SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 issue21A gestão participativa e o uso de sistemas de apoio à decisão em grupo como propulsores de novas estruturas organizacionaisO executivo como gestor de educação e aprendizagem author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Organizações & Sociedade

Print version ISSN 1413-585XOn-line version ISSN 1984-9230

Organ. Soc. vol.8 no.21 Salvador May/Aug. 2001

https://doi.org/10.1590/S1984-92302001000200006 

ARTIGOS / ARTICLES

 

Estratégias e práticas de remuneração utilizadas pelas empresas Brasileiras

 

 

Lúcia Maria Barbosa de Oliveira

PhD em Relações Industriais pela London School of Economics and Political Science / Profª Adjunta e Coordenadora Geral do Programa MBA-Executivo do Deptº de Ciências Administrativas da UFPE; Pesquisadora do CNPq

 

 


RESUMO

O estudo mostra as bases das estratégias e práticas de remuneração utilizadas pelas empresas brasileiras. A coleta dos dados foi realizada através de questionários enviados pelo correio. Obteve-se como índices de respostas 26,8% (132) dos responsáveis pela área de recursos humanos de empresas relacionadas na Exame - "Melhores e Maiores". Evidencia-se que para determinação das bases salariais, o método de avaliação de cargos Hay é o mais utilizado para cargos gerenciais e o sistema de pontos para os técnicos/ administrativos e operacionais. A estratégia de remuneração é traçada baseando-se nos objetivos de recursos humanos e da empresa, sendo flexível em adaptar-se às mudanças contextuais. As práticas de remuneração estão alicerçadas na estratégia da empresa, apresentando flexibilidade para mudanças contextuais e sendo transparente para os empregados. A remuneração variável é utilizada por 81,1% das empresas sendo a participação nos lucros o tipo mais aplicado para empregados de todos os níveis hierárquicos.


ABSTRACT

This paper investigates the remuneration strategies and practices of Brazilian companies. Data was gathered by survey through the application of questionnaires to the human resources executives of companies listed in EXAME magazine"s - "Melhores e Maiores" (Best and Biggest), with a response rate of 26.6% (132 of 500). The study reveals that the Hay method for job evaluation is the most commonly applied for determination of salaries at the managerial level, while factor point job evaluation schemes are more usual for clerical and operating level salaries. Remuneration strategy was found to be developed in line with general strategic and human resources objectives and adapted, flexibly, as necessary, in accordance with environmental changes. Remuneration practices, also, are based on company"s strategy, demonstrated, flexibility, and are seen as being transparent to employees. Variable pay plans are used by 81,1% of the firms, which responded to the survey, with profit-sharing schemes reported for employees at nearly all levels of the hierarchy.


 

 

Texto completo disponivel apenas em PDF.

Full text avaliable only in PDF.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBUQUERQUE, L. G. Estratégias de Recursos Humanos e Competitividade. In: VIEIRA, Marcelo Milano Falcão, OLIVEIRA, Lúcia Maria Barbosa de (orgs.). Administração Contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, 1999.         [ Links ]

ARMSTRONG, M. Human resources management: a case of the imperor"s new clothes? Personnel Management, London, v.19, n.8, p.30-35, aug. 1987.         [ Links ]

________________. Blue-chip firms with a vision. Personnel Management, London, v.26, n.10, p.48-53, oct. 1994.         [ Links ]

________________. Reward Employee. London: IPD, 1996.         [ Links ]

ARMSTRONG, M., BARON, A. The job evaluation. London: IPD, 1995.         [ Links ]

ARMSTRONG, M., MURLIS, M. Reward Management: a handbook of salary administration. London: Kogan Page, 1988.         [ Links ]

AS MELHORES Empresas para você trabalhar. Exame. São Paulo, ano 32, n.18, ago. 1998. (Encarte especial).         [ Links ]

ASSIS, V. Acerte no alvo! Ser Humano, São Paulo, ano XXXI, n.123, p.10-14, ago. 1997.         [ Links ]

BOXALL, P. Placing HR strategy at the heart of business. Personnel Management, London, v.26, n.7, p.32-35, jul. 1994.         [ Links ]

BRISOLLA JÚNIOR, C. B. A remuneração variável mudando paradigmas na administração salarial: um estudo no setor bancário brasileiro. São Paulo, 1994. (Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP).         [ Links ]

BUCKINGHAM, G., ELLIOT, G. Profile of a sucessful personnel management. Personnel Management, London, v.25, n.8, p.26-29, aug. 1993.         [ Links ]

CHIAVENATO, Idalberto. Como transformar RH (de um centro de despesa) em um centro de lucro. São Paulo: Makron Books, 1996.         [ Links ]

CONNOCK, S. The importance of ‘big ideas" to HR Managers. Personnel Management, London, v.24, n.6, p.24-27, jun. 1992.

