SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22Instrumentos de avaliação clínica para disfagia orofaríngea na doença de Parkinson: revisão sistemáticaAnálise dos processos de atenção e interação em criança com deficiência múltipla sensorial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Audiology - Communication Research

versão On-line ISSN 2317-6431

Audiol., Commun. Res. vol.22  São Paulo  2017  Epub 28-Set-2017

http://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2017-1847 

Revisão de Literatura

Reabilitação de perdas auditivas unilaterais por próteses auditivas implantáveis: revisão sistemática

Gleide Viviani Maciel Almeida1 

Angela Ribas2 

André Luiz de Ataíde3 

(1)Prefeitura Municipal de Cajati – Cajati ( SP ), Brasil .

(2)Universidade Tuiuti do Paraná – UTP – Curitiba ( PR ), Brasil .

(3) Hospital Pequeno Príncipe – HPP – Curitiba ( PR ), Brasil .

RESUMO

Introdução

A audição binaural é a condição adequada que permite ao ouvinte a dimensão de profundidade e sonoridade necessárias à percepção do mundo sonoro.

Objetivo

Determinar, por meio de uma revisão sistemática, quais os benefícios que as próteses auditivas implantáveis trazem para indivíduos adultos que possuem perda auditiva unilateral, no que se refere às habilidades de localização da fonte sonora e do reconhecimento de fala na presença do ruído.

Estratégia de pesquisa

Foram utilizadas combinações de sete descritores em português, indexados no Descritores em Ciências da Saúde (DeCS), e em inglês, indexados no Medical Subject Headings (MeSH), sendo eles: Adulto, Perda Auditiva Unilateral, Auxiliares de Audição, Condução Óssea, Implante Coclear, Idoso, Reabilitação Adult, Hearing Loss Unilateral, Bone Conduction, Cochlear Implantation, Rehabilitation, Elderly e Hearing Aid . Foi realizada uma pesquisa nas bases de dados PubMed , Cochrane , LILACS e Science Direct de artigos publicados entre janeiro de 2005 e setembro de 2015.

Critérios de seleção

Participantes da pesquisa com mais de 18 anos de idade, com perda auditiva unilateral, que utilizavam prótese auditiva implantável (prótese auditiva ancorada no osso ou implante coclear) e que tivessem sido submetidos à avaliação de localização da fonte sonora ou desempenho de reconhecimento de fala na presença de ruído, antes e depois da implantação.

Resultados

Dos 21 artigos analisados, sete foram experimentais, seis prospectivos, três descritivos, quatro séries de casos e um estudo de caso.

Conclusão

Apesar da grande heterogeneidade clínica observada entre os estudos que avaliaram a reabilitação auditiva de pacientes com perda auditiva unilateral, é possível concluir que o implante coclear fornece melhores resultados, tanto para a habilidade de localização da fonte sonora, como do reconhecimento de fala na presença de ruído.

Palavras-Chave: Perda auditiva unilateral; Implante coclear; Condução óssea; Auxiliares de audição

INTRODUÇÃO

Indivíduos com perda auditiva unilateral representam um desafio para médicos e fonoaudiólogos que atuam com reabilitação auditiva. Antigamente, pessoas com este tipo de perda se conformavam com a ausência de recursos e não investiam em reabilitação, acreditando que uma orelha funcionante era suficiente e que garantia boa audibilidade e compreensão.

Atualmente, com o avanço da tecnologia de avaliação auditiva e a miniaturização dos dispositivos eletrônicos, esta realidade está mudando. Sabe-se que as dificuldades de comunicação relacionadas à perda auditiva unilateral são grandes e envolvem problemas com a localização da fonte sonora, com o processamento temporal da informação e com as dificuldades de compreensão em ambientes degradados, na presença de ruído competitivo, ou na interlocução com mais de duas pessoas (1,2,3) .

Escutar com as duas orelhas, portanto, é condição ideal, que confere ao ouvinte a dimensão de profundidade e sonoridade necessárias à percepção do mundo sonoro (4,5,6) .

Como opções de tratamento para as perdas auditivas unilaterais, cita-se o antigo sistema CROS ( Contralateral Routing Signal ) (7) que, ainda hoje, é utilizado e pode facilmente ser adaptado em próteses auditivas retroauriculares; as próteses auditivas ancoradas no osso (8) e o implante coclear (9) .

