SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

NEIVA, Pedro  and  IZUMI, Maurício. Os "doutores" da federação: formação acadêmica dos senadores brasileiros e variáveis associadas. Rev. Sociol. Polit. [online]. 2012, vol.20, n.41, pp. 171-192. ISSN 0104-4478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782012000100011.

    ABERBACH, J.; PUTNAM, R. & ROCKMAN, B. 1983. Bureaucrats and Politicians in Western Democracies. Cambridge (MA): Harvard University. [ Links ]

    AMORIM NETO, O. & SANTOS, F. 2001. A conexão presidencial: facções pró e antigoverno e disciplina partidária no Brasil. Dados, Rio de Janeiro, v. 44, n. 2. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582001000200003. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    BARBOSA, M. 2003. As profissões no Brasil e sua sociologia. Dados, Rio de Janeiro, v. 46, n. 3, p. 593-607. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v46n3/a07v46n3.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    BENDIX, R. & TURNER, B. 1998. Max Weber: an Intellectual Portrait. London: Routledge. [ Links ]

    BEST, H. & COTTA, M. 2000. Parliamentary Representatives in Europe, 1848-2000: Legislative Recruitment and Careers in Eleven European Countries. New York: Oxford University. [ Links ]

    _____. (eds.). 2007. Democratic Representation in Europe: Diversity, Change, and Convergence. Oxford: Oxford University. [ Links ]

    BREDIES, I. 2007. Parliamentarization Without Foundations: Why Constitutional Reform Failed in Ukraine? Disponível em: http://www.nbuv.gov.ua/portal/soc_gum/naukma/Polit/2007_69/07_bredies_i.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    CARDOSO, F. H. 1978. Partidos e deputados em São Paulo (o voto e a representação política). In: CARDOSO, F. H. & LAMOUNIER, B. (orgs.). Os partidos e as eleições no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra. [ Links ]

    CARVALHO, J. 2003. A construção da ordem, teatro de sombras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. [ Links ]

    COELHO, E. 1999. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record. [ Links ]

    CORTEZ, R. 2009. Eleições majoritárias e entrada estratégica no sistema partidárioeleitoral brasileiro. São Paulo: USP. [ Links ]

    CULIC, I. 2006. From Amateur Revolutionaries to Professional Politicians: The Transformation of the Romanian Political Elite, 1990-2004. International Journal of Sociology, Armonk, v. 36, n. 1, p. 69-92, Spring. Disponível em: http://socasis.ubbcluj.ro/docs/cv/Culic_IJS. pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    DOGAN, M. 2003. Elite Configurations at the Apex of Power. Leiden: Brill Academic. [ Links ]

    EDINGER, L. & SEARING, D. 1967. Social Background in Elite Analysis: a Methodological Inquiry. The American Political Science Review, Los Angeles, v. 61, n. 2, p. 428-445, June. [ Links ]

    FIGUEIREDO, A. & LIMONGI, F. 1996. Congresso Nacional: organização, processo legislativo e produção legal. In: CEBRAP. Cadernos de Pesquisa. V. 5. São Paulo: Entrelinhas. [ Links ]

    _____. 1999. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. [ Links ]

    FLEISCHER, D. 1981. Os partidos políticos no Brasil. Brasília: UNB. [ Links ]

    FLEISCHER, D. & MARQUES, J. 1999. PSDB: de facção a partido. Brasília: Fundação Teotônio. Vilela. [ Links ]

    FREY, F. 1965. The Turkish Political Elite. Cambridge (MA): MIT. [ Links ]

    FUKAI, S. & FUKUI, H. 1992. Elite Recruitment and Political Leadership. Political Science and Politics, Los Angeles, v. 25, n. 1, p. 25-36, Mar. [ Links ]

    GAXIE, D. & GODMER, L. 2007. Cultural Capital and Political Selection: Educational Backgrounds of Parliamentarians. In: BEST, H. & COTTA, M. (eds.). Democratic Representation in Europe: Diversity, Change, and Convergence. New York: Oxford Uni-versity. [ Links ]