COOK, R., ARMSTRONG, M. The search for strategy HRM. Personnel Management, London, v.22, n.12, p.30-33, dec. 1990.         [ Links ]

EQUIPE COOPERS & LYBRAND. Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, 1996.         [ Links ]

_______________________________. Remuneração por habilidades e por competências: preparando a organização para a era das empresas de conhecimento intensivo. São Paulo: Atlas, 1997.         [ Links ]

FLANNERY, T. et alii. Pessoas, desempenho e salários: as mudanças na forma de remuneração nas empresas. São Paulo: Futura, 1997.         [ Links ]

FELURY, A . , FLEURY, M.T.L. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2000.         [ Links ]

GALUPPO, R. A intervenção flexível. Exame, São Paulo, ano 28, n.19, p.66-70, set. 1995.         [ Links ]

GEORGIADES, N. A strategic future for personnel. Personnel Management, London, v.22, n.2, p.43-45, feb. 1990.         [ Links ]

GIL, A. C. Métodos e técnicas em pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1987.         [ Links ]

GOMES, M. T. Cada um vale quanto sabe – chegou a remuneração por habilidade. Nela o que conta são as qualificações individuais. Exame, São Paulo, ano 29, n.3, p.56-57, jan. 1996.

_____________. O guia do RH fica mais humano. Exame, São Paulo, ano 27, n.4, p.76-77, fev. 1995.         [ Links ]

GONÇALVES, J. E. L. Os novos desafios da empresa do futuro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.37, n.3, p.10-19, jul./set. 1997.         [ Links ]

GUEST, D., HOQUE, K. Yes, personnel does make a difference. Personnel Management, London, v.26, n.11, p.40-44, nov. 1994.         [ Links ]

HERRIOT, P. The management of career. In: TYSON, S. Strategic prospects for HRM. London: IPD, 1995. p.184-205.         [ Links ]

LIVY, B. Corporate personnel management. London: Pitman Publishing, 1988.         [ Links ]

MAÇAL, A. P. Na hora de dividir o bolo – participação nos resultados mexe com patrões e empregados. Ser Humano, São Paulo, ano XXIX, n.102, p.10-15, nov. 1995.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1986.         [ Links ]

MARINAKIS, A. E. A participação dos trabalhadores nos lucros e resultados das empresas no Brasil: um instrumento para acelerar a reestruturação necessária. RAE, São Paulo, v.37, n.7, p.56-64, out./dez. 1997.         [ Links ]

MUSSNUG, K. J., HUGHEY A. W. A verdade sobre as equipes. HSM Management, São Paulo, ano 2, n.8, p.140-146, maio/jun. 1998.         [ Links ]

OLIVEIRA, L. M. Barbosa de., MORAES, Walter F. A. de. Coleta de dados realizada por questionário pelo correio: método eficaz? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.34, n.4, p.85-92, jul./ago. 1994.         [ Links ]

PEOPLE MANAGEMENT. Pay per view. London, v.6, n.3, p.40-46, 3 feb. 2000.         [ Links ]

PEREIRA FILHO, J. L., WOOD JR, T. Remuneração Estratégica: a nova vantagem competitiva. RAE Light, São Paulo, v.2, n.4, p.21-25, jul./ago. 1995.         [ Links ]

RESENDE, E. J. A gestão de pessoal nas empresas brasileiras: o curto e o longo prazo. Tendências do Trabalho, Rio de Janeiro, n.232, p.7-12, maio. 1994        [ Links ]

RESENDE, E. J. Cargos, salários e carreira: novos paradigmas conceituais e práticos. São Paulo: Summus, 1991.         [ Links ]

SELLTIZ, C. et alii. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1975.         [ Links ]

STEWART, T. A. Capital Intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.         [ Links ]

TRIPODI, T. et alii. Análise da pesquisa social. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.         [ Links ]

TRUSS, K. CEOs want a more strategic function. People Mangement, London, v.2, n.16, p.36-39, aug. 1996.         [ Links ]

TYSON, S. Strategic prospects for HRM. London: IPD, 1995.         [ Links ]

TYSON, S., FELL, A. A focus on skills, not organizations. People Management, London, v.1, n.21, p.42-45, oct. 1995.         [ Links ]

TYSON, S., WITCHER, M. Getting in gear: post-recession HR Management. Personnel Management, London, v.26, n.8, p.20-23, aug. 1994.         [ Links ]

ULRICH, D. Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998.         [ Links ]

ULRICH, D. Recursos humanos estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: futura, 2000.         [ Links ]

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 1998.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License