O sistema CROS consiste em um par de aparelhos auditivos retroauriculares, adaptados nas duas orelhas. O aparelho colocado atrás da orelha ruim capta o som e o envia, por sistema bluetooth, para a outra orelha, que vai tratar o sinal naturalmente. Como o usuário deste sistema precisa, necessariamente, de uma prótese com microfone adaptada na orelha ruim e outra com o receptor, na melhor orelha, muitos pacientes não aderem ao tratamento, até mesmo por questões estéticas e de praticidade (7) .

A prótese auditiva ancorada no osso (PAAO) é um implante osteointegrado, que transmite o som diretamente à orelha interna, transpondo a impedância da pele e tecido subcutâneo. É indicado para perda auditiva mista e/ou condutiva e também para perda auditiva unilateral (8) . Neste último caso, a PAAO é adaptada cirurgicamente atrás da orelha com perda auditiva e estimula a orelha contralateral, por via óssea.

O implante coclear (IC) é um dispositivo que proporciona acessibilidade aos sons ambientais e de fala. Trata-se de uma prótese computadorizada, constituída por um componente interno e outro externo, capaz de substituir parcialmente o órgão sensorial da audição, fornecendo impulsos elétricos para estimular as fibras neurais remanescentes da cóclea lesionada (10) .

A utilização de próteses implantáveis, seja o IC ou a PAAO, é recente na reabilitação de perdas auditivas unilaterais e vem suscitando discussões no meio acadêmico e científico da classe médica e fonoaudiológica.

OBJETIVO

O objetivo deste estudo foi determinar, por meio de uma revisão sistemática (RS), quais os benefícios que as próteses auditivas implantáveis trazem para indivíduos adultos que possuem perda auditiva unilateral, no que se refere às habilidades de localização da fonte sonora e do reconhecimento de fala na presença do ruído.

Estratégia de pesquisa

A pergunta norteadora desta RS foi: As próteses auditivas implantáveis são eficazes para melhoria da percepção auditiva?

A estratégia de busca se baseou em combinações de sete descritores em português indexados no Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) e em inglês, indexados no Medical Subject Headings (MeSH) ( Quadro 1 ).

Quadro 1 Descritores utilizados na revisão sistemática 

Estratégia de busca Estratégia de busca
Descritores em português (DecS) Descritores em inglês (MeSH)
Adulto x Perda Auditiva Unilateral x Auxiliares de Audição Adult x Hearing Loss Unilateral x Hearing Aid
Adulto x Perda Auditiva Unilateral x Condução Óssea Adult x Hearing Loss Unilateral x Bone Conduction
Adulto x Perda Auditiva Unilateral x Implante Coclear Adult x Hearing Loss Unilateral x Cochlear Implantation
Adulto x Perda Auditiva Unilateral x Reabilitação Adult x Hearing Loss Unilateral x Rehabilitation
Idoso x Perda Auditiva Unilateral x Auxiliares de Audição Elderly x Hearing Loss Unilateral x Hearing Aid
Idoso x Perda Auditiva Unilateral x Condução Óssea Elderly x Hearing Loss Unilateral x Bone Conduction
Idoso x Perda Auditiva Unilateral x Implante Coclear Elderly x Hearing Loss Unilateral x Cochlear Implantation
Idoso x Perda Auditiva Unilateral x Reabilitação Elderly x Hearing Loss Unilateral x Rehabilitation

Os bancos de dados selecionados para a pesquisa foram: PubMed , Cochrane, LILACS e Science Direct. Os artigos considerados para o estudo foram os publicados entre janeiro de 2005 e setembro de 2015, em qualquer idioma. O protocolo de análise dos artigos incluídos no estudo foi o seguinte:

Sujeitos: indivíduos com mais de 18 anos, com perda auditiva unilateral.

Tipo de intervenção: utilização de prótese auditiva implantável (PAAO ou IC).

Comparação: avaliação de resultados de localização da fonte sonora ou desempenho de reconhecimento de fala na presença de ruído, antes e depois da implantação.

Tipo de desfecho: melhora da audição na presença de ruído, ou melhora da habilidade de localização da fonte sonora.

Tipo de estudo: ensaio clínico, estudo experimental, prospectivo, descritivo, série de casos e coorte.

O tempo de privação auditiva e etiologia da perda auditiva também foram analisados.

