SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.69 issue3Flora of the canga of the Serra dos Carajás, Pará, Brazil: PilotrichaceaeFlora of the canga of the Serra dos Carajás, Pará, Brazil: Sematophyllaceae author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Rodriguésia

Print version ISSN 0370-6583On-line version ISSN 2175-7860

Rodriguésia vol.69 no.3 Rio de Janeiro July/Sept. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/2175-7860201869308 

Artigos Originais

Flora das cangas da Serra dos Carajás, Pará, Brasil: Pylaisiadelphaceae

Flora of the canga of the Serra dos Carajás, Pará, Brazil: Pylaisiadelphaceae

Fúvio Rubens Oliveira-da-Silva1 

Anna Luiza Ilkiu-Borges1  2 

1Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Magalhães Barata 376, São Braz, 66040-170, Belém, PA, Brasil.

Resumo

Pylaisiadelphaceae está representada por quatro espécies dos gêneros Isopterygium (2 spp.), Pterogonidium (1 sp.) e Taxithelium (1 sp.) nas áreas de canga na Serra dos Carajás, no estado do Pará, para as quais são apresentadas descrições, ilustrações e comentários morfológicos.

Palavras-chave: Brioflora; FLONA Carajás; musgos; taxonomia

Abstract

Pylaisiadelphaceae is respresented by four species of the genera Isopterygium (2 spp.), Pterogonidium (1 sp.) and Taxithelium (1 sp.) in the canga areas of the Serra dos Carajás, Pará state, for which are presented descriptions, illustrations and morphological comments.

Key words: Bryoflora; FLONA Carajás; mosses; taxonomy

Pylaisiadelphaceae

Pylaisiadelphaceae Goffinet & W.R.Buck reúne musgos pleurocárpicos de 16 gêneros distribuídos no globo (Goffinet et al. 2009). No Brasil, foram registrados seis gêneros e 14 espécies (Costa & Peralta 2015; Goffinet et al. 2009). Os membros desta família são reconhecidos pelo caulídio monopodialmente ramificado, filídios geralmente não falcados, costa dupla e curta ou ausente, células da lâmina do filídio lineares, lisas ou papilosas, células alares quadradas pouco diferenciadas, células exoteciais não colenquimatosas e exótoma não enrugado (Goffinet & Buck 2004; Goffinet et al. 2009). Nas cangas da Serra dos Carajás foram registradas duas espécies do gênero Isopterygium Mitt., uma de Pterogonidium Müll. Hal. e uma de Taxithelium Spruce ex Mitt.

Chave de identificação dos gêneros de Pylaisiadelphaceae das cangas da Serra dos Carajás

  • 1. Células pluripapilosas dispostas em uma única fileira .................................................... 3. Taxithelium

  • 1’. Células lisas ........................................................................................................................................ 2

    • 2. Região alar pouco diferenciada, 1‒8 células ........................................................ 1. Isopterigyum

    • 2’. Região alar bem diferenciada em agrupamentos triangulares, 20‒22 células ............................................................................................................................................................ 2. Pterogonidium

1. Isopterygium Mitt.

O gênero é distribuído nos trópicos e nas regiões temperadas com cerca de 150 espécies, das quais oito ocorrem nos Neotrópicos (Gradstein et al. 2001). No Brasil, foram registradas cinco espécies (Costa & Peralta 2015). Os membros desse grupo ocorrem sobre solo, base de árvores vivas e, ocasionalmente, sobre rochas (Gradstein et al. 2001). São caracterizados pelas plantas autóicas, filídios mais ou menos complanados, pseudoparáfilos filamentosos ou ausentes, margem do filídio fraca a fortemente serrilhada na região apical, células alares pouco diferenciadas, gemas papilosas e filamentosas, ausência de ânulo (Gradstein et al. 2001; Buck 1998).

Chave de identificação das espécies de Isopterygium das cangas da Serra dos Carajás

  • 1. Filídios distantes, não complanados. Costa geralmente ausente. Região alar com 1-3 células. Pseudoparáfilos ausentes ................................................................... 1.1. Isopterygium subbrevisetum

  • 1’. Filídios imbricados, às vezes complanados. Costa dupla, ocasionalmente ausente. Região alar com 3-8 células. Pseudoparáfilos filamentosos ......................................................... 1.2. Isopterygium tenerum

1.1. Isopterygium subbrevisetum (Hampe) Broth., Nat. Pflanzenfam. I(3): 1081. 1908.

Hypnum subbrevisetum Hampe, Videnskabelige Meddelelser fra Dansk Naturhistorisk Forening i Kjøbenhavn ser. 3, 6: 165. 1874.Fig. 1a-c

Figura 1 a-c. Isopterygium subbrevisetum - a. hábito; b. filídios; c. região alar. d-f. Isopterygium tenerum - d. região alar; e. filídios; f. hábito. Barras: a, f= 500 µm; b, e= 50 µm; c, d= 25 µm. 

