SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue1Reflections by future language teachers in the use of Interactive and Adaptable Webquests in the process of teaching and learning English author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Linguística Aplicada

On-line version ISSN 1984-6398

Rev. bras. linguist. apl. vol.16 no.1 Belo Horizonte Jan./Mar. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/1984-639820159143 

ARTIGOS

Mosaico da linguagem das crianças bilíngues bimodais: estudos experimentais1

Language mosaic in bimodal bilingual children: experimental studies

Ronice Müller de Quadros* 

Aline Lemos Pizzio** 

Carina Rebello Cruz*** 

Aline Nunes de Sousa**** 

*Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ronice.quadros@ufsc.br

**Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. alinepizzio@cce.ufsc.br

***Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. crcpesquisa@gmail.com

****Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. aline.fortaleza.ce@gmail.com

Resumo:

O presente trabalho apresenta a metodologia utilizada no estudo experimental que investiga o desenvolvimento bilíngue bimodal de crianças surdas com implante coclear (IC) e crianças ouvintes filhas de pais surdos (Kodas)2, com faixa etária entre 4 e 8 anos. Além desses dois grupos de crianças, participaram da pesquisa crianças surdas filhas de pais surdos ou filhas de pais ouvintes, e adultos ouvintes filhos de pais surdos, com o intuito de constituírem os grupos de controle. Inicialmente, descrevemos o estudo experimental desenvolvido e apresentamos como organizamos as feiras para coleta de dados. E, em seguida, apresentamos os testes utilizados no estudo, que contemplam os aspectos linguísticos da Língua de Sinais Brasileira (Libras) e do Português Brasileiro (PB) e formam o mosaico da linguagem dessas crianças. Concluímos com os resultados gerais das investigações realizadas até o momento.

Palavras-chave: Aquisição da linguagem; Avaliação da linguagem; Bilinguismo Bimodal; Crianças ouvintes; Crianças surdas; Implante coclear

Abstract:

This article considers the method used in an experimental study investigating the bilingual, bimodal development of deaf children with cochlear implants (CI) and hearing children with deaf parents (Kodas), between four and eight years of age. In addition to these two groups of children, deaf children of deaf parents or hearing parents, and hearing adults who had deaf parents, participated as control groups. First, we describe our experimental study and explain how we organized the data-collection fairs. Next, we outline the tests used in the study, which consider the linguistic aspects of Brazilian Sign Language (Libras) and Brazilian Portuguese (BP) and make up the linguistic mosaic of these children. We conclude with some comments on our preliminary results drawn from the data so far.

Keywords:  Language acquisition; Language assessment, Bimodal bilingualism; Hearing children; Deaf children; Cochlear implant

Introdução

Os estudos sobre aquisição bilíngue bimodal por meio de estudos longitudinais e experimentais ainda são recentes (EMMOREY et al. 2008; CHEN-PICHLERet al. 2010; LILLO-MARTIN et al. 2010; QUADROS et al. 2010; TOOHEY 2010; DAVIDSONet al. 2013; QUADROSet al. 2012; CRUZet al. 2014). As investigações podem ser conduzidas com diferentes focos, como: (1) analisando como ocorre o processo de aquisição em si, por meio da comparação do desempenho das crianças bilíngues bimodais (Kodas) com o de crianças monolíngues, (2) analisando se os processos de aquisição bilíngue unimodal e bimodal são semelhantes ou não, e se os efeitos decorrentes da modalidade visuoespacial são observados no decorrer do processo de aquisição da linguagem.

Estamos desenvolvendo estudos sobre aquisição bilíngue bimodal por crianças Kodas e por crianças surdas com implante coclear (IC) que possuem acesso irrestrito ou restrito à língua de sinais, e que receberam e ativaram o IC precocemente (entre 2 e 4 anos de idade). As crianças surdas com IC, filhas de pais surdos, possuem acesso irrestrito à língua de sinais, enquanto que, as crianças surdas com IC, filhas de pais ouvintes, possuem um acesso restrito à língua de sinais (a exposição à língua de sinais geralmente é menor, pois os pais estão iniciando a aprendizagem da língua de sinais, e a criança interage com usuários da língua de sinais em outros contextos fora do lar). Dessa forma, para essas crianças o processo de aquisição da linguagem ocorre desde o nascimento ou muito cedo, por meio da língua de sinais e o atraso no início do processo de aquisição da linguagem é evitado. Nesses casos, a criança surda tem a oportunidade de desenvolver-se linguisticamente de forma esperada (normal), pois entre o período de diagnóstico da perda auditiva e realização da cirurgia para colocação do IC, ativação do mesmo, mapeamento (regulagens) e 'real acesso' à língua oral a criança tem acesso à língua de sinais por meio de interações com nativos ou não-nativos fluentes.