Critérios de seleção

Critérios de inclusão: estudos com participantes da pesquisa com idade mínima de 18 anos, que utilizassem prótese auditiva implantável, PAAO ou IC, que tenham sido submetidos aos testes de localização da fonte sonora e/ou de reconhecimento de fala na presença de ruído, pré-implantação e pós-implantação, sendo os estudos dos tipos ensaio clínico, experimental, prospectivo, descritivo, série de casos e coorte.

Critérios de exclusão: estudos sem intervenções, estudos com indivíduos com perdas auditivas bilaterais, mesmo assimétricas, e estudos com grupos especiais com outros comprometimentos, tais como paralisia cerebral ou síndromes.

A seleção dos estudos foi realizada em etapas, conforme demonstrado na Figura 1 .

Figura 1 Etapas da revisão sistemática 

ANÁLISE DOS DADOS

Primeiramente, duas julgadoras analisaram os títulos dos artigos encontrados nas bases de dados com as combinações anteriormente mencionadas e selecionaram os artigos que reuniam os critérios de elegibilidade da RS. Para verificar o grau de concordância das avaliações, foi utilizado o teste Kappa, em que o valor foi de 0,628 com valor de p<0,001, existindo, portanto, concordância significativa entre as avaliadoras. Nesta etapa, foram identificados 4394 artigos no total, sendo que 4368 não atenderam os critérios de seleção e foram excluídos.

Restaram, portanto, 26 artigos, que, na sequência, foram lidos na íntegra pelas duas julgadoras, fonoaudiólogas. Nesta etapa, foi utilizado o Critério de Jadad (11) , como ferramenta de análise de qualidade dos artigos e que se baseia em cinco questões: 1) O estudo foi descrito como randomizado? 2) A randomização foi descrita e é adequada? 3) Houve comparações de resultados? 4) As comparações de resultados foram descritas e são adequadas? 5) Foram descritas as perdas e exclusões? Cada resposta positiva contabilizou 1 ponto e o artigo foi descartado quando a nota foi inferior a 3. Cinco artigos foram excluídos nesta fase. Por fim, 21 artigos foram analisados e passaram a compor a presente RS.

Foi realizada análise descritiva dos resultados, mas, devido à heterogeneidade dos dados, não foi possível fazer a metanálise.

RESULTADOS

Dos 21 artigos analisados ( Quadro 2 ), 7 foram experimentais, 6 prospectivos, 3 descritivos, 4 séries de casos e 1 estudo de caso. Nenhum dos estudos foi conduzido como um estudo randomizado controlado e nem testou um grupo de controle.