    HIGLEY, J. & BURTON, M. 1989. The Elite Variable in Democratic Transitions and Breakdowns. American Sociological Review, Washington (DC), v. 54, n. 1, p. 17-32, Feb. Disponível em: http://lanic.utexas.edu/project/etext/llilas/tpla/8803.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    IMMERGUT, E. 1996. As regras do jogo: a lógica da política de saúde na França, na Suíça e na Suécia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 30, n. 11, p. 139-165. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publica coes/rbcs_00_30/rbcs30_13.htm. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    JAHAN, R. 1976. Members of Parliament in Bangladesh. Legislative Studies Quarterly, Iowa, v. 1, n. 3, p. 355-370, Aug. [ Links ]

    LEMOS, L. (org.). 2008. O Senado Federal brasileiro no pós-constituinte. Brasília: Senado Federal. [ Links ]

    LEMOS, L. & RANINCHESKI, S. 2001. O perfil sociopolítico dos senadores brasileiros. Senatus, Brasília, v. 2, n. 1, p. 33-39, dez. Disponível em: http://www2.senado.gov.br/bdsf/bitstream/id/70297/30657232%20O%20 perfil%20sociopol%C3%ADtico.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    LLANOS, M. & SÁNCHEZ, F. 2006. Council of Elders? Latin American Research Review, Baltimore, v. 41, n. 1, p. 133-152. Disponível em: http://se1.isn.ch/serviceengine/Files/ISN/46969/ipublicationdocument_singledocument/77BECDDF-F990-4A11-9 D4BBE3F712B84BC/en/arbeitspapiere17e.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    LOUREIRO, M. 1997. Os economistas no governo: gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. [ Links ]

    _____. 2001. O Senado no Brasil recente: política e ajuste fiscal. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 53-61. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/spp/v15 n4/10372.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    MARENCO DOS SANTOS, A. 1997. Nas fronteiras do campo político. Raposas e outsiders no congresso nacional. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n. 33, p. 87-101. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_33/rbcs33_06.htm. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    MARENCO DOS SANTOS, A. & SERNA, M. 2007. Por que carreiras políticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 64, p. 93-113. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v22n64/ a08v2264.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    MATONYTÉ, I. 2003 . The Parliamentary Elite in Post-Communist Lithuania, 1990-2000. In: BEST, H. & EDINGER, M. (eds.). Representative Elites in Post-Communist Settings. Jena: SFB 580. [ Links ]

    MATTHEWS, D. 1954. The Social Background of Political Decision-Makers. Garden City: Doubleday. [ Links ]

    _____. 1984. Legislative Recruitment and Legislative Careers. Legislative Studies Quarterly, Iowa, v. 9, n. 4, p. 547-585, Nov. [ Links ]

    _____. 1985. Legislators and Constituencies. In: LOEWENBERG, G.; PATTERSON, S. & JEWELL, M. (eds.). Handbook of Legislative Research. Cambridge (MA): Harvard University. [ Links ]

    MENEGUELLO, R. 1998. Partidos e governos no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Paz e Terra. [ Links ]

    MÜLLER, G. 2002. Comissões e partidos políticos na Câmara dos Deputados: um estudo sobre os padrões partidários de recrutamento para as comissões permanentes. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 1, p. 371-394. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v48n2/a05v48n2.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    NEIVA, P. 1995. Estrutura de poder e processo decisório na regulamentação do sistema financeiro nacional: uma análise sob a perspectiva da não-decisão. Brasília: UNB. [ Links ]

    _____. 2006. Os determinantes da existência e dos poderes das câmaras altas: federalismo ou presidencialismo? Dados, Rio de Janeiro, v. 49, n. 2, p. 269-299. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v49n2/a02v49n2.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    NEIVA, P. 2011. Coesão e disciplina partidária no Senado Federal. Dados, Rio de Janeiro, v. 54, n. 2,p. 97 a 125. [ Links ]

    _____. 2010. The Question of Disarmament in the Brazilian House of Representatives: The Role of Parties, Ideology and Congressmen Background. The Latin Americanist, Murfreesboro, v. 54, n. 2, p. 7-30, June. [ Links ]

    NORRIS, P. 1997. Passages to Power: Legislative Recruitment in Advanced Democracies. Cambridge (UK): Cambridge University. [ Links ]

    OLESZEK, W. 1984. Congressional Procedures and the Policy Process. 2nd ed. Washington (DC): CQ. [ Links ]

    PATTERSON, S. 1968. Comparative Legislative Behavior: A Review Essay. Midwest Journal of Political Science, Bloomington, v. 12, n. 4, p. 599-616, Nov. [ Links ]