Atualmente, a maioria das crianças surdas com IC não tem a oportunidade de adquirir a língua de sinais desde o nascimento ou ainda na infância. Além disso, por um período também não têm acesso à língua oral, pois o 'real acesso' aos sons inicia somente após meses ou anos após o nascimento, quando a cirurgia para colocação do IC é realizada e o mesmo é ativado. Resultados de pesquisas mostram que mesmo com exposição exclusiva à língua oral e acompanhamento terapêutico, por longo período de uso do IC, muitas crianças surdas com IC não alcançam o desenvolvimento linguístico na língua oral quando comparadas com crianças ouvintes com a mesma faixa etária (FORTUNATO, et al. 2009;STUCHI et al. 2007;PADOVANI e TEIXEIRA, 2005; GEERS, 2004).

A oportunidade linguística de crianças surdas com IC iniciarem o processo de aquisição da linguagem na língua de sinais e somarem a esse processo a aquisição de uma língua de modalidade oral, quando recebem precocemente o IC, é investigada em nosso estudo experimental. Além disso, investigamos como as crianças Kodas estão adquirindo a linguagem por meio de duas línguas de diferentes modalidades e, a partir dos resultados, comparamos e analisamos as semelhanças e as diferenças no processo de aquisição da linguagem bilíngue bimodal por crianças surdas com IC e Kodas. A descrição do estudo, assim como, dos testes utilizados e resultados obtidos até o momento serão apresentados a seguir.

1 Descrição do estudo experimental

O estudo experimental descrito a seguir, tem como principal objetivo investigar o desenvolvimento bilíngue bimodal de crianças surdas com IC e crianças ouvintes filhas de pais surdos (Kodas). Esse estudo faz parte do Projeto 'Desenvolvimento Bilíngue Bimodal'3, desenvolvido pelas pesquisadoras: Drª Diane Lillo-Martin (University of Connecticut), Drª Ronice Quadros (Universidade Federal de Santa Catarina) e Drª Deborah Chen Pichler (Gallaudet University), no Brasil e nos Estados Unidos, entre 2010 e 20144.

Nesse estudo as crianças brasileiras foram avaliadas na Língua de Sinais Brasileira (Libras) e em Português Brasileiro (PB), e as crianças americanas na Língua de Sinais Americana (ASL)5 e em Inglês, em testes equivalentes nos dois pares de línguas indicados para a faixa etária que investigamos (4-8 anos). Para cada aspecto linguístico avaliado, primeiramente foram selecionados testes validados em cada uma das línguas e posteriormente comparados. Os testes com formato idêntico ou muito semelhante formaram um subconjunto de testes nos dois pares de línguas: Libras- PB e ASL- Inglês. No entanto, quando não foram encontrados testes idênticos ou semelhantes nos dois pares de línguas, a equipe envolvida no Projeto traduziu, adaptou e/ou elaborou testes para avaliação de aspectos linguísticos.

Com relação às adaptações, destacamos o desafio quanto às mudanças necessárias no formato e aplicação de alguns testes inicialmente desenvolvidos para falantes de uma língua oral. Nesses testes há a possibilidade de uma imagem ser visualizada ao mesmo tempo em que uma instrução/informação oral é dada. Em testes em línguas de sinais, isso não é possível, pelo fato de os estímulos visuais serem recebidos pelo mesmo canal de recepção da língua. Dessa forma, modificações no formato de testes foram realizadas para que atenção compartilhada entre os estímulos e as informações fornecidas na língua de sinais ocorresse de forma adequada.

O grupo de examinadores (aplicadores dos testes) foi formado por surdos e ouvintes bilíngues bimodais, preparados para a aplicação de cada teste. Os examinadores surdos aplicaram os testes em Libras, e os examinadores ouvintes, os testes em PB. A preparação do grupo de examinadores antes das feiras foi fundamental para que as aplicações ocorressem conforme os requisitos de cada teste de uma forma que motivasse a criança a participar de testes com diferentes níveis de complexidade e extensão. Inclusive, uma das estratégias para motivação da criança para participar de todos os testes foi a realização de um "bingo". Cada criança recebeu uma cartela com espaços em branco na qual deveriam ser coladas fichas com desenhos de animais. A cada teste realizado, a criança recebia uma ficha. As crianças acharam divertida a brincadeira, pois compartilhavam entre os colegas as suas 'conquistas'.