Quadro 2 Artigos que compuseram a revisão sistemática 

Ano Título do artigo Autores Periódico Intervenção Teste
1 2009 Efficacy of the bone-anchored hearing aid for single-sided deafness Linstrom et al. (12) The Laryngoscope PAAO HINT
2 2009 Binaural hearing after cochlear implantation in subjects with unilateral sensorineural deafness and tinnitus Vermeire et al. (13) Audiol Neurotol IC LIST
3 2009 Management of single-sided deafness with the bone-anchored hearing aid Yuen et al. (14) Otolaryngology–Head and Neck Surgery PAAO Não padronizado
4 2010 Hearing and quality of life in a south European BAHA population Barbara et al. (15) Acta Oto-Laryngologica PAAO Não padronizado
5 2010 Bone-anchored hearing aids in patients with acquired and congenital unilateral inner ear deafness (Baha CROS): linical evaluation of 56 Cases Hol et al. (16) Annals of Otology, Rhinology & Laryngology PAAO Não padronizado
6 2011 Speech recognition with BAHA simulator in subjects with acquired unilateral sensorineural hearing loss Bovo et al. (17) Acta Oto-Laryngologica PAAO Não padronizado
7 2012 Auditory abilities after cochlear implantation in adults with unilateral deafness: a pilot study Firszt et al. (18) Otol Neurotol IC Não padronizado
8 2012 Horizontal plane localization in single-sided deaf adults fitted with a bone-anchored hearing aid (Baha) Grantham et al. (19) Ear & Hearing PAAO Não padronizado
9 2012 Cochlear implant in the treatment of incapacitating unilateral tinnitus: case report Mendes et al. (20) International Tinnitus Journal IC Não padronizado
10 2012 Outcome of bone-anchored hearing aids for single-sided deafness: A prospective study Pai et al. (21) Acta Oto-Laryngologica PAAO Não padronizado
11 2013 Sound localization in unilateral deafness with the Baha or TransEar device Battista et al. (22) Jama Otolaryngol Head Neck Surg PAAO Não padronizado
12 2013 Outcomes following cochlear implantation for patients with single-sided deafness, including those with recalcitrant Ménière’s disease Hansen et al. (23) Otol Neurotol IC CNC e ZbIO
13 2013 Clinical outcome after cochlear implantation in patients with unilateral hearing loss due to labyrinthitis ossificans Hassepass et al. (24) Otology & Neurotology IC Hochmair-Schulz-Moser e Oldenburg
14 2013 Tinnitus in a single-sided deaf ear reduces speech reception in the nontinnitus ear Mertens et al. (25) Otology & Neurotology IC LIST
15 2013 Cochlear implantation for unilateral deafness with and without tinnitus: a case series Tavora-Vieira et al. (26) The Laryngoscope IC BKB-SIN
16 2013 Comparison of speech discrimination in noise and directional hearing with 2 different sound processors of a bone-anchored hearing system in adults with unilateral severe or profound sensorineural hearing loss Wesarg et al. (27) Otology & Neurotology PAAO Não padronizado
17 2014 Long-term subjective benefit with a bone conduction implant sound processor in 44 patients with single-sided deafness Desmet et al. (28) Otology & Neurotology PAAO Não padronizado
18 2014 An initial experience of cochlear implantation for patients with single-sided deafness after prior osseointegrated hearing device Erbele et al. (29) Otology & Neurotology IC Não padronizado
19 2014 Localization and interaural time difference (ITD) thresholds for cochlear implant recipients with preserved acoustic hearing in the implanted ear Gifford et al. (30) Hearing Research IC Não padronizado
20 2015 Interaural level difference cues determine sound source localization by single-sided deaf patients fit with a cochlear implant Dorman et al. (31) Audiol Neurotol IC Não padronizado
21 2015 Bone conductive implants in single-sided deafness Monini et al. (32) Acta Oto-Laryngologica PAAO WRS

Dos 21 artigos selecionados, 11 avaliaram o desempenho dos sujeitos que usavam PAAO e 10 avaliaram o desempenho de sujeitos submetidos ao IC.

Em todos os estudos com sujeitos usuários de IC, houve melhora da localização da fonte sonora, enquanto a maioria dos sujeitos usuários da PAAO não apresentou melhora do desempenho desta habilidade.

Os desfechos verificados nos estudos selecionados para a habilidade de localização da fonte sonora estão apresentados na Tabela 1 , sendo que 14 artigos abordaram este tema, em um total de 201 sujeitos investigados.

Tabela 1 Desfechos verificados com as próteses implantáveis para a habilidade de localização da fonte sonora (n=14) 

Artigos (n=14) Total de sujeitos (n=201)


n % n %
PAAO
Houve melhora 5 36 62 30,8
Não houve melhora 3 21 75 37,4
IC
Houve melhora 6 43 64 31,8
Não houve melhora - - - -

Total 14 100 201 100

Legenda: PAAO = Prótese Auditiva Ancorada no Osso; IC = Implante Coclear

Quase a metade dos estudos foi realizada nos Estados Unidos (9). A Itália realizou 3 estudos, Alemanha 2 estudos e Bélgica 2 estudos.

O tempo de privação auditiva ocorreu entre 3 meses e 64 anos, enquanto a faixa etária dos sujeitos submetidos aos implantes auditivos variou de 16 a 75 anos.

As causas da perda auditiva unilateral relatadas nos estudos foram, com maior frequência, a doença de Menière, Neurinoma do Acústico, Colesteatoma e surdez súbita.

A maioria dos testes utilizados para verificar o reconhecimento de fala e localização sonora não era padronizada. O teste mais utilizado para mensurar o reconhecimento de fala foi o Hearing in Noise Test (HINT).

Os desfechos para a habilidade de reconhecimento de fala na presença do ruído, sendo que 14 artigos abordaram este tema em um total de 185 sujeitos investigados, estão descritos na Tabela 2 . Dos 14 estudos, apenas 1, que avaliou sujeitos usuários da PAAO, não constatou melhora da habilidade de reconhecimento de fala.

