SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue43Redes de catadores-recicladores de resíduos em contextos nacional e local: do gerencialismo instrumental à gestão da complexidade? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Organizações & Sociedade

On-line version ISSN 1984-9230

Organ. Soc. vol.14 no.43 Salvador Oct./Dec. 2007

https://doi.org/10.1590/S1984-92302007000400001 

ARTIGOS

 

Personalização ou codificação? Avaliando estratégias de foco em gestão do conhecimento

 

 

Luiz Antonio JoiaI; Marcelo Fonte Boa de OliveiraII

IProf. EBAPE/FGV e UERJ
IIPesquisador EBAPE/FGV

 

 


RESUMO

Alguns autores consagrados têm afirmado que empresas líderes em seus segmentos industriais devem ter uma estratégia de gestão de conhecimento focalizada em "Personalização" ou em "Codificação". Segundo essa linha de raciocínio, qualquer empresa que adote estratégias de gestão do conhecimento com foco tanto em conhecimento tácito quanto em explícito não tem condições de ser um grande player em sua indústria. Este artigo testa essa hipótese, por meio da criação de uma escala de mensuração da estratégia de gestão de conhecimento empresarial. Como método de pesquisa adotado para esse mister, é desenvolvida uma rede nomológica baseada em indicadores obtidos a partir do referencial teórico e, em seguida, usados na análise fatorial confirmatória e escores fatoriais para a criação dessa escala, sendo a mesma testada em um escritório de propriedade industrial líder de mercado no Brasil. Os resultados mostram que a afirmativa precedente não tem fundamentação científica, não podendo ser suportada a hipótese de que uma empresa, para ser líder de sua indústria, deva optar por seguir majoritariamente um único tipo de estratégia de gestão de conhecimento. Pelo contrário, o acoplamento de diferentes abordagens para gestão do conhecimento parece ser mais salutar para as empresas.


ABSTRACT

Some well-known researchers have supported the position that leading companies in their industries should have a knowledge management strategy focused either on "Personalization" or "Codification". According to this claim, any company that has adopted a knowledge management strategy based on both of the above, i.e. on both tacit and explicit knowledge, does not have the means to become a major player within its industry. This article seeks to verify this hypothesis, through the creation of a measurement scale to assess an organization’s knowledge management strategy. A nomological network based on indicators drawn from the theoretical reference material adopted is also developed, whereby confirmatory factor analysis is performed and factor scores are further calculated in order to test this measurement scale in a leading intellectual property office in Brazil. The results obtained reveal that the above claim is not supported in a scientific way, namely that a leading company in an industry is not required to focus on a specific type of knowledge management strategy. On the contrary, the combination of different knowledge management approaches would appear to be more appropriate for a company in a competitive environment.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Referências

ARGYRIS, Chris; SCHÖN, Donald. Organizational learning. Reading. MA: Addison-Wesley, 1978.         [ Links ]

DRUCKER, Peter Ferdinand. Sociedade pós-capitalista. São Paulo. Pioneira Thomson. 2002.         [ Links ]

GARSON, David G. Structural Equation Modeling in PA 765 Statnotes: an online textbook. Disponível na Internet via http://www2.chass.ncsu.edu/garson/pa765/structur.htm. Artigo capturado em outubro de 2004.         [ Links ]

HAIR, Joseph F. Jr.; TATHAM, Ronald L.; ANDERSON, Ralph E.; BLACK, William C. Multivariate data analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1998.         [ Links ]

HANSEN, Morten T.; NOHRIA, Nitin; TIERNEY, Thomas. What’s your strategy for managing knowledge? Harvard Business Review. Mar-Apr, 1999, pp. 106 – 116.

HANSEN, Morten T; OETINGER, Bolko von. Introducing T-shaped managers. lnowledge management’s next generation, Harvard Business Review. Mar, 2001, pp. 107 – 116.

KIM, J. O.; MUELLER, C. W. Factor analysis: statistical methods and practical issues. Sage Publications. Quantitative Applications in the Social Sciences Series. Thousand Oaks, CA:, No. 14, 1978.         [ Links ]

KING, Adelaide W.; ZEITHALM, Carl. Measuring organizational knowledge: a conceptual and methodological framework. Strategic Management Journal, n. 24, 2003, pp. 763 – 772.