Em relação à coleta de dados, a aplicação de todos os testes foi filmada para posterior análise. O registro dos dados recebeu atenção especial em nosso estudo, pois durante a aplicação de alguns testes o posicionamento da filmadora deveria estar voltado para a criança e, em outros para a criança e o material que estava sendo utilizado (fichas, brinquedos, tela do computador) e/ou também para o examinador, possibilitando a transcrição adequada dos dados (respostas).

A coleta de dados ocorreu em feiras realizadas em diferentes cidades do Brasil e dos Estados Unidos, onde foram aplicados 24 testes, sendo a metade deles em Libras e a outra metade em PB. As feiras reuniram os pais e as crianças com atividades lúdicas, pedagógicas e sociais que tornaram os dias de coleta um momento prazeroso. Além dos testes, os pais e/ou cuidadores preencheram um questionário sobre o desenvolvimento geral da criança e autorizaram a participação da criança no presente estudo por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

2 Apresentação dos testes

Nesta seção, apresentamos os testes em Libras e em PB utilizados para o estudo experimental desenvolvido, citando cada teste e os respectivos autores, o objetivo principal e algumas informações sobre o material e a aplicação.

Conforme citado na primeira seção, os testes são equivalentes em Libras e PB e podem se diferenciar ou não em relação ao formato. Assim, distribuímos os testes em duas seções: na Seção 2.1 estão os testes com formatos diferentes, ou seja, têm os mesmos objetivos, mas não seguem os mesmos procedimentos para a aplicação, e na Seção 2.2 estão os testes com mesmo formato que além de mesmos objetivos seguem os mesmos procedimentos para aplicação, podendo ter inclusive a mesma quantidade de itens de avaliação. Além disso, apresentamos os protocolos de avaliação da linguagem (preenchidos pelos pais), a forma de avaliação da interação entre pais-filho e o teste de Quociente de Inteligência (QI) utilizado.

2.1 Testes com mesmos objetivos e diferentes procedimentos para aplicação (formatos diferentes)

2.2 Testes com mesmos objetivos e mesmos procedimentos para aplicação (mesmo formato)

3 Análise parcial dos testes realizados

Nesta seção, apresentaremos uma amostra dos resultados encontrados em alguns dos testes já analisados. O recorte que será apresentado aqui é referente a aspectos da fonologia das línguas de sinais e do português. Os demais testes foram aplicados e os dados foram coletados, mas ainda se encontram em fase de análise. Consideramos importante apresentar anteriormente o conjunto inteiro dos testes, que constituem vários aspectos da linguagem dessas crianças, pois há uma carência em relação a instrumentos de avaliação de linguagem para crianças surdas e crianças bilíngues bimodais na literatura da área. Os instrumentos existentes estão disponíveis para a avaliação da língua falada pela criança, mas não da língua sinalizada por ela.

Assim, o propósito do presente artigo foi apresentar os testes desenvolvidos pela equipe de pesquisadores do Projeto Desenvolvimento Bilíngue Bimodal e compartilhar os resultados dos testes que já foram analisados. Esse conjunto configura o mosaico da linguagem dessas crianças, que vai sendo composto aos poucos para ser socializado com a comunidade científica.

A aplicação dos testes mostrou-se bem sucedida, compondo o mosaico da linguagem com dados consistentes que serão analisados ao longo dos anos subsequentes às coletas. Os dados coletados fazem parte do Banco de Dados do Núcleo de Aquisição de Língua de Sinais da Universidade Federal de Santa Catarina e podem ser acessados por outros pesquisadores mediante permissão específica para a realização de pesquisas, com a devida autorização explícita dos pais das crianças pesquisadas.

3.1 Testes de pseudopalavras e pseudossinais

O estudo sobre memória fonológica em crianças ouvintes bilíngues bimodais e crianças com IC comparou o desempenho de 5 crianças bilíngues bimodais ouvintes (filhas de pais surdos) e 5 crianças surdas com IC (filhas de pais surdos e de pais ouvintes), com diferentes contextos de acesso à Libras, em tarefas que envolvem memória fonológica (QUADROS, CRUZ & PIZZIO, 2012). Além disso, foram incluídos dois grupos de controle, formados por 3 crianças surdas usuárias de Libras e 3 adultos bilíngues bimodais ouvintes. A avaliação da memória fonológica ocorreu por meio da aplicação de um teste de pseudopalavras (SANTOS & BUENO, 2003) e um teste de pseudossinais (Equipe do Projeto Desenvolvimento Bilíngue Bimodal). Na análise dos resultados, com relação ao desempenho entre os dois grupos testados, foi constatado que o grupo de crianças bilíngues bimodais ouvintes apresentou desempenho superior, nos dois testes. No entanto, ao ser analisado o desempenho da criança surda com IC, filha de pais surdos, que possui acesso irrestrito à Libras e comparado com o das crianças surdas com IC, que possuem acesso restrito à Libras, foi constatado que o seu desempenho foi semelhante ao do grupo de crianças bilíngues bimodais ouvintes. As crianças surdas com IC com acesso restrito à Libras e, portanto, com acesso maior ao PB apresentaram escores mais baixos nas tarefas, principalmente do teste em PB. Os resultados sugerem que as crianças surdas com IC em processo de aquisição da linguagem podem se beneficiar com o acesso irrestrito à Libras, atingindo inclusive desempenho semelhante a de crianças bilíngues bimodais ouvintes.