Tabela 2 Desfechos verificados com as próteses implantáveis para a habilidade de reconhecimento de fala na presença do ruído (n=14) 

Artigos (n=14) Total de sujeitos (n=185)


n % n %
PAAO
Houve melhora 7 50,0 124 67,0
Não houve melhora 1 7,2 11 6,0
IC
Houve melhora 6 42,8 50 27,0
Não houve melhora - - - -

Total 14 100 185 100

Legenda: PAAO = Prótese Auditiva Ancorada no Osso; IC = Implante Coclear

DISCUSSÃO

A reabilitação auditiva de indivíduos com perda auditiva unilateral vem sendo objeto de estudo da classe médica e fonoaudiológica, em virtude da ampliação dos critérios de indicação de próteses auditivas implantáveis (33) , porém, ainda há controvérsias sobre que tipo de implante é mais indicado, visto que estudos sugerem a PAAO e outros, o IC.

A PAAO faz uma estimulação contralateral, ou seja, o vibrador colocado sobre a mastoide da orelha ruim estimula a via óssea da melhor orelha, auxiliando nas habilidades de localização da fonte sonora e do reconhecimento auditivo (1) . O IC, ao contrário, é implantado na orelha ruim e vai estimular as terminações nervosas desta orelha (10) .

Com base nisso, buscou-se uma revisão da literatura sobre os efeitos da PAAO e do IC, especificamente sobre dois resultados clínicos: reconhecimento de fala na presença do ruído e localização sonora.

Após rigorosa avaliação, foram analisados 14 estudos que abordaram o desfecho de melhora do reconhecimento de fala na presença do ruído. Todos os estudos com IC e com PAAO, com excessão de um, apresentaram dados estatísticos provando que o reconhecimento de fala na presença de ruído melhorou após a implantação. O artigo que não relatou alteração (17) avaliou 11 sujeitos, com idade variando de 21 a 64 anos e tempo de privação sensorial entre um ano e 13 anos. Os resultados dos testes de reconhecimento foram comparados com os dos próprios pacientes (com e sem PAAO) e com um grupo controle normo-ouvinte. Os autores concluíram que houve melhora do reconhecimento de fala no grupo implantado com PAAO, porém, quando estes mesmos indivíduos implantados foram submetidos à estimulação auditiva difusa com fala e ruído sobrepostos, os resultados de indivíduos normo-ouvintes foram melhores. Não há registro no estudo se os pacientes foram submetidos ao treinamento auditivo.

Reconhecer a fala na presença do ruído é um desafio, mesmo para ouvintes normais. A tarefa auditiva deixa de ser simples e exige tratamento especial pelo cérebro, que deve perceber os dois sons, focalizar a atenção em um (a figura ou som alvo), em detrimento do outro (o ruído ou som indesejável) (34) . Desta forma, em pacientes surdos que utilizam algum tipo de estratégia reabilitativa, esta habilidade deve ser treinada em terapia fonoaudiológica que, graças à plasticidade cerebral, tem alcançado bons resultados (10) .

No que se refere ao desfecho de melhora da habilidade de localização da fonte sonora, foram analisados 14 estudos. Todos os estudos com IC apresentaram dados estatísticos, provando que a localização do som melhorou após a implantação. Com o uso da PAAO, há divergências: em cinco estudos, as análises estatísticas sugeriram que houve melhora e, em três, não. Tal fato se explica, pois estimular o lado contralateral por vibração óssea não gera a somação binaural que ocorre com audição bilateral (35) , necessária à localização da fonte.

Para conseguir realizar a tarefa de localização da fonte, o indivíduo precisa de duas orelhas funcionantes, que farão, em nível de tronco encefálico baixo, uma análise de diferenças interaurais (4) . As pesquisas parecem demonstrar que o IC gera esta atividade auditiva.

Durante a análise dos artigos que compuseram esta RS, foi possível verificar a grande variabilidade de dados e a dificuldade de se trabalhar com grupo controle, quando o tema era reabilitação auditiva. A maioria das pesquisas era autocontrolada e a amostra, intencional, gerando análises estatísticas qualitativas, o que inviabilizou a realização da metanálise.