    PEREIRA, C. & MUELLER, B. 2002. Comportamento estratégico em presidencialismo de coalizão: as relações entre Executivo e Legislativo na elaboração do orçamento brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 265-301. Disponível em: http://www.blogdoalon.com/ftp/10789.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    PERISSINOTTO, R. & MIRÍADE, A. 2009. Caminhos para o parlamento: candidatos e eleitos nas eleições para deputado federal em 2006. Dados, Rio de Janeiro, v. 52, n. 2, p. 301-333. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v52n2/v52n2a02.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    PERKIN, H. 1996. The Third Revolution: Professional Elites in the Modern World. London: Routledge. [ Links ]

    RIBEIRAL, T. B. 1998. Comissão de Constituição e Justiça: uma ilha de institucionalização no Congresso Nacional. Revista do Legislativo, Belo Horizonte, n. 24, p. 66-82, out.-dez. [ Links ]

    RICCI, P. & LEMOS, L. B. 2004. Produção legislativa e preferências eleitorais na Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara dos Deputados. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 55, p. 107-130. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ rbcsoc/v19n55/a07v1955.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    RICE, S. 1924. Farmers and Workers in American Politics. New York: Columbia University. [ Links ]

    RODRIGUES, L. 2002. Partidos, ideologia e composição social. Revista Brasileira Brasileira Sociais, São Paulo, v. 17, n. 48, p. 31-47, fev. [ Links ]

    ROMERO, L.; TARTAROTTI CAMARGO, H.; LIMA PASSOS, E.; SOUSA OTERO, B.; INÊS MAGALHÃES, H. & PEREIRA DE PAULA, A. 2000. Atividades do Senado Federal brasileiro na área de saúde pública, 1995 e 1996. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 7, n. 2, p. 69-78. [ Links ]

    SANTOS, F. 2000. Deputados federais e instituições legislativas no Brasil: 1946-99. In: SANTOS, F.; BOSCHI, R. & DINIZ, E. (orgs.). Elites políticas e econômicas no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer. [ Links ]

    _____. 2002. Partidos e comissões no presidencialismo de coalizão. Dados, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 237-264. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v45n2/10788.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    _____. 2009. Partidos e comissões na Câmara dos Deputados. Trabalho apresentado no 33 Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, realizado em Caxambu, 26-30.out. Digit. [ Links ]

    SANTOS, F. & PATRÍCIO, I. 2002. Moeda e poder legislativo no Brasil: prestação de contas de bancos centrais no presidencialismo de coalizão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 93-113, jun. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ rbcsoc/v17n49/a07v1749.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]

    SAYAD, J. 1997. O prefácio economistas no governo: gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. [ Links ]

    SERNA, M. 2009. La composición de la élite política uruguaya: circulación y reconversión en democracia. Trabalho apresentado no 33 Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, realizado em Caxambu, 26-30,out. Digit . [ Links ]

    SMITH, S. 1989. Call to Order: Floor Politics in the House and Senate. Washington (DC): Brookings. [ Links ]

    TSEBELIS, G. & MONEY, J. 1997. Bicameralism. Cambridge (UK): Cambridge University. [ Links ]

    URIARTE, E. 1997. El análisis de las elites políticas en las democracias. Revista de Estudios Políticos, Madrid, n. 97, p. 249-275. [ Links ]

    VENÂNCIO FILHO, A. 1982. Das arcadas ao bacharelismo: 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva. [ Links ]

    VERNER, J. 1974. Educational Backgrounds of Latin American Legislators: A Three-Country Analysis. Comparative Politics, New York, v. 6, n. 4, p. 617-634, July. [ Links ]

    WEBER, M. 1999. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix. [ Links ]

    WENCES, R. 1969. Electoral Participation and the Occupational Composition of Cabinets and Parliaments. The American Journal of Sociology, Chicago, v. 75, n. 2, p. 181-192, Sep. [ Links ]

    WESSELS, B. 1997. Germany. In: NORRIS, P. (ed.). Passages to Power: Legislative Recruitment in Advanced Democracies. Cambridge (UK): Cambridge University. [ Links ]

    ZUCCO, C. 2009. Ideology or What? Legislative Behavior in Multiparty Presidential Settings. The Journal of Politics, Statesboro, v. 71, n. 3, p. 1076-1092. Disponível em: http://www.princeton.edu/csdp/events/Zucco100407/Zucco100407.pdf. Acesso em: 5.jan.2012. [ Links ]