Porém, ao fazer uma análise mais detalhada dos dois testes, os dados indicam, de modo geral, uma dissociação entre os dois sistemas fonológicos das línguas avaliadas. As crianças apresentam desempenhos diferentes quando realizam os testes na Libras ou no PB. Esses sistemas utilizam canais articulatórios diferentes, ou seja, as mãos e a visão no caso da Libras e a audição e a voz, no caso do PB. As modalidades das línguas são diferentes e isso parece ter implicações nos resultados observados, quando comparamos crianças ouvintes bilíngues bimodais com crianças surdas com IC. Alguns efeitos parecem também ser identificados dentro dos próprios grupos avaliados, pois o fato de um grupo poder ouvir naturalmente o PB e ver a Libras e o outro ouvir o PB utilizando um dispositivo auditivo e ver a Libras pode indicar efeitos de modalidade no processamento dessas línguas. Os resultados evidenciam que as crianças Kodas apresentam os sistemas fonológicos específicos de cada língua de forma apropriada. Elas conseguem identificar os padrões fonológicos presentes em suas línguas e reproduzi-los, na repetição. No entanto, há uma pequena diferença entre o desempenho no teste de pseudopalavras e pseudossinais. Talvez essa diferença tenha relação com as questões envolvendo a diferença entre a modalidade das línguas. Como estas crianças ouvem o PB sem nenhum tipo de restrição e sua atenção compete entre a audição e a visão, há implicações na atenção aos sinais na hora de visualizá-los e, então, reproduzi-los.

Por outro lado, no caso das crianças surdas com IC, principalmente às com acesso restrito à Libras, há grandes dificuldades na produção das pseudopalavras e algumas dificuldades na produção dos sinais, durante a repetição. O desempenho das crianças surdas com IC é melhor na Libras do que no PB, mesmo considerando que elas possam estar mais expostas ao PB do que à Libras. Essa diferença também pode estar relacionada com a diferença na modalidade das línguas. As crianças surdas com IC, apesar de passarem a ouvir, continuam sendo surdas, ou seja, elas continuam favorecendo o canal visual em relação ao canal auditivo. Os resultados sugerem que estas crianças tiveram mais possibilidades de processarem as informações linguísticas, em nível fonológico, por meio da visão do que por meio da audição (sem leitura orofacial). Assim, elas, mesmo tendo restrições de acesso à Libras, conseguem apresentar melhor desempenho na Libras, uma língua que está acessível visualmente, portanto, uma língua mais fácil, que oferece acesso completo. Elas aproveitaram o input que tiveram, mesmo sendo não muito convencional, para ativar a linguagem.

Os resultados indicam que crianças ouvintes bilíngues bimodais apresentam um desempenho adequado em tarefas que avaliam a memória fonológica na Libras e no PB. Além disso, parece que crianças surdas com acesso irrestrito à Libras que recebem implantes cocleares precocemente e que realizam o acompanhamento fonoaudiológico, podem apresentar desempenho semelhante às crianças ouvintes bilíngues bimodais. Dessa forma, a aquisição precoce da língua de sinais pode ser um importante fator a ser considerado no desenvolvimento linguístico de crianças surdas que realizaram a cirurgia para a colocação do IC. Iniciar o processo de aquisição da língua oral com a vantagem de não apresentar atraso no processo de aquisição da linguagem por ter iniciado a aquisição de determinada língua de sinais (língua natural em uma modalidade que possibilita à criança surda acesso completo às informações linguísticas) pode contribuir para o desenvolvimento geral da criança e para o sucesso na aquisição da língua oral.