A doença de Menière é um conjunto de sintomas que inclui perda auditiva neurossensorial, vertigem episódica, zumbido e plenitude auricular. Sua prevalência é baixa na população geral, mas, nas faixas etárias mais avançadas, aumenta de frequência, com predomínio do sexo feminino e maior número de comprometimentos bilaterais (36) . Apesar disso, nos artigos desta RS, predominou essa doença como a principal razão da perda auditiva unilateral. As principais causas relatadas nos estudos foram ototoxidade, meningite e rubéola (37) .

Em relação ao tempo de privação auditiva, a variação foi grande nas pesquisas (12,13,14,22,23,24) , sendo que, quanto maior o tempo de privação, maior o prejuízo para o sujeito, pois a privação impede que ocorra a plasticidade cerebral, que consiste na capacidade de o sistema nervoso central se adaptar, tendo habilidade para modificar sua organização estrutural e funcional (38) . A intervenção precoce é importante nas perdas auditivas para minimizar os prejuízos da privação (26,29) .

Por fim, há que se comentar sobre dois dados que dificultaram a realização da RS: 1) a heterogeneidade das amostras investigadas, no que se refere a tempo de privação sensorial, causa da surdez e modalidade de reabilitação fonoaudiológica, fatos estes que interferiram na qualidade dos resultados audiológicos, após a protetização; 2) a diversidade de protocolos e critérios de avaliação de resultados.

Estas considerações, somadas à constante evolução tecnológica das próteses auditivas, no que se refere à tecnologia e conectividade, remetem à necessidade de realização de ensaios clínicos com maior rigor científico, envolvendo a temática (33) .

CONCLUSÃO

Apesar da grande heterogeneidade clínica observada entre os estudos que avaliaram a reabilitação auditiva de pacientes com perda auditiva unilateral, é possível concluir que o implante coclear fornece melhores resultados, tanto para a habilidade de localização da fonte sonora, como de reconhecimento de fala na presença de ruído.

REFERÊNCIAS

1. Christensen L, Dornhoffer JL. Bone-anchored hearing aids for unilateral hearing loss in teenagers. Otol Neurotol. 2008;29(8):1120-2. https://doi.org/10.1097/MAO.0b013e31818af398Links ]

2. Vieira MR, Nishihata R, Chiari BM, Pereira LD . Percepção de limitações de atividades comunicativas, resolução temporal e figura-fundo em perda auditiva unilateral. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(4):445-53. https://doi.org/10.1590/S1516-80342011000400014Links ]

3. Nishihata R, Vieira MR, Pereira LD, Chiari BM . Processamento temporal, localização e fechamento auditivo em portadores de perda auditiva unilateral. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(3):266-73. https://doi.org/10.1590/S1516-80342012000300006Links ]

4. Colburn HS. Computational models of binaural processing. In: Hawkins HL, McMullen TA, Popper NA, Fay RR, editors. Auditory computation. New York: Springer; 1995. (Springer handbook of auditory research, vol. 6). p. 332-400. [ Links ]

5. Lieu JE. Speech-language and educational consequences of unilateral hearing loss in children. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2004;130(5):524-30. https://doi.org/10.1001/archotol.130.5.524Links ]

6. McKay S, Gravel JS, Tharpe A. Amplification considerations for children with minimal or mild bilateral hearing loss and unilateral hearing loss. Trends Amplif. 2008;12(1):43-54. https://doi.org/10.1177/1084713807313570Links ]

7. Almeida K, Iório MCM. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2a ed. São Paulo: Lovise; 2003. [ Links ]

8. Bento RF, Kiesewetter A, Ikari LS, Brito R . BAHA (Bone Anchored Hearing Aid) indicações, resultados funcionais e comparação com cirurgia reconstrutiva de orelha. Int Arch Otorhinolaryngol. 2012;16(3):400-5. https://doi.org/10.7162/S1809-97772012000300017Links ]

9. Pedriali IVG, Buschle M, Mendes RC, Ataíde AL, Pereira R, Vassoler TMF et al. Prótese implantável de condução óssea (BAHA): relato de caso. Arq Int Otorrinolaringol. 2011;15(2):1-7. https://doi.org/10.1590/S1809-48722011000200020Links ]

10. Bevilacqua MC, Martinho-Carvalho AC, Costa Filho AO, Moret ALM . Implante coclear. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPGP, organizadores. Tratado de fonoaudiologia. 2a ed. São Paulo: Roca; 2015. p. 220-31. [ Links ]