Figure 1 a-c. Isopterygium subbrevisetum - a. habit; b. leaves; c. alar region. d-f. Isopterygium tenerum - d. alar region; e. leaves; f. habit. Bars: a, f= 500 µm; b, e= 50 µm; c, d= 25 µm. 

Plantas verde-pálidas a verde-lustrosas, irregularmente ramificadas, pseudoparáfilos ausentes. Filídios sub-eretos, não complanados, distantes, usualmente simétricos, lanceolados, 0,2‒0,6 × 0,06‒0,2 mm, ápice gradualmente acuminado, margem inteira a fracamente serrilhada no ápice, costa geralmente ausente. Células lineares, 75‒100 × 2,2‒7,5 µm, paredes finas, lisas. Região alar com 1‒3 células quadradas, 7,5‒12,5 µm, hialinas.

Material selecionado: Parauapebas, N3, 24.X.1992, R.C. Lisboa et al. 2063 (MG); N4, 6º07’05,5”S, 50º 11’ 00”W, 715 m, 3.IX.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3714 (MG).

Esta espécie é identificada pelos filídios sub-eretos e distantes ou laxamente dispostos no caulídio, costa geralmente ausente e região alar com 1 a 3 células quadradas pouco diferenciadas. De acordo com Buck (1998), os ramos de Isopterygium subbrevisetum surgem da axila do filídio, por esse motivo os pseudoparáfilos são ausentes, em contraste com I. tenerum no qual os ramos surgem de primórdios de pseudoparáfilos. A espécie cresce geralmente sobre madeira em decomposição em florestas úmidas (Buck 1998, 2003) ou em troncos vivos, cipós, húmus, barrancos de terra e ocasionalmente sobre rochas (Ireland & Buck 2009). Nas cangas da Serra dos Carajás, a espécie foi coletada sobre tronco vivo e madeira em decomposição, em canga aberta e em uma ilhota de mata baixa sobre canga.

Neotropical. No Brasil: AC, AM, AP, CE, BA, MG, PA, PR, RJ, RR, SC, SP. Serra dos Carajás: Serra Norte: N3 e N4.

1.2. Isopterygium tenerum (Sw.) Mitt., J. Linn. Soc., Bot. 12: 499. 1869.

Hypnum tenerum Sw. Flora Indiae Occidentalis 3: 1817-1818. 1806.Fig. 1d-f

Plantas verde-lustrosas, pouco ramificadas, pseudoparáfilos filamentosos no caulídio. Filídios eretos, às vezes complanados, imbricados, simétricos, lanceolados a ovalado-lanceolados, 0,5‒0,6 × 0,2‒0,3 mm, côncavos, ápice acuminado a longo acuminado, margem inteira a fracamente serrilhada no ápice, costa dupla e irregular, 1/6‒1/9 do comprimento do filídio, ocasionalmente ausente. Células lineares, 50‒100 × 2,2‒7,5 µm, lisas, paredes finas, lisas. Região alar com 3‒8 células quadradas a subquadradas, 12,5‒25 × 12,2‒17,5 µm, hialinas.

Material selecionado: Canaã dos Carajás, S11B, 6º21’19,1”S, 50º23’27,4”W, 29.IV.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3515 (MG). Parauapebas, N1, 6º01’25,5”S, 50º17’56,3”W, 664 m, 31.VIII.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3642 (MG); N2, 6º03’19,4”S, 50º15’17,7”W, 685 m, 31.VIII.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3621 (MG); N3, 24.X.1992, R.C. Lisboa et al. 2115 (MG); N5, 6º06’18,1”S, 50º07’49,3”W, 715 m, 27.IV.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3380 (MG).

Isopterygium tenerum é uma das espécies mais comuns do gênero (Ireland & Buck 2009), caracterizada pelos filídios eretos e imbricados, costa dupla ou ausente, células da lâmina do filídio lineares de paredes finas e 3 a 8 células alares pouco diferenciadas. Segundo Buck (1998), essa espécie cresce em vários tipos de substratos, especialmente sobre madeira em decomposição e na base de árvores vivas, em vários tipos de habitats, mas é mais comum em florestas perturbadas. Nas cangas da Serra dos Carajás, essa espécie foi coletada sobre rocha de ferro, tronco vivo e tronco em decomposição, em mata baixa sobre canga, canga aberta e perto de brejos e lagoas.