O estudo binacional que comparou os dados de crianças Kodas e crianças surdas com IC, brasileiras e americanas, nos dois pares de línguas: Libras-PB e ASL-Inglês (CRUZ et al. 2014) apresentou resultados semelhantes aos encontrados em Quadros, Cruz e Pizzio (2012). As crianças ouvintes bilíngues bimodais e surdas com IC com acesso à língua de sinais precocemente alcançaram acima de 90% de acerto na produção do número de sílabas e acento. A acurácia total de crianças surdas com IC brasileiras e americanas ficou abaixo das crianças ouvintes bilíngues bimodais. Os dados quanto ao número de sílabas e acento das crianças surdas com IC americanas foram semelhantes aos dados da criança surda com IC brasileira, filha de pais surdos (com acesso irrestrito à Libras), corroborando que a aquisição precoce da língua de sinais pode contribuir para o desenvolvimento geral da criança e da aquisição da língua oral, conforme mencionado anteriormente.

3.2 Avaliação fonológica

A aquisição fonológica do PB por crianças ouvintes bilíngues bimodais e crianças surdas com IC com diferentes acessos à Libras foi investigada recentemente porCruz e Finger (2013). Participaram desse estudo 24 crianças ouvintes bilíngues bimodais e 6 crianças surdas com IC (6 com acesso restrito e uma com acesso irrestrito à Libras). Para essa investigação foi aplicada a Parte A, Prova de Nomeação, do ABFW - Teste de Linguagem Infantil (ANDRADE et al., 2004). Os resultados revelaram que as crianças ouvintes bilíngues bimodais e a criança surda com IC com acesso irrestrito à Libras apresentaram um processo de aquisição fonológica esperada e análogo às crianças monolíngues. Por outro lado, a aquisição fonológica por crianças com IC com acesso restrito à Libras está sendo estabelecida de forma diversificada. Essas crianças apresentaram variação no desempenho, sendo que a maioria está em processo de aquisição da fonologia do PB em etapas iniciais. As variáveis envolvidas, idade, tempo de exposição à Libras e ao PB e idade em que o processador de fala do IC foi ligado podem ter influenciado de alguma forma no desempenho dessas crianças. No entanto, a aquisição da língua de sinais pode ter sido uma vantagem para a criança surda que teve acesso à Libras desde o nascimento e que recebeu o IC precocemente, pois iniciou a aquisição do PB quando o processo de aquisição da linguagem, na língua de sinais, estava em desenvolvimento.

Um estudo binacional desenvolvido com crianças brasileiras e americanas investigou a aquisição da fonologia em dois pares de línguas de diferentes modalidades, Libras-PB e ASL-Inglês (CRUZet al., 2014) e confirmou os achados do estudo citado anteriormente em relação à língua oral, apresentando interessantes resultados em relação à aquisição bimodal. Os participantes foram distribuídos em três grupos, a saber: crianças ouvintes bilíngues bimodais (24 brasileiras e 20 americanas), crianças surdas com IC com acesso irrestrito à Libras (1 brasileira e 4 americanas) e crianças surdas com IC com acesso restrito à Libras (5 brasileiras). Os testes utilizados em PB e Inglês foram: Parte A, Prova de Nomeação, do ABFW - Teste de Linguagem Infantil (ANDRADE et al., 2004) e Goldman-Fristoe Test of Articulation 2; Pearson, e os testes utilizados em Libras e ASL foram propostos por Cruz (2008), sendo que traduzido para ASL.

Os resultados mostraram que crianças ouvintes bilíngues bimodais estão adquirindo o PB e o Inglês de forma esperada (normal) e análoga às crianças monolíngues, assim como a criança surda brasileira e as crianças surdas americanas com IC, que possuem acesso irrestrito à língua de sinais. As crianças surdas com IC brasileiras com acesso restrito à Libras apresentaram desvantagem em relação aos outros grupos. Foi observada variação individual, sendo que a maioria está em processo inicial de aquisição da fonologia. Em relação aos resultados dos testes em Libras e ASL a maioria das crianças ouvintes bilíngues bimodais produziram sinais sem estratégias de reparo, assim como as crianças surdas com IC com acesso irrestrito à Libras. Surpreendentemente, as crianças surdas com IC com acesso restrito à Libras apresentaram desempenho próximo às outras crianças participantes e melhor desempenho no teste em Libras do que em PB, sugerindo que, mesmo ocorrendo uma restrição no acesso à Libras, o processamento das informações linguísticas por surdos ocorre de forma mais efetiva por meio do canal visual. Esse estudo conclui que a aquisição da fonologia por crianças ouvintes bilíngues bimodais e surdas com IC pode ocorrer sem prejuízos na língua oral e na língua de sinais e sugere que crianças surdas com acesso irrestrito à Libras podem ter alguma vantagem no processo de aquisição da fonologia da língua oral, pois no momento em que foram expostas ao PB e ao Inglês, possivelmente não apresentavam atrasos no processo de aquisição da linguagem.

