SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número5EditorialTelessaúde em Audiologia: avaliação da eficácia de uma rede social on-line como apoio aos pais de crianças candidatas ao implante coclear índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.27 no.5 São Paulo set./out. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20152275 

EDITORIAL CONVIDADO

REVISÕES DE LITERATURA: UMA REVISÃO COM FOCO NAS SISTEMÁTICAS

Maria Claudia Cunha1 

1Pontífica Universidade Católica de São Paulo - São Paulo (SP), Brasil.

Acompanhando, desejavelmente, a tendência crescente e universal da área da Saúde, a Fonoaudiologia tem sublinhado a relevância da Prática Baseada em Evidências (PBE). Tal abordagem atribui posição de destaque às revisões sistemáticas de literatura (RS), as quais são apontadas consensualmente como o grau máximo de força em termos de evidência científica.

Nesse cenário, cabe precisar em que consiste este procedimento metodológico, de maneira a incorporá-lo, com rigor, aos estudos desenvolvidos no campo da Fonoaudiologia. Escolho um caminho particular para abordar o tema, iniciando por argumentos que esclarecem o que a RS não é, a saber: não se trata de revisão narrativa (RN) ou integrativa (RI).

Na RN, também nomeada como tradicional, o material bibliográfico é selecionado de maneira aleatória pelo pesquisador para prover sustentação teórica ao tema e objetivo de estudo estabelecidos. Tal característica não a desqualifica; contudo, a exclui das escalas de evidências científicas em função de possíveis vieses de seleção1.

A RI, procedimento de prestígio na PBE, segue critérios metodológicos mais rigorosos comparativamente à RN, com vistas a realizar sínteses abrangentes de resultados de pesquisas sobre temas diversos (definição de conceitos, revisão de teorias vigentes, análise de procedimentos metodológicos utilizados). Assim, articula material bibliográfico de estudos empíricos e teóricos2.

Feitas essas considerações, ficam evidentes as diferenças entre RN e RI; mas, não tão claras as dissemelhanças entre RI e RS. Então, vamos direto ao cerne dessa diferenciação: o que caracteriza, essencialmente, a RS, é o objetivo de "responder a uma pergunta clínica formulada com extrema precisão", da qual derivará a qualidade da revisão. Por extensão, os critérios de seleção do material bibliográfico revisado (estudos primários) dependem da pergunta que o pesquisador pretende responder. Nessa direção, é exemplar o fato de que, na Medicina, os estudos de RS abordam enfaticamente a eficácia de medicamentos no tratamento de diversos quadros clínicos.

A RS pode ou não ser complementada por Metanálise; isto é, uma síntese quantitativa do material realizada por meio de técnicas estatísticas. Contudo, embora tal procedimento acrescente fidedignidade a RS, ele não substitui a avaliação criteriosa dos estudos revisados. Esse é um aspecto salientado em estudos sobre o tema, que reproduzo com plena concordância.

Argumentos para enaltecer e justificar as qualidades da RS como um dos pilares da PBE são vastos e poderiam render várias laudas a este editorial. Entretanto, apontar algumas limitações também é necessário.

Nessa perspectiva, destaco os riscos de replicar e ampliar equívocos de estudos primários revisados, além das dificuldades para a formulação de perguntas precisas/focais sobre fenômenos complexos. Em meu ver, a segunda limitação afeta significativamente a Fonoaudiologia, em particular quando se trata da multiplicidade de aspectos envolvidos no funcionamento (e nas disfunções) da linguagem humana.

Prezando o contexto histórico e científico em que a RS se consolidou, cabe referência indispensável à Cochrane Collaboration http://www.cochrane.org/index.htm, organização internacional fundada na década de 1990 que assessora a elaboração e promove a divulgação das RS na área da Saúde, com representação institucional no Brasil. O acervo da Biblioteca Cochrane pode ser acessado pelos profissionais da América Latina e Caribe em http://www.bireme.br/php/index.php

Para finalizar, agradeço às editoras da CoDAS pelo honroso convite para opinar sobre tema de tamanha relevância contemporânea para a nossa área.

REFERÊNCIAS

1. Cordeiro AM, Oliveira GM, Rentería JM, Guimarães CA. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Rev Col Bras Cir. 2007;34(6):428-31. [ Links ]

2. Ercole FF, Melo LS, Alcoforado CLGC. Revisão integrativa versus sistemática. Rer Min Enferm. 2014;18(1):10. [ Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.