SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

ELIAS, Adriana Cristina Galbiatti Parminondi; TIEMI, Matsuo; CARDOSO, Lucienne Tibery Queiroz  and  GRION, Cíntia Magalhães Carvalho. Aplicação do sistema de pontuação de intervenções terapêuticas (TISS 28) em unidade de terapia intensiva para avaliação da gravidade do paciente. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2006, vol.14, n.3, pp. 324-329. ISSN 0104-1169.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000300004.

    1. Schuster PD, Kollef MH. Clínicas de Terapia Intensiva: prognósticos na UTI. Rio de Janeiro (RJ): Interlivros; 1994. [ Links ]

    2. Cullen DJ, Civetta JM, Briggs BA, Ferrara LC. Therapeutic intervention scoring system: a method for quantitative comparison of patient care. Crit Care Med. 1974; 2(2):57-60. [ Links ]

    3. Miranda DR, Rijk AP, Schaufeh W. Simplified therapeutic intervention scoring system: the TISS28 iten-results from a multicenter study. Crit Care Med. 1996; 24(1):64-73. [ Links ]

    4. Cullen DJ, Keene R, Waternaux C, Peterson H. Objective, quantitative measurement of severity of illness in critically ill patients. Crit Care Med. 1984; 2(3):155-60. [ Links ]

    5. Livianu J, Anção MS, Andrei AM, Faria LS. Índices prognósticos em UTI: adulto e pediátrica. In Knobel E. Condutas no Paciente Grave. São Paulo (SP): Atheneu; 1998. p.1333-61. [ Links ]

    6. Miranda DR. The therapeutic intervention scoring system: one single tool for the evaluation of workload, the work process and management? Int Care Med. 1997; 23:615-7. [ Links ]

    7. Keene AR, Cullen DJ. Therapeutic Intervention Scoring System: update 1983. Crit Care Med. 1983; 1(1):1-3. [ Links ]

    8. Nunes B. Tradução para o português e validação de um instrumento de medida de gravidade em UTI: TISS-28 - Therapeutic Intervention Scoring System. [Dissertação]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem de São Paulo/USP; 2000. [ Links ]

    9. Ducci AJ, Padilha KG, Telles SCR, Gutierrez BAO. Gravidade de pacientes e demanda de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: análise evolutiva segundo o TISS-28. Rev Bras de Ter Int 2004; 16(1):22-7. [ Links ]

    10. Tarnow-Mordi WO, Hau C, Warden A, Shearer AJ. Hospital mortality in relation to staff workload: a 4-year study in an adult intensive-care unit. Lancet. 2000 July; 356(9225):185-9. [ Links ]

    11. Silva MCM, Sousa RMC. A versão simplificada do therapeutic intervention scoring system e seu valor prognóstico. Rev Esc Enfermagem USP 2004; 38(2):217-24. [ Links ]

    12. Portaria nº 3432 (BR). Estabelece critérios de classificação para as unidades de tratamento intensivo. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília; 1998. p.108-10. [ Links ]

    13. Antunes AV, Costa MM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Rev Latino-am Enfermagem 2003 novembro-dezembro; 11(6):832-9. [ Links ]

    14. Madureira CR, Veiga K, Sant'ana AFM. Gerenciamento de tecnologia em terapia intensiva. Rev Latino-am Enfermagem 2000 novembro-dezembro; 8(6):68-75. [ Links ]

    15. Padilha KG, Gonçalves LA, Garcia PC. Necessidades de cuidados de enfermagem em unidade de terapia intensiva: evolução diária dos pacientes segundo o Nursing Activities Score (NAS). RBTI. 2003:30. [ Links ]

    16. Mendes AMC, Padilha KG. Demanda de trabalho de enfermagem com unidade de terapia intensiva. RBTI. 2003:18. [ Links ]

    17. Queijo AF, Padilha KG. Instrumento de medida da carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Nursing Activities Score (N.A.S.). Rev Paul Enfermagem 2004; 23(2):114-22. [ Links ]

    18. Silva MCM, Sousa RMC. Caracterização dos pacientes adultos e adolescentes das unidades de terapia intensiva do Município de São Paulo. Rev Paul Enfermagem 2002; 21:50-9. [ Links ]