3.3 Teste de discriminação fonêmica

A habilidade de discriminação fonêmica do PB e da Libras em crianças e adultos ouvintes bilíngues bimodais (filhos de pais surdos) e em crianças surdas com IC, filhas de pais surdos ou de pais ouvintes, com acesso restrito e irrestrito à Libras, foi investigada por Cruz, Pizzio e Quadros (2015). Participaram desse estudo 6 crianças com IC, com idade entre 5-8 anos (5 com acesso restrito à Libras e uma com acesso irrestrito à Libras), e um total de 23 crianças Kodas com idade entre 4-8 anos. Vinte e três crianças realizaram o teste em PB e 14 em Libras. Além disso, foi incluído um grupo controle composto por 6 adultos ouvintes bilíngues bimodais (Kodas). Os testes aplicados foram: Teste de Figuras para Discriminação Fonêmica-TFDF (SANTOS-CARVALHO, 2007) e o Teste de Discriminação Fonêmica- Libras, elaborado pela equipe do Projeto Desenvolvimento Bilíngue Bimodal, que seguiu a organização do teste elaborado por Santos-Carvalho (2007). Os resultados deste estudo mostram que o desenvolvimento da habilidade de discriminação fonêmica do PB e da Libras em crianças Kodas está ocorrendo de forma esperada/normal. Entre as crianças surdas com IC o desempenho foi melhor em Libras do que em PB, independentemente do tipo de acesso: restrito ou irrestrito. A habilidade de discriminação fonêmica da criança surda com acesso irrestrito à Libras, foi superior às outras crianças surdas em ambos os testes (atingiu escores semelhantes às crianças Kodas no teste em PB e igualou-se aos adultos Kodas no teste em Libras). A exposição à Libras desde o nascimento, portanto, não traz prejuízos para a habilidade de discriminar fonemas. A oportunidade de crianças surdas iniciarem a aquisição da linguagem desde o nascimento ou muito precocemente (sem atrasos) pode ser um dos fatores que favoreça o processo de aquisição de outra língua independentemente da modalidade que se apresente.

4 Considerações finais

O presente trabalho teve como objetivo mostrar como está sendo investigado o desenvolvimento bilíngue bimodal de crianças surdas com IC e crianças ouvintes, filhas de pais surdos, expostas a duas línguas de modalidades diferentes, a Libras e o PB. Foram apresentados os testes realizados e detalhada a forma de aplicação dos mesmos, bem como os resultados de alguns testes aplicados.

Os estudos apresentados mostram que o processo de aquisição bilíngue bimodal por crianças Kodas e por crianças surdas com IC com acesso irrestrito à Libras está ocorrendo de forma análoga ou próxima do esperado (normal) no PB e na Libras. Além disso, o desempenho idêntico ou semelhante entre crianças Kodas e crianças monolíngues nos testes de fonologia (avaliação fonológica, teste de pseudopalavras e de discriminação fonêmica) do PB, permite-nos concluir que a aquisição bilíngue bimodal pode ocorrer de forma esperada, e que as diferenças entre as modalidades de línguas não trazem prejuízos para a aquisição de uma língua oral e de uma língua de sinais, mesmo quando ambas estão sendo adquiridas simultaneamente.

Considerando os achados dos estudos relacionados às crianças surdas com IC, desenvolvidos no Projeto Desenvolvimento Bilíngue Bimodal, até o momento, a possibilidade de acesso irrestrito a uma língua de sinais desde o nascimento pode ter sido um dos fatores que contribuiu para que a aquisição da língua oral ocorresse de forma esperada ou próxima ao esperado, pois a aquisição da língua oral iniciou quando o processo de aquisição da linguagem já estava em andamento. Nesse caso, as crianças já tinham uma experiência linguística rica e muitas aprendizagens que decorrem dela e possivelmente melhores condições de aprendizagem de outra língua. O mesmo não ocorreu com as crianças com acesso restrito à Libras, pois iniciaram a aquisição da língua oral com menos tempo de exposição e menor experiência linguística. Ainda sobre os achados dos estudos relacionados às crianças surdas com IC, as crianças surdas com IC e com acesso restrito à Libras, mesmo tendo mais acesso à língua oral, em geral apresentaram melhor desempenho nos testes em Libras. Esse resultado surpreendente sugere que a experiência linguística visual para essas crianças permanece ativada e é um caminho "natural" para a aquisição da linguagem de forma rápida e efetiva.

Acreditamos que os resultados desse trabalho possam contribuir para que mais estudos sobre aquisição bilíngue bimodal sejam desenvolvidos com crianças ouvintes ou surdas e para que as questões relacionadas a esse processo, em fase inicial de investigação, sejam aprofundadas e esclarecidas.