11. Jadad AR, Moore RA, Carroll D, Jenkinson C, Reynolds DJ, Gavaghan DJ et al.Assessing the quality of reports of randomized clinical trials: is blinding necessary? Control Clin Trials. 1996;17(1):1-12. [ Links ]

12. Linstrom CJ, Silverman CA, Yu GP. Efficacy of the bone-anchored hearing aid for single-sided deafness. Laryngoscope. 2009;119(4):713-20. https://doi.org/10.1002/lary.20164Links ]

13. Vermeire K, Heyning PV. Binaural hearing after cochlear implantation in subjects with unilateral sensorineural deafness and tinnitus. Audiol Neurotol. 2009;14(3):163-71. https://doi.org/10.1159/000171478Links ]

14. Yuen HW, Bodmer D, Smilsky K, Nedzelski JM, Chen JM . Management of single-sided deafness with the bone-anchored hearing aid. Otolaryngol Head Neck Surg. 2009;141(1):16-23. https://doi.org/10.1016/j.otohns.2009.02.029Links ]

15. Barbara M, Biagini M, Lazzarino AI, Monini S . Hearing and quality of life in a south European BAHA population. Acta Oto-Laryngologica. 2010;130(9):1040-7. https://doi.org/10.3109/00016481003591756Links ]

16. Hol MK, Kunst SJ, Snik AF, Bosman AJ, Mylanus EA, Cremers CW. Bone-anchored hearing aids in patients with acquired and congenital unilateral inner ear deafness (Baha CROS): clinical evaluation of 56 cases. Ann Otol Rhinol Laryngol. 2010;119(7):447-54. https://doi.org/10.1177/000348941011900704Links ]

17. Bovo R, Prosser S, Ortore RP, Martini A. Speech recognition with BAHA simulator in subjects with acquired unilateral sensorineural hearing loss. Acta Otolaryngol. 2011;131(6):633-9. https://doi.org/10.3109/00016489.2010.544675 . [ Links ]

18. Firszt JB, Holden LK, Reeder RM, Waltzman SB, Arndt S. Auditory abilities after cochlear implantation in adults with unilateral deafness: a pilot study. Otol Neurotol. 2012;33(8):1339-46. https://doi.org/10.1097/MAO.0b013e318268d52dLinks ]

19. Grantham DW, Ashmead DH, Haynes DS, Hornsby BW, Labadie RF, Ricketts TA. Horizontal plane localization in single-sided deaf adults fitted with a bone-anchored hearing aid (Baha). Ear Hear. 2012;33(5);595-603. https://doi.org/10.1097/AUD.0b013e3182503e5eLinks ]

20. Mendes RC, Ribas A, Macedo IP, Buschle M, Ataíde AL, Pereira R et al. Cochlear implant in the treatment of incapacitating unilateral tinnitus: case report. Int Tinnitus J. 2012;17(2):200-4. https://doi.org/10.5935/0946-5448.20120035Links ]

21. Pai I, Kelleher C, Nunn T, Pathak N, Jindal M, O’Connor AF et al. Outcome of bone-anchored hearing aids for single-sided deafness: a prospective study. Acta Otolaryngol. 2012;132(7):751-5. https://doi.org/10.3109/00016489.2012.655862Links ]

22. Battista RA, Mullins K, Wiet RM, Sabin A, Kim J, Rauch V. Sound localization in unilateral deafness with the Baha or TransEar device. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg . 2013;139(1):64-70. https://doi.org/10.1001/jamaoto.2013.1101Links ]

23. Hansen MR, Gantz BJ, Dunn C. Outcomes following cochlear implantation for patients with single-sided deafness, including those with recalcitrant Ménière’s disease. Otol Neurotol. 2013;34(9):1681-7. https://doi.org/10.1097/MAO.0000000000000102Links ]

24. Hassepass F, Schild C, Aschendorff A, Laszig R, Maier W, Beck R et al. Clinical outcome after cochlear implantation in patients with unilateral hearing loss due to labyrinthitis ossificans. Otol Neurotol. 2013;34(7):1278-83. https://doi.org/10.1097/MAO.0b013e3182937ad4Links ]

25. Mertens G, Kleine Punte A, De Ridder D, Van de Heyning P . Tinnitus in a single-sided deaf ear reduces speech reception in the nontinnitus ear. Otol Neurotol. 2013;34(4):662-6. https://doi.org/10.1097/MAO.0b013e31828779f0Links ]

26. Távora-Vieira D, Marino R, Krishnaswamy J, Kuthbutheen J, Rajan GP . Cochlear implantation for unilateral deafness with and without tinnitus: a case series. Laryngoscope. 2013;123(5):1251-5. https://doi.org/10.1002/lary.23764Links ]

27. Wesarg T, Aschendorff A, Laszig R, Beck R, Schild C, Hassepass F et al. Comparison of speech discrimination in noise and directional hearing with 2 different sound processors of a bone-anchored hearing system in adults with unilateral severe or profound sensorineural hearing loss. Otol Neurotol. 2013;34(6):1064-70. https://doi.org/10.1097/MAO.0b013e31828bb781Links ]

28. Desmet J, Wouters K, De Bodt M, Van de Heyning P. Long-term subjective benefit with a bone conduction implant sound processor in 44 patients with single-sided deafness. Otol Neurotol. 2014;35(6):1017-25. https://doi.org/10.1097/MAO.0000000000000297Links ]

29. Erbele ID, Bernstein JG, Schuchman GI, Brungart DS, Rivera A . An initial experience of cochlear implantation for patients with single-sided deafness after prior osseo integrated hearing device. Otol Neurotol. 2014;36(1):e24-9. https://doi.org/10.1097/MAO.0000000000000652Links ]

30. Gifford RH, Grantham DW, Sheffield SW, Davis TJ, Dwyer R, Dorman MF. Localization and interaural time difference (ITD) thresholds for cochlear implant recipients with preserved acoustic hearing in the implanted ear. Hear Res. 2014;312:28-37. https://doi.org/10.1016/j.heares.2014.02.007Links ]

31. Dorman MF, Zeitler D, Cook SJ, Loiselle L, Yost WA, Wanna GB et al. Interaural level difference cues determine sound source localization by single-sided deaf patients fit with a cochlear implant. Audiol Neurotol. 2015;20(3):183-8. https://doi.org/10.1159/000375394Links ]

32. Monini S, Musy I, Filippi C, Atturo F, Barbara M. Bone conductive implants in single-sided deafness. Acta Otolaryngol. 2015;135(4):381-8. https://doi.org/10.3109/00016489.2014.990057Links ]

33. Cabral Junior F, Pinna MH, Alves RD, Malerbi AFS, Bento RF. Cochlear implantation and single-sided deafness: a systematic literature review. Int Arch Otorhinolaryngol. 2016;20(1):69-75. https://doi.org/10.1055/s-0035-1559586Links ]

34. Rosa M, Ribas A, Marques JM. A relação entre o envelhecimento e a habilidade de escuta dicótica em indivíduos com mais de 50 anos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009;12(3):331-43. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2009.00003Links ]

35. McArdle RA, Killion M, Mennite MA, Chisolm TH . Are two ears not better than one? J Am Acad Audio. 2012;23(3):171-81. https://doi.org/10.3766/jaaa.23.3.4Links ]

36. Atherino CCT, Assunção ARM.Doença de Menière no idoso. Revista HUPE. 2015;14(1):66-70. [ Links ]

37. Pedrett MS, Moreira SC. Perfil dos usuários de implante coclear da cidade de Manaus. Int Arch Otorhinolaryngol. 2012;16(4):452-9. https://doi.org/10.7162/S1809-97772012000400005Links ]

38. Kappel V, Moreno AC, Buss CH. Plasticidade do sistema auditivo: considerações teóricas. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(5):670-4. https://doi.org/10.1590/S1808-86942011000500022Links ]

Recebido: 1 de Fevereiro de 2017; Aceito: 3 de Julho de 2017

Autor correspondente: Gleide Almeida. E-mail: fono.gleidevivi@gmail.com

Trabalho realizado no Programa de Doutorado em Distúrbios da Comunicação, Universidade Tuiuti do Paraná – UTP – Curitiba (PR), Brasil.

Conflito de interesses: Não

Contribuição dos autores: GVMA concepção e delineamento do estudo, coleta, análise e interpretação dos dados, redação, revisão do artigo de forma intelectualmente importante e aprovação final da versão a ser publicada; AR concepção e delineamento do estudo, análise e interpretação dos dados, redação, revisão do artigo de forma intelectualmente importante e aprovação final da versão a ser publicada; ALA revisão do artigo de forma intelectualmente importante e aprovação final da versão a ser publicada.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.