Ampla. No Brasil: AC, AM, AP, BA, CE, DF, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RO, RR, RS, SC, SP e TO. Serra dos Carajás: Serra Norte: N1, N2, N3 e N5; Serra Sul: S11B.

2. Pterogonidium Müll. Hal.

Gênero neotropical com uma ou duas espécies (Gradstein et al. 2001). No Brasil ocorre apenas uma espécie (Costa & Peralta 2015). Crescem como epífitas em ramos e troncos de árvores vivas, bambus, ocasionalmente sobre madeira em decomposição (Gradstein et al. 2001). Os membros deste gênero se caracterizam pelas células alares não infladas e bem diferenciadas em agrupamentos triangulares, seta curta e cápsula cilíndrica, exóstoma marrom e papiloso (Buck 1998; Gradstein et al. 2001).

2.1. Pterogonidium pulchellum (Hook.) Müll. Hall., Nat. Pflanzenfam. 1(3): 1100. 777. 1908.

Pterogonium pulchellum Hook. Musci Exotici 1: 4. 1818.Fig. 2a-c

Figura 2 a-c. Pterogonidium pulchellum - a. região alar; b. filídios; c. hábito. d-h. Taxithelium planum - d. células medianas; e. hábito; f. filídio; g. região alar; h. filídios. Barras: a, g = 50 µm; b, f, h = 250 µm; c, e= 500 µm; d= 25 µm. 

Figure 2 a-c. Pterogonidium pulchellum - a. alar region; b. leaves; c. habit. d-h. Taxithelium planum - d. median cells; e. habit; f. leaf; g. alar region; h. leaves. Bars: a, g = 50 µm; b, f, h = 250 µm; c, e= 500 µm; d= 25 µm. 

Plantas verde-pálidas, livre- e irregularmente ramificadas, ramos eretos ou ascendentes. Filídios sub-eretos, imbricados, lanceolados a oblongo-lanceolados, 0,7‒1 × 0,2‒0,3 mm, côncavos, ápice agudo a levemente acuminado, margem serrilhada no ápice, inteira na base, costa geralmente ausente. Células lineares a longo-romboidais, 25‒50 × 2,5‒10 µm, lisas. Células alares, quadradas a subquadradas, 17,5‒25 × 12,5‒20 µm, não infladas, bem diferenciadas, formando agrupamentos triangulares (20‒22 células), coloração alaranjada ou hialina.

Material selecionado: Parauapebas, N5, 6º06’18,1”S, 50º07’49,4”W, 715 m, 27.IV.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3395 (MG).

Espécie muito comum e amplamente distribuída nos Neotrópicos (Gradstein et al. 2001), identificada pelos filídios lanceolados a oblongo-lanceolados, com células lineares a longo-romboidais, lisas e células alares não infladas, mas bem diferenciadas, formando agrupamentos triangulares. Crescem em vários tipos de substratos como solo, rochas e troncos de árvores ou em bambus (Buck 1998). Nas cangas da Serra dos Carajás, essa espécie foi coletada sobre tronco em decomposição, perto de caverna no limite da canga.

Antilhas e América do Sul. No Brasil: AM, BA, PA, PE, PR, RJ, RO, RS e SP. Serra dos Carajás: Serra Norte: N5.

3. Taxithelium Spruce ex Mitt.

Gênero pantropical com 19 espécies distribuídas principalmente no sudeste da Ásia (Câmara 2011). No Brasil são reconhecidas quatro espécies (Costa & Peralta 2015). Os membros desse grupo ocorrem principalmente sobre troncos de árvores vivas ou sobre madeira em decomposição (Gradstein et al. 2001). São reconhecidos pelas células pluripapilosas dispostas em uma única fileira, as células alares variando de poucas e quadradas a infladas e coloridas (Gradstein et al. 2001; Buck 2003).

3.1. Taxithelium planum (Brid.) Mitt., J. Linn. Soc. Bot. 12: 496. 1869.

Hypnum planum Brid., Muscol. Recent. Suppl. 2: 97. 1812.Fig. 2d-h

Plantas verde-pálidas a verde-lustrosas, com ramos subpinados, longo-ascendentes. Filídios complanados, sub-eretos, ovalados a oblongo-lanceolados, 0,7‒1 × 0,2‒0,4 mm, côncavos, ápice agudo, margem inteira na base e serrilhada no ápice, costa ausente. Células lineares, 62,5‒87,5 × 2,5‒5 µm, paredes finas, pluripapilosas, 6‒8 papilas seriadas por células. Células alares ovaladas, ± infladas, 45‒62,5 × 12,5‒25 µm, alaranjadas ou hialinas.