Referências

ALVAREZ, A.; CARVALHO, I.; CAETANO, A. 2004 . Perfil de habilidades fonológicasSão Paulo: Via Lettera. [ Links ]

ANDRADE, C.; BEFI-LOPES, D.; FERNANDES, F.; WERTZNER, H. 2004 (2ª ed.). Teste de linguagem Infantil nas Áreas de Fonologia, Vocabulário, Fluência e Pragmática. Barueri: Pró-Fono. [ Links ]

CHEN PICHLER, D., HOCHGESANG, J., LILLO-MARTIN, D.; QUADROS, R. Conventions for sign and speech transcription in child bimodal bilingual corpora, Language, Interaction and Acquisition, v.1, n.1, p.11-40, 2010. Disponível em: Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3102315/pdf/nihms273872.pdf . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

CRAIN, S.; MCKEE, C. Acquisition of Structural Restrictions on Anaphora. In: BERMAN , S., CHOE J.-W.; MCDONOUGH, J. (eds.), Proceedings of the North Eastern Linguistic Society. GLSA: University of Massachusetts, Amherst. 1986. 16, p. 94-110 [ Links ]

CRAIN, S.; THORNTON, R. Investigations in Universal Grammar: A Guide to Experiments on the Acquisition of Syntax and Semantics 1998. MIT Press: Cambridge, MA. [ Links ]

CRUZ, C. Proposta de instrumento de avaliação da consciência fonológica, parâmetro configuração de mão, para crianças surdas utentes da Língua de Sinais Brasileira. Dissertação. 2008. 196 f. (Mestrado em Letras-Linguística Aplicada). Programa de Pós-Graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2008. Disponível em: Disponível em: http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/16/TDE-2008-03-28T065530Z-1103/Publico/399739.pdf . Acesso em: 06 ago. 2015. [ Links ]

CRUZ, C.; FINGER, I. Aquisição fonológica do português brasileiro por crianças ouvintes bilíngues bimodais e surdas usuárias de implante coclear, Letras de Hoje, v.48, n. 3, p. 389- 398, 2013. Disponível em: Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/12621/9928 . Acesso em: 06 ago. 2015. [ Links ]

CRUZ, C.; KOZAK, L.; PIZZIO, A.; QUADROS, R.; CHEN PICHLER, D. Phonological memory and phonological acquisition in bimodal bilingual children. In: ORMAN , W.; VALLEAU , M. J. (eds.), Proceedings of the 38th Annual Boston University Conference on Language Development. Somerville, MA: Cascadilla Press. 2014. p.103-115. [ Links ]

CRUZ, C.; PIZZIO, A.; QUADROS, R. Avaliação da discriminação fonêmica do português brasileiro e da Língua de Sinais Brasileira em crianças ouvintes bilíngues bimodais e em crianças surdas usuárias de implante coclear. Revista da ABRALINv. 14, n.1, jan./jun., p. 337-360, 2015. Disponível em:http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/abralin/article/view/42824/25976. Acesso em: 22 jan. 2016. [ Links ]

DAVIDSON, K.; LILLO-MARTIN, D.; CHEN PICHLER, D. Spoken English Language Development in Native Signing Children with Cochlear Implants. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, v.19, n.2, p-238-250, 2013. Disponível em:Disponível em: http://jdsde.oxfordjournals.org/content/19/2/238.long . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

EMMOREY, K.; BORINSTEIN, H.; THOMPSON, R.; GOLLAN, T. Bimodal bilingualism. Bilingualism: Language and Cognition, v.11, n.1, p. 43-61, 2008. Disponível em: Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2600850/pdf/nihms-49018.pdf . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

FORTUNATO, C.; BEVILACQUA, M.; COSTA, M. Análise comparativa da linguagem oral de crianças ouvintes e surdas usuárias de implante coclear, Rev. CEFAC, v.11, n.4, p. 662-672, 2009. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462009000800015 . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

FRENCH, M. A Developmental Approach to Deaf Children´s Literacy. Washington: Gallaudet University. Pre-College National Mission Programs. 1999. [ Links ]

GEERS, A. Speech, Language, and Reading Skills After Early Cochlear Implantation. Arch Otolaryngol Head Neck Surg, v.130, p. 634-638, 2004. [ Links ]

GOLDMAN, R.; FRISTOE, M. 2000. . San Antonio, TX: Pearson. [ Links ]

LILLO-MARTIN, D.; QUADROS, R.; KOULIDOBROVA, E.; CHEN PICHLER, D. Bimodal bilingual cross-language influence in unexpected domains. In: COSTA, J.; CASTRO, A.; LOBO, M.; PRATAS, F. (eds.), Language Acquisition and Development: Proceedings of GALA 2009, Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Press, 2010. p. 264-275. [ Links ]

