183, 1938.         [ Links ]

FUNADA, M. R. et al. Frequência de parasitos gastrintestinais em cães e gatos atendidos em hospital-escola veterinário da cidade de São Paulo. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 59, n. 5, p. 1338-1340, 2007.         [ Links ]

GENNARI, S. M.; PENA, H. F. J.; BLASQUES, L. S. Frequência de ocorrência de parasitos gastrintestinais em amostras de fezes de cães e gatos da cidade de São Paulo. Veterinary Practice News, v. 8, n. 52, p. 10-12, 2001.         [ Links ]

GENNARI, S. M. et al. Ocorrência de protozoários e helmintos em amostras de fezes de cães e gatos da cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 36, n. 2, p. 87-91, 1999.         [ Links ]

GUIMARÃES, A. M. et al. Ovos de Toxocara sp. e larva de Ancylostoma sp.em praça pública de Lavras, MG. Revista de Saúde Pública, v. 39, n. 2, p. 293-295, 2005.         [ Links ]

ISHIZAKI, M. N. et al. Frequência e intensidade parasitária de helmintos gastrintestinais de felinos da zona urbana do município de Araçatuba, SP. ARS Veterinária - Jaboticabal, v. 22, p. 212-216, 2006.         [ Links ]

LIMA, F. G. et al. Frequência de enteroparasitas em gatos no município de Goiânia-Goiás, no ano de 2004. Enciclopédia Biosfera, n. 2, 2006.         [ Links ]

MARTÍNEZ-BARBOSA, I. et al. The prevalence of Toxocara cati in domestic cats in México City. Veterinary Parasitology, v. 114, n. 1, p. 43-49, 2003.         [ Links ]

McCARTHY, J.; MOORE, T. A. Emerging helmints zoonoses. International Journal for Parasitology, v. 30, n. 12-13, p. 1351-1359, 2000.         [ Links ]

MENDES-DE-ALMEIDA, F.; SILVA, M. M. O.; LABARTHE, N. Giardia spp. em amostras fecais de gatos domésticos do Rio de Janeiro, RJ. Acta Scientiae Veterinariae, v. 35, n. 1, p. 468-469, 2007.         [ Links ]

MORO, F. C. B. et al. Ocorrência de Ancylostoma e Toxocara em praças e parques públicos dos municípios de Itaqui e Uruguaiana, fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Biodiversidade Pampeana, v. 6, n. 1, p. 25-29, 2008.         [ Links ]

OVERGAAUW, P. A. M.; BOERSEMA, J. H. A survey of Toxocara infections in cat breeding colonies in the Netherlands. The Veterinary Quartely, v. 20, n. 1, p. 9-11, 1998.         [ Links ]

PALMER, C. S. et al. Determining the zoonotic significance of Giardia and Cryptospordium in Australian dogs and cats. Veterinary Parasitology, v. 154, n. 1-2, p. 142-147, 2008.         [ Links ]

PALUDO, M. L. et al. Frequência de infecção por Toxocara em crianças atendidas em serviço público de Maringá, Sul do Brasil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 49, n. 6, p. 343-348, 2007.         [ Links ]

RAGOZO, A. M. A. et al. Ocorrência de parasitos gastrintestinais em fezes de gatos das cidades de São Paulo e Guarulhos. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 39, n. 5, p. 244-246, 2002.         [ Links ]

RAMBOZZI, L. et al. Prevalence of criptosporidian infection in cats in Turin and analysis of risk factors. Journal of Feline Medicine and Surgery, v. 9, n. 5, p. 392-396, 2007.         [ Links ]

SCHANTZ, P. M. Parasitic zoonoses in perspective. International Journal for Parasitology, v. 21, n. 2, p. 161-170, 1991.         [ Links ]

SERRA, C. M. B.; UCHÔA, C. M. A.; COIMBRA, R. A. Exame parasitológico de fezes de gatos (Felis catus domesticus) domiciliados e errantes da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 3, p. 331-334, 2003.         [ Links ]

SILVA, H. C. S. et al. Fauna helmíntica de cães e gatos provenientes de alguns municípios do Estado de São Paulo. Semina: Ciências Agrárias, v. 22, n. 1, p. 63-66, 2001.         [ Links ]

STATISTICAL ANALYSIS SYSTEM. SAS OnlineDoc® Version 8. Cary: SAS Institute Inc., 1999.         [ Links ]

THOMPSON, R. C. A.; PALMER, C. S.; HANDLEY, R. O. The public health and significance of Giardia and Cryptosporidium in domestic animals. The Veterinary Journal, v. 177, n. 1, p. 18-25, 2007.         [ Links ]

TZANNES, S. et al. Prevalence of Cryptosporidium, Giardia and Isospora species infections in pet cats with clinical signs of gastrointestinal disease. Journal of Feline Medicine and Surgery, v. 10, n. 1, p. 1-8, 2008.         [ Links ]

WILLIS, H. H. A simple levitation method for the detection of hookworm ova. The Medical Journal of Australia, v. 8, p. 375-376, 1921.         [ Links ]

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1999. 930 p.         [ Links ]

 

 

Autor para correspondência:
Katia Denise Saraiva Bresciani
Profa. Ass. Dra. do Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal, Universidade Estadual Paulista - UNESP,
Rua Clóvis Pestana, 793, Dona Amélia, CEP 16050-680 Araçatuba - SP, Brasil;
e-mail: bresciani@fmva.unesp.br

Recebido em 18 de Dezembro de 2009
Aceito em 13 de Fevereiro de 2009
Apoio: FAPESP processo nº 07/5358-7.