KLEM, Laura; G. Grimm; YARNOULD, Paul R. Path analysis: reading and understanding multivariate statistics. Lawrence, ed. American Psychological Association, Washington, DC, 1995.         [ Links ]

KLINE, R. B. Principles and practice of structural equation modeling. New York: Guilford Press, 1998.         [ Links ]

LEONARD, Dorothy; SENSIPER, Sylvia. The role of tacit knowledge in group innovation. California Management Review, vol 40, nº 3, Spring 1998, pp. 112 – 132.         [ Links ]

LEONARD-BARTON, Dorothy. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1998.         [ Links ]

MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3ª edição, Porto Alegre. Bookman, 2001.         [ Links ]

MEDEIROS, Océlio de. Tailorismo, faiolismo e fordismo. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1952.         [ Links ]

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. 10ª edição, Rio de Janeiro: Campus, 1997.         [ Links ]

NONAKA, Ikujiro; KONNO, Noburo. The concept of "Ba": building a foundation for knowledge creation. California Management Review, vol. 40, nº 3, Spring 1998, pp. 40 – 54.         [ Links ]

O’DELL, Carla C.; GRAYSON, Jackson. If only we knew what we know. California Management Review, vol 40, nº 3, Spring 1998, pp. 154 – 173.         [ Links ]

PORTER, Michael. What is strategy? Harvard Business Review, Nov-Dec, 1996, pp. 61 – 78.         [ Links ]

QUINN, James B. Intelligent enterprise: a knowledge and service based paradigm for industry. Nova York: Bantam Books, 1992.         [ Links ]

RUGGLES, Rudy, The state of the notion: knowledge management in practice. California Management Review, vol. 40, nº 3, Spring 1998, pp. 80 – 89.         [ Links ]

SENGE, Peter M. A quinta disciplina. 15ª edição, São Paulo: Best Seller, 2003.         [ Links ]

SHARMA, Subhash. Applied multivariate techniques. New York: John Willey & Sons, 1996.         [ Links ]

SPENDER, J. C. Gerenciando sistemas de conhecimento. In: Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. Organizadores: Maria Tereza L. Fleury e Moacir de M. O. Júnior. São Paulo: Atlas, 2001.         [ Links ]

STEVENSON, William J. Estatística aplicada à administração. Tradução Alfredo Alves Farias. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1981.         [ Links ]

STEWART, Thomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. 11ª edição, Rio de Janeiro: Campus, 1998.         [ Links ]

STEWART, Thomas A. A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e a nova empresa. Rio de Janeiro: Campus, 2002.         [ Links ]

TELLES, Maria M.; TEIXEIRA, Francisco. Tecnologias de gestão do conhecimento e sua relação com a inovação nas organizações: o caso de uma multinacional de consultoria, O&S, vol. 9, no. 25, 2002, pp. 127 – 141.         [ Links ]

TROCHIM, William M. The nomological network. 2ª edição. Disponível na Internet via http://www.socialresearchmethods.net/kb/nomonet.htm. Artigo capturado com base na versão de 16 de agosto de 2004a.         [ Links ]

TROCHIM, William M. The research methods knowledge base. 2ª edição. Disponível na Internet via http://www.socialresearchmethods.net/kb/. Artigo capturado com base na versão de 16 de agosto de 2004b.         [ Links ]

VON KROGH, Georg (1998), Care in knowledge creation. California Management Review, vol 40, nº 3, Spring 1998, pp. 133 – 153.         [ Links ]

WENGER, Etienne C.; SNYDER, William M. Communities of practice: the organizational frontier. Harvard Business Review. Jan-Feb, 2000, pp. 139 – 145.         [ Links ]

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Daniel Grassi, 2ª edição, Porto Alegre: Bookman, 2001.         [ Links ]

 

 

Anexo - Questionário

Objetivo do questionário: Este questionário tem como objetivo avaliar o tipo de estratégia de gestão do conhecimento que está sendo utilizada pelo escritório. A partir da literatura, dois tipos de estratégias de gestão do conhecimento foram identificadas: personalização e codificação. Na personalização, as ações administrativas visam à troca de conhecimento por meio do relacionamento pessoal e direto entre pessoas durante o trabalho. Na codificação, as ações são tomadas com o objetivo de trocar conhecimento após o mesmo já ter sido descrito (codificado) por um meio físico ou uma mídia de comunicação, não havendo obrigatoriedade de relacionamento pessoal e direto no trabalho.

É importante ressaltar que ambas as estratégias são implementadas em todas as empresas, porém, geralmente, há foco em uma das duas. Também é importante destacar que nenhuma das duas estratégias apontadas é necessariamente melhor do que a outra. Há casos de sucesso nos dois focos estratégicos.

Preenchimento do formulário: As questões apresentam sempre dois tipos dicotômicos de ações estratégicas da gestão do conhecimento. Uma ação do tipo personalização e outra ação do tipo codificação. Entre as ações há uma escala de 0 a 10, na qual os extremos significam a aplicação de apenas uma das ações. Esta escala pretende capturar a percepção do respondente quanto à proporção entre a utilização de uma ação em relação à outra.

Premissa para responder o questionário: Tenha sempre em mente as características da sua atividade no escritório e do grupo de pessoas que nela trabalha, inclusive você.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License