Material selecionado: Parauapebas, N2, 6º03’28”S, 50º15’09”W, 685 m, 31.VIII.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3590 (MG); N4, 6º07’05,5”S, 50º11’00”W, 715 m, 3.IX.2015, A.L. Ilkiu-Borges et al. 3714 (MG).

A espécie é reconhecida pelos ramos subpinados, filídios complanados, ovalados a oblongo-lanceolados, côncavas, células da lâmina pluripapilosas, com 6‒8 papilas seriadas por células. É umas das espécies mais difundidas do gênero, e ocorre na maioria dos habitats e geralmente cresce sobre troncos de árvores vivas e madeira em decomposição (Câmara 2011). Nas cangas da Serra do Carajás, essa espécie ocorreu sobre rocha e solo em mata baixa sobre canga.

Pantropical. No Brasil: AC, AL, AM, AP, BA, ES, GO, MA, MG, MT, PA, PB, PE, PR, RJ, RO, RR, SC, SP e TO. Serra dos Carajás: Serra Norte: N2 e N4; Serra Sul: Serra do Tarzan.

Lista de exsicatasIlkiu-Borges AL et al. 3380 (1.1), 3382 (1.1), 3386 (1.1), 3387 (1.1), 3393 (1.1), 3396 (1.1), 3515 (1.1), 3519 (1.1), 3520 (1.1), 3523 (1.1), 3524 (1.1), 3526 (1.1), 3621 (1.1), 3639 (1.1), 3642 (1.1), 3714 (1.2), 3395 (2.1), 3590 (3.1), 3714 (3.1). Lisboa RC et al. 2115 (1.1), 2063 (1.2). Oliveira-da-Silva FR et al. 154 (1.2), 168 (1.2). Rosário CS & Ramos JS 810 (1.1), 2234 (1.1), 147 (1.1), 205 (1.1), 191 (1.2).

Editor de área: Dr. Alexandre Salino

Agradecimentos

Agradecemos ao Museu Paraense Emílio Goeldi e Instituto Tecnológico Vale, a infraestrutura e demais apoios fundamentais para o desenvolvimento deste trabalho, assim como à Dra. Ana Maria Giulietti Harley e ao Dr. Pedro Viana, coordenadores do projeto conveniado MPEG/ITV/FADESP (01205.000250/2014-10) e ao projeto aprovado pelo CNPq (processo 455505/2014-4), o financiamento; ao ICMBio, em especial ao biólogo Frederico Drumond Martins, a licença de coleta concedida e suporte nos trabalhos de campo; ao CNPq, a bolsa de Mestrado concedida ao primeiro autor e a bolsa de Produtividade em Pesquisa concedida à segunda autora.

Referências

Buck WR (1998) Pleurocarpous mosses of the West Indies. Memoirs of The New York Botanical Garden 82: 1-400. [ Links ]

Buck WR (2003) Guide to the plants of Central French Guiana. Part 3. Mosses. Memoirs of The New York Botanical Garden 76: 1-167. [ Links ]

Câmara PEAS (2001) A Review of Taxithelium Subgenus Taxithelium (Bryophyta, Pylaisiadelphaceae). Systematic Botany 36: 824-835. [ Links ]

Costa DP & Peralta DF (2015) Bryophytes diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1063-1071. [ Links ]

Goffinet B & Buck WR (2004) Systematics of Bryophyta: from molecules to a revised classification. In: Goffinet B, Hollowel V & Magill R (eds.) Monographs in systematic botany from the Missouri Botanical Garden 98: 205-239. [ Links ]

Goffinet B, Buck WR & Shaw AJ (2009) Morphology and classification of the Bryophyta. In: Goffinet B & Shaw AJ (eds.) Bryophyte Biology. Cambridge University Press, Cambridge?. Pp. 55-138. [ Links ]

Gradstein SR, Churchill SP & Salazar-Allen N (2001) Guide to the Bryophytes of Tropical America. Memoirs of the New York Botanical Garden 86: 1-577. [ Links ]

Ireland RR & Buck WR (2009) Some Latin American Genera of Hypnaceae (Musci). Smithsonian Contribution to Botany 93: 1-108. [ Links ]

Recebido: 06 de Dezembro de 2017; Aceito: 03 de Março de 2018

2 Autor para correspondência: ilkiu-borges@museu-goeldi.br

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado