SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

LIMA-FILHO, Dario de O; OLIVEIRA, Leidy Diana de S de; WATANABE, Eluiza AM  and  MAEMURA, Marcia Mitiê D. Purchase policies to fresh fruit and vegetables in supermarkets in Campo Grande, Brazil. Hortic. Bras. [online]. 2012, vol.30, n.1, pp. 132-136. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362012000100022.

    ABRAS - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS. 2005. O Avanço das Centrais de Compras: redes de médio e grande porte também aderem a associações para melhor negociar melhor com fornecedores. 2005. Disponível em http://www.abrasnet.com.br/fundacao/index_clipping.htm/. Acessado em 2 de janeiro de 2009. [ Links ]

    ABRAS - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS. 2006. Perecíveis. Disponível em http://www.abrasnet.com.br/fundacao/index_supermeeting.htm. Acessado em 2 de março de 2009. [ Links ]

    BELIK W. 2004. Supermercados e produtores: Limites, possibilidades e desafios. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 42. Anais...Cuiabá [ Links ]

    BNDES - BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Comércio varejista supermercados. 1996. Disponível em http://www.bndes.gov.br/conhecimento/relato/supmerca.pdf/ Acessado em 2 de janiero de 2009. [ Links ]

    CRESWELL JW. 2007. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Porto Alegre: Artmed. [ Links ]

    FAULIN EJ; AZEVEDO PF. 2003. Distribuição de hortaliças na agricultura familiar: uma análise das transações. Informações Econômicas 33:24-39. [ Links ]

    HINGLEY M; SODANO V; LINDGREEN A. 2008. Differentiation strategies in vertical channels: a case study from the market for fresh produce. British Food Journal 110:42-61. [ Links ]

    JUCEMS. JUNTA COMERCIAL DE CAMPO GRANDE. Dados do setor supermercadista de Campo Grande. E-mail recebido de <relatorios@jucems.ms.gov.br> em: 19 de maio de 2010, às 9:24. [ Links ]

    KING R; VENTURINI L. 2005. Demand for quality drives changes in food supply chains. In: REGMI A; GEHLHAR M (eds). New Directions in Global Food Markets. Agriculture Information Bulletin Number, USDA, 794:18-31. [ Links ]

    LIMA-FILHO DO; HOKAMA AS; SPANHOL CP. 2009. Behavior of the vegetable crops section in three types of food retail stores in Campo Grande, Brazil. Horticultura Brasileira 27:086-090. [ Links ]

    LIMA-FILHO DO; CARVALHO CM; CORDEIRO KW; TREDEZINI CAO. 2008. Característica de oferta de hortaliças sob a ótica do ambiente institucional: o caso das micro-bacias dos Córregos Bandeira e Segredo, em Campo Grande/MS. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46. Anais...Rio Branco. [ Links ]

    LOURENZANI AEBS; SILVA AL. 2004. Um estudo da competitividade dos diferentes canais de distribuição de hortaliças. Gestão & Produção 11:385-398. [ Links ]

    MACHADO EL. 2002. O papel da coordenação vertical da cadeia produtiva das frutas, legumes e verduras frescos. São Paulo. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12138/tde-22082003-200807/. Acessado em 2 de abril de 2009. [ Links ]

    MAINVILLE DY; PETERSON CH. 2005. Fresh produce procurement strategies in a constrained supply environment: case study of Companhia Brasileira de Distribuição. Review of Agricultural Economics 27:130-138. [ Links ]

    MALUF R. 1995. Segurança alimentar e o desenvolvimento econômico na América Latina: o caso Brasil. Revista de Economia Política 15:134-140. [ Links ]

    MASON ES. 1939. Price and production policies of large-scale enterprise. American Economic Review 29:61-74. [ Links ]

    NEVES MF. 1999. Um modelo para o planejamento de canais de distribuição no setor de alimentos. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12134/tde-20112001-192217/. Acesso em 2 de abril de 2009. [ Links ]

    NOVAES AL. 2006. Comportamento do consumo de carne de bovina e hortaliças no Brasil: perfil dos consumidores. Disponível em http://www.cbc.ufms.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=68. Acessado em 2 de abril de 2009. [ Links ]

    REGMI A; GEHLHAR, M. 2005. Factors shaping global food markets. In: REGMI A; GEHLHAR M. (eds.) New directions in global food markets. Agriculture Information Bulletin Number, USDA, 794:5-17. [ Links ]

    ROSEMBLOOM B. 2002. Canais de marketing: uma visão gerencial. São Paulo: Atlas. [ Links ]

    SAABOR A; ROJO F. 2002. Que pensa o consumidor? SuperHiper maio: 158-168. [ Links ]

    SALIN V. 1998. Information technology in agri-food supply chain. International Food and Agribusiness Management Review 1:329-334. [ Links ]

    SILOCHI RMH. 2007. Boas práticas de comercialização no varejo de frutas e hortaliças na rede supermercadista: estudo de casos. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas. 159 p. (Dissertação mestrado). [ Links ]

    SOUZA R. 2001. As estruturas de governança dos canais de comercialização de frutas, legumes e verduras no município de São Carlos, estado de São Paulo. Informações Econômicas 31:26-32. [ Links ]

    YOKOYAMA MH; LOURENZANI AEBS; SILVA AL. 2006. Os desafios gerenciais e o acesso de produtores a canais de distribuição de FLV no Brasil. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 9. Anais...São Paulo: FGV (CD-ROOM). [ Links ]

    WILLIAMSON OE. 1996. The mechanism of governance. New York: Oxford University Press. [ Links ]

    ZYLBERSZTAJN D; NEVES MF. 2000. Economia e gestão dos negócios agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. São Paulo: Pioneira. 428 p. [ Links ]