PADOVANI, C; TEIXEIRAE Do balbucio à fala: reflexões sobre a importância das atividades lingüísticas iniciais e o desenvolvimento da linguagem oral em crianças com deficiência auditiva, Distúrbios da Comunicação, v.17, n.1, p. 45-54, 2005. Disponível em: Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/11681/8408 . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

PRONOVOST, W.; DUMBLETON, C. A picture-type speech sound discrimination test. Journal of Speech and Hearing Disorders, v. 18, p. 258-266, 1953. [ Links ]

QUADROS, R. Avaliação da língua de sinais em crianças surdas na escola., Letras de Hoje Porto Alegre, v. 39, n.3, p. 297-309, 2004. [ Links ]

QUADROS, R.; CRUZ, C. 2011. 159p. Línguas de Sinais: instrumentos de avaliação, Porto Alegre: Artmed. [ Links ]

QUADROS, R.; CRUZ, C.; PIZZIO, A. Memória fonológica em crianças bilíngues bimodais e crianças com implante coclear, ReVEL, v. 10, n.19, 2012. Disponível em: Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/0bb2012c5e0acde671a087e69739aab9.pdf Acesso em: 06 ago. 2015. [ Links ]

QUADROS, R.; LILLO-MARTIN, D.; CHEN PICHLER, D. Bilinguísmo e Bimodalismo Desenvolvimento Bilíngue Intermodal. 2010. In: IX Congresso Internacional e XV Seminário Nacional do INES. Anais do Congresso do INES: O lugar do Conhecimento: identidade sujeito e subjetividadeEditora do INES: Rio de Janeiro, 2010. p. 146-150. [ Links ]

ROID, G.; MILLER, L. 1997. Leiter International Performance Scale - Revised. In: Wood Dale, IL:Stoelting Co. [ Links ]

SANTOS-CARVALHO, B. Teste de figuras para discriminação fonêmica: proposta e aplicação. 2007. 149 fls. Dissertação (Mestrado em Distúrbios da ComunicaçãoHumana). Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2007. Disponível em: Disponível em: http://cascavel.cpd.ufsm.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1383 . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

SANTOS, F.; BUENO, O. Validation of the Brazilian Children's Test of Pseudoword Repetition in Portuguese speakers aged 4 to 10 years. In: Brazilian Journal of Medical and Biological Research v.36, p. 1533-1547, 2003. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-879X2003001100012&script=sci_arttext . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

STUCHI, R.; NASCIMENTO, L.; BEVILACQUA, M.; NETO, R. Linguagem oral de crianças com cinco anos de uso do implante coclear, Pró-Fono R. Atual. Cient.v.19, n.2, p.167-176, 2007. Disponível em:Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000200005 . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

TEIXEIRA, E.; SILVA, C. Adaptação para o português brasileiro do MacArthur Communicative Inventories CDI: Words and Gestures, 2003. [ Links ]

TOOHEY, E. Phonological development in hearing children of deaf parents. 2010. Honors Scholar Theses. 40 fls. Storrs: University of Connecticut, 2010. Disponível em: Disponível em: http://digitalcommons.uconn.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1150&context=srhonors_theses . Acesso em: 05 ago. 2015. [ Links ]

WILLIAMS, K. 1997. Expressive vocabulary test San Antonio, TX: Pearson. [ Links ]

ZIMMERMAN, I.; STEINER, V.; POND, R. 2002. Preschool Language Scale, Fourth Edition (PLS-4) San Antonio, TX: Harcourt Assessment. [ Links ]

1Estudo apresentado no XVII Congresso Internacional de Linguística e Filologia da América Latina (ALFAL) na cidade de João Pessoa (Paraíba, Brasil), em julho de 2014.

2Kodas: Kids of deaf adults.

3Informações sobre o projeto 'Desenvolvimento Bilíngue Bimodal' em http://bibibi.uconn.edu/.

4Esse estudo conta com recursos do National Institute of Health - NIDCD Recurso #DC00183 e NIDCD grant #DC009263; e do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) - Recurso #CNPQ #200031/2009-0 e #470111/2007-0.

5ASL: American Sign Language

6Foram utilizados dois tipos de protocolo de avaliação de desenvolvimento linguístico: o Inventário Mac Arthur de Desenvolvimento Comunicativo (item 22) e o protocolo Kendall (item 23). Os protocolos serviram para situar o contexto de aquisição de cada criança

7Na bateria de testes foi incluída a avaliação do QI, pois investigamos o processo de aquisição da linguagem por crianças sem comprometimentos cognitivos.

Received: August 19, 2015; Accepted: January 21